Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

Era uma vez um Império

Hoje é o melhor dia para casar...

... Quim Barreiros dixit

Jogos Olímpicos animados

Juros e "juros"






Alguém é capaz de explicar porque razão o Estado português paga tão miseravelmente aos investidores nacionais, que estariam dispostos a emprestar dinheiro ao erário público, e paga em alternativa juros usurários aos bancos e mercados financeiros internacionais? (Movimento Partido do Norte)




Iniciativa da Galiza

Iniciativa do Partido da Terra Eu-Navia

Que rica troika....

O Pavilhão Atlântico custou ao Estado (A TODOS NÓS !!!), há 14 anos, 55 milhões de euros a construir. Agora é vendido ao genro do Cavaco e ao BES [que cada vez mais se assemelho ao banco do(s) regime(s)] por cerca de 21 milhões de euros.
Mais uma boa "Troika"!

Sagres em Leixões

De 3 a 6 de agosto vai estar atracado no porto de Leixões um dos mais emblemáticos navios ao serviço da marinha portuguesa.

É o navio mais conhecido desta componente das Forças Armadas Portuguesas, identificado pelas suas velas ostentando a cruz da Ordem de Cristo.

Aproveite para o (re)visitar de acordo com o seguinte calendário:

3 de agosto - 14:00 às 23:00
4 de agosto - 10:00 às 23:00
5 de agosto - 10:00 às 23:00

O azeite vem sempre ao de cima

Cuba: mais uma morte com o selo estalinista

Outrora, nos países da Cortina de Ferro, era comum que os adversários políticos ou simples livres pensadores tivessem "estranhos" e fatais desastres de automóvel. Era a forma mais regular de assassínio político. Era uma limpeza muito apreciada pela KGB e pelas polícias políticas de leste.

Pois bem, os métodos estalinistas parecem perdurar no tempo: Cuba, um dos países para quem a figura de opositor é uma figura que apenas poderá ter dois fins (a prisão ou a "exportação") está a adoptar essa velha medida. Oswaldo Payá, conhecido e forte contestatário do governo de Havana foi "apagado" pela via do acidente rodoviário.
A sua viúva está a questionar a versão oficial sobre acidente que vitimou o marido e exige do governo esclarecimentos sobre o ocorrido. «Não posso aceitar uma versão tão simplista», disse a viúva, citada pelo elpais.es.
Ofélia Acevedo disse ainda que não recebeu qualquer tipo de informação sobre as investigações ao acidente. «Creio que tenho direito às informações que venham a ser dadas pelos peritos, de saber o que disseram as testemunhas e até como decorre a investigação. Não tenho nada. Nem fotografias do carro», lamentou-se a viúva.
O acidente ocorreu, no passado domingo, na cidade Bayama, a cerca de 800 quilómetros de Havana. Segundo a mesma fonte, com o antigo dissidente, de 60 anos, viajavam um espanhol, Ángel Carromero, militante das Novas Gerações do Partido Popular, de Madrid, e o sueco, JensAron Modig, ambos de 27 anos.
O elpais.es diz que, apesar dos pedidos feitos pelo governo de Madrid para que o cidadão espanhol regresse a casa o «mais rapidamente possível», Ángel Carromero, que era quem conduzia a viatura sinistrada, continua retidos em Cuba com assistência consular. Havana diz que ele continua a ter de prestar declarações como testemunha.

Esperança no Afeganistão tem nome: LAL BIBI

A história de Lal Bibi está a desafiar as tradições tribais afegãs. A rapariga de 18 anos foi violada mas a sua família não a quer matar para limpar a honra do clã. Preferiu ir em busca de justiça num país onde as leis raramente dão razão às mulheres.

O calvário de Lal Bibi começou no dia 17 de Maio, quando um grupo de polícias se aproximou de sua casa, nos arredores de Kunduz, e a sequestrou.

Durante os cinco dias seguintes, Lal foi espancada e violada por um homem identificado como Khudai Dad. Alegadamente, este homem teria sido enganado por um primo de Lal Bibi e esta foi a maneira que encontrou de fazer justiça pelas próprias mãos.

Após esta desonra, o destino normal de uma jovem seria a morte. Lal Bibi é a filha mais nova de uma família de kuchis, uma tribo semi-nómada dedicada à pastorícia pertencente ao grupo étnico dos pashtuns. Com um dos índices mais altos de analfabetismo do país, os kuchis - cerca de três milhões de pessoas - seguem o código de conduta pastunwali. Em casos como este, o código estipula que se uma mulher manteve relações fora do casamento (ainda que forçada) desonrou a família e, portanto, deve suicidar-se para evitar que a desonra se estenda à sua família. Caso não o faça, compete ao pai e aos irmãos fazê-lo.

Acontece, porém, que este caso é insólito. A família de Lal Bibi não só não quer a morte da sua familiar como decidiu procurar justiça. “Lal Bibi, a sua mãe e outros membros da sua comunidade estão em Cabul a pedir justiça”, confirmou, citada pelo “El País”, a directora nacional da Afghan Women’s Network (AWN), Samira Hamidi.

Esta é uma acção sem precedentes no Afeganistão. Para além da família, também os notáveis do clã de Lal Bibi e mesmo o clérigo da mesquita local recorreram a uma organização de mulheres em busca de ajuda.

A AWN, que entretanto acolheu a jovem violada e a sua mãe, adiantou que aquilo que faz falta agora é arranjar ajuda médica para a rapariga bem como um bom advogado que defenda o caso.

“Já entrámos em contacto com o ministro do Interior, com o vice-ministro da Segurança e o gabinete do Presidente a fim de que recebam a família e o representante da tribo de Lal Bibi”, explicou a directora da AWN. “É emocionante ver uma quarentena de notáveis apoiando a jovem e pedindo justiça, bem como a confiança que estão a depositar nas activistas e nas organizações de mulheres”, sublinhou ainda Samira Hamidi, citada pelo “El País”.

Lal Bibi, porém, parece estar a ceder ao peso da desonra. “Se as pessoas do governo não levarem os responsáveis perante a justiça, eu irei imolar-me pelo fogo. Não quero viver com este estigma”, disse, citada pelo “The New York Times”.

A violação de Lal Bibi e outros atentados contra mulheres afegãs conhecidos nas últimas semanas já levaram a directora-executiva da UN Women, Michelle Bachelet, a pedir que se ponham fim a estes abusos. “Esta brutalidade é intolerável e a UN Women apela ao Governo afegão que tome medidas urgentes para responder a estes crimes, levando os culpados diante da justiça; e que ponha fim a uma cultura de impunidade e crie uma cultura de tolerância zero para a violência e a discriminação contra as mulheres e as meninas”, declarou Bachelet em comunicado.

De 4 em 4 anos

Os Jogos Olímpicos são como as eleições: realizam-se de quatro em quatro anos e a esmagadora maioria dos portugueses acaba por perder.




Este blogue também lhe dá música: Sexta-feira

Corrupção e Poder Público

O assessor de imprensa do primeiro-ministro britânico está acusado de envolvimento nas escutas telefónicas ilegais realizadas por um jornal pertencente ao império mediático de Robert Murdoch. A longa peregrinação do infeliz Relvas foi encetada, ainda recém-chegado ao Governo, com a descoberta de ligações perigosas a perigosíssimos agentes dos serviços de informação da República Portuguesa. Os escândalos que atingem as mais altas instâncias do poder já não são os incidentes da vida sentimental ou os episódios de sexo. O assessor de imprensa e o ministro adjunto desempenhavam funções públicas exatamente nessas áreas de "competência". Não é preciso esgravatar as "dimensões humanas" dos "poderosos" nos recônditos da antiga "reserva de intimidade da vida privada" porque, entretanto, invadiram a esfera pública e capturaram a decisão política. Não encontrei melhor forma de ilustrar esse fenómeno complexo que é a corrupção, quando abordei aqui o problema, há duas semanas, do que resgatar das memórias da minha infância um episódio familiar e ingénuo. Mas logo depois advertia que embora sendo a corrupção da autoridade pública "mais facilmente percetível nas relações de proximidade", de facto, "a sua dimensão e gravidade crescem na proporção direta do poder que a consente e da distância que a dissimula" e que a ameaça que hoje nos desafia se não coloca apenas nas relações paroquiais ou no plano interno dos estados, mas alcançou uma dimensão planetária.


Faltou dizer que essa mudança de escala, não diminuindo a importância dos fatores antropológicos indissociáveis da corrupção, implica contudo alterações qualitativas no diagnóstico e na terapia respetiva, ao transferir para a ordem internacional uma problemática que se julgava definitivamente ancorada no Princípio do Estado de Direito Democrático e na teoria da constituição: a distinção entre o domínio público e a autonomia privada, o equilíbrio "consentido" entre o "bem comum" e o interesse individual. Da tão falada governança global emergiu o poder hegemónico de um "sistema financeiro" que submete os governos democráticos e as instituições internacionais, parasita a economia e "formata" novos modos de vida e culturas locais. Paradoxalmente, em nome da "melhor" doutrina económica, a EDP saiu da tutela do governo de Portugal para entrar na área de influência do governo da China. Para que o país cresça e se torne competitivo ao nível global, facilita-se o desemprego e aumenta-se a população inativa. A corrupção de governantes dos países pouco desenvolvidos é combatida nos programas de ajuda internacional mas remunera os acionistas das empresas multinacionais e justifica louvores e prémios de gestão aos seus dirigentes. O sistema financeiro internacional continua a proteger os paraísos fiscais, apesar das débeis arremetidas de alguns governos democráticos. Assim, o significado dos valores morais foi abafado numa pretensa comunicação universal que ignora a diversidade dos contextos. Por isso, só uma nova ordem internacional pode salvar a liberdade e a democracia.

(imagens minhas)



Xadrez: a imortal de Anderssen

Este é um dos meus jogos preferidos. Achei que estava na hora de publicar qualquer coisa sobre o assunto.

ADOLF ANDERSSEN  AGAINST THE WORLD !!!

No livro Os Grandes Mestres do Tabuleiro, Ricardo Réti afirma que todos os  jogadores da actualidade deveriam ter nas partidas antigas uma base para as novas realizações.  Sendo assim, revisitando o passado, mais precisamente 1851; encontramos a "Imortal de Anderssen", assim denominada por Falkbeer. O co-autor desta obra foi Lionel Kieseritzky. Vamos dar uma olhada (pressionando os botões verdes, seguimos jogada a jogada):


Apesar de não considerar a mais bonita, Réti menciona outras duas partidas que são compostas de forma brilhante por Anderssen contra Jacob Rosanes, uma delas:


A proposição de Réti em relação aos livros é interessante;  diz ele que são conselheiros e ainda que se aprende xadrez jogando-se xadrez. Os métodos são somente acompanhantes para o aficcionado. O estudo teórico é necessário para avançar, mas só podemos entender as técnicas actuais estudando as antigas. Ricardo Réti afirma ainda que, se desejamos jogar posicionalmente devemos aprender as combinações. Partidas abertas ensinam-nos xadrez, e partidas de peão dama dão-nos menos derrotas; é o que afirma Réti. O que é que preferimos na realidade? Partidas fechadas ou partidas abertas?
Andersen foi o que deu ao xadrez variadas possibilidades e ensinamentos que perduram até hoje.

Como??? Isto é um verdadeiro incentivo ao crime!

Municípios afectados pelos incêndios podem ultrapassar o limite de endividamento estipulado

O Governo de lisboa vai deixar que os municípios mais afectados pelos incêndios possam ultrapassar os endividamentos líquidos. Mas apenas no montante "estritamente necessário" para se poder reconstruir as estruturas danificadas. Madeira está incluída nesta decisão.


Redacção: Declaração de Amor à Língua Portuguesa

Vou chumbar a Língua Portuguesa, quase toda a turma vai chumbar, mas a gente está tão farta que já nem se importa. As aulas de português são um massacre. A professora? Coitada, até é simpática, o que a mandam ensinar é que não se aguenta. Por exemplo, isto: No ano passado, quando se dizia “ele está em casa”, ”em casa” era o complemento circunstancial de lugar. Agora é o predicativo do sujeito.”O Quim está na retrete” : “na retrete” é o predicativo do sujeito, tal e qual como se disséssemos “ela é bonita”. Bonita é uma característica dela, mas “na retrete” é característica dele? Meu Deus, a setôra também acha que não, mas passou a predicativo do sujeito, e agora o Quim que se dane, com a retrete colada ao rabo.

No ano passado havia complementos circunstanciais de tempo, modo, lugar etc., conforme se precisava. Mas agora desapareceram e só há o desgraçado de um “complemento oblíquo”. Julgávamos que era o simplex a funcionar: Pronto, é tudo “complemento oblíquo”, já está. Simples, não é? Mas qual, não há simplex nenhum,o que há é um complicómetro a complicar tudo de uma ponta a outra: há por exemplo verbos transitivos directos e indirectos, ou directos e indirectos ao mesmo tempo, há verbos de estado e verbos de evento,e os verbos de evento podem ser instantâneos ou prolongados, almoçar por exemplo é um verbo de evento prolongado (um bom almoço deve ter aperitivos, vários pratos e muitas sobremesas). E há verbos epistémicos, perceptivos, psicológicos e outros, há o tema e o rema, e deve haver coerência e relevância do tema com o rema; há o determinante e o modificador, o determinante possessivo pode ocorrer no modificador apositivo e as locuções coordenativas podem ocorrer em locuções contínuas correlativas. Estão a ver? E isto é só o princípio. Se eu disser: Algumas árvores secaram, ”algumas” é um quantificativo existencial, e a progressão temática de um texto pode ocorrer pela conversão do rema em tema do enunciado seguinte e assim sucessivamente.

No ano passado se disséssemos “O Zé não foi ao Porto”, era uma frase declarativa negativa. Agora a predicação apresenta um elemento de polaridade, e o enunciado é de polaridade negativa.

No ano passado, se disséssemos “A rapariga entrou em casa. Abriu a janela”, o sujeito de “abriu a janela” era ela,subentendido. Agora o sujeito é nulo. Porquê, se sabemos que continua a ser ela? Que aconteceu à pobre da rapariga? Evaporou-se no espaço?

A professora também anda aflita. Pelo vistos no ano passado ensinou coisas erradas, mas não foi culpa dela se agora mudaram tudo, embora a autora da gramática deste ano seja a mesma que fez a gramática do ano passado. Mas quem faz as gramáticas pode dizer ou desdizer o que quiser, quem chumba nos exames somos nós. É uma chatice. Ainda só estou no sétimo ano, sou bom aluno em tudo excepto em português,que odeio, vou ser cientista e astronauta, e tenho de gramar até ao 12º estas coisas que me recuso a aprender, porque as acho demasiado parvas. Por exemplo,o que acham de adjectivalização deverbal e deadjectival, pronomes com valor anafórico, catafórico ou deítico, classes e subclasses do modificador, signo linguístico, hiperonímia, hiponímia, holonímia, meronímia, modalidade epistémica, apreciativa e deôntica, discurso e interdiscurso, texto, cotexto, intertexto, hipotexto, metatatexto, prototexto, macroestruturas e microestruturas textuais, implicação e implicaturas conversacionais? Pois vou ter de decorar um dicionário inteirinho de palavrões assim. Palavrões por palavrões, eu sei dos bons, dos que ajudam a cuspir a raiva. Mas estes palavrões só são para esquecer, dão um trabalhão e depois não servem para nada, é sempre a mesma tralha, para não dizer outra palavra (a começar por t, com 6 letras e a acabar em “ampa”, isso mesmo, claro.)

Mas eu estou farto. Farto até de dar erros, porque me põem na frente frases cheias deles, excepto uma, para eu escolher a que está certa. Mesmo sem querer, às vezes memorizo com os olhos o que está errado, por exemplo: haviam duas flores no jardim. Ou : a gente vamos à rua. Puseram-me erros desses na frente tantas vezes que já quase me parecem certos. Deve ser por isso que os ministros também os dizem na televisão. E também já não suporto respostas de cruzinhas, parece o totoloto. Embora às vezes até se acerte ao calhas. Livros não se lê nenhum, só nos dão notícias de jornais e reportagens,ou pedaços de novelas. Estou careca de saber o que é o lead, parem de nos chatear. Nascemos curiosos e inteligentes, mas conseguem pôr-nos a detestar ler, detestar livros, detestar tudo. As redacções também são sempre sobre temas chatos, com um certo formato e um número certo de palavras. Só agora é que estou a escrever o que me apetece, porque já sei que de qualquer maneira vou ter zero.

E pronto, que se lixe, acabei a redacção - agora parece que se escreve redação.O meu pai diz que é um disparate, e que o Brasil não tem culpa nenhuma, não nos quer impôr a sua norma nem tem sentimentos de superioridade em relação a nós, só porque é grande e nós somos pequenos. A culpa é toda nossa, diz o meu pai, somos muito burros e julgamos que se escrevermos ação e redação nos tornamos logo do tamanho do Brasil, como se nos puséssemos em cima de sapatos altos. Mas, como os sapatos não são nossos nem nos servem, andamos por aí aos trambolhões, a entortar os pés e a manquejar. E é bem feita, para não sermos burros.

E agora é mesmo o fim. Vou deitar a gramática na retrete, e quando a setôra me pe.rguntar: Ó João, onde está a tua gramática? Respondo: Está nula e subentendida na retrete, setôra, enfiei-a no predicativo do sujeito.

João Abelhudo, 8º ano, setôra, sem ofensa para si, que até é simpática.

Parece-me ...

AMIGOS (AS)

Quer um futuro assegurado? Basta-lhe uma caneta para obter milhões, pois quem paga estudos, pareceres, projectos... que sustentam a decisão política dos governantes é o contribuinte!!!

São às dezenas os pareceres encomendados a advogados, sociedade de advogados, assessores, juristas etc e tal…

Olhando para qualquer orçamento do estado verifica-se a inscrição de montantes cada vez maiores para consultadoria proveniente do exterior, enquanto as verbas com despesa de pessoal são cada vez menores.

Estou de acordo com o Bastonário da Ordem de Advogados António Marinho Pinto, quando exige «a realização de concursos públicos para a contratação pelo Estado de serviços de advocacia» como forma de pôr cobro a «situações de promiscuidade entre o poder político e alguns escritórios de advogados»

... Na minha modesta opinião seria uma forma de impedir a muitos governantes quando cessam funções, a obtenção de emprego de altos cargos, nas sociedades de advogados, gabinetes de engenharia, bancos e empresas a quem anteriormente adjudicaram tais estudos e pareceres.

É inadmissível que as eleições suportadas financeiramente por nós contribuintes sirvam no fim das contas, para que alguns através do compadrio e do tráfico de influências transferiram dinheiros públicos para privados, sem qualquer escrutínio por parte do cidadão contribuinte.

Elegemos alguns perfeitos diletantes que supostamente deviam perceber do que não percebem, delapidando os recursos públicos num charco que tresanda a corrupção usando e abusando da paciência dos portugueses(as) que os elegeram com base em promessas meramente populistas.
 
[Lia Almeida]

25 de Julho, dia da GALIZA soberana e independente

Galiza é uma nação sem Estado de 2,78 milhões de habitantes, com uma língua e cultura própria, tendo como capital administrativa Santiago de Compostela.
Um dia, a velha Galécia será restaurada com o Norte de Portugal, que corresponde, afinal,  à EURO-REGIÃO NOROESTE PENINSULAR!

Frases cretinas do político português

Visita ao Kri Dewaruci

Está prevista a visita, no período de 26 a 29 de julho, do navio da Marinha da Indonésia KRI DEWARUCI ao Porto de Leixões

O navio pretende abrir a visitas nos seguintes períodos:

26JUL12 – 15:00 às 18:00
27JUL12 – 10:00 às 15:00
28JUL12 – 10:00 às 12:00


O acesso dos visitantes far-se-á pela portaria em frente à Estação de Passageiros do lado de Leça da Palmeira

Professores


Vídeo (excelente) do Ministério da Educação ... de Singapura

Figurões de estilo

"Bardamerda p'ró fascista!" 
Pinheiro de Azevedo, 1975

"Portugal está de tanga!"
Durão Barroso, 2002

"Mansa é a tua tia, pá!"
 José Sócrates, 2010

"Que se lixem as eleições!"
Passos Coelho, 2012



Telhados de Vidro

A questão dos telhados de vidro deveria ser tomada muito a sério. Num país a sério seria assim, aliás, num país a sério, de imediato seria posta na rua toda a podridão associada áqueles que atiram pedras aos outros quando eles próprios chafurdam na trampa...

Isto a propósito de uma afirmação de Aguiar Branco: mais um Nortenho, outrora grande defensor da regionalização, que assim que sente o bafio podre da corte se esqueceu de imediato das raízes e das lutas contra o centralismo. 
Pois bem, este bacano decidiu abrir a cloaca para falar a propósito do bispo Januário.

Acho que o senhor bispo causa embaraço é à Igreja e não ao Governo e espero que o senhor bispo faça uma escolha entre ser bispo das Forças Armadas e ser comentador político

A afirmação, proferida por mim ou por si, até poderia ser defendida, mas pensando bem, Aguiar Branco perdeu uma oportunidade de estar calado. Afinal, o bacano continua a ser sócio de capital da JPAB, Sociedade de Advogados,  e quando aquele fulano era líder parlamentar do PSD aceitou um ajuste directo da Parque Escolar para tratar das formas de contratação da dita. Por isso dar lições ao bispo das Forças Armadas Januário Torgal Ferreira sobre incompatibilidades? Francamente!



Tragédia: dois irmãos grelhados !!!

Leça da Palmeira (e não só): noutros tempos

As Origens Nazis do Nacionalismo Palestiniano e da Jihad Islâmica

Autor: David Meir-Levi
Posfácio de Alexandre del Valle
Nº págs: 152 + caderno de fotos
Formato: 130 x 205 mm
PVP: 13,65 € (13€ + IVA)


As ligações nunca assumidas entre o nacionalismo palestiniano e o regime nazi tornam-se tema central em mais uma polémica publicação da editora Via Occidentalis. Da autoria do israelo-americano David Meir-Levy, com um posfácio do investigador francês Alexandre del Valle, especialista de questões relacionadas com o islamismo, esta obra procura desfazer, em simultâneo, duas ideias propagadas por alguns líderes radicais islâmicos actuais: que o Holocausto nunca existiu – e que o povo palestiniano nada teve a ver com isso. A lista dos nazis que se tornaram colaboradores dos Estados Árabes após a 2ª Guerra Mundial, a Carta do Hamas e a Acta do encontro entre Hitler e Al-Husseini, líder político palestiniano naquele período, marcam também presença nesta edição.

Em “As Origens Nazis do Nacionalismo Palestiniano e da Jihad Islâmica”, David Meir-Levy procura demonstrar que o fanatismo islâmico não nasceu nos anos 60, após o fracasso do nasserismo, mas foi fruto da ascensão do fascismo e do nazismo nos anos 30. De acordo com António Franco Moreira, tradutor da obra, “Meir-Levy traça o ADN do nacionalismo palestiniano, fazendo explodir uma série de mitos que este movimento criou – mitos racionalizados e celebrados durante décadas de terrorismo e de ambições genocidas”.
Centrado na correspondência entre Hajj Amin al-Husseini, líder nacional e consensual dos palestinianos, e o regime de Adolf Hitler, Meir-Levy alega que existiu, de facto, uma aliança entre os palestinianos e o regime nazi, defendendo que a ideologia islâmica alberga, no seu seio, movimentos como o Hamas, o Hezbollah e o grupo al-Qaeda, que o autor classifica de “fascistas islâmicos” e “terroristas”.

O posfácio é assinado por Alexandre del Valle, onde o investigador francês procura expor a actualidade das sinergias entre os fanáticos islamistas, a extrema-direita e a extrema-esquerda, e na forma como estes grupos se unem no “ódio e animosidade contra Israel, a América e o Ocidente”. Em anexo, surgem documentos como a Carta Ideológica do Hamas, a acta do encontro entre Hitler e Al-Husseini e ainda a lista de nazis que colaboraram com os Estados Árabes após a 2ª Guerra Mundial.

David Meir-Levy, israelita nascido nos Estados Unidos da América, vive em Palo Alto, na Califórnia. É bacharel pela John Hoplins University e licenciado em Estudos sobre o Próximo Oriente pela Brandeis University. Ensinou Arqueologia e História do Próximo Oriente na Universidade Hebraica de Jerusalém e na Universidade de Telavive, nos anos 60 e 70, altura em que serviu no exército israelita. De regresso aos Estados Unidos, Meir-Levy tornou-se director de investigação e educação da Israel Peace Iniciative, uma organização não-lucrativa da região da Baía de São Francisco destinada a esclarecer o público americano e os seus líderes sobre a história do conflito israelo-árabe. Mais informações sobre a IPI em http://www.ipi-usa.org/. David Meir-Levy é o autor de «Grande Mentiras - Demolindo os Mitos da Propaganda de Guerra contra Israel» editado pela Via Occidentalis em 2006.
Video (inglês com legendas em francês)

No Via Occidentalis

Quem tem telhados de vidro ...


... deve estar caladinho; ficar incomodado com coisas "lixadas" ditas por outros e depois sabermos que proferiu outras coisas igualmente "lixadas" é triste, muito triste...

Resgate ao Resgate ?

O gordo está de volta...

... falta saber quanto é que a televisão do estado lhe vai pagar ...

Fiquei espantado: soube que o sr. Gobern (desculpem alguns leitores o facto de eu chamar senhor a um tal escroto), depois de ter sido arrumado na RTP por esquecer que estava sujeito a códigos deontológicos ou à ética informativa onde a equidistância e imparcialidade são intocáveis está de volta aos écrans, mais concretamente num outro programa desportivo, onde até poderá usar o cachecol do clube nazi que aprecia. Vai substituir o anterior locatário da cadeira, Júlio Machado Vaz, que pelos visto para o nazi de Paredes, não revelava suficiente fervor encornado. Assim se completa um círculo bem demonstrativo dos circuitos dominantes na opinião futebolística do momento...
Sendo a RTP um serviço público, sabendo-se que estes programas merdosos de opinião desportiva são pagos, era importante saber se o funcionário da RTP vai acumular mais uns milhares de euros por fazer de papagaio do clube do regime...




Tudo terminará em Dezembro de 2012!?

Derreteu 97% da camada de gelo na Gronelândia em apenas cinco dias !!! 

Cerca de 97% da superfície da camada de gelo que cobre a Gronelândia derreteu este mês, o degelo mais vasto de que há registo nos 30 anos de observações de satélite da ilha, alertou a NASA.
A conclusão dos cientistas baseia-se em imagens captadas por três satélites diferentes, segundo as quais o degelo foi particularmente rápido entre os dias 8 e 12 de julho.
Entre esses quatro dias, a área derretida passou de 40% do total da superfície da camada de gelo para 97%, o que significa que a quase totalidade da camada sofreu algum derretimento - desde as extremidades finas próximas da costa até ao centro, com mais de três quilómetros de espessura.
Num comunicado divulgado no site da NASA na terça-feira, os cientistas admitem que a diferença entre as imagens do dia 08 e do dia 12 era tão grande que pensaram haver algum erro.
"Era tão extraordinário que no início questionei o resultado: era mesmo real ou devia-se a um erro dos dados?", diz Son Nghiem, do laboratório de propulsão a jato da NASA em Pasadena.
Os investigadores afirmam que, num verão normal, cerca de metade da superfície da camada de gelo da Gronelândia derrete e, enquanto nos pontos mais elevados a água volta rapidamente a congelar, perto da costa alguma da água é retida pelo gelo e o resto perde-se no oceano.
Mas este ano a extensão do degelo na superfície ou perto dela aumentou dramaticamente, alertam os cientistas, que ainda não determinaram se este descongelamento irá afetar o volume total de perda de gelo e contribuir para a subida do nível do mar.
Este foi o segundo acontecimento invulgar na Gronelândia em poucos dias, depois de um icebergue do tamanho da ilha de Manhattan se ter separado do glaciar de Petermann, mas os cientistas consideram mais grave o degelo.
Lora Koenig, especialista em glaciares no centro Goddard da Nasa, diz que degelos rápidos como este acontecem todos os 150 anos, mas avisou que o derretimento deste ano pode ter vastas implicações.
"Se continuarmos a observar eventos como este nos próximos anos, será preocupante", disse.
As consequências mais imediatas poderão ser o aumento do nível do mar e o aquecimento do Ártico. Os cientistas atribuem um quinto do aumento total do nível do mar - que é de três milímetros por ano - ao derretimento da camada de gelo da Gronelândia.
O climatólogo Thomas Mote, da Universidade da Georgia, admite que este degelo extremo se deva a uma cúpula de calor que cobriu a Gronelândia entre 08 e 16 de julho ou a uma vaga de ar quente particularmente forte.

Portugal no seu melhor: Serra D'Arga

via Um Par de Botas

José António Mendes Ribeiro: mais um...

O British Hospital pertence ao Grupo Português de Saúde desde o início dos anos 1980. O Grupo Português de Saúde pertence ao universo da Sociedade Lusa de Negócios, a tal que tinha um banco dentro. Exactamente: o BPN.

O banco serviu para financiar a compra do British. Um fiasco. Entre 1999 e 2009, o British recuou de uma média anual de 12 mil consultas para cerca de 1800. Entre 2004 e 2007, o presidente do Grupo Português de Saúde foi o economista José António Mendes Ribeiro, o qual, quando saiu do grupo, deixou um passivo de perto de cem milhões de euros.

Pois foi precisamente José António Mendes Ribeiro que o ministro da Saúde, Paulo Macedo, foi buscar para coordenar o grupo de trabalho que vai propor os cortes a aplicar no Serviço Nacional de Saúde.

Isto, que podia ser uma charada dos Malucos do Riso, é o ponto em que estamos.

Conforme dizia António Aleixo:
Há tantos burros mandando em homens de inteligência, que às vezes fico pensando, se a burrice não será uma ciência.

Crash Financeiro: de 1929 até à actualidade

Nada se aprendeu sobre a insensatez e a ganância humanas

Este novo documentário sobre a crise financeira de 1929 ajuda-nos a compreender muitos dos eventos que culminaram na actual crise financeira global. A cultura de crédito, a dívida maciça e o jogo de casino da Banca em 1929 marcou a maior crise financeira da história. No entanto, pela arrogância e falta de jeito humano, tudo aquilo foi repetido com a crise que começou em 2007.
Este documentário é farto de detalhes rigorosos sobre as causas da crise de 1929 e dá conta da nobre tarefa de Franklin Delano Roosevelt quando ele se compromete a regular o sistema financeiro e a evitar que os bancos especulem com o dinheiro que não lhes pertence, dado que isto é a origem da crise. Aqui vemos Roosevelt a pronunciar a frase: Nada há a temer, excepto o medo, assegurando que imporá um controlo rigoroso à banca, ao crédito e ao investimento bancários.
Todas estas tarefas nobres, sem dúvida, duraram até a década de 70, quando se impuseram as ideias neoliberais de Milton Friedman e deu vida à desregulamentação total dos mercados. Desde então, um a um, foram caindo os pilares sólidos erguidos por Roosevelt, e com motosserra derrubou-se o e criaram-se as finanças tóxicas que mergulharam o mundo na actual crise global. Este trabalho de destruição tem sido um verdadeiro caminho suicida que levou à Grande Depressão 2, que ainda se encontra em suas fases iniciais.
Este documentário deixa claro que nada se aprendeu e que as lições de 1929 foram logo esquecidas pela insensatez e ganância humanas.

Estamos "lixados"

Ovnis: eles existem !!!

Um dia depois de sabermos que o Estado português vai assumir 43% da dívida da Câmara de Lisboa (não ouço os autarcas portugueses a criticar...), eis que o governo afirma:

... não há privilégios intocáveis nas PPP e nas fundações ...

Licenciaturas obscenas: relembrando o "Dr" Vara

Andam para aí a malhar no Relvas. O Sócrates teve uma leve apreciação negativa, muito por culpa de uns exames feitos ao ... domingo. Pois bem, convém relembrar que Armando Vara foi também ele agraciado com um canudo de licenciado pela “mui nobre” Universidade Independente.
Isto aconteceu poucos dias antes de Vara ser nomeado, pelo Governo do amigalhaço José Sócrates, para um cargo de administração na Caixa Geral de Depósitos. Cargo esse que estava vedado a candidatos sem um certo grau académico.

Coisas sérias e verdadeiras

Combustíveis: o roubo continua

Alguém que me faça um desenho. Este novo aumento (2º em menos de 7 dias) é mais um roubo e um insulto a todos os consumidores. Nem quando o barril atingiu 147 dolares se asistiram a aumentos desta magnitude e com esta voracidade. Agora que atinge cerca de 90 dolares estes biltres, semana após semana, sugam, sugam, sugam...

Piadinha anti-lampiónica

Os lampiões (agora conhecidos pelo Sri Lanka benfica)  perderam a final de um qualquer torneio de Verão num jogo contra o PSV da Holanda.
Vai daí, ia o autocarro do Benfica a duzentos na auto-estrada, e de repente parou. Um senhor viu aquilo, foi lá e perguntou-lhes 'então, avariou?', e diz o Jorge Jesus 'Não, fomos parados pela P.S.V.'
Ahahah! Perceberam? PSV!"

Juntam-se para malhar no Relvas (não o fizeram contra Sócrates), mas ...

Tragédia no Algarve

(imagem tirada em Tavira)


Mais uma vez os incêndios, mais uma vez a ineficácia total, quer na prevenção deste tipo de ocorrências, quer na eficácia do combate. Mais política, menos estruturas, menos homens, mais ... estado lisboeta a comandar à distância, num gabinete com ar condicionado e com mesas com bebidas e salgadinhos, o motorista e mercedes último modelo à porta. O desastre é inevitável. Ano após ano. Até acabar a floresta. pelo menos nessa altura deitaremos fogo a lisboa...

Jogos Olímpicos: relembrar os crimes de Munique/72

... os assassinos eram muçulmanos ...



Lisboa = Estado = Colonialismo e Centralismo

Estado assume 43% da dívida da Câmara de Lisboa !!!

O Estado assumiu o pagamento de 286 milhões de euros da dívida bancária de médio e longo prazo do município de Lisboa, em troca da propriedade dos terrenos do Aeroporto, que opunha em tribunal a autarquia à Tutela, desde 1989.
Segundo o acordado, revelado esta sexta-feira à noite pelo presidente da Câmara, António Costa (PS), o Governo paga 43% do montante em dívida - libertando o município do pagamento de mais de 22 milhões de euros de juros anuais.
Costa exigia pelos terrenos, expropriados em 1942, ou a devolução ou o pagamento indemnizatório de 1650 milhões de euros. Com este cenário, a ANA - Aeroportos ganha um enorme ativo, permitindo que a sua mais que provável privatização ocorra sem qualquer dúvida sobre a propriedade da zona aeroportuária.
A verdade é que os terrenos foram avaliados há mais de uma década por 1200 milhões de euros, correspondendo aos 250 hectares onde estão as pistas e mais outros 260 hectares das estruturas de apoio - numa altura em que era dado mais do que certo o encerramento da aeroporto e a construção de um novo na Ota (Alenquer).
Naquilo que se pode classificar de acordo inédito, Costa foi mais longe: por mais seis milhões de euros, alienou ao Estado os terrenos do Centro Cultural de Belém, que desde 1988 - quando começou a ser construído o classificado "Grande elefante branco" do Governo de Cavaco Silva - continuavam a ser da Câmara.
O município ainda passará para a EPAL a gestão e exploração de toda a rede de saneamento em baixa, a partir de 1 de janeiro de 2013 (por um montante não inferior a 100 milhões de euros, mediante os valores que têm sido exigidos nos últimos meses pela autarquia).
Costa garantiu que se resolveu assim "um conjunto de matérias que se arrastavam". "Os terrenos do aeroporto estavam registados em nome do município e o valor surge após a avaliação desses terrenos", disse, sobre um acordo que aconteceu durante a fase de negociações para a transferência da gestão do Parque das Nações, da Parque Expo para a autarquia.
A contenda entre o Estado e a Câmara de Lisboa sobre o aeroporto surgiu quando em 1979, durante o Governo de Maria de Lurdes Pintassilgo, com a criação da ANA, o município é afastado da gestão da zona. Refira-se que a expropriação ocorrida 1942 foi levada a cabo por Duarte Pacheco, na altura, simultaneamente, ministro e vereador da Câmara de Lisboa, sendo que os terrenos ficaram registados em nome da autarquia.
No seu segundo mandato (contando com um primeiro de dois anos, iniciado em 2007, com as eleições intercalares) e tendo já anunciado a intenção de se recandidatar, António Costa consegue assim uma enorme conquista do Governo PSD/CDS, indo ao encontro daquilo a que se propôs nas eleições de 2009: o pagamento da dívida.
"Definimos, há dois anos, como objetivo estratégico, a redução da nossa dívida a médio e a longo prazo, para libertamos a capacidade financeira do município. Não tem sido fácil prosseguir esse objetivo. Este acordo veio permitir um encaixe superior ao esperado", admitiu, visivelmente satisfeito.

ATÉ QUANDO VAMOS PERMITIR A CHULICE?

O eucalipto está de volta ... para dizimar

"Segundo nova legislação que o governo apresenta agora, inédita na Europa, a arborização até cinco hectares e a rearborização até dez hectares poderá ser feita com qualquer espécie, sem necessidade de qualquer autorização. Volta-se à regra do deferimento tácito, um convite descarado à corrupção sem rasto.
(...)
Como nem a pequeníssima área agrícola é protegida pela nova lei, os melhores solos para a nossa agricultura também serão afectados. O processo dedesruralização do território entrará na sua derradeira fase. Grande parte do País será um enorme eucaliptal sem ninguém a viver lá"- Daniel Oliveira, Arrastão.

"Apesar do anterior Governo ter alterado o regime da REN - Reserva Ecológica Nacional, desvirtuando parte da essência do mesmo, através do D.L. n.º 166/2008, nesta proposta o atual Governo pretende retirar qualquer condicionalismo à mobilização de solos e à alteração do coberto florestal da REN, quando se pretendam efetuar novas plantações.
Também é proposta a revogação de todas as restrições legais relativas à plantação ou sementeira de eucaliptos, designadamente nas proximidades de terrenos cultivados, terras de regadio, nascentes de água ou prédios urbanos"- Quercus.

"Na discussão sobre o eventual uso de terrenos pobres dentro de perímetros de rega, lá se esquece a possibilidade de produção de gado miúdo em vez da florestação, como pretende a indústria de celulose"- Henrique Pereira dos Santos, Ambio.

Londres: antes e durante os Jogos Olímpicos

O que é? Este festival tem como intuito a celebracao dos Jogos Olímpicos em Londres e decorre em vários locais da cidade e com uma grande variedade de acontecimentos para todos os gostos e idades.
 Quando? De 21 de Junho a 9 de Setembro.

O que é? Mesmo quem nao tem um bilhete para os Jogos Olímpicos, pode comprar um bilhete para entrar no Parque Olímpico (na zona fora do estádio) onde pode ver os jogos num ecra gigante. Para comprar os bilhetes para o recinto devem faze-lo através do website oficial para a venda de bilhetes.
Quanto? £10
Onde? Stratford.

O que é? Apresentações dos Jogos Olímpicos ao vivo através de ecrãns gigantes. Juntamente com a visualização dos Jogos, o BT London Live também vai contar com concertos e outra animação.
Quando? De 27 de Julho a 12 de Agosto.
Quanto? Gratuito, mas convém reservar bilhetes para garantir entrada. para reservar bilhetes têm que pagar uma taxa de £3.50.
Onde? Hyde park, Victoria Park e Trafalgar Square. Carregar no link para ver detalhes para cada dia.

O que é? O Broadgate Circle é situado mesmo ao lado de Liverpool Street Station, e nessa praça vão estar ecrãs gigantes para apresentação dos Jogos. Notem, que antes dos jogos, estao a haver nesta praça visualizações de filmes ao ar-livre.
Quanto? Gratuito.

O que é? Um novo pop-up bar que vai ser aberto no dia 26 com visualizações dos jogos nos ecrãns espalhados entre o bar e o jardim no terraço. Este é um members club e para entrar é necessário um convite.
Como conseguir convite? Imagino que baste mandarem-lhes um email ou contactarem-os por telefone. Estas coisas tendem sempre a ser mais marketing do factor exclusivo do que o que são na realidade.

O que é? Mais outro members club criado especialmente para este período. Este é localizado num armazém no Este de Londres a 100 metros do Estádio olímpico.
Como conseguir convite? Basta enviar um email a pedir o convite para sam@thefringe2012.com ou telefonar para o 020 8144 1264.
Quando? De 20 de Julho a 9 de Setembro.
Quanto? Um passe para a noite (19h-02h) custa £40 e só dá direito a entrada. Um passe de um dia (09h-02h) custa £150 e dá direito a 3 bebidas e 3 refeições.


E já agora, uma oportunidade de emprego em Londres: Gestor de Eventos (que fale português): Event-manager-fluent-portuguese

I Encontro da Bluegosfera Portista: rescaldo

Petulantemente solicitei a permissão de estar presente no encontro da bluegosfera portista. Embora o meu blogue não seja exclusivamente dedicado ao FC Porto, é essencialmente um caderno diário de um Nortenho que ama as suas raízes e luta contra o colonialismo e centralismo lisboeta, é, claro, também Portista. Sócio desde 1976 (embora frequentasse o estádio desde pequenino, pela mão do meu irmão Zé Luis), já sou possuidor de uma larga história de acompanhamento e defesa do meu amado Clube. Foi pois com satisfação que vi a inscrição ser aceite e foi com curiosidade e prazer que entrei, num sábado de calor fantástico, no Auditório José Maria Pedroto, bem dentro das entranhas do "georgio armani" dos estádios mundiais, o Estádio do Dragão.
Um painel exigente mas de temática pertinente, provocou um alongar do tempo previsto. Além de me permitir conhecer algumas figuras no universo virtual com as quais "convivo" diáriamente, permitiu perceber a grandeza do FCPorto, a inteligência dos interlocutores, a visão apaixonada mas também racional da temática clubística. Apresentações bem construídas, coloridas com a diversidade necessária, mas sempre com a presença da marca Porto, da mística, da paixão. Excelente tertúlia!
Fiquei emocionado com a presença e dissertação do Alexandre Figueira, um algarvio que ama o FCPorto e escreve no Azul ao Sul e fez o periplo desde Faro para nos honrar com a sua presença, divertido com o José Teles, o "guarda abel" do Pobo do Norte, a visão da Fernanda Roxo e do Luis Marques, a necessária e obrigatória crítica visão contabilística do José Correia, as questões pertinentes do Ricardo Costa . "Chorei" também pelo fim do basquetebol e com a mensagem emocionada de Moncho Lopez, esperando como todos que seja apenas uma ligeira interrupção de uma modalidade num clube que se quer eclético e cujas modalidades de alta competição tantos triunfos e alegrias nos dão e tanto respeito criam nos adversários que nos tecem elogios e admiração... Carambas, o futuro está assegurado, e de que maneira...
Apreciei as explicações do director de comunicação do FCPorto, mas espero que medidas rápidas sejam tomadas para melhor reflectir a imagem do clube, quer nos média, quer no mundo virtual (aquele site não lembra o diabo)...
Bem hajam os organizadores, o FCPorto por ter disponibilizado o auditório e instalações.
Enfim, uma excelente tertúlia que merece ser repetida. O FCPorto somos também nós!

Obs.: podem ver imagens do encontro aqui no Fotos da Curva