Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

Lisboa rouba o país! Só agora?

Um tal de Rio, que tem um olho na liderança do partido, agora, nas vésperas das eleições vêm "gritar" que lisboa rouba ao país! Como se nós, Portucalenses o não soubessemos!. Basta lembar, e já o denunciei aqui, a vergonhosa lei da republica que declara de "interesse nacional" a requalificação da zona ribeirinha de lisboa e assim justificar o investimento fabuloso naquela podre capital. Ou então, a construção de um novo aeroporto para lisboa, fazemdo-nos crer que o actual está esgotado, e, como todos sabemos, por estudos bem conhecidos, tal é completamente falso e que fácilmente se pode demonstrar...

A notícia vem hoje no Público, através de um artigo de Patrícia Carvalho e vou transcrevê-lo:

Rui Rio considera "um verdadeiro escândalo" gastar em Lisboa fundos destinados ao Norte

A Junta Metropolitana do Porto acusou, ontem, o Governo de promover um "verdadeiro escândalo" na aplicação das verbas provenientes do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN).
Em causa está a resolução 86/2007 do Conselho de Ministros que permite a transferência, para a capital, de verbas destinadas às regiões de convergência (as mais pobres), desde que se considere que os projectos em causa beneficiarão o país todo.

Falando aos jornalistas no final de mais uma reunião dos autarcas, o presidente da JMP, Rui Rio, acusou o Governo de fazer "obras atrás de obras, em Lisboa, com verbas que deveriam ser canalizadas para as regiões mais pobres". Entre estas, frisou, o Norte. O autarca fez distribuir um conjunto de documentos, obtidos graças ao processo judicial que a JMP moveu contra o Estado português, no Tribunal Europeu das Comunidades, em que é elencado um conjunto de projectos financiados pelo QREN. Alguns são totalmente localizados em Lisboa, outros parcialmente e entre eles constam, por exemplo, a qualificação profissional da administração central ou a reorganização dos serviços centrais do Instituto dos Registos e do Notariado.
As verbas utilizadas nestes e nos restantes projectos, frisou o autarca, são provenientes das regiões de convergência em proporções diferentes: 50 por cento do Norte, 30 por cento do Centro e 20 por cento do Sul.
"Dos 21 mil milhões de euros a aplicar em Portugal, e por decisão comunitária, cerca de 11 mil milhões são destinados ao Norte", explicou Rui Rio, vincando: "Só que grande parte destas verbas está a ser aplicada em Lisboa". E, o mais injusto, acrescentou o autarca, "é que, quando se for fazer a contabilidade, estes 11 mil milhões aparecem como sendo atribuídos ao Norte, porque contabilisticamente, mesmo que a obra seja em Lisboa, aparece como verba do Norte".
Rio admitiu que o valor investido em Lisboa, graças à resolução 86/2007, chegue já aos "1500 milhões" e lamentou que, mesmo que a JMP vença o processo judicial em curso, não haja efeitos práticos: "Nessa altura, todo o dinheiro estará aplicado e não se pode fazer nada".

Reparem só: roubam-nos e, para enganar Bruxelas, têm a lata de, contabilísticamente, imputar-nos o benefício! FDP! de gatunos!
Para quando a cisão deste país que já não existe? Como dizia o outro, "independência ou morte"!
Quanto a Rio, esse trabalho como o outro, "para o outro lado", vocês, que habitam no Porto ou nele trabalham, sabem do que estou a falar!

Depois do Ronaldo, ela vira-se para mim!!!!


Momento Musical

Obrigado Capitão

Yokohama, 12 de Dezembro de 2004

Ordinarices

DiciOrdinário – dicionário ordinário...
... porque ser ordinário não significa ser inculto!
Visita a página do «DiciOrdinário»

DiciOrdinário IlusTarado estará nas bancas no dia 3 de Julho.

À venda nas livrarias a partir de 3 de Julho de 2009... e desde já
nesta página!

Tios e Sobrinhos: o síndrome que ataca Portugal...

Pergunta:

Isaltino e Leandro Alves…
Júlio Monteiro e Sócrates...
Porque raio de coisa é que todos os casos, hum, vá lá, “nublosos” dos nossos "queridos" políticos metem sempre um tio e um sobrinho?

Demitam-no, carago!

via Henri Cartoon

... se ainda fosse o Vieira ...

... o do "pó" branco a coberto dos pneus (tipo vocês sabem do que estou a falar)
Valentim Loureiro suspeito de branqueamento de capitais.

O senhor masturbação

"Estou satisfeito comigo"
Foi com esta "humildade" que José Sócrates, pelos vistos um homem que se auto-satisfaz, descreveu o seu mandato naquela entrevista da SIC, conduzida pela dócil Ana Lourenço.
A entrevista foi uma clara encomenda e a senhora moderadora/entrevistadora poderia ter perguntado ao calimero se achava que os portugueses estavam satisfeitos com José Sócrates!

Separados à nascença ?

... COITADINHO DO CROCODILO ...

Diz que é Português Suave, mas fumar continua a matar!

... ou como "ele" passou de animal feroz a calimero...

Datas com História: 14 de Junho de 1940

Paris cai nas mãos dos alemães!

A notícia de que os exército alemães avançavam em todos os sentidos provocou então a Grande Debacle. André Maurois, o escritor, foi testemunho do desastre. De todas as aldeias da Bélgica e do norte da França, uma imensa coluna humana começou a se movimentar-se para o sul, para dentro do território francês, em busca de abrigo. Homens. mulheres, idosos, crianças e adolescente com suas bicicletas, milhares de automóveis, carroças, carretas, carrinhos de mão, atulhados com os trastes da população em fuga, atravancaram as estradas da região. Os reforços que foram enviados para tentar barrar as linhas de penetração alemã, tiveram que antes enfrentar aquele aluvião humano que não parava mais de derramar-se. Era uma paisagem bíblica. Um povo inteiro fugia perante o invasor. Ninguém parava para resistir, sequer esboçavam um gesto de defesa. A França caminhava com seus próprios pés para o colapso. No quartel general francês, conscientes do desastre nacional, os oficiais se abraçaram e choraram.

No dia 14 de junho de 1940, um mês antes da celebração da data nacional francesa, o 14 de julho, a infantaria alemã, ao som marcial das bandas militares, desfilava pelos Campos Elísios numa Paris semideserta, abandonada sem luta ao invasor. Se bem que em Dunquerque, na Bélgica, mais de 100 mil soldados franceses tivessem conseguido escapar junto com 220 mil ingleses, embarcados para ao outro lado do Canal da Mancha, na tão conhecida Retirada de Dunquerque, ninguém na França naquela momento acreditava na possibilidade de continuar a resistência. O governo do Primeiro Ministro Paul Reynaud que havia se retirado para o interior, aceitou dar inicio às negociações de paz, e logo depois renunciou. Na Alemanha quando finalmente acertou-se o cessar fogo para o dia 25 de junho de 1940, Hitler ordenou que todos os sinos do país repicassem durante uma semana para celebrar a "maior vitória em todos os tempos". No após guerra, Liddell Hart comentando a Campanha da França observou que ela poderia ser descrita como "um dos mais acabados exemplos na história dos decisivos efeitos de uma idéia, aplicados por uma execução dinâmica" (in The other side of the Hill).

As razões da derrota francesa

Abraão Lincoln, num célebre discurso chamado "A casa dividia", alertou que nenhum país pode perdurar para sempre parecendo-se como um casa dividida. Pois a França de 1940 era uma casa dividida. Um perceptível sentimento de ódio de classes, de ódio ideológico, entre a direita e a esquerda francesa (entre os fascistas da Croix de Feu e a Frente Popular), envenenara o esforço de guerra que a França deveria ter feito nos anos 30 e não fez. A origem da desavença ideológica vinha dos finais do século 19, dos tempos do affaire Dreyfuss (quando um oficial de origem judaica Alfred Dreyfuss, que servia no Estado-maior francês, foi acusado e preso, em 1895, de ser espião do império alemão). O furor anti-semita que o caso provocou, cindiu a sociedade francesa em duas partes irreconciliáveis. A direita acusava a existência de um "complô judeu" anti-nacional, enquanto a esquerda e os democratas em geral, apoiaram a inocência de Dreyfuss, que terminou reintegrado ao exército em 1906. A Primeira Guerra Mundial que eclodiu em 1914 momentaneamente sepultou aqueles rancores, mas depois, com a crise de 1929, novamente o clima se azedou em toda a França. As greves sucessivas, as ocupações das fábricas, o laissez-passer dos comitês de greves, o ódio que a burguesia e a classe média tinham do proletariado, tudo isso contrastava com a coesão totalitária da Alemanha hitlerista dos anos 30.

Em abril de 1936, uma frente da esquerdas (socialistas e comunistas) venceu as eleições francesas. O Front Populaire (sem a participação dos comunistas no governo) porém, estava marcado pelo pacifismo do seu líder Leon Blum, um intelectual judeu que rejeitava participar da 3ª Internacional Comunista e que era um fervoroso adepto da causa da paz. Se foram significativas as alterações que ocorreram na sociedade francesa para a melhoria da vida dos trabalhadores (avanços salariais, férias pagas e jornada de 40 horas de trabalho, convenções coletivas homologadas), houve uma total incúria da parte de Leo Blum e dos seus sucessores no tangente à preparação para uma provável confrontação militar no futuro. Afinal, Hitler já estava no governo desde 1933 e nunca escondera que sua política era restaurar a plenitude do poder alemão, perdido na guerra de 1914-18. Apesar da curta duração do governo da Frente Popular (1936-7) e da sua negativa em auxiliar militarmente o lado republicano da Guerra Civil espanhola, onde o exército do General Franco e os falangistas (os fascistas espanhóis), rebelaram-se com sucesso, em 18 de julho de 1936, contra o governo da Frente Popular espanhola, a direita francesa não se envergonhou de difundir o slogan "melhor Hitler do que Stalin!".

Quando a guerra começou em 1939, a França estava, pois, inerte. A sua estratégia era defensiva, era esconder-se atrás da Linha Maginot, enquanto que na retaguarda, as rivalidades entre esquerdistas e direitistas, sindicatos de trabalhadores e organizações patronais, minavam quaisquer possibilidades do pais agir coeso frente ao terrível perigo que corria. Assim, entre a cegueira e a irresponsabilidade, o país colocou seu próprio pescoço para que o a lâmina da guilhotina nazista a decepasse.

O (Grande) Senhor notícia por qualquer coisa


Uma menina de 10 anos faltou às aulas mas suspeito que a professora não lhe marque falta. Ela "só" leva uma justificação assinada pelo próprio presidente Obama!

Por essa blogosfera...

Fotografias: paisagens com reflexos aqui e outras tantas de montanhas, e ainda outras mais de paisagens e até de animais.
Entretanto...

Já existia uma selecção com a comida das companhias aéreas e a comida de hospital; e agora podemos espreitar a comida das cantinas das escolas por esse mundo fora.

Star Crossed, filme made in Porto

Em “Star Crossed - Amor em Jogo” um jogador jovem e talentoso inglês de uma equipa de futebol do Sul, e a filha do Presidente de um clube de futebol do Norte, são os protagonistas deste romance trágico que se desenrola no mundo fantástico do futebol. O filme é uma adaptação moderna de “Romeu e Julieta”. Não sei se será um sucesso de bilheteira, pelo menos em Portugal, todavia, o passaporte para o sucesso conquista-se quando juntamos um elenco de excelente qualidade, uma equipa de magníficos profissionais, um argumento de sucesso, uma banda sonora capaz de chegar aos Tops e uma das cidades mais lindas no Mundo: a cidade do Porto. Rever as suas cores, gentes, lugares, a Ribeira, a Sé, o Palácio da Bolsa, e o "georgio armani" dos estádios, o Estádio do Dragão, podede fazer de "Star Crossed - Um amor em Jogo" um sucesso cinematográfico.

Star Crossed - Amor em Jogo

Star Crossed - Amor em Jogo

Quando o jovem jogador do Castelo Paul Collins (Kyle Redmond-Jones) se infiltra numa festa do Invicta, ele conhece Inês (Teresa Tavares), a filha do presidente do Invicta (António Fonseca). É amor à primeira vista. No entanto, a rivalidade entre as duas equipas implica que, se a relação amorosa for descoberta, as suas vidas podem estar em perigo. Inês sonha com lugares distantes, com outros países e outras vidas diferentes da sua, ditada por regras familiares e pela omnipresença do clube do pai. À medida que Inês se apaixona por Paul, ela redescobre a felicidade, algo com que há muito deixara de sonhar. Porém, enquanto o jovem casal planeia uma fuga, diversos problemas e mal entendidos conduzirão a resultados desastrosos, até que o ódio do qual Inês e Paul tentam afastar-se lhes tira a única coisa que tem importância para ambos - o amor que sentem um pelo outro. Esta é uma adaptação moderna de “Romeu e Julieta”.

Inquietante


Knowing - Sinais do Futuro
Science Fiction Action Cast:Nicolas Cage, Rose Byrne. Director: Alex Proyas Writers: Alex Proyas, Stuart Hazeldine, Juliet Snowden Studio: Summit Entertainment Plot: An action-thriller of global proportions, Knowing centers on a professor who stumbles on terrifying predictions of imminent disaster and sets out to prevent them from coming true.

Realizado por Alex Proyas, tem como figura de cartaz Nicholas Cage, a fazer de Ted Myles, um professor norte-americano que, por via do seu filho, toma conhecimento de uma carta que estava guardada numa cápsula do tempo, escrita 50 anos atrás por uma menina. A carta é composta unicamente por uma série de números, aparentemente aleatórios. O enigma acaba por ser descoberto pelo professor e trata-se de um código com as previsões de acontecimentos catastróficos, ocorridos e a ocorrer, sendo que o derradeiro culminará com o desaparecimento do planeta Terra. Pelo meio surgem umas personagems "sussurrantes"... É um filme catástrofe, mas a sua mensagem não pode ser desdenhada. Eu fiquei muito "tocado" pelo filme. Vejam-no e digam qualquer coisa...

Anjos e Demónios

Tom Hanks a fazer de professor Robert Langdon uma vez mais. Não percebo a ira da Igreja Católica Americana. É um filme, nada mais. Nesta nova aventura, passada no Vaticano, tem a realização de Ron Howard, "óscarizado" em 2002 com o filme "A Beautiful Mind"). Vi e gostei.


Constâncio sem vergonha

A figurão da fotografia acima retratada está colada que nem uma lapa ao maior tacho público. Relembre-se que este sujeito aufere mais rendimentos que o presidente da reserva federal americana. Por mais evidentes que sejam as suas enormes responsabilidades e anacronismos, lá vai repetindo vezes sem conta "daqui não saio, daqui ninguém me tira!". Mas ninguém esquece que ele é o maior responsável pela falta de fiscalização e regulação da banca portuguesa, que permitiu toda a sorte de corrupções, desmandos e roubos.

Com todos os partidos a exigir a sua resignação (excepto, claro está, o PS), que mais será necessário para ter um pingo de vergonha e sair pelo seu pé!?

Porto 7


Começou ontem e prolonga-se até ao dia 14 de Junho.

No Museu Soares dos Reis, palco do festival Porto7, serão apresentadas cinco sessões de curtas-metragens. Veja mais informação no site oficial.

Sócrates: Yes, we can

Fazer história

Vá lá, antes que desapareçam...

Já por lá andaram navegadores portugueses (no século XVI). Entretanto, hoje são um país que começa a desaparecer quando há maré alta. O próprio governo anda a comprar terras no continente para alojar os seus habitantes. Saibam mais sobre as Maldivas, vejam aqui o mapa e algumas fotos. Parece que esta "paraíso" está a acabar...

Esperança

No Cairo, um excelente discurso do Presidente Obama

E você, vai votar?

Tiananmen 20 anos depois do massacre

''
Excelente dossier no Nouvel Observateur

De Táxi até ao Coliseu


Eles estão de volta. 'Mai' nada.

Feira do Livro

Arquivo fundamental da literatura britânica

British Literary Manuscripts Online c.1660-1900

Mais informações aqui e aqui.

Cara lavada...


O site do FCPorto foi renovado. Dê um salto até http://www.fcporto.pt/ e ouça o Nosso Grande Presidente, Sr. Jorge Nuno Pinto da Costa a fazer as honras da casa...

E você ainda acredita nesta dupla?

Iniciados!?

Este fim de semana, para o Campeonato Nacional de Iniciados, o FCPorto recebeu no Olival a equipa do Benfica. Os lisboetas aplicaram a chapa 4! Uma derrota copiosa que arreda praticamente o FCPorto do título.
Este jogo fez-me lembrar um outro, uma final, por acaso, realizada em Viseu, no estádio do Fontelo. O adversário da altura foi o Sporting e na sua equipa tínhamos um Peixe, um Figo e outros bonsa jogadores. A derrota foi pela margem mínima, mas o FCporto perdeu, essa é que essa. Do resto não reza a história, mas eu vou contá-la.
Nessa equipa leonina, de iniciados, portanto, com idades até aos 12713 anos, jogavam uns moços, de tez negra. Até aqui tudo normal, afinal, lisboa é um antro de aficanidade e énaturla que muitos talentos e promessas negras procurem os clubes daquela região.
A esta altura alguns estarão a achar que este artigo fede a racismo. Nada disso, desde já aviso.
No fim desse jogo, eu tive acesso aos corredores junto dos balneários e pude ver uma imagem enternecedora. Uma senhora, muito bem vestida levava pela mão uma linda criança, dos seus 3/4 anos. Ao aproximar-se do balneário do Sporting, sai de lá um dos rapazes de cor que ajudara a derrotar o Porto e ouço a linda senhora a dizer: olha, olha, é o papá campeão! E lá correu a criancinha para o colo do seu papá!
Resumindo, o rapaz, negro, que nada tinha de 12/13 anos (até tinha bigode e era do dobro do tamanho de qualquer um dos rapazes do Porto) era já pai! Chamei a atenção dos jornalistas ali presentes, sulistas por sinal, e riram-se. Os senhores da federação estavam mais interessados nas fotografias e inclusivé ameaçaram-me com a polícia porque eu não podia estar ali...
Voltando ao jogo deste fim de semana, algo de semelhante aconteceu. Não que algum atleta do benfica tivesse os filhos à espera, mas na compleição física e evidente adulteração da idade dos moços de cor negra que jogam pela equipa sulista. Basta ver uma fotografia que está no Jornal de Notícias. E não digo mais nada.

Criar casos (*)

"A pequena Maddie. A pequena Joana. A pequena Esmeralda. Agora, a pequena Alexandra. Independentemente das histórias, algumas trágicas, os portugueses deram em se apaixonar por "casos" do género. O último envolve uma menina russa, que um juiz retirou dos pais de criação (nacionais) e devolveu à mãe verdadeira ("biológica", no jargão da moda).

Fez bem? Fez mal? Evidentemente não tenho, nem poderia ter, qualquer opinião na matéria. Por feliz coincidência, o resto do país opina por mim, e opina com particular virulência sobretudo desde que um vídeo mostrou a mãe ("biológica") a desferir umas palmadas na filha. Ao que parece, em Portugal acha-se escandaloso que a educação de uma criança possa incluir o ocasional tabefe, atitude que explica o nível educativo das nossas crianças mas que não é o ponto.

O ponto é que coisas assim constituem um inegável abono para as audiências das televisões, que farejam cada "caso" a fim de o transformar numa prolongada novela, e para as consciências dos cidadãos, que se aliviam de uma curiosa vocação justiceira. Problemáticos são os tempos mortos, já que as televisões e os cidadãos ainda se restringem aos "casos" arrancados (literalmente) à realidade.

A alternativa é inventar "casos" a partir do nada. Sugiro um concurso. Escolhe-se uma criança órfã, por exemplo a pequena Maria, e seleccionam-se, num casting, os diversos casais concorrentes à paternidade (incluindo um par gay para evitar acusações de discriminação). Dentro de casas distintas e simuladas em estúdio, a pequena Maria vai sendo criada por um casal à vez durante períodos fixos e em regime rotativo. Através de chamadas de valor acrescentado, sms e e-mails, os espectadores votam no casal que desejam eliminar, guiados pelos consensos contemporâneos em volta do "amor", da "compreensão" e do "voyeurismo". Depois de uns anos nisto, ganha o casal que escapar às sucessivas eliminações, presumivelmente aquele que mais estimulou a "criatividade" da pequena Maria e melhor a ensinou a espatifar um telemóvel no crânio de uma docente.

Naturalmente, a pequena e criativa Maria será o prémio dos vencedores. O gozo de decidir vidas alheias será o nosso."
Alberto Gonçalves
(*) Via Carvalhadas

Pode demorar, mas chegam lá...


Eis uma opinião interessante do Nuno Rogeiro, num artigo de opinião que assina no JN.
"É realmente preciso que a "clubite" se alie ao atraso mental, para não reconhecer que o F. C. Porto merece estar entre as quatro melhores equipas da Europa. E que deve ser, com o Barcelona, um dos dois clubes do Mundo com melhor futebol na actualidade. Para além disso, o F. C. Porto tem dignificado a imagem de Portugal, é um produto internacional de prestígio e uma marca sólida. Cresceu sempre com os pés assentes na terra, e merece homenagem. Tudo o resto é desconversa. Sou benfiquista, mas não sou cego."
(retirado do bicancas)

Certamente um sucessor de Binya


Esta entrada "assassina" ocorreu na campeonato Sul Africano, na semana passada.

Chamada dor de corno, em "economês"


Mais um pasquim sulista cujos redatores e jornalistas devem andar cheios de azia. Habitualmente vemos estas coisas em generalistas e em desportivos, mas agora a febre da "dor de corno" chegou igualmente a "insuspeitos" jornais económicos. Veja-se a capa deste, logo no dia seguinte à conquista da Taça de Portugal pelo FCPorto.

a dobradinha "deles"


Dragões: rostos de felicidade

... mesmo daqueles que vão dizer adeus ao balneário (como Tarik)
E junte-se mais uma dobradinha, conquistada no último reduto do centralismo e fascismo bafiento do estado Novo: o estádio nacional de oeiras...

Notícias do Condado Portucalense

Não é apenas nas suas gentes, na sua cultura, nas suas raízes, no seu vinho e até no seu FCPorto que a Cidade do Porto, e apesar do execrável Rio (Rui) é uma Cidade de Excelência.
A sua Universidade (UP) foi escolhida por mais de 2.000 estudantes estrangeiros, oriundos de 60 países diferentes. É obra e sinal de enorme reconhecimento e valia.
Salienta-se igualmente a projecção científica do seu desempenho: cerca de um quinto dos artigos portugueses publicados em revistas científicas estrangeiras são da autoria de investigadores da UP.

Num país, subjugado pelo eixo lisboa-cascais (qual eucalipto que seca tudo à volta), não será de admirar que um em cada 5 desempregados esteja registado no Porto, distrito onde, aliás, sem o suporte governamental que é dados às empresas localizadas na capital, se regista o maior número de falências (30%) do total do país.

Ter uma boa Universidade é um bom ponto de partida para mudar este centralismo. Oxalá continuem assim...

31,4 milhões de prejuízo? Por este andar ...

... qualquer dia não temos clubes por quem torcer!!!

Prejuízo da Benfica SAD é maior do que o de F. C. Porto e Sporting juntos


No conjunto, os três grandes acumularam 31,4 milhões de euros de prejuízo, mais de metade à conta do clube encarnado.
As SAD dos três grandes clubes acumularam 31,4 milhões de euros de prejuízo até 31 de Março deste ano, nos primeiros nove meses de actividade nesta época desportiva, segundo os relatórios enviados domingo à CMVM.
Com o Benfica à cabeça (18,4 ME) e o Sporting (6,7 ME) e o FC Porto (6,3 ME) quase iguais, as três sociedade anónimas desportivas estão a viver um ano negativo do ponto de vista económico e terão de obter consideráveis mais valias este Verão, durante o período de transferências, para conseguirem equilibrar as contas.
Mais impressionante é o valor acumulado dos passivos das três sociedades, que já ultrapassa os 400 milhões de euros (436), curiosamente com apenas dez milhões de variação entre o passivo mais elevado (Benfica, 150,6) e o mais reduzido (Sporting, 140,6) - o FC Porto tem um passivo de 144,8.
Apesar de apresentar o passivo menor, o Sporting é a sociedade que tem a situação mais desesperada e a única com a sobrevivência em risco no curto prazo devido ao facto de ter capitais próprios negativos (falência técnica), que entre Julho e Março aumentaram quase sete milhões de euros, para 9,3 milhões de euros.
Benfica e FC Porto neste capítulo sobrevivem à tona de água, mas também precisam de rapidamente encontrar soluções para equilibrar os custos com as receitas.
O sucesso desportivo do FC Porto permitiu à SAD crescer 16% nas receitas, que atingiram nos primeiros nove meses da época o impressionante valor de 46,3 milhões de euros (37,8 no caso do Sporting e 36,5 no caso do Benfica), mas ao mesmo tempo os custos cresceram para uns ainda mais impressionantes 51,1 milhões de euros (33,1 no caso do Sporting, 41,2 no caso do Benfica).
As três SAD geraram receitas superiores a 120 milhões nos primeiros nove meses de actividade, mas continuam a gastar mais do que recebem, o que impede o equilíbrio das contas.
A rubrica em que as três sociedades mais gastam é nos salários (inclui prémios), que atingiu os 77,1 milhões de euros em apenas três trimestres.
O FC Porto é, de longe, o clube que mais despende no pagamento de salários e prémios, tendo gasto em nove meses 33,1 milhões de euros, cerca de mais sete milhões do que gastou o Benfica (25,9) e mais 15 milhões do que pagou o Sporting (18,1).
A participação na Liga dos Campeões de FC Porto e Sporting, com boas campanhas desportivas em ambos os casos, não serviram mais do que para atenuar os elevados prejuízos.
No caso do Benfica, que não jogou a Champions e teve uma carreira infeliz na Taça UEFA, os mais de 18 milhões de prejuízo em apenas nove meses de actividade revelam a dependência das principais equipas portuguesas das receitas das competições europeias, embora fique claro com as contas das três sociedade que isso já não chega.
Vender o passe de alguns dos jogadores mais valiosos parece ser a solução imediata para as SAD dos três grandes, ainda mais numa altura em que Portugal tem vindo a perder posições no ranking da UEFA, o que faz com que na próxima época só o campeão FC Porto tenha garantida a participação na milionária Liga dos Campeões, enquanto o Sporting terá pela frente uma pré-eliminatória e o novo e difícil play-off de acesso.
O Benfica, por seu lado, terá de passar um play-off para jogar a novíssima Liga Europa, competição jogada nos mesmos moldes da Champions, mas com prémios monetários muito mais reduzidos.
(via Jornal de Notícias)

Berlusconi e o verdadeiro motivo do divórcio, he he he