Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

Para Ti


Não resistimos...
Numa busca de prazer
Unimos as nossas bocas
Num jogo de línguas
Bocas molhadas
Lábios famintos,
Esquecendo tudo em redor
Absorvemo-nos um no outro
Esquecendo as carícias
Estávamos cegos de vontade,
Teu corpo desejava-me
O meu...implorava-te
Agarraste-me com força
Num momento rápido
Mas tão intenso
Saciando o nosso prazer
E vontade de nos ...
Amarmos...

Rochoso, Gelado e a 20 Mil Anos/Luz

Na imagem: representação artística do novo planeta (ESO)



Astrónomos descobriram um planeta extra-solar mais parecido com a Terra do que qualquer outro até agora descoberto. É possível afirmar-se isto porque, até agora, só tínhamos detectado gigantes gasosos como Júpiter. Este é diferente: tem uma massa cerca de cinco vezes maior do que a Terra e, tal como o nosso planeta, uma superfície rochosa.

Mas as semelhanças acabam aqui. O planeta orbita uma estrela anã vermelha uma vez em cada dez anos. Esta estrela tem 5 vezes menos massa do que o Sol e é muito mais fria. Tendo isto em conta, calcula-se que a temperatura na superfície do novo planeta ronde os 220 graus negativos – demasiado gelado para que a água possa existir em estado líquido. Mas os astrónomos acreditam que o planeta possa ter uma fina atmosfera, ainda que a sua superfície rochosa deva estar soterrada sob um enorme manto de gelo.


É mais correcto dizer-se que o planeta agora descoberto é mais parecido com Plutão do que com o nosso.

Também está muito mais longe: a estrela à volta da qual orbita encontra-se a 20 mil anos/luz de distância, não muito longe da região central da Via Láctea, a nossa galáxia. Se conseguíssemos construir uma nave espacial que viajasse a velocidades próximas dos 300 mil quilómetros por segundo, demoraríamos, mesmo assim, mais de 20 mil anos a chegar lá. Isto é para terem uma ideia das distâncias envolvidas. Mais extraordinário é que, dada a infinita dimensão do Universo, descobrir um planeta a 20 mil anos/luz é quase como dizer adeus ao vizinho do lado. Por exemplo, a galáxia que se encontra mais perto da nossa – a vizinha Andrómeda – fica a 2 milhões de anos/luz de distância.

Ainda não foi desta que demos com um planeta com características especiais que nos levem a acreditar que a vida extraterrestre pode ser possível. A existir, esse tipo de planeta será muito, muito difícil de detectar, e mais ainda de investigar. Seja como for, nem sequer é por causa de hipotéticos homenzinhos verdes que esta descoberta é importante. Como afirmou Uffe Gråe Jørgensen, do Instituto Niels Bohr, em Copenhaga, Dinamarca, e membro da equipa de investigação, “este é o primeiro planeta a ser descoberto cujas características parecem bater certo com as teorias de formação do Sistema Solar”.

Andamos às voltas com esta teoria há muito tempo. Temos uma ideia do que poderá ter acontecido, mas não temos forma de a demonstrar inequivocamente. De uma forma geral, aceita-se que a formação de sistemas planetários resulta da acumulação de pedaços sólidos de matéria que depois acabam por formar o núcleo dos planetas. Os cientistas chamam a esses pedaços “planetesimais”.

Estes núcleos, depois de formados, podem acretar gás da nebulosa que os rodeia dando origem a gigantes gasosos como Júpiter, desde que a massa desses núcleos cumpra os “mínimos olímpicos”. Caso contrário, são rochosos.

Segundo este modelo, em órbita de estrelas anãs vermelhas, é provável a formação de planetas com massas entre a da Terra e a de Neptuno, e com órbitas que variam entre 1 a 10 vezes a distância que separa o nosso planeta do Sol (cerca de 150 milhões de quilómetros).

A presença deste novo planeta pode levar-nos a duas importantes conclusões. Primeiro: se o modelo está certo ali, é possível que bata certo no nosso Sistema Solar. Segundo: os planetas de superfície rochosa são capazes de ser mais comuns do que os gigantes gasosos.

O que nos leva outra vez à questão da vida extraterrestre. Infelizmente, ainda nos faltam umas boas centenas de milhares de anos para podermos ir bater à porta do vizinho e saber se, afinal, está alguém lá em casa.


Planet Quest: Are We Alone? European Southern Observatory O novo planeta (press release da NASA)

EXPLICAÇÕES DE PORTUGUÊS (1)

"Percussor, percursor ou precursor?"

- Percussor (como percutor) designa aquilo que percute; pode ser também uma peça metálica usada para percutir.

Ex. “Um percussor permite a propagação de um som.”

- Percursor denomina aquele e/ou aquilo que percorre, que passa por, que examina e/ou explora.

Ex. “O Abel é o percursor da secção onde se embalam as mercadorias.”

- Precursor refere-se ao que “corre antes” (pré + correr); anuncia algo antecipadamente; precede o que vai acontecer.

Ex. “Júlio Verne foi um precursor da ficção científica moderna.”

Piadinha

Eis um exemplo da fértil imaginação portuga – e eu concordo – mas creio que se trata também de uma (feliz) adaptação de uma piada americana: Piece of shit traduzido para “pedaço de merda”… Mas enfim, também não interessa, fartei-me de rir.

No primeiro dia de aulas numa escola secundária dos E.U.A, a professora apresenta aos alunos um novo colega, Sakiro Suzuki, do Japão.
A aula começa e a professora pergunta:
- Vamos ver quem conhece História Americana. Quem disse: “Dá-me a liberdade ou a morte”?
Silêncio total na sala.
Apenas Suzuki levanta a mão:
- Patrick Henry em 1775, Filadélfia.
- Muito bem, Suzuki. E quem disse: “O estado é o povo, e o povo não pode afundar-se”?
Suzuki levanta-se:
- Abraham Lincoln em 1863, em Washington.
A professora olha os alunos e diz:
- Não têm vergonha? Suzuki é japonês e sabe mais sobre História Americana que vocês!
Então, ouve-se uma voz baixinha, lá ao fundo:
- Vai levar no cu, japonês de merda!
- Quem foi que disse isso? - grita a professora.
Suzuki levanta a mão e, sem esperar, responde:
- General McArthur em 1942 em Guadalcanal, e Lee Iacocca em 1982 na Assembleia Geral da Chrysler.
A turma fica super-silenciosa. Apenas se ouve do fundo da sala: “Acho que vou vomitar…”
E a professora grita: “Quem?”
Suzuki responde:
- George Bush pai ao Primeiro-Ministro Tanaka durante um almoço, em Tokio, em 1991.
Um dos alunos grita: “Chupa-me o …!”
E a professora grita, irritada:”Acabou-se! Quem foi agora?”
E Suzuki, sem hesitações:
- Bill Clinton para Monica Lewinsky na Sala Oval da Casa Branca, em Washington, em 1997.
Outro aluno levanta-se, irritado, e grita: “Suzuki é um pedaço de merda!”
Suzuki responde:
- Valentino Rossi no Grande Prémio de Moto no Rio de Janeiro em 2002.
A turma fica histérica, a professora desmaia, a porta abre-se e entra o director:
- Que grande merda, nunca tinha visto uma cena destas.
Suzuki:
- José Sócrates para Mário Soares depois de saber os resultados nas presidenciais de 22 de Janeiro de 2006, em Lisboa, Portugal.

Condecorações de última hora

"José Mourinho recebeu ontem a insígnia de Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique, em Londres, das mãos do Embaixador de Portugal, condecoração que lhe fora atribuída no passado dia 10 de Junho por Jorge Sampaio, Presidente da República. (...) O Embaixador de Portugal afirmou, em declarações reproduzidas pela Agência Lusa, que sentia «muita satisfação por distinguir um português que, além das grandes alegrias que traz a Portugal, tem dado muito orgulho aos emigrantes portugueses»"

Finalmente, o "título" atribuído pelo Presidente demissionário Jorge Sampaio é entregue a Mourinho. Ao contrário do que a maioria deveria estar a pensar, Mourinho não recebeu esta condecoração (um tanto ou quanto atrasada) pelo facto de ter conduzido uma equipa portuguesa em direcção ao topo máximo europeu, José Mourinho não foi condecorado após colocar o FCPorto nas bocas do mundo ao vencer a Taça UEFA (título nunca conquistado por uma equipa portuguesa até então) tendo deixado pelo caminho uma potente Lázio de então com uns copiosos 4-0 nas Antas!!! Mourinho não foi condecorado por no ano seguinte ter levado o mesmo FCPorto a conquistar a Liga dos Campeões - título máximo europeu de clubes - goleando o Mónaco com 3 golos sem resposta, não, Mourinho nessas duas épocas não "trouxe alegrias a Portugal" nem "deu muito orgulho aos emigrantes portugueses", infelizmente para Portugal Mourinho parece só ter dado "alegrias" aos portistas, e como toda a gente já entendeu pela constante discriminação e ataques cerrados, os portistas não são portugueses!!!! Mourinho recebe esta condecoração por ter sido campeão inglês com uma equipa que já não o era há 50 anos (!!!!), portanto, Mourinho, em Inglaterra, a treinar uma equipa inglesa, foi campeão inglês e com isso é que "traz a Portugal, tem dado muito orgulho aos emigrantes portugueses". Muito bem visto!!!

p.s.: como somos "quase" um país, o nosso quase ex-presidente decidiu, na altura condecorar uma equipa de futebol que quase ganhou a Taça UEFA e quase foi campeã nacional... ora isto sim, é coerência....
Copy+Paste do GIL
p.s.(meu): a condecoração atrás mencionada nada deve ao facto do tal clube-quase ser o da preferência do quase ex-presidente. Nada.

Os dez mandamentos revistos e actualizados

 Alexandre Passos de Almeida

1.º Adorar a Deus e amá-lo sobre todas as coisas
Depois de teres comprado a moradia com jardim e piscina que adoravas
O carro último modelo que há tanto tempo cobiçavas
E teres todas as coisas materiais
Que só não dão felicidade a quem as não tem
Nessa altura sim!
Descansa Homem e adora apenas Deus.

2.º Não invocar o santo nome de Deus em vão
Só em caso de extrema necessidade
E depois de todos os outros recursos terem falhado
Podes elevar os olhos aos céus e invocar Deus.
Apesar de não dar nenhum resultado
Porque ele não gosta de ser incomodado por parvoíces.

3.º Santificar os domingos e feriados
Se não houver futebol
Ou não estiveres de ressaca pelos excessos cometidos
Ao Sábado
Este sim um santo dia.
Homem, se até Deus descansou
Aproveita, relaxa e segue-lhe o exemplo
Que a Segunda-feira já espreita
Segue pelo menos este mandamento.

4.ºRespeitar pai e mãe
Se não sofreres de nenhum complexo
Mania, tara ou fobia
E não fizeres terapia
Porque como toda a gente sabe
Só existem bons rapazes
A culpa é sempre de quem os pariu.

5.º Não matarás
Excepto se fores terrorista
Nesse caso matarás a torto e a direito

Como fizeste na América, em Israel, no Iraque,
No Afeganistão, em Londres ou Espanha
Porque os muçulmanos ainda vivem sobre a regra do olho por olho
E não querem nada saber sobre a beleza da Vida.

6.º Guardar castidade nas palavras e nas obras
Se fores frígida ou impotente
Que ser casto não é virtude
Mas sim praga ou castigo.

7.º Não roubarás
Se fores pobre
E não puderes pagar a um bom advogado
Ou subornar alguém bem colocado
Que abafe a escandaleira.
Se fores rico é de bom tom
Coisa rotineira e banal
E garantia de ascensão
Na elite social.

8.º Não levantar falsos testemunhos (nem de qualquer outro modo faltar à verdade ou difamar o próximo)
Se o próximo não for um chato
Uma melga, um carrapato
Tipo merda no sapato
Que sacodes mas de que não te livras.

9.ºGuardar castidade nos pensamentos e nos desejos
Se fores completamente parvo
E não tiveres um pingo de imaginação
Tão bom como o acto é pensá-lo
Antecipá-lo, imaginá-lo
E depois de corpo e alma
Com ardor, fervorosamente
Mandar às favas a castidade
E pecar… e tornar a pecar…
Inúmeras vezes
E indecentemente.

10.º Não desejar a mulher do próximo
Se o próximo estiver ao lado
E não for adepto do swing
De ménages à trois ou voyeur
Ou se ela for tão feia
Que nem com o recurso à imaginação
Te provoque calores, arrepios
Te estimule
Te dê tesão.

(Assim disse Deus e agora digo eu
Que palpites toda a gente manda
E disparates toda a gente diz.)

Dar o melhor de si mesmo em cada gesto

Portugal Encurtado ?


Risco de cheias vai aumentar
Portugal vai sofrer com chuvas intensas e subida do nível médio dos oceanos.

Match Point (II)



A pedido de um amigo, que anda apaixonadíssimo pela Scarlett...

«Match Point», de Woody Allen

Na passada sexta-feira desloquei-me ao Norte Shopping e fui ver o filme Match Point do Woody Allen. Gostei. É daqueles filmes que nos fazem pensar depois de o vermos. No final percebemos que o crime compensa. Esta é a versão redutora. O filme tem muito mais.
Match Point tem um início muito revelador do próprio filme, pois vemos Chris a ler “Crime e Castigo”, de Dostoievsky. Chris passa uma enorme parte do filme dividido entre o bem estar e a riqueza que a sua mulher e respectiva família lhe oferece e a paixão desenfreada que sente por Nola. As constantes escapadelas são crimes no Tribunal da Consciência, mas Chris não parece preocupado. Ele tinha o melhor de dois mundos. O pior foi quando Nola decidiu que havia de ser tudo ou nada, obrigando-o a decidir. Chris não é uma personagem da profundidade de Dostoievskiana Raskolnikov, mas o drama moral do dilema e dos seus actos está presente. O filme começa com uma frase-síntese de toda esta formulação, que cito de memória: a vida é como a bola num jogo de ténis, sempre de um lado para o outro; mas, por vezes, acerta no topo da rede e todos ficamos a pensar se ela vai cair do nosso lado, e perdemos, ou vai cair do outro, e ganhamos… Chris é um ex-tenista profissional que quase alcançou o topo. Agora dedica-se a ensinar ténis num exclusivo clube londrino, onde ganha para viver e onde conhece Tom, herdeiro de uma grande fortuna. Os dois entendem-se e o primeiro convida-o para ir à ópera com a família. Com gostos culturais clássicos, Chris aceita. Conhece Chloe, irmã de Tom, acabando os dois por se envolver emocionalmente. Tempos depois, numa festa em casa dos pais da namorada, Chris conhece a sensual Nola, noiva de Tom, por quem fica imediatamente apaixonado. Depois de um affair entre ambos, Nola desaparece. Chris casa com Chloe, o sogro oferece-lhe tudo, incluindo um emprego de topo e a vida não poderia correr-lhe melhor, não fosse o caso da sua mulher não engravidar. Eis senão quando Chris se volta a cruzar com Nola, ambos reatando a antiga paixão, mas de forma ainda mais intensa. Forçado, por uma Nola grávida, a escolher entre as duas mulheres, Chris vai hesitando, até que, finalmente, decide acabar com o dilema…
Resumidamente e desprovido de imensos pormenores que fazem a diferença, eis o resumo de, sensivelmente, dois terços do filme. A parte restante não a vou revelar, mas posso garantir que é fantástica.
Então, com a bola em cima da rede, será que vai cair do lado da esposa fiel ou da amante lasciva?
Woody Allen acertou em cheio nos actores de Match Point. Jonathan Rhys Meyers está absolutamente soberbo no papel de Chris. O filme gira todo à sua volta, mas o actor tem qualidade suficiente para se desenvencilhar de momentos tão diferentes e de amplitude tão vasta como os de intensa paixão e os de profundo desespero. Scarlett Johansson está sensualíssima: no vestir, no olhar e, especialmente, na voz, rouca e quente. À sua volta, uma mão cheia de secundários que jamais ofuscam as verdadeiras estrelas do filme, antes as fazem brilhar ainda mais.
Há mesmo muito tempo que não via um filme de Woody Allen tão bom. Tudo, em Match Point, roça a perfeição. O argumento é soberbo, desenvolvendo-se numa feliz conjugação de racionalidade e surpresa; os actores, magníficos; a realização oscila entre os grandes planos, mostrando nas faces das personagens todos os contornos da história, e planos abertos, onde Londres ganha um enquadramento diferente aos olhos de um americano…
E por falar nisso, não deixa de surpreender o virtuosismo de Woody Allen. Newyorker obsessivo, passou toda a sua carreira a mostrar a sua a sua cidade, bebendo os seus sons sofisticados com especial destaque para o jazz, a sua cultura pop e pseudo-intelectual de vanguarda, sem esquecer os mais belos planos urbanos da história do cinema. Mas, agora, a convite da BBC, foi filmar para Londres. Quem pensar que esta mudança geográfica deixou Allen “como peixe fora de água” está totalmente enganado. O realizador vestiu a pele britânica que lhe assentou como uma luva. Assim, em vez de edifícios arquitectonicamente modernos, temos mansões seculares. Em vez de modernos analistas da alma, como Freud e Jung, temos esse espeleólogo de almas que dá pelo nome de Dostoievsky. Em vez de jazz, temos ópera. Com tais ingredientes, é óbvio que o resultado só poderia ser um filme verdadeiramente clássico, uma tragédia como “La Traviatta”, de Verdi, que Chris vai assistir no Royal Albert Hall (e não ao Rádio City Music Hall…).
Há quem diga que os grandes filmes são aqueles que nos possibilitam várias camadas de leitura, ou análises válidas a partir de diferentes pontos de vista. A isto adicionaria uma outra característica: são aqueles que nos fazem pensar muito depois de termos saído da sala de cinema.
Game, set and match: Mr. Woody Allen.

Não há uma sem duas, nem duas sem três...ad infinitum

Não terá certamente o perfil da Neide e para além disso é nossa compatriota, caramba!

Blogs de fotógrafos do Público

Aqui ficam os links para os blogs dos fotojornalistas (ou ex-fotojornalistsas) do Público:

Adriano Miranda
David Clifford
Fernando Veludo
Gonçalo Santos
Miguel Madeira
Pedro Melim

Amesterdão convida bloggers

A cidade de Amesterdão arranjou uma forma original de se promover: convidar bloggers para passarem uns dias na cidade…

(já agora podiam convidar o senhor Co Adriaanse ... para ficar para sempre)

Weblog sobre ilustração

A ver com atenção este weblog colectivo sobre ilustração: Drawn!

O princípio do fim ?



Eis uma prova, sem margem para dúvidas, do que está a acontecer ao nosso planeta devido à acção malévola do homem.
Aqui podem ver o artigo da BBC e todas as fotos.

Pensamento

Qual é a diferença entre uma dissolução e uma solução?
Uma dissolução seria meter um benfiquista num tanque de ácido para que se dissolva.
Uma solução seria metê-los a todos.

Ficha do dia

Hoje é Segunda-feira, 30 de Janeiro, trigésimo dia do ano. Faltam 335 dias para o final de 2006. Este dia é dedicado a Santa Jacinta de Mariscotti.

Nos céus, a Lua encontra-se na Fase Crescente. Quarto Crescente, dia 05 de Fevereiro às 06:29. O sol nasce às 07:43 e o ocaso regista-se às 17:48.

Os nascidos nesta data pertencem ao signo Aquário, destacando-se o filósofo inglês F.H.Bradley (1846), o antigo presidente dos EUA Franklin Roosevelt (1882), o músico de jazz Roy Eldridge (1911), o antigo primeiro-ministro sueco, figura essencial na social-democracia europeia Olof Palme (1927), os actores Gene Hackman (1930) e Vanessa Redgrave (1937) e o músico britânico Phil Collins (1951).

Ao longo dos tempos



Nesta data, em 1875, era aprovada a Constituição da França. Em 1933, Adolf Hitler era nomeado chanceler da Alemanha, constituindo um governo totalmente integrado por nazis. Em 1943, forças soviéticas repeliam o exército de Hitler a sudoeste de Estalinegrado. Em 1948, morria Mahatma Gandhi, em Nova Deli, Índia.

Em 1968, tropas "vietcong" atacavam Saigão, capital do Vietname do Sul. Em 1975, tomava posse o Governo de Transição de Angola, constituído por representantes de Portugal e dos três movimentos de libertação nacional, MPLA, UNITA e FNLA. Em 1978, Mário Soares assumia a liderança do II Governo Constitucional. Em 1979, a minoria branca aprovava a nova constituição da Rodésia que entregou, virtualmente, o controle do país à maioria negra. Em 1980, o major Otelo Saraiva de Carvalho anunciava o lançamento da Força de Unidade Popular.

Em 1989, o automóvel Daimler-Benz, construí do na Alemanha em 1939, por encomenda de Himmler, um dos mais próximos colaboradores de Hitler, era localizado na cidade uruguaia de Las Piedras.

Em 1993, a TVI iniciava as emissões experimentais. Em 1995, começava o julgamento do processo conhecido por "Timor Gap" (exploração de petróleo pela Austrália no mar de Timor, segundo o acordo com a Indonésia) no Tribunal Internacional da Haia. Em 1996, morria Jerry Siegel, 81 anos, norte-americano criador de "Superman".

Em 2002, nascia a Euronext Lisboa após a assinatura do acordo de fusão da Bolsa de Valores de Lisboa e Porto (BVLP) e a Euronext, plataforma bolsista pan-europeia das praças de Paris, Amesterdão e Bruxelas. Na mesma data, morria o antigo jornalista João Carreira Bom, 57 anos, membro das equipas de O Século, da agência ANOP, do Expresso e da revista Sábado. Em 2003, era lançado no Brasil o programa Fome Zero.

Em 2005, realizavam-se as primeiras eleições multipartidárias no Iraque, em mais de 50 anos. No mesmo dia, "O Herói", primeira longa-metragem do cineasta angola no Zezé Gamboa, vencia o Grande Prémio do Júri para a Melhor Ficção do Festival de Sundance.

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) - Toda a história


Johannes Chrysostomos Wolfgang Theophilus nasceu em Salzburgo no dia 27 de Janeiro de 1756. Desde muito cedo adoptou o nome de Wolfgang Amadeus Mozart, e ficou para a história como um dos maiores e mais precoces talentos musicais de todos os tempos.

Um pequeno génio é, simultaneamente, uma potencial fonte de rendimento, daquelas que têm que ser rapidamente aproveitadas, pois uma criança prodígio não será nunca, por definição, algo para durar muitos anos...

Por iniciativa própria, começou a assistir às lições de música que a sua irmã Nannerl recebia, e não tardou a exibir progressos notáveis: aos 3 anos já se desenrascava no cravo, aos 5 compunha as primeiras obras e aos 7 já tocava violino. As viagens destinadas a exibir os dotes de Mozart, ou melhor, a aumentar o rendimento familiar pela exibição dos dotes de Mozart, começaram tinha ele apenas 6 anos. Os primeiros destinos: Munique e Viena.

Após ter tocado na Universidade de Salzburgo, em Setembro de 1761, Mozart rumou a Munique, em Janeiro do ano seguinte e, em Setembro, a Viena, onde a família tocou perante o vice-chanceler imperial: Leopold Mozart (1719-1787) ao violino, Nannerl (1751-1829) tocou piano e cantou, com Mozart no cravo e também ao violino. Consta que no cravo, os pés de Mozart nem ao chão chegavam...

Em Viena tocaram ainda para a imperatriz Maria Teresa (1717-1780) e para a sua filha Maria Antonieta (1755-1793), futura rainha de França e detentora de um pescoço admirável. Mozart não perdeu a oportunidade para brilhar, ordenando a Georg Christoph Wangenseil (1715-1777), músico da corte que gozava de bastante popularidade, que lhe virasse as páginas da partitura!

A família Mozart foi generosamente paga na altura, mas a imperatriz viria a desenvolver-lhe um ódio de estimação, apelidando os Mozart de um bando de inúteis e pedintes...

Não passou muito tempo sem que os Mozart voltassem à estrada, com destino a algumas cidades alemãs, a Paris e a Londres. Em Junho de 1763 partiram em direcção a Munique, primeira paragem de tão ambiciosa jornada. Começo auspicioso, com bastante e generosa assistência no Palácio de Nymphenburg. Passaram ainda por Augsburg, Heidelberg e Francoforte, após o que se detiveram 6 semanas em Bruxelas, antes de seguirem para Paris.

Chegaram a Paris no dia 18 de Novembro de 1763. Na impossibilidade de tocarem na Academia Real de Música, hoje Ópera Nacional de Paris, mas na altura dominada em exclusivo pelos herdeiros do compositor Jean-Baptiste Lully (1632-1687), apareceram no Palácio de Versalhes, tendo Mozart travado conhecimento com a rainha Marie Leszinska e com Madame de Pompadour (1721-1764), famosa amante do rei Luís XV (1710-1774).

Em Abril do ano seguinte os Mozart foram para Londres, onde o jovem Wolfgang teve a oportunidade de conhecer Johann Christian Bach (1735-1782), filho mais novo de Johann Sebastian Bach (1685-1750) e que, na altura, era o professor de música da rainha. Em Londres deram 4 concertos públicos e tocaram ainda para o rei George III (1738-1820) e a rainha Charlotte (1744-1818), com assinável sucesso, musical mas não financeiro, que o casal real era forreta até dizer basta...

Em Julho de 1765 deixaram Londres, passaram alguns meses na Holanda e, em Julho do ano seguinte regressaram a Paris, antes de voltarem a Salzburgo, onde chegaram em Novembro de 1766. Mozart ainda não tinha 11 anos, e estava há mais de 3 anos e meio fora de casa.

Aquando do regresso a Salzburgo, Mozart era já um compositor respeitado e admirado, tendo recebido encomendas para várias obras. São dessa altura a cantata Grabmusik, o drama Die Schuldigkeit des ersten Gebots e a ópera Apollo et Hyacinthus.

Tal não impediu, contudo, que em Setembro de 1767 voltassem às viagens, e de novo com destino a Viena. Nem a epidemia de varíola que por lá grassava demoveu Leopold Mozart, que a recompensa que almejava justificava correr tais riscos. O que é certo é que lá acabaram por ser chamados pelo imperador, para quem Mozart escreveu a sua primeira ópera italiana, La finta semplice.

Data também dessa altura a ópera Bastien und Bastienne que, impedida de se estrear na corte por intrigas várias, viria a registar a sua estreia, em Setembro de 1768, na casa do doutor Franz Anton Mesmer (1734-1815), o mesmo que deu origem à palavra mesmerismo, a cura de doenças pelo uso do magnetismo animal.

Os Mozart regressaram então a Salzburgo, para uma estadia de curta duração, uma vez que em Dezembro de 1769 já estavam de novo de abalada, rumo a Itália. Desta vez apenas foram Leopold e o filho Wolfgang, possivelmente para limitar os custos. Por lá tocaram, improvisaram, foram à ópera, andaram por Milão, Bolonha, Florença, Veneza, Roma. Foi nesta última cidade que se deu um célebre episódio quando, na Capela Sistina, Mozart escreveu de cor o Miserere, do compositor italiano Gregorio Allegri (1582-1652). Em Milão, Mozart compôs a sua primeira ópera séria, Mitridate.

Em Março de 1771 os Mozart regressaram a casa onde, para não variar, pouco tempo ficaram: em Agosto voltaram a Itália, para o casamento do arquiduque Ferdinand (1754-1806), e por lá ficaram cerca de 4 meses. É dessa época a ópera Ascanio in Alba. O principal objectivo desta viagem e, por sinal, também da seguinte, ficou por atingir: arranjar emprego em Itália. Tarefa tornada impossível pela já referida aversão de Maria Teresa pela família Mozart, que levou a que o arquiduque Ferdinand, seu filho, tivesse rapidamente desistido de ter Mozart ao seu serviço. Foi o fim da carreira italiana para os Mozart.

Para as suas viagens, os Mozart tinham sempre contado com a colaboração do arcebispo Sigismund Christoph (1698-1771), mas com a morte deste, que coincidiu com o regresso da 2ª viagem a Itália, o panorama mudou de figura. O seu sucessor, o arcebispo Hieronymus von Colloredo (1732-1812), adepto fervoroso da disciplina e da obediência, limitou a duração das missas bem como a execução de música na catedral de Salzburgo, privilegiando ainda os músicos italianos. Tempos desfavoráveis para Wolfgang, que se viu apenas como mais um dos compositores residentes naquela cidade.

Em qualquer dos casos, os Mozart ficariam por Salzburgo até ao Outono de 1777. O pai, Leopold, dava aulas de música privadas, e Mozart, além de Konzertmeister, dedicava-se à composição. São desta época obras como a Sinfonia Nº25, K183, o Concerto para Fagote, K191, a Sinfonia Nº29, K201, 5 Concertos para Violino (K207, K211, K216, K218, K219), assim como vários Divertimentos e Serenatas. Em 1775, Mozart escreveu, por encomenda de Munique, La finta giardiniera, uma ópera buffa em três actos e, entre 1776 e 1777, um conjunto de Concertos para Piano, incluindo o extraordinário Nº9, K271, dedicado à virtuosa pianista francesa Mademoiselle Jeunehomme (cuja existência muito boa gente põe em causa).

Apesar da vida social agradável, com serões musicais, jogos vários, e idas ao teatro e à ópera, Mozart sentia-se deveras frustrado, pela qualidade da música de Salzburgo, por um lado, e pela falta de oportunidades que lhe eram dadas, pelo outro. Daí até à decisão de partir de novo em viagem foi um pequeno passo. Apesar dos cuidados com que os Mozart colocaram essa hipótese, por forma a não melindrar o arquiduque Colloredo, foram brindados com um "pai e filho têm a oportunidade para ir procurar fortuna noutro lado", segundo umas fontes, ou um ainda mais seco "pode ir, não vou ter saudades!", segundo outras. Simpático...

Talvez com o objectivo de limitar os danos, desta vez Leopold ficou em casa, e o jovem Mozart partiu de Salzburg apenas acompanhado pela mãe. Não se pode dizer que o pai tenha estado ausente dessa viagem, contudo, uma vez que inundou o filho de cartas, com preocupações várias e conselhos muitos...

Tendo saído de Salzburgo em Setembro de 1777, tiveram uma primeira estadia, pequena, em Augsburg, após o que seguiram para Mannheim, casa de uma das mais importantes orquestras. Aqui, contudo, para além de confraternizar com vários músicos da orquestra e, no que a Mozart disse respeito, de uma forma mais intensa com a cantora Aloysia Weber, não atingiram o principal objectivo, o de Mozart arranjar um emprego estável. São dessa data os Quartetos para Flauta, K285 e K285a, uma das poucas encomendas que Mozart recebeu, insuficientes, todavia, para garantirem sustento por muito tempo.

A situação política na Alemanha, com a mudança da corte da Bavária de Mannheim para Munique e a tentativa dos Habsburgos aumentarem o seu domínio territorial, não dava grandes perspectivas aos músicos em geral e a Mozart em particular, que apenas via um destino possível para tentar a sua sorte: Paris, para onde partiu em Março de 1778.

Aí, todavia, a situação não se apresentaria fácil para Mozart, embrenhada como estava a sociedade musical lá do burgo na disputa operática entre Christoph Gluck (1714-1787) e Niccolò Piccinni (1728-1800). Luta renhida, que os partidários do estilo realista de Gluck e do italiano de Johann Hasse (1699-1783) desconheciam o significado de tréguas, tendo os segundos chamado Piccini a Paris para ajudar à sua causa. Tempos difíceis para Mozart, também, que por essa altura viu a mãe falecer e as relações com o pai deteriorarem-se. Era tempo de voltar a casa, onde chegou em Janeiro de 1779. De Paris, além da morte da mãe e do insucesso em arranjar o tal emprego, ficaram meia dúzia de obras, de entre as quais algumas Sonatas (K304, K306, K310) e a Sinfonia Nº31, "Paris", K297.

Goradas as hipóteses parisienses, Mozart viu-se confinado a Salzburgo durante perto de 2 anos, entre Janeiro de 1779 e Novembro de 1780. Não caía de amores pelo arcebispo Colloredo, desprezava a vida cultural e política, e tinha em conta de mediana, ou mesmo má, a maioria da música que se produzia naquela cidade.

Na falta de melhor alternativa, Mozart foi por ali ficando, e que fazer senão aquilo que ele mais gostava? São desse tempo a Sinfonia Concertante para Violino e Viola, K364, as Sinfonias Nº32, K318 e Nº33, K319, e duas Missas, K317 e K337.

Até que veio uma encomenda de Munique para uma ópera, cidade a que Mozart se dirigiu nos finais de 1780 para aí terminar e supervisionar a preparação de Idomeneo, a sua primeira grande obra do género. Tinham apenas decorrido 3 récitas quando, em Janeiro de 1781, Mozart foi para Viena incluído na comitiva do arcebispo Colloredo, que ia visitar o pai, doente. Tratado com pouca deferência e impedido de dar concertos públicos, Mozart preferiu ficar por Viena a regressar com o resto da comitiva a Salzburgo, assim encerrando de forma definitiva as (tempestuosas) relações com o arcebispo.

Enfrentava um desafio de monta, sobreviver em Viena como músico e sem patrono, contando ainda com a hostilidade da família imperial, naquele que acabaria por ser, todavia, o seu período mais produtivo. Em meados de 1781, Mozart dava aulas para sobreviver e vivia em casa dos Weber. Nessa altura já Aloysia Weber havia casado, e Mozart acabaria por casar com a irmã mais nova, Constanze Weber (1762-1842), em Agosto de 1782. Para grande desgosto do pai, Leopold Mozart, que desejava para o filho um bom casamento que trouxesse os proventos que almejava para a família...

Em 1781, por encomenda de Joseph II, Mozart começou a escrever a ópera Die Entführung aus dem Serail (O Rapto do Serralho), que seria estreada em Julho de 1782 e representaria o seu maior sucesso até então, apesar da crítica mordaz do imperador, pois "tinha notas a mais"... Quatro anos depois e a ópera já tinha passado por mais de 20 cidades.

Pouco tempo depois, Mozart seria contratado pelo barão Gottfried van Swieten (1733-1803), o mesmo que viria mais tarde a colaborar com Joseph Haydn (1732-1809) nos oratórios A Criação e As Estações. Mozart ficou encarregue de colocar ordem nas obras de Johann Sebastian Bach (1685-1750) e de George Frideric Handel (1685-1759) pertencentes à Biblioteca Imperial, e teve a oportunidade de se cruzar com o Cravo Bem-Temperado e a Arte da Fuga, bem como com vários oratórios de ambos os compositores.

Nos finais de Julho de 1783, o casal Mozart deslocou-se a Salzburgo para uma estadia de curta duração, cerca de 3 meses. A adesão de Mozart à maçonaria aconteceu pouco depois do regresso a Viena apesar de, na altura, esta estar a ser olhada com alguma desconfiança, por "suspeita de actividades subversivas". Pelos vistos essa decisão aumentou-lhe as possibilidades de obter crédito, algo fundamental para quem tinha que fazer face a elevadas despesas e se tinha especializado no sistema "chapa ganha, chapa gasta"...

As encomendas de obras, especialmente de óperas, representavam importantes fontes de rendimento para Mozart. Os concertos em casa das famílias mais abonadas foram a outra forma que o compositor encontrou de complementar os rendimentos, e de estar menos dependente das sempre imprevisíveis encomendas. Das composições dessa época salientam-se 9 Concertos para Piano (K413, K414, K415, K449, K450, K451, K453, K456 e K459), escritos entre 1782 e 1784, os Quartetos dedicados a Joseph Haydn (K387, K421, K428, K458, K464 e K465), a Sinfonia Nº35, "Haffner" e um outro Concerto para Piano, o Nº20, K466, terminado em Fevereiro de 1785.

As despesas da família Mozart aumentavam ao mesmo ritmo que os rendimentos, senão mesmo maior, o que, se não permitia conservar muito dinheiro debaixo do colchão, sempre dava para levar uma vida faustosa. De tal forma que, quando Leopold Mozart foi a Viena visitar o filho, em Fevereiro de 1785, ficou favoravelmente impressionado com os sinais exteriores de riqueza. Entre carruagens, várias casas, mordomos, grandes mariscadas, champanhe qb e festas até às tantas, tudo exibia o sucesso de Wolfgang.

Mas as preocupações financeiras de Mozart não eram pequenas, que às despesas referidas se somavam as relacionadas com a sua esposa Constanze, várias vezes grávida durante a década de 80 e inícios da de 90, e frequentemente doente. Urgia uma encomenda operática que, contudo, apenas chegou em 1786. Entre 1785 e 1786, e enquanto a ansiada encomenda não chegava, Mozart escreveu várias obras importantes, com particular destaque para os Concertos para Piano: Nº20 K466, Nº21 K467, Nº22 K482, Nº23 K488 e Nº24 K491.

Dando-se o caso de o imperador austríaco apoiar a ópera italiana em detrimento da alemã, e de ter uma especial preferência pelo libretista, também italiano, Lorenzo da Ponte (1749-1838), compreende-se que tenha sido deste último a responsabilidade de escrever os libretos para as 3 óperas de Mozart que se seguiram. A primeira, Le nozze di Figaro, baseada num texto de Beaumarchais (1732-1799), cuidadosamente expurgado de todas as conotações políticas por forma a não incomodar o sensível imperador. Não teve grande sucesso em Viena, ao contrário do que aconteceu em Praga, onde Mozart recebeu uma encomenda para uma nova ópera, que viria a dar origem a Don Giovanni. Estreada nessa cidade no dia 29 de Outubro de 1787, obteria um enorme sucesso, ao contrário do que viria a acontecer em Viena, onde foi recebida com frieza.

A última das 3 óperas que teve Lorenzo da Ponte como libretista foi Così fan tutte, encomendada e escrita em 1789, e estreada em Janeiro de 1790. Para não variar, o público vienense não mostrou grande apreço pela obra...

A morte do imperador José II, em Fevereiro de 1790, não veio facilitar em nada a vida de Mozart. O sucessor, Leopoldo II (1747-1792), irmão de José II, decidiu cortar nos custos, a começar pelos apoios às artes, de que resultou, por exemplo, o encerramento de todos os teatros. Como se tal não bastasse, ainda se dava o caso da sua esposa, Maria Luísa, ter uma especial aversão pela música de Mozart... A consequência mais imediata para o compositor foi ver o fim das récitas de Così fan tutte, na altura em cena na capital austríaca.

O ano de 1790 foi assim muito difícil para Mozart que, além dos problemas referidos, foi ainda afectado por problemas de saúde. Mas se nesse ano a sua produção foi parca, contando-se apenas uma dezena de obras, já 1791, ano da sua morte, assistiu a uma explosão de criatividade, contando-se, entre as cerca de 30 obras que escreveu, algumas das suas mais significativas. São desta fase, por exemplo, os Quintetos para Cordas K593 (este de Dezembro de 1790) e K614, o Concerto para Clarinete, K622, o Concerto para Piano Nº27, K595, as óperas La clemenza di Tito e Die Zauberflöte, e o Requiem, deixado incompleto e posteriormente finalizado por Franz Xaver Süssmayr (1766-1803).

Mozart fez os possíveis para cair nas boas graças do imperador, assistindo às suas coroações em Francoforte, em Setembro de 1790, e em Praga, um ano depois, altura em que La clemenza di Tito teve a sua estreia. Sem registar um grande sucesso, diga-se, até por esta não ser certamente uma das melhores óperas do compositor. Escusado será referir o empenho com que a imperatriz Maria Luísa divulgou a sua opinião sobre a obra...

Por essa altura Mozart recebeu do conde Walsegg uma encomenda para um Requiem. O conde, de apenas 28 anos, chorava a morte de sua esposa, 8 anos mais nova, e ambicionava interpretar aquela obra em sua memória. Mozart, contudo, não viveria o suficiente para a terminar. Atacado de febre reumática, faleceria no dia 5 de Dezembro de 1791. Uma morte porventura já esperada pelo compositor que, uns meses antes, se despediu de Haydn, que estava de partida para Londres, com um "este será provavelmente o nosso último adeus". Já no leito da morte, Mozart afirmaria mesmo que "estava a escrever um Requiem para ele mesmo".

Bibliografia
The Lives & Times of The Great Composers, Michael Steen
The Oxford Companion to Music
The Rough Guide to Opera, Matthew Boyden
The Opera Lover's Companion, Charles Osborne
Ópera, András Batta
Dicionário Grove de Música, Stanley Sadie


Internet
Mozart forum / the Mozart Project / Wolfgang Mozart / Mozart 2006 Salzburg / Mozart 2006 / Classical Music Pages

Jogo do cubo mágico

CLIQUE AQUI PARA JOGAR

Eu consegui isto à primeira tentativa...

Vídeos

Lágrimas de homem...

Elefante gay ?

Abusos na cama...

Definições de Marido



- Sabes o que é um marido DVD?
- É aquele que se Deita, Vira e Dorme.
- E um marido DVD+R?
- É aquele que se Deita, Vira, Dorme e Ressona.
- E um marido CD?
- É o marido que só Come e Dorme.
- Não há como os antigos VHS...
- Várias Horas de Sexo.

Magalhães Basto



Encerramento de exposição, lançamento do catálogo e entrega do prémio promovido pela Fundação Engenheiro António Almeida. Tudo referente a Artur de Magalhães Basto um dos grandes historiadores desta minha adorável cidade do Porto.
Dia 27 pelas 18 horas na Galeria do Palácio, no Palácio de Cristal.

Um texto notável


Émile Zola, "J'accuse...!" (13 de Janeiro de 1898),
texto em francês e inglês

Para meditar

Clique AQUI.

Ficha do dia

Hoje é Sexta-feira, 27 de Janeiro, vigésimo sétimo dia d o ano. Faltam 338 dias para o final de 2006. Este dia é dedicado ao Beato Jorge Matulaitis-Matulewicz.

Nos céus, a Lua encaminha-se para a Fase Nova. Lua Nova, dia 29 às 14:14. O sol nasce às 07:43 e o ocaso regista-se às 17:47.

Os nascidos nesta data pertencem ao signo Aquário, destacando-se o compositor austríaco Wolfgang Amadeus Mozart (1756), o compositor francês Edouard Lalo (1823) , o escritor inglês Lewis Carroll (1832), o compositor norte-americano Jerome Kern (1885) e o bailarino de origem soviética Mikhail Baryshinikov (1945).

Ao longo dos tempos

Nesta data, em 1668, as Cortes de Lisboa nomeavam D.Pedro, irmão de Afonso VI, regente e sucessor da Coroa. Em 1901, morria, em Milão, Itália, o compositor Giuseppe Verdi. Em 1944, na II Guerra Mundial, as forças nazis eram expulsas da cidade soviética de Leninegrado. Em 1956, a RDA aderia ao Pacto de Varsóvia. Em 1967, três astronautas norte-americanos morriam quando testavam a cápsula Apollo-1, na rampa de lançamento. Em 1973, eram assinados, em Paris, os acordos que punham termo à guerra do Vietname.

Em 1981, morria Silva Pais, último director da PIDE- DGS, a polícia política do regime ditatorial do Estado Novo. Em 1984, o Parlamento português aprovava o projecto de lei do PS que definiu as circunstâncias de despenalização do aborto. Em 1994, um Tribunal de Milão decidia julgar por corrupção o antigo primeiro-ministro italiano e ex-secretário-geral do Partido Socialista, Bettino Craxi.

Em 1997, eleições presidenciais e parlamentares na Tchechénia davam a vitória a Aslan Maskhadov, antigo chefe do estado-maior dos guerrilheiros independentistas . Em 1999, a Indonésia admitia, pela primeira vez, considerar a independência de Timor-Leste.

Pensamento

Para ti



Quero da tua boca…
As palavras que preciso ouvir
O calor que preciso sentir
Devora-me com os teus beijos
Quero a tua boca na minha
Os teus lábios nos meus
A tua língua na minha... dancemos os nossos desejos!
Quero tirar da tua boca o teu sabor e fazer dele o meu paladar!
Quero a tua boca junto ao meu ouvido,
Sussurra em voz rouca que me queres, que me sonhas, que sou tua!
Quero a tua boca no meu pescoço,
Deixa-me sentir a tua respiração ofegante de paixão!
Quero a tua boca nas minhas costas,
Percorre cada poro da minha pele na descoberta do meu desejo!
Possui-me com a tua boca e busca a minha alma!
Faz-me esquecer de mim…
Preenche o meu vazio…
Mostra-me a tua vontade de seres meu…
Faz-me sentir…Faz-me gritar…Deixa-me abraçar o teu cheiro…
Quero da tua boca saciar esta sede que tenho de ti!

A ideologia do Hamas

"Israel will exist and will continue to exist until Islam will obliterate it, just as it obliterated others before it."

"The Islamic Resistance Movement believes that the land of Palestine is an Islamic Waqf consecrated for future Moslem generations until Judgement Day. It, or any part of it, should not be squandered: it, or any part of it, should not be given up."

"The Movement is but one squadron that should be supported by more and more squadrons from this vast Arab and Islamic world, until the enemy is vanquished and Allah's victory is realised."

"The Islamic Resistance Movement aspires to the realisation of Allah's promise, no matter how long that should take. The Prophet, Allah bless him and grant him salvation, has said: 'The Day of Judgement will not come about until Moslems fight the Jews (killing the Jews), when the Jew will hide behind stones and trees.'"

"Initiatives, and so-called peaceful solutions and international conferences, are in contradiction to the principles of the Islamic Resistance Movement. Abusing any part of Palestine is abuse directed against part of religion. Nationalism of the Islamic Resistance Movement is part of its religion."

"There is no solution for the Palestinian question except through Jihad. Initiatives, proposals and international conferences are all a waste of time and vain endeavors."

"After Palestine, the Zionists aspire to expand from the Nile to the Euphrates. When they will have digested the region they overtook, they will aspire to further expansion, and so on. Their plan is embodied in the "Protocols of the Elders of Zion", and their present conduct is the best proof of what we are saying."

"The day the Palestine Liberation Organization adopts Islam as its way of life, we will become its soldiers, and fuel for its fire that will burn the enemies."

"Under the wing of Islam, it is possible for the followers of the three religions - Islam, Christianity and Judaism - to coexist in peace and quiet with each other. Peace and quiet would not be possible except under the wing of Islam. Past and present history are the best witness to that."

Via jcd, no Blasfémias

Winston Churchill


"We shall fight on the beaches. We shall fight on the landing grounds. We shall fight in the fields, and in the streets, we shall fight in the hills. We shall never surrender!"

No dia 24 de Janeiro de 1965 morre em Londres Winston Churchill. Churchill nasceu no Palácio de Blenheim, em Woodstock, no Oxfordshire, em 30 de Novembro de 1874. Era filho de Lord Randolph Churchill e da sua mulher americana Jennie Jerome. Após ter acabado o curso na Academia Militar de Sandhurst e ter servido como oficial subalterno, de 1895 a 1899, no regimento de Hussardos n.º 4, foi correspondente de guerra em Cuba, na Índia e na África do Sul. Durante a guerra dos Boers, de quem foi prisioneiro, protagonizou uma fuga que o tornou mundialmente conhecido, e de que relatou as peripécias no seu livro De Londres a Ladysmith. Churchill entrou para a política como Conservador, tendo sido eleito deputado em 1900, mas em 1904 rompeu com o Partido devido à política social dos Conservadores.

Aderiu ao Partido Liberal e em 1906, tendo sido eleito deputado, foi convidado para o Governo, ocupando primeiro o cargo de Sub-Secretário de Estado para as Colónias, mais tarde, em 1908, a pasta de Presidente da Junta de Comércio (Board of Trade).Após as eleições de 1910 foi transferido para o Ministério do Interior, e finalmente foi nomeado, em Outubro de 1911, Primeiro Lorde do Almirantado, onde impôs uma política de reforço e modernização da Marinha de Guerra britânica.

Pediu a demissão em plena Primeira Guerra Mundial, devido ao falhanço da expedição britânica aos Dardanelos, na Turquia, de que tinha sido o principal promotor. Alistou-se no exército, e comandou um batalhão do regimento «Royal Scots Fusiliers» na frente ocidental. Regressou ao Parlamento em 1916, regressando a funções governamentais no último ano de guerra, como ministro das munições.

Após o fim da Primeira Guerra Mundial, Churchill foi-se tornando cada vez mais conservador, continuando a participar activamente na política, como Ministro da Guerra (1919-1921) e Ministro das Colónias (1921-1922) em governos liberais. Em 1924 regressou ao Partido Conservador, sendo nomeado Ministro das Finanças (1924-1929) no governo conservador de Stanley Baldwin. Não participou em nenhum governo, de 1929 a 1939, mas continuou a ser eleito para o Parlamento, onde advertiu incessantemente do perigo que Hitler representava para a Paz.

Em 1939 foi nomeado novamente Primeiro Lorde do Almirantado, e em 1940, no dia em que a Alemanha começou a ofensiva a Ocidente, invadindo a Holanda, a Bélgica, o Luxemburgo e a França, foi nomeado Primeiro Ministro. Fez com que o seu país resistisse às derrotas dessa Primavera de 1940, e ao desaparecimento de todos os seus aliados ocidentais, da Noruega à França, e dirigiu-o durante a Batalha de Inglaterra. Finalmente, aliado à União Soviética, desde o primeiro momento da invasão alemã, em Junho de 1941, e com o apoio e depois a participação activa dos Estados Unidos na guerra, acabou por vencer Hitler.

Mesmo antes do fim da guerra, sofreu uma derrota espectacular nas eleições de 1945, sendo o seu governo substituído pelos trabalhistas de Atlee. Voltou ao poder em 1951, sendo primeiro-ministro até 1955, ano em que pediu a demissão, devido a problemas de saúde. Foi nomeado Prémio Nobel da Literatura em 1953, pelas sua obra mas sobretudo devido aos 6 volumes da sua obra mais famosa: The Second World War.

Portal da História.

Chineses, será que já comi algum !?!??!


SEGUNDO DADOS DOS CEMITÉRIOS DO GRANDE PORTO NÃO EXISTE REGISTO DE FUNERAIS EFECTUADOS DE CIDADÃOS CHINESES DESDE A SUA CHEGADA A PORTUGAL.
Ora segundo numeros recentes a comunidade chinesa só no grande Porto ronda os 9 mil individuosde ambos os sexos e idades variadas.Não deixa de ser estranho de que até á data
NÃO TENHA MORRIDO NENHUM CHINÊS EM PORTUGAL
Será que durante todo este tempo que estão em PORTUGAL nenhum sofreu um acidente, tipo, ATROPELAMENTO,
QUEDA MORTAL,
AFOGAMENTO,
BARROTE (TIJOLO) NA CABEÇA,
ESFAQUEADO,
BALEADO ou então AVC,
TROMBOSE,
ATAQUE CARDIACO,
CANCRO,
LEUCEMIA,
CIRROSE,
DERRAME CEREBRAL
ou outra doença qualquer...
Esta questão tem os seus contornos de mistério
PARA ONDE IRÃO OS CHINESES QUE MORREM EM PORTUGAL ? ONDE SERÃO COLOCADOS OS SEUS CADAVERES ?
Esta questão terá muito mais importância para todos os frequentadores derestaurantes Chineses. Quem nunca num desses espaços comeu
CHOP - SUEI DE VACA ou outro prato de carne.Pensem de onde vira tanta carne de boa qualidade sabendo nós que os
CHINESES são uma comunidade fechada e que raras vezes os vimos ás compras nos
CONTINENTES,
JUMBOS,
INTERMARCHÉS das nossas localidades.
Quem souber esclarecer este MISTÉRIO que se chegue á frente, ou em caso de dúvida que faça esta notícia correr pelos Blogs para ver se chegámos a alguma pista.

Lá diz o ditado

O cão é o melhor amigo da viúva. Ou,
Ele há cães com sorte!

Portugal ... no seu pior


Pelos no nariz

para aliviar o stress ajudem o rapaz: os pelos do nariz são uma praga!

Vídeos

Para uma boa pescaria o Isco tem de ser da melhor qualidade!

Telemóvel para a Mulher que não tem tempo a perder e que mistura trabalho com prazer!

Jogo



Não desista, vá até ao fim do labirinto....
Cuidado as emoções fortes

Vai simplesmente adoraaaaarrrr.......
Dê 1 click no link na imagem,
Aumente o som
http://www.pietrelcinanet.com/forum/images/foto/labirinto.swf


Curiosidades...



Como surgiu o preservativo?
Na tentativa de evitar uma gravidez indesejada ou doenças sexualmente transmissíveis a humanidade inventou fórmulas tão estranhas como gengibre ou excrementos de crocodilo, que possui pH alcalino, assim como os espermicidas modernos. O nascimento da camisinha não foi muito mais nobre.No Antigo Egipto os egípcios já usavam tecido ou outros materiais porosos pouco eficazes como métodos anticoncepcionais.
Durante a Idade Média, com a disseminação de doenças venéreas na Europa foi necessária a invenção de um método mais eficaz. Em 1564, o anatomista e cirurgião Gabrielle Fallopio confeccionou um forro de linho do tamanho do pênis e embebido em ervas. Mais adiante, estes preservativos passaram a ser embebidos em soluções químicas (pretensamente espermicidas).
Foi no século XVII, que a camisinha ganhou um "toque de classe". O Dr. Quondam, alarmado com o número de filhos ilegítimos do rei Carlos II da Inglaterra (1630-1685), criou um protector feito com tripa de animais. O ajuste da extremidade aberta era feito com um laço, o que, obviamente, não era muito cómodo, mas o dispositivo fez tanto sucesso que há quem diga que o nome em inglês (condom) seria uma homenagem ao médico. Outros registros indicam que o nome parece vir mesmo do latim "condus" (receptáculo).
A "camisinha-tripa" foi usada até 1839, quando Charles Goodyear descobriu o processo de vulcanização da borracha, fazendo-a flexível a temperatura ambiente. Nesta época, os preservativos de borracha eram grossos e caros e por isto lavados e reutilizados diversas vezes.
As camisinhas de látex só surgiram em 1880 e daí evoluíram à medida que novos materiais foram desenvolvidos, adicionando novas formas, melhorando a confiabilidade e durabilidade.

Via Terra.com

O Teste da Moda

afinal quem são estes "gajos"?

Os blogs nos media tradicionais

A Online Journalism Review tem um novo artigo sobre os weblogs nos media tradicionais, tentando analisar como é que são escolhidos aqueles que são citados.

Revista científica sobre plágio

Acabou de nascer uma nova revista científica sobre sobre plágio. Chama-se Plagiary - Cross-Disciplinary Studies in Plagiarism, Fabrication, and Falsification .

Alguém tomou nota do que ele disse?



"O PSD tem três anos para se reestruturar, encontrar novas pessoas e fazer um novo programa para apresentar aos portugueses"
António Borges in TVI 22 de Janeiro
_
Mais um candidato à liderança?

A ajuda na concretização do sonho


Cumpriu-se um Sonho...


_
"O único valor absoluto na Terra é o Homem e é com ele que há que contar na equacionação e resolução dos problemas"

Francisco Sá Carneiro
_

Ordem de Mérito



O Presidente da República cessante, Jorge Sampaio, condecorou, esta quarta-feira, 21 empresários portugueses com a Ordem de Mérito.

Serão todas pessoas que no exercício das suas funções públicas ou privadas, sem interesse pessoal, tiveram actos meritórios em favor da colectividade.
Claro, se o Sr. Presidente diz que são, eu acredito, que eu sou de acreditar. Embora assim à primeira vista, não me lembre de actos meritórios em favor da colectividade de alguns deles, por exemplo do presidente da EDP. Ignorância minha, com certeza.