Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

O que eu queria era o João ...

Não tenhamos dúvidas: a divulgação pela internet dos dados pessoais e profissionais dos árbitros foi desencadeada por alguém adepto, simpatizante, funcionário ou contratado das equipas de lisboa!
Os lampiões, outrora silenciosos de circunstância e os lagartos, continuamente choramingas só conhecem esta verdade desportiva: está-lhes no sangue a trapaça.

A federação, os árbitros e respectiva classe dirigente tiveram uma oportunidade de ouro para acabar de vez com a palhaçada desses centralistas lisboetas. Perante o rol de insultos e insinuações só teriam um caminho: castigos e penalizações. Ao contrário, nada aconteceu. refugiaram-se na ameaça de paralização e mais nada. Estão vendidos aos da capital;  também não tenhamos dúvidas aqui!

Para a jornada deste fim de semana reina o segredo. Palhaçada e enorme falta de coragem, o que indicia a permissibilidade dos árbitros às recentes pressões sulistas. Mau augúrio para o que resta do campeonato! 

Posso, todavia, apostar o salário de um m~es se disser que o prélio da luz terá como árbitro designado o Sr. JOÃO ... Ferreira, aquele árbitro que, uma escuta distraídamente esquecida pela Torquemada sulista Morgado, na voz clara e límpida do "im PÓ luto" presidente Vieira, soubemos ser o seu preferido. O Braga já sabe ao que vai... E nós, Dragões, já sabemos o que nos espera!

Axis Viana: entre os mais belos hotéis





O Axis Viana, pertencente ao Grupo Axis Hotéis & Golfe, está entre os 11 hotéis eleitos pela revista norteamericana Budget Travel – uma das mais reputadas na área de turismo e viagens. A revista selecionou as unidades hoteleiras, abertas nos últimos quatro anos por todo o mundo, que mais se destacam pela beleza da construção. O Jumeirah at Etihad Towers Hotel (Abu Dabi), o Southern Ocean Lodge (ilha Kanguru, Austrália), o Hotel Americano (Nova Iorque) e o Marina Bay Sands(Singapura) constam também da lista.
A Budget Travel evidencia a construção em forma de lego do hotel português – da autoria do arquiteto Jorge Albuquerque - e salienta os traços contemporâneos do Axis Viana – a conjugação do vidro, alumínio e pedra –, assim como a piscina exterior do hotel e a vista sobre o rio Lima e o Monte de Sta. Luzia.
A poucos minutos do centro histórico de Viana do Castelo, e ao lado do Parque da Cidade, este hotel marca também a diferença pela apresentação única dos produtos e sabores tradicionais. O restaurante tem a particularidade de ter dois fornos a carvão vegetal e live cooking. O hotel Axis Viana dispõe também de um SPA, o Axis Wellness, com 2 600 metros quadrados, duas piscinas, sauna, banho turco e sala de musculação/manutenção. Perfeito para umas férias regeneradoras!



Apesar da Quaresma ... o doce

BOLO DE AMÊNDOA COM CALDA DE VINHO DO PORTO


Ingredientes:


  • 5 ovos
  • 250 grs. de açúcar
  • 250 grs. de farinha de trigo
  • 130 grs. de manteiga
  • 1/2 cálice de vinho do Porto
  • 1 colher de chá de fermento em pó
  • raspa e casca de 1 limão
  • 120 grs. de amêndoas peladas e cortadas em lascas
Para a calda:
  • 200 grs. de açúcar
  • 2 dl de água
  • 1 cálice de vinho do Porto
  • 1 pau de canela
Confecção:

Bate-se bem a manteiga com o açúcar, juntam-se as gemas uma a uma batendo bem entre cada adição.
Acrescenta-se o vinho do Porto e a raspa e sumo do limão e bate-se de novo.
Batem-se as claras em castelo firme e vão-se misturando ao preparado anterior, intercalando-as com a farinha, à qual se misturou o fermento, devendo a última parte ser de claras.
Barra-se uma forma redonda sem chaminé, deita-se a massa e cobre-se esta com a amêndoa.
Vai a cozer em forno médio.
Entretanto prepara-se a calda.
Leva-se ao lume numa caçarola o açúcar com a água e o pau de canela e deixa-se ferver em lume brando durante 15 minutos.
Junta-se neste momento o vinho do Porto e deixa-se arrefecer.
Logo que o bolo esteja pronto, cobre-se com a calda anterior, picando-o, com auxilio de garfo, no espaço entre as amêndoas.
Deixa-se arrefecer e serve-se frio.

Política centralista: É preciso poupar? Fecha-se a delegação do Porto!

Pelo menos 181 jornalistas das redacções do Porto de vários órgãos de comunicação social perderam o emprego nos entre 2004 e 2009, 54 dos quais no despedimento colectivo do grupo Controlinveste.
Justificado pelo grupo de Joaquim Oliveira com a "evolução acentuadamente negativa do mercado" e a "profunda quebra de receitas", o despedimento abrangeu um total de 75 jornalistas do Jornal de Notícias (JN), Diário de Notícias (DN), O Jogo e 24 Horas.
Destes, 54 (23 no JN, seis no DN, 15 n' O Jogo e 10 no 24 Horas) nas redacções do Porto destas publicações.
No caso do jornal 24 Horas, em Janeiro de 2009, deixou mesmo de existir a delegação do Porto, com a saída de todos os jornalistas que a compunham.
Depois disso foram também "convidados a sair" três jornalistas da Rádio Regional de Lisboa (Rádio Clube Português), do grupo Media Capital, no Porto.
O esvaziamento das redacções do Porto, de vários órgãos de comunicação social, já vinha a acontecer há algum tempo, acompanhado do encerramento de publicações sedeadas na cidade, como O Comércio do Porto.
Este jornal, que era o diário mais antigo do país, foi encerrado em Julho de 2005 pelo grupo que então o detinha, os espanhóis da Prensa Ibérica, que acabou também com A Capital, um dos mais prestigiados títulos de Lisboa.
No caso d' O Comércio do Porto perderam o emprego 50 jornalistas.
Em 2003, a estação televisiva NTV, um canal regional do Porto criado em 2001 através de uma parceria entre a PT Multimédia e a RTP, dispensou também 25 dos 37 jornalistas contratados a termo certo, tendo acabado por desaparecer para dar origem à então RTPN , que absorveu os restantes profissionais.
Também em 2003 a Lusomundo Media/PT encerrou a redacção do Porto da revista Notícias Magazine, despedindo os quatro jornalistas que a compunham.
Em 2006 foi a vez de o jornal Público iniciar um processo de rescisões que resultou na saída de 11 jornalistas no Porto (incluindo os correspondentes de Aveiro, Famalicão, Braga e Vila Real), enquanto o semanário Expresso dispensou, em Junho de 2007, dois jornalistas na redacção da cidade.
A estes juntaram-se, em Agosto de 2008, mais 32 jornalistas de outros dos mais antigos diários portugueses, o portuense O Primeiro de Janeiro, alvo de um processo de despedimento colectivo.
Em 2009, contactado pela agência Lusa, o director da licenciatura de Jornalismo da Universidade do Porto, Rui Centeno, atribuiu este esvaziamento e até encerramento de várias redacções no Porto ao facto de "tudo estar centralizado em Lisboa".
"Como tudo se centra em Lisboa, dispensam-se os jornalista dos Porto", lamentou Rui Centeno, que associa também este "desinvestimento" à crise que se vive actualmente e à reestruturação que está a ocorrer nos grupos de comunicação social.
Essa reestruturação, nomeadamente em termos de convergência de meios, "terá repercussões em termos de empregabilidade", sublinhou Rui Centeno.
Enquanto responsável por um curso superior de jornalismo, Rui Centeno manifestou-se "muito preocupado" com a vaga de despedimentos. Também para o director do Centro de Estudos de Comunicação da Universidade do Minho, Manuel Pinto, "as perspectivas que se desenhavam não são nada tranquilizadoras" .
"E não é preciso ser adivinho para ver borrasca no horizonte", escreveu Manuel Pinto numa terça-feira de Janeiro de 2009 (dois dias antes de ser conhecida a decisão da Controlinveste), no blogue colectivo "Jornalismo e Comunicação".

Governo de lisboa deve ser responsabilizado: Morreu depois de sete horas à espera na Urgência

Uma mulher de 27 anos morreu, na madrugada de quarta-feira, na sala de espera da urgência do Hospital de Guimarães. À espera do diagnóstico e sob vigilância, sofreu ataque súbito e deixa órfã de oito anos.
Terça-feira foi um dia aziago que terminou da pior forma para Anabela Codeço Alves, jovem que vivia no Lugar da Mota, freguesia de Fervença, Celorico de Basto. Às 8.20 horas, foi por meios próprios aos Bombeiros de Celorico de Basto com dores no peito que se estendiam ao pescoço. Dali, seguiu por ambulância até ao Centro de Saúde local, onde foi assistida e teve alta. Mas, pelas 18.47 horas, já com grande dificuldade em falar, pediu ajuda a um bombeiro que conhecia. Foi transportada para o Hospital de Guimarães. Deu ali entrada cerca das 20 horas, tendo sido alvo de triagem, recebendo a pulseira amarela, indicadora de média gravidade. Pelas 23.45, sabe o JN, um médico da urgência daquela unidade hospitalar avisou o motorista da ambulância de que, "provavelmente, não seria nada de grave, mas que ainda ia demorar porque ia fazer análises e outros exames" pelo que a ambulância podia ir embora.
in JN
Para além de alguma negligência, este é um dos resultados dos cortes protagonizados pelo governo de lisboa! O Ministro da Saúde, primeiro e todo o governo depois, devem ser levados à justiça por assassínios como este! Fazer poupanças à custa da saúde das pessoas é crime!

Metro do Porto: 55,7 milhões de passageiros em 2011

A Metro do Porto transportou, em 2011, 55,7 milhões de passageiros, registando uma subida de 4,1% face à procura do ano anterior e contrariando o cenário de quebra geral no setor. As Contas da empresa foram aprovadas hoje, quinta-feira, em Assembleia Geral. A nomeação de novos órgãos sociais foi adiada.
No documento, verifica-se que apesar das receitas de bilheteira já cobrirem 88,7% dos custos diretos da operação, a Metro registou um prejuízo de 397 milhões de euros (mais 45 milhões do que em 2010). Valores que dizem respeito ao pagamento dos empréstimos contraídos para a construção das linhas. A primeira fase da rede, atualmente em operação, foi construída com escassos apoios estatais e a fundo perdido.
Na mensagem inicial do Relatório e Contas, o presidente do Conselho de Administração reitera o sentimento de "frustração da espectativa" face à suspensão, pelo Governo, da segunda fase da rede. Ricardo Fonseca recorda que a expansão da rede - linha de S. Mamede, linha do Campo Alegre, linha até Valbom (Gondomar) e prolongamento da Linha Amarela até Vila d'Este - tem um projeto consolidado e acordado com as autarquias.
Ciente de que a gestão dos transportes públicos na região vai mudar - Metro e STCP vão ser fundidas - Ricardo Fonseca refere que o know-how da empresa não deve ser perdido.
Fonte: Jornal de Notícias







Obrigado por ter nascido no PORTO


Tudo dentro da lei ...


A cesta do pão é mesmo o salão de festas dos Azuis e Brancos


PORTO: "Melhor Destino Europeu 2012"


O Porto foi eleito o "Melhor Destino Europeu 2012" entre 20 cidades selecionadas por um júri da Associação dos Consumidores Europeus.
A votação online decorreu nas últimas três semanas no sítio da Internet do European Best Destination, tendo sido contabilizados mais de 212 mil votos. Em 2.º lugar ficou Viena, na Áustria, e em 3.º Dubrovnik, na Croácia. Em 2011, a vencedora foi Copenhaga, na Dinamarca.
O Porto -- vencedor do título "Melhor Destino Europeu 2012" - vai poder incluir a utilização do logótipo "Escolha do Consumidor Europeu", durante um ano, em toda a comunicação do turismo oficial.
O vinho do Porto, o Centro Histórico, classificado Património da Humanidade, os museus, parques e jardins "encantadores", bem como lojas de moda, de criadores nacionais e internacionais, são algumas das virtudes do Porto apontadas pela organização no seu sítio da Internet.

Aos jogadores do Porto (*)

Desisto. Já não há desculpas ou explicações rocambolescas que justifiquem isto. Não percebo, não consigo nem quero perceber, como é que vocês não querem ser campeões. Eu quero, muito mesmo, e claro que sei que ainda está perfeitamente ao nosso alcance, mas estou cansada de puxar por vocês e de ter tão pouco em troca.

Já todos sabemos que a época foi mal planeada. Ficámos sem treinador de repente, perdemos um grande avançado e alguém achou que o Kléber era jogador para o FCPorto. Se me esforçar muito, até consigo compreender a frustração de alguns de vós, mais interessados noutros voos, que nem sempre se traduzem em mais conquistas, mas certamente numa carteira mais recheada.

Também tenho consciência que o treinador não é grande coisa, que não tem garra, que parece estar sempre disposto a dar a outra face para levar ainda com mais força, e que não vos faz sentir os melhores do mundo. Sei ainda que não deve ser fácil a uma equipa que ganhou tudo manter-se motivada, ainda por cima quando os próprios adeptos, no nosso estádio, se portam como atrasados mentais de primeira.

Eu sei isso tudo, juro. Foi por isso que passei a época toda a defender-vos, a acreditar em vocês, a tentar encontrar respostas para a vossa mais do que evidente incompetência. Vocês perderam a Supertaça Europeia, mas, porra, era o Barça. Vocês levaram 3 da académica para a Taça de Portugal e eu desculpei-vos a vergonha. Vocês foram eliminados da Liga dos Campeões e eu fiz notar que a Liga Europa estava mais ao nosso jeito. Vocês foram eliminados da Liga Europa e eu ainda engoli isso, porque o city me parecia uma equipa incrível, com estrelas do outro mundo, até que vi a porcaria dos lagartos a ultrapassá-los descontraidamente. Vocês perderam pontos com feirenses, olhaneses, gil vicentes e académicas, mas eu não deixei passar os claros erros de arbitragem que não vos deixaram ganhar. Vocês não ganharam em alvalade e ao benfica em casa, mas deram-me uma grande alegria na luz.

Portanto, eu não merecia isto que vocês me fizeram em paços de ferreira. Eu não merecia que pedissem a minha força, a força que já me falta, para depois fazerem aquela figura. Sabem porquê?

Porque vocês dizem e escrevem por aí que Somos Porto, mas vocês não são do Porto como eu. Podem ser durante uns tempos, dar-nos muitas alegrias e viver isto mais ou menos como os verdadeiros. Mas eu sou do Porto desde sempre e para sempre. Sou eu que estou lá nos grandes momentos a festejar ao vosso lado e sou eu que tenho de aturar os amigos de outros clubes no dia seguinte quando vocês se portam mal. Eu estive em Sevilha, em Gelsenkirchen e em Dublin, mas também estive no temporal de Bratislava, na goleada de Manchester ou a sofrer golos do Pauleta em Paris.

Para vocês, o Porto é passageiro. Festejam aqui umas coisas, ganham fama e dinheiro e dão o salto para outro lado. É tão fácil, não é? Falamos de um clube que vendeu o Cissohko por 15 milhões, portanto, onde tudo é possível. Aqui até o Maniche foi uma estrela, o Marco Ferreira foi campeão e o Pena melhor marcador de um campeonato. Aqui os meninos são todos apaparicados, há uma estrutura que vos faz as vontades todas e onde até a besta do Cristian Rodriguez pode ter tudo o que quer.

Vocês acham que estão a fazer um grande favor ao Porto? Acham-se tão bons que a qualquer momento estão no real madrid ou no chelsea? Vivem à sombra da época que nos deram o ano passado? Mas já pensaram bem no que vocês eram sem o Porto? Moutinho, tu estavas em quinto lugar. Rolando, tu estavas na segunda. Hulk, tu estavas a matar japoneses com remates para a bancada. Daqui a uns anos, vocês vão perceber que o Porto não foi só mais um clube por onde passaram. Nessa altura, provavelmente a maioria de vós vai recordar o Porto como o único clube onde ganharam algo. Um dia, vão contar aos vossos netos como foi dar 5 ao benfica e ser campeão na luz. Vão ter muito orgulho no que fizeram, mas também irão arrepender-se de não ter corrido um bocadinho mais na Mata Real.

Se não formos campeões este ano, a culpa é vossa. São vocês que não querem, está visto. E para o ano alguns de vós vão às vossas vidas, enquanto outros ficam e esperam por um novo treinador e um plantel mais equilibrado. O futebol é assim, está sempre a mudar e não é possível ganhar sempre.

O problema, para mim, é que eu vou continuar a ser do Porto, aconteça o que acontecer. Não posso pegar nas minhas coisas e ir para outro clube ganhar mais. Não posso fazer fita para ter um novo treinador. Não posso entrar em campo sem motivação, sem querer, sem vontade. Eu não ganho nada com isto. Não sou rica como vocês, não tenho as vossas casas e os vossos carros, e quando vou ver o Porto não vou no vosso autocarro ou avião super confortáveis. A única coisa que eu tenho é este amor, esta paixão cega pelo meu clube, que me faz pedir-vos uma última vez: ganhem os jogos que faltam. Sejam campeões. Se não for pelo treinador, pelo clube, pelo dinheiro ou pela fama, façam-no pelo menos por mim.

P.S. Obrigada a todos os portistas que se identificaram com as minhas palavras, mas que este texto nunca sirva de inspiração ao bota-abaixismo, aos assobios e aos insultos. O meu desabafo é o de uma adepta triste, mas que vai continuar a ir lá até ao fim. Se não for por eles, será pelo nosso FCPorto.

Varsóvia, um destes dias

      


Árbitros: quem divulgou os dados?

Nesta fase do campeonato, o silêncio inicial dos lampiões, mantido enquanto comiam da gamela, foi quebrado. Agora são acusações atrás de acusações, são conferências de imprensa em que afirmam que o campeonato está "aldrabado". Incrível!
Do lado dos lagartos, nada de novo: berram, berram, berram e acusam continuamente os árbitros da sua má posição na tabela classificativa. Admira, pois, que sendo então daqueles a responsabilidade do 5º lugar actual, tenham despedido Domingos...
Do FCPorto, continuamente perseguido por más decisões de arbitragem, mesmo a jogar uma das piores épocas que há memória, poderia estar numa posição cimeira isolada. Mas a SAD e o extenso departamento de comunicação mantém-se calados, recorrendo ao low profile. Não concordo, nunca concordei, mas eles é que sabem.
Assim, está bom de ver quem são os interessados na divulgação dos dados pessoais dos árbitros: é alguém ligado aos clubes da capital, não tenhamos dúvidas.

7 minutos de tempo extra? Calabotes há muitos!

"Nós estamos a fazer as coisas pelo outro lado"

Maria José Morgado, "cega" em perseguir o FCPorto, nunca (?) percebeu ou não tinha interesse em querer saber do verdadeiro teor destas palavras proferidas por um recauchutador de pneus, rapidamente transformado numa das maiores fortunas de Portugal. Nem aquelas palavras nem tão pouco um certo documento que circulou com "histórias" muito preocupantes envolvendo o fulano já referido...

Esse homem, chegado a presidente de um clube conotado com o regime, qualquer regime, um clube que não ganha uma prova internacional há mais de 50 anos, que nos últimos 30 anos se viu relegado para o segundo patamar de glórias do futebol português, esse clube continua a ser o mais popular do país. Porquê?
A imprensa leva-os sempre ao colo: exageram as parcas vitórias, endeusam os seus raros feitos e transformam as derrotas em teorias da conspiração. Ao contrário, as retumbantes vitórias do FCPorto, o seu maior rival e mais vitorioso clube de Portugal, aquém e além portas, são colocadas em cantos de jornal ou esquecidas pelas televisões. A ignomínia aconteceu quando quase conseguiram atirar o Campeão de Portugal e da Europa para divisões secundárias e ocupar o seu lugar na Liga dos Campeões. Urdiram tal teia que quase levavam à desgraça esse Clube que, em qualquer país e muito mais num país com a nossa dimensão deveria ser idolatrado.
Felizmente, os tribunais, curiosamente TODOS DE LISBOA, vieram mais tarde derrubar, um a um, todos os falsos factos "arranjados" pela células benfiquistas.
Mas a perfídia não se ficou por aqui. Ainda esta semana se soube que os dados pessoais dos árbitros tinham caído no domínio público. Nada de novo se a "distraída" imprensa se lembrasse que ainda recentemente adeptos do benfica andavam a ameaçar árbitros e por tal foram condenados...
Mas a cereja também chegou esta semana: uma canção infantil transformada em hino de apoio ao benfica e repetidas várias vezes ao dia... Não numa escola mas num agrupamento de escolas, tudo muito ao estilo das fundamentalistas madrassas islâmicas. Percebe-se então o conceito da popularidade...

Voltando "às coisas que são feitas pelo outro lado", neste espaço de tertúlia já mencionara a "coincidência" de três jogadores do Olhanense, que estavam em risco de não defrontarem a equipa de lisboa se lhes fosse aplicada a admoestação com cartão amarelo no último jogo com o Guimarães. Pois "estratégicamente" tal aconteceu e não jogaram. O mesmo com o seu treinador. Fantástico se percebermos que o mesmo calhara a jogadores do Paços de Ferreira umas semanas antes, precisamente na véspera de defrontarem a equipa da segunda circular. São estes factos, reais e concretos, que nos fazem pensar na tal frase: "nós estamos a fazer as coisas pelo outro lado"...

Hoje, então foi realizado o tal prélio no Algarve. Apesar das contrariedades já manifestadas, o Olhanense ter-se-á batido bem. Tão bem, que o árbito se viu na necessidade de prolongar o jogo por mais 7 minutos. SETE MINUTOS!!!
Faz-nos recordar desse infeliz e corrupto árbitro Calabote que prolongou um jogo do benfica com a CUF durante largas dezenas de minutos para que os golos jorrassem e assim fosse retirado o título ao FCPorto...  Felizmente, também hoje o crime não compensou, e o jogo acabou como começara. Zero a Zero. Ou melhor: o benfica acabou com menos um. Aimar foi expulso. O treinador Jesus não percebe porquê. Acredito nele: habitualmente os lampiões batem em tudo o que mexe e nada lhes acontece. Que o diga Xavi Garcia. Aqui ao lado, o lance também nos mostra  a expulsão é muito "exagerada"...



 

A propósito de uns certos excessos policiais


Como arranjar um marido rico


Saiu numa edição do Financial Times (o maior jornal sobre economia do mundo).
Uma jovem mulher enviou um e-mail para o jornal a pedir dicas sobre "como arranjar um marido rico".
Contudo, mais inacreditável que o "pedido" da rapariga, foi a resposta do editor do jornal que, muito inspirado, respondeu à mensagem, de forma muito bem fundamentada.
Muito divertida!


E-mail da rapariga:

"Sou uma garota linda (maravilhosamente linda) de 25 anos.
Sou bem articulada e tenho classe. Quero casar-me com alguém que ganhe no mínimo meio milhão de dólares por ano. Há algum homem que ganhe 500 mil ou mais neste jornal, ou alguma mulher casada com alguém que ganhe isso e que possa me dar algumas dicas?
Já namorei homens que ganham por volta de 200 a 250 mil, mas não consigo passar disso. E 250 mil por ano não me vão permitir morar em Central Park West.
Conheço uma mulher (do meu grupo de ioga) que casou com um banqueiro e vive em Tribeca! E ela não é tão bonita quanto eu, nem é inteligente.
Então, o que é que ela fez que eu não fiz? Qual a estratégia correcta?
Como chego ao nível dela?"

(Raphaella S.)
____________________

Resposta do editor do jornal:


"Li a sua consulta com grande interesse, pensei cuidadosamente no seu caso e fiz uma análise da situação.
Primeiramente, eu ganho mais de 500 mil por ano. Portanto, não estou a tomar o seu tempo à toa...
Posto isto, considero os factos da seguinte forma: Visto da perspectiva de um homem como eu (que tenho os requisitos que procura), o que oferece é simplesmente um péssimo negócio.
Eis o porquê: deixando o convencionalismo de lado, o que sugere é uma negociação simples, proposta clara, sem entrelinhas: Você entra com a beleza física e eu entro com o dinheiro.
Mas há um problema.
Com toda a certeza, com o tempo a sua beleza vai diminuir e um dia acabar, ao contrário do meu dinheiro que, com o tempo, continuará a aumentar.
Assim, em termos económicos, você é um activo que sofre depreciação e eu sou um activo que rende dividendos. Você não somente sofre depreciação, mas sofre uma depreciação progressiva, ou seja, sempre a aumentar!
Explicando, você tem 25 anos hoje e deve continuar linda pelos próximos 5 ou 10 anos, mas sempre um pouco menos a cada ano. E no futuro, quando se comparar com uma fotografia de hoje, verá que se transformou num caco.
Isto é, hoje você está em 'alta', na época ideal de ser vendida, mas não de ser comprada.
Usando a terminologia de Wall Street, quem a tiver hoje deve mantê-la como 'trading position' (posição para comercializar) e não como 'buy and hold' (comprar e manter), que é para o que você se oferece...
Portanto, ainda em termos comerciais, casar (que é um 'buy and hold') consigo não é um bom negócio a médio/longo prazo! Mas alugá-la, sim!
Assim, em termos sociais, um negócio razoável a ponderar é, namorar.
Sem ponderar... Mas, já a ponderar e, para me certificar do quão 'articulada, com classe e maravilhosamente linda' você é, eu, na condição de provável futuro locatário dessa 'máquina', quero tão-somente fazer o que é de praxe: fazer um 'test drive' antes de fechar o negócio... podemos marcar?"

(Philip Stephens, associate editor of the Financial Times - USA)

Piadinha

O alentejano há muito tempo que não dava uma. Chegou a Lisboa, foi ao Conde Redondo e disse para a menina:
- Quanto é que levas?
- 100,00 €.
- É muito caro porra; que é isso??? Julgas que não sei? É muito caro!!!
- Então são 50,00 €.
- Não, não.... eu só tenho 10,00 €.
- É muito pouco... por 10 €, eu não vou.
- Então eu dou-te os 10,00 € e o meu telemóvel.
A miúda pensou, pensou (avaliou o momento económico de que tinha ouvido o Louçã falar) e disse:
- Tá bem... só por esta vez.
Foram para o quarto e ficaram a noite toda; satisfeito o alentejano, levantou-se, vestiu as calças e deu os 10,00 € à garota. Ela desconfiada, perguntou:
- E o telemóvel?
- Aponta aí.... 987654321

O TGV confirma-o...

A maioria dos políticos portugueses são católicos praticantes ...

"Nunca assinam nada sem terem um terço na mão."



Da série Separados à Nascença

O Mundo mudou a Poesia

Calçada vai para a fonte
P'lo horror à terra dura,
A bilha não é de barro
E a água já não é pura.
 
 
 
 

Chulice centralista

Em Maio de 2010, era evidente a necessidade de se adiarem as obras faraónicas e dar apenas atenção às que estavam já adjudicadas. Nessa altura, um dos maiores coveiros da pátria, Sócrates, andava a contratualizar à pressa a obra relativa ao TGV.  Ou seja, na eminência de falta de financiamento, adjudicaram "à bruta" uma empreitada sabendo-se que o sucesso de verbas e conclusão da mesma seria praticamente nulo.
Ontem soubemos que o Tribunal de Contas chumbou (naturalmente) o contrato de adjudicação do TGV.
Da mesma forma soubenos que a Soares da Costa reclama 264 milhões de euros por obra já feita.
Seria, pois,  de todo o interesse que o contrato assinado à pressa fosse tornado público, designadamente as cláusulas de penalização por incumprimento. Um assunto que deveria merecer a atenção do Parlamento, do Tribunal de Contas e da Procuradoria.
Como podem perceber, está configurada uma enorma trapaça (mais uma) entre alguns membros do anterior governo socialista e alguns empresários da construção civil e pela qual são os contribuintes que vão ser uma vez mais penalizados. E não vai ninguém preso?




Incompetentes: o governo de lisboa não presta

«Declaração de Retificação n.º 15/2012. D.R. n.º 55, Série I de 2012-03-16

Retifica a Declaração de Retificação n.º 12/2012, de 27 de fevereiro, que retifica o Decreto-Lei n.º 124/2011, de 29 de dezembro, do Ministério da Saúde, que aprova a Lei Orgânica do Ministério da Saúde, publicada no Diário da República, 1.ª série, n.º 41, de 27 de fevereiro de 2012»»



Fascismo lampiónico

A MADRASSA DA ERICEIRA

Uma educadora de infância de uma escola pré-primária da Ericeira alterou a letra da popular canção infantil "Atirei o pau ao gato" e acrescentou-lhe no final "batata frita, viva o Benfica". A história soube-se porque um pai, adepto do FC Porto, apresentou uma queixa no Ministério da Educação. 

O FC Porto saúda o civismo do pai e condena este proselitismo feito em escolas públicas, que em vez de ensinarem os valores da liberdade de escolha, ou de opinião, preferem ser uma espécie de "ayatollahs" das suas próprias preferências. 

Mais grave é entretanto o FC Porto ter tido conhecimento que a adulteração da letra é prática diária e repetida três vezes ao dia não só no jardim-infância da Ericiera, mas também em todas as escolas do pré-escolar do agrupamento e também noutras dos concelhos de Lisboa e Cascais. 

Urge, por isso, que o Ministério da Educação se pronuncie sobre estes fascistas do gosto e dê instruções para que em todas as escolas do país se acabem de uma vez por todas com práticas que fazem lembrar os tempos da outra senhora.






Uma professora, num jardim de infância da Ericeira, acrescentou à letra da popular canção infantil «Atirei o pau ao gato» a expressão «viva o Benfica», o que provocou a queixa de um pai no Ministério da Educação (ME).
Para este encarregado de educação, citado pela Lusa, trata-se de «uma situação de lavagem e de indução ao comportamento» e a escola «deve ser um espaço onde nem política, nem religião, nem clubismos desportivos devem ser alimentados».
O pai, confesso adepto do FC Porto, mas «não muito ferrenho», justifica ainda que esta alteração à letra «compromete os valores fundamentais da escola, ou seja, o respeito pela diferença e pela individualidade, o fomento da pluralidade de gostos e o civismo».
«Vai-te embora pulga maldita/batata frita/viva o Benfica» é a frase que choca Eduardo Mendes. Segundo este pai, a canção é repetida várias vezes ao dia mas a professora não vê mal nisso, porque das 13 crianças da sala apenas duas não são adeptas do Benfica.
A escola não quis prestar esclarecimentos, mas segundo o queixoso a educadora já inclusive respondeu que «quem está mal, mude de escola» e assim, após ver agravada a situação, que diz já interferir nas relações entre alunos, o pai estuda transferir a filha para outro estabelecimento.


A parte verdadeiramente sinistra está no fim: a resposta da educadora é “quem está mal, mude de escola”.

Esta frase é sintomática de uma mentalidade salazarista que não existe só na Ericeira.  Acredito que a educadora não seja de facto capaz de perceber qual é o problema e que ache que o pai é um chato.
Esta outra frase é todo um programa do totalitarismo: “A professora não vê mal nisso, porque das 13 crianças da sala apenas duas não são adeptas do Benfica.”
É óbvio o que está mal nesta história, mas vou dizer na mesma. Mandar crianças pequenas cantar “viva o benfica” num infantário público está mal.
Está mal, como estaria se fosse “viva o Cavaco”, “viva a CGTP”, “viva a Volkswagen”, “viva Vishnu” ou, sim, “viva o Porto”.
Não é preciso cair em exageros do politicamente correcto. Na festa de Carnaval da escola dos meus miúdos, uma das educadoras ia mascarada de Eusébio com uma camisola do benfica. Enfim, não achei grande graça, mas parece-me razoável. Não protestaria por causa disso. Às vezes alguns dos outros pais levam cachecóis do benfica ou do Sporting. Também não acho graça, mas também me parece razoável. Não vou irritar-me com eles.Mas daí a mudar uma cantilena infantil para “viva o benfica” vai um grande passo. E daí a mandar passear um pai que fica perturbado vai um passo maior ainda.
Ora, eu não acho que abaixo-assinados e campanhas de e-mails sejam instrumentos de grande eficácia. No entanto, num caso destes acho que vale a pena tentar, acho que pode ter resultado.
Este é o e-mail do agrupamento de escolas da Ericeira:



E este é o e-mail do gabinete do ministro da Educação:

gabinete.ministro@mec.gov.pt

Escrevam um e-mail a estas pessoas. Façam copy paste do link do artigo e escrevam uma mensagem bem educada e sem referência a clubismos. Na minha mensagem, isto é o que vou escrever:

“A prática desta educadora é ofensiva e inaceitável numa escola pública. As responsabilidades de um educador de um jardim de infância incluem proteger o direito à diferença.

Não é aceitável que um educador use o seu enorme poder sobre as crianças para fazer propaganda a partidos, produtos, religiões ou clubes. Peço-vos que investiguem este caso e que, caso se confirmem os factos da notícia, repreendam os responsáveis envolvidos e lhes recordem da importância do pluralismo e do respeito pelos outros.”

Basta isto – não é preciso escrever insultos à educadora, nem sequer é preciso falar em benfica.  Escrevam lá, e passem palavra

Chulice Centralista: Défice do Estado quase triplica até Fevereiro

O governo de lisboa, repito DE LISBOA (não de Portugal) impõe "corajosamente" impostos agressivos sobre as famílias e sobre as empresas, especialmente as exportadoras, maioritariamente a Norte. Despejam dinheiro nos Bancos mas estes não concedem crédito a ninguém. Sacaneiam-nos a torto e a direito em nome de uma coisa com nome comuna, troika. Mas e redução de empresas públicas obsoletas, ineficazes e despesistas não é imposta? E as tão prometidas extinções de institutos? E o fim dos subsídios a fundações tipo "Mário Soares"? E a redução de funcionários públicos, a começar nos motoristas e secretárias contratados em catadupa pelos sucessivos governos lisboetas, constituídos por partidos lisboetas? Só em salários ao funcionalismo público, NÓS PAGAMOS SALÁRIOS AOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS, A MAIORIA EM LISBOA A VERBA DE 1, 76 MIL MIL MILHÕES DE EUROS!!! Para quando o efectivo fim do "bicho" estado que, como se comprova, está sempre a engordar? Biltres!


O défice orçamental do subsector Estado situou-se nos 798,6 milhões de euros em Fevereiro, mais 191% do que no mesmo mês de 2011.
De acordo com a síntese de execução orçamental divulgada hoje pela Direcção-geral do Orçamento (DGO), esta subida do défice (face aos 274,3 milhões de euros verificados em Fevereiro do ano passado) deveu-se sobretudo à quebra da receita efectiva, que desceu 4,3%, e à subida da despesa efectiva em 3,5%.
Segundo o documento, a receita fiscal nos dois primeiros meses do ano desceu 5,3% para 5,63 mil milhões de euros, com destaque para a quebra das receitas fiscais com IRC em 46% para 158,2 milhões de euros, do IVA em 1,1% para 2,86 mil milhões de euros e do imposto sobre veículos em 44,6% para 75,8 milhões de euros. Nos impostos indirectos, que sofreu uma queda de 9%, apenas as receitas com o IRS subiram 0,3% para 1,668 mil milhões de euros. A receita não fiscal, por seu turno, subiu 5,5 % para 628 milhões de euros.
Do lado da despesa, o Estado registou uma subida de 3,5% para cima dos sete mil milhões de euros entre Janeiro e Fevereiro desde ano.
A DGO justifica a subida da despesa com vários factores: a transferência de 348,3 milhões de euros para a RTP, para a amortização de passivos financeiros desta entidade; a regularização de responsabilidades financeiras relativa a concessões rodoviárias (21,2 milhões de euros); o aumento da despesa com juros e outros encargos (+175,3%), que se deveu à emissão, em 2011, de uma nova linha de Obrigações de Tesouro, com pagamento de cupão anual em Fevereiro, e cujo encargo em 2012 ascendeu a 225 milhões de euros; o acréscimo de 13,2% da transferência visando o equilíbrio financeiro do sistema de pensões gerido pela CGA; e o incremento das transferências para a Segurança Social em 4,5%.
O relatório da DGO indica ainda que a saldo global provisório da Administração Central e da Segurança Social até Fevereiro de 2012 ascendeu a 539 milhões de euros, valor que inclui o resultado das Entidades Públicas Reclassificadas (EPR), que passaram a integrar a Administração Central.
Já a execução financeira consolidada do SNS apresentou um défice de 21,9 milhões de euros, face ao saldo positivo de 45,4 milhões registado até Fevereiro do ano passado.

6100 mortes em nome do "Custe o que Custar"


Bloqueios lampiónicos

“Houve faltas contra nós a favorecer as bolas paradas do Benfica. É só reverem as imagens. O Benfica resolve muito de bola parada, mas são quase todas elas antecedidas de obstrução, de bloqueios... Tive o cuidado de perguntar a Artur Soares Dias se bloqueios eram permitidos. E ele disse que são considerados obstrução! Vejam se as bolas paradas do Benfica não são fruto de bloqueios ou obstruções! São precedidas de falta! Não entendo como diz que não são permitidas e depois tem esta postura de deixar que as coisas corram. Golo de Nolito? Não. Estou a falar de uma bola metida na área; obstrução dos homens que estão ao segundo poste; Javi García toca na bola e dá golo! Gostava que os árbitros tivessem coragem para assinalar essas faltas.” Vítor Pereira, numa das suas melhores conferências de imprensa


Entretanto, sobre este tema, o atleta Gaspar, defesa-central do Rio Ave e que, enquanto jogador do Belenenses havia sido treinado por Jorge "Cretino" Jesus, confirmou e desmentiu o seu antigo treinador numa entrevista ao sítio do MaisFutebol: 
 “Treinávamos bloqueios no Belenenses. Jorge Jesus indicava, por assim dizer, o elo mais fraco do adversário e apontávamos para aí. Por isso, não há de ser agora no Benfica que vão deixar de treinar. Aliás, basta ver os jogos. Não é algo que acontece uma ou duas vezes. São duzentas, trezentas. Não digam que não é estratégia, porque é. Se querem atirar areia para os olhos...” 

A verdade desportiva também passa por aqui

Alerta do Bicampeões do mundo

No próximo jogo do campeonato, os encornados visitam terras algarvias. O prélio é contra o Olhanense.
A equipa de Olhão jogou na jornada anterior em Guimarães onde arrancou um empate a 2, tendo estado inclusivé a perder por 2-0...
É "CURIOSO" perceber que nesse jogo, a equipa de Olhão tinha 3 jogadores - Caue, André Pinto e Wilson Eduardo (a estrela da companhia) - em risco de exclusão se vissem cartões. 

Pergunta: sabem a quem o árbitro prendou com a cartolina amarela, afastando-os assim do jogo com a equipa da capital colonial? 

Podem rir-se: acertaram! Por esta ordem,  André Pinto, Wilson Eduardo e Caue (este duplo amarelo) foram contemplados pela "verdade desportiva à moda de lisboa"

Os mouros estavam encostados às cordas, mas surgiu Artur Soares Dias


Pinto da Costa, presidente do FC Porto, falou com os jornalistas no final do encontro frente ao Benfica, que determinou o "adeus" dos dragões à Taça da Liga. O líder portista deu os parabéns às águias mas criticou o trabalho do árbitro Artur Soares Dias.
"Parabéns ao Benfica porque ganhou mas espero que a Comissão de Arbitragem faça uma análise à forma como foi marcado o segundo golo do Benfica e como foi marcado o fora-de-jogo ao Hulk aos 87 minutos quando ia isolado", disse.
"Quem vê Bruno Paixão ou Marco Ferreira apitar até pensa que este é um grande árbitro. Teve influência no resultado mas perdemos e o Benfica ganhou", explicou depois.
"Estou satisfeito porque não tivemos lesionados nem expulsões. Controlámos bem os jogadores. Desta já estamos livres", juntou.
Questionado sobre se a referência a Bruno Paixão se devia à polémica do jogo da 23.ª jornada entre Gil Vicente e Sporting, o máximo responsável do FC Porto recordou a prestação do árbitro no jogo dos portistas contra os gilistas.
"Falei da arbitragem de Bruno Paixão contra nós em Barcelos, ontem não vi. Não sei se ele tem galo, ou se é quem vai jogar a Barcelos que tem galo. Não sei se ontem chegou ao ponto que chegou connosco", salientou.
A terminar, tempo para comentar as palavras de Jorge Jesus, que anunciou que o Benfica provou que é melhor do que o FC Porto: "Na Taça da Liga já prova há quatro anos que é melhor."

Uma meia-final a uma única mão e logo na casa da equipa do costume

... encomenda, claro!

Artur Soares Dias apura os lampiões para a encomenda do costume

Concordo com Vitor Pereira: os lampiões fartam-se de cavar faltas, injustamente marcadas a seu favor. Daí resultam muitos golos. Hoje também. Então, o segundo golo sai de uma falta anedoticamente assinalada pelo "portuense" Artur Soares Dias. Como muitos nortenhos, chegam à capital colonial e vergam a cerviz! Mais uma vez.  
Já agora falem do fora-de-jogo que o "corajoso" assistente marcou a Hulk nos derradeiros minutos. 

Agora, esta taça é uma fraude: então uma meia-final de uma taça é jogada apenas num jogo e logo  na casa de uma das equipas? E logo a do costume? É mesmo engraçada, parece mesmo encomenda...

Bruno Paixão: os hipócritas do Sporting deviam ser os últimos a queixar-se

Não é por nada, mas eu já calculava que os lagartos iam perder em Barcelos.
  • Em primeiro lugar porque a equipa é muito equilibrada, tem alguns bons jogadores (mesmo aqui ao lado, baratos, e ninguem os vê...), tem um campo relativamente pequeno e uma apetência por fazer negra a vida dos mais "apetrechados";
  • Em segundo lugar porque "aquele" "sporten" de Manchester foi um bluff de sorte e de "tesão de mijo"; aliás a forma como alguns jogadores leoninos corriam deixou-me muita dúvida e caso tivesse havido controlo anti-doping seria engraçado perceber, pelo menos, os níveis de cafeína no sangue...
  • Em terceiro lugar, porque este "sporten" não vence fora de casa há largos meses e o seu futebol não encanta, muito menos convence;
Depois, é claro, Bruno "Campomaior" Paixão. Embora tenha aquela incompetência nata, e um apego enorme por prejudicar o FCPorto, como se pode constatar num recente Gil Vicente-FCPorto, onde, apesar do mau jogo do Porto, se pôs a inventar penaltis para os da casa e a fechar os olhos para, pelo menos dois a favor dos Dragões, o árbitro é mesmo mauzinho.

Agora o jogo de ontem correu mal aos lagartos. Não jogaram um ... corno. depois, um grande galo, perdão golo de um homem chamado Galo e uma confrangedora exibição leonina, aliada a uma decisão ridícula do agora tão aplaudido Sá Pinto: subsituir ao intervalo o seu melhor jogador, Matias Fernandez. Claro que isso, aliado ao desgaste (duplo) da prova europeia, fez o resto.

Ridículos mesmo são os apelos da estrutura sportinguista para a irradiação do, tão admirado por algumas facções do nosso futebol, "jovem" Bruno Paixão. Os lagartos deviam ser os últimos a atirar pedras àquele incompetente. Recentemente gozaram com as reclamações do FCPorto contra o mesmo fulano Bruno Paixão, no mesmo palco onde agora se insurgem. Basta relembrar um nome: Campomaiorense. Naquele que foi a mais ignóbil arbitragem que já tive oportunidade de assistir, em 19 de Fevereiro de 200, e cujo resultado (derrota do FCPorto) deu de mão beijada um título ao "sporten".
Ou mais tarde, em 2008, em Leiria, numa final da Supertaça: um jogador do FCPorto corria isolado para a baliza dos lagartos e subitamente, Paixão apita e interrompe o jogo para ... ser dada assistência a um jogador lagarto que acabara de se atirar para o chão no meio-campo. Penaltys? Nesse mesmo jogo Tonel acaria a bola com a mão dentro da área: penalty, gritaram na rádio e na televisão, grito logo abafado porque Paixão não quis marcar. Uma penalidade mais sonegada ao FCPorto, que perdeu aquela taça. 

Os sportinguitas são mesmo cegos e hipócritas e com Bruno Paixão, são "cão que não conhece dono"!