Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

1 Livro por mês: Maio

O Caminho da Servidão
 
 
O Caminho da Servidão (The Road to Serfdom) ou O Caminho para a Servidão é um livro escrito por Friedrich Hayek, vencedor do Prémio Nobel da Economia de 1974, destacando-se como uma das obras de referência na defesa do liberalismo clássico ou liberalismo económico. É importante notar que, no prefácio da sua edição original, o autor admite que o conteúdo do livro é essencialmente político, e afirma desejar não disfarçá-lo sob o rótulo de filosofia social.
A tese central de Hayek é que todas as formas de colectivismo, seja o nazismo ou o socialismo, levam inevitavelmente à tirania e à supressão das liberdades, conforme já se evidenciava à época pelos exemplos da Alemanha Nazi, da União Soviética, e dos demais países do bloco comunista. O autor argumenta que, em num sistema de planeamento central da economia, a alocação de recursos é de responsabilidade de um pequeno grupo, sendo este incapaz de processar a enorme quantidade de informações pertinentes à adequada distribuição destes bens à sua disposição. Face à gigantesca concentração de poder nas mãos de um limitado número de burocratas, divergências acerca da implementação das políticas económicas levaria inexerovalmente ao uso da força pelo governo para que suas medidas fossem toleradas.
Pior que isto, advoga Hayek, é o facto de que o fracasso das políticas instituídas pelos planeadores centrais seria, segundo ele, sempre justificado pela falta de poder estatal para vencer as resistências aos planos, o que acaba levando ao uso ainda mais extensivo da violência contra os divergentes e à imposição de restrições à população em geral. A esta, por sua vez, era passada a mensagem de que o planeamento central só funcionaria sob um governo muito forte, o único capaz de fazer as coisas funcionarem. Frente aos repetidos fracassos do planeamento central, devidos à impossibilidade de planeadores racionais dominarem o número de informações necessário para controlar todas as relações económicas de uma sociedade complexa, o uso da força crescia como falsa solução para os problemas de desabastecimento e miséria, num círculo vicioso que levava estes países fatalmente ao totalitarismo.
Em última análise, na tese defendida por Hayek a implementação de um sistema econômico centralizado, que nunca atingiria seus objetivos, levaria à supressão de quase todas as liberdades civis. Apenas em uma sociedade livre, em que o mercado estivesse submetido tão-somente à ordem espontânea oriunda do estabelecimento voluntário de relações entre as pessoas, conjugar-se-ia o progresso económico com as liberdades civis. [ TIRADO DAQUI ]

Da inveja portuguesa ou a forma de estragar coisas que até funcionam e dão dinheiro

Dar-se ao respeito

É arrasadora a indiferença dos partidos aos critérios éticos. Mas alguém se importa? O facto de as recentes eleições de Ricardo Rodrigues e António Gameiro mal terem sido notícia é esclarecedor.
A qualidade de uma democracia republicana mede-se, entre outras vias, pelo comportamento dos seus representantes, tanto governantes como parlamentares. Isto porque os nossos regimes liberais não são apenas compostos de regras, leis, instituições, freios e contrapesos. O cumprimento da lei não chega – de nada servem as regras e as instituições se umas não forem cumpridas e outras não forem respeitadas, mesmo quando assim a lei o permite. Os regimes liberais distinguem-se, para além da forma de governo, pela sua dimensão moral. Estão suportados em pilares éticos e são mantidos por quem acredita nos valores da liberdade, igualdade, justiça, dignidade humana, diversidade, tolerância. E, como tal, a credibilidade de um sistema político perante os cidadãos assenta, também, no reconhecimento do respeito por esses valores por parte dos seus representantes – e não, somente, do cumprimento da lei e das regras, pois algo ser legal não significa que seja ético.
É por isso que, em várias democracias maduras, os políticos abandonam as suas funções quando se vêem envolvidos em casos que põem em causa a sua idoneidade enquanto servidores públicos. Só no último ano, exemplos não faltam. Bruno Le Roux, ex-ministro do Interior em França, demitiu-se devido à contratação das suas filhas para assistentes parlamentares. Aida Hadzialic, ex-ministra da Educação na Suécia, demitiu-se por ter sido apanhada a conduzir sob efeito de álcool (0,2 g/l). Keith Vaz, ex-deputado inglês do Partido Trabalhista, demitiu-se por se ver envolvido num caso de prostituição masculina. Ard van der Steur, ex-ministro da Justiça da Holanda, renunciou ao cargo face à acusação de que, em 2001, teria ocultado informações ao parlamento sobre um caso de corrupção de justiça. José Manuel Soria, ex-ministro espanhol da Indústria, demitiu-se após ter sido conhecida a sua relação com empresas em paraísos fiscais. Sigmundur Gunnlaugsson, ex-primeiro-ministro da Islândia, renunciou ao cargo quando se viu envolvido no escândalo dos Panama Papers. E por aí fora.
Em Portugal, resiste uma certa dificuldade em compreender esta lição elementar: o regime tem de manter uma dignidade moral e quem ocupa cargos públicos tem de estar acima de qualquer suspeita. Aliás, um dos debates deste tempo ilustra bem o problema: não se precisa dos tribunais para afirmar que Sócrates, enquanto agente político, é culpado – basta saber que, enquanto primeiro-ministro, viveu às custas de transferências ocultas de um amigo com quem o Estado mantinha negócios. Mas se Sócrates é um óbvio caso de polícia, a cena política portuguesa está repleta de situações cuja inconsequência envergonha.
Carlos César (PS) tem toda a sua família empregada em cargos públicos, incluindo posições de nomeação. Ricardo Rodrigues (PS), célebre por ter sido condenado em tribunal pelo roubo de gravadores a jornalistas durante uma entrevista, foi escolhido pelo PS e há semanas eleito pelo parlamento para o Conselho Superior dos Tribunais Administrativos e Fiscais. António Gameiro (PS), conhecido por ter sido condenado em tribunal pela apropriação indevida de 45 mil euros de uma cliente (e com pena agravada pelo Tribunal da Relação), foi (novamente) eleito para o Conselho de Fiscalização do Sistema Integrado de Informação Criminal. E, menos recente mas interessante de comparar com o que sucedeu na Suécia, Glória Araújo (PS), à época deputada (2013), foi apanhada pela polícia a conduzir sob efeito de álcool (2,41 g/l) – e recusou renunciar.
Todos os exemplos recentes são do PS? Sim, como seriam do PSD se estivesse no governo – o poder permite aos partidos agir à sua conta e vontade. Eis a arrasadora indiferença dos partidos aos critérios éticos, sobretudo quando integram a maioria parlamentar. Ora, é fácil (e justo) apontar o dedo aos partidos. Mas tudo isto apenas acontece porque se entrega aos políticos a decisão em benefício próprio, sem ter contrapeso na sociedade civil – isto é quem proteja o sistema político, denuncie e pressione os partidos a alterar comportamentos que, sendo legais, não são éticos. Só que, no fim de contas, ninguém se importa realmente. O facto de as recentes eleições em plenário da Assembleia da República (Ricardo Rodrigues e António Gameiro) mal terem sido notícia é prova suficiente. Depois não há surpresas: quem não se dá ao respeito não é respeitado.

[ Alexandre Homem Cristo, aqui ]

A (in)justiça de termos um "presidente" como este

 
Marcelo Rebelo de Sousa explicou-nos a razão pela qual as agências de rating devem rever a posição da República Portuguesa, até Setembro.
 
PATÉTICO!

A Europa, às mãos de patéticos governos de esquerda, luta com velas e ursinhos contra o terrorismo

567 EUROPEUS ASSASSINADOS 
em "casa"!

Esta é a longa e triste lista da "colheita" humana do terrorismo islâmico no solo da Europa:

Madrid: 191 
Londres: 58 
Amsterdão: 1 
Paris: 148 
Bruxelas: 36 
Copenhaga: 2 
Nice: 86 
Estocolmo: 4 
Berlim: 12
Manchester: 22

E não leva em conta as centenas de cidadãos europeus massacrados no exterior, como aconteceu em Bali, em Sousse, em Dakka, em Jerusalém, em Sharm el Sheikh, em Istambul...

Mas depois de 567 vítimas de terror, a Europa ainda não entendeu. Apenas na primeira metade de 2017 sabemos que a cada nove dias têm sido evitados atentados terroristas em países do velho mundo.  No entanto, apesar desta ofensiva islâmica, os governos patéticos da Europa estão a lutar (?) e a combater os assassinos e os muçulmanos que habitam o nosso solo com ursinhos de pelúcia, velas, flores, vigílias, hashtags Twitter e cartoons.

Depois do "treta" chegou o dia da "trapaça"

Depois da vergonha da Liga Salazar, a mesma equipa, na Taça também chegou à final assim:

Imagens raras (IX)

Estivemos lá!












Espertinha

Castelo de Vide

Vilas e Aldeias da Serra da Estrela

É hoje: 6º Dia de Clube (outrora encontro da bluegosfera)

Sempre presente nas anteriores edições, mais uma vez lá estarei


Ménage (para adulto)

Lembram-se do gozo lisboeta ao facto do #merceeiro# do Porto querer comprar a PT?

Todos estão lembrados dos ataques feitos pelos lisboetas à pretensão de Belmiro de Azevedo, que através da SONAE avançou com uma oferta de aquisição da PT.
Foi vergonhosa a forma como o Homem e a Instituição Nortenha foram  tratados nos corredores do (podre) poder lisboeta. O centralismo-colonialismo daqueles vermes que sugam o país e a sua baixeza chegou ao ponto de apelidarem Belmiro como o "merceeiro do Porto" que queria a "gigante" PT.
Pois bem, o tempo encarregou-se de mostrar que afinal o "gigante" nacional-lisboeta tinha pés de barro e que os seus "ilustres sábios" dirigentes não passavam de uns vigaristas e trapaceiros.
Agora chegou o ponto final. A PT já era. Bem feito, digo eu, e acrescento: "ESTRELINHA QUE OS GUIE"
 
 

A semana em que o Porto é a capital europeia do design está aí!

Entre os dias 23 e 28 de Maio, o Porto está transformado na capital europeia do Design, acolhendo uma série de iniciativas incluídas no programa dos European Design Awards 2017. O ponto alto será a cerimónia de entrega dos prémios que distinguem os melhores exemplos de comunicação na Europa, a 27 de maio, no Teatro Rivoli. O programa dos European Design Awards arrancaram na terça-feira, 23 de Maio, com a abertura de uma exposição do projecto Two Pages no sétimo piso do Silo Auto. Os estudantes têm entrada a preço simbólico.


No ano em que celebra a sua décima edição, a cerimónia de entrega dos European Design Awards será pela primeira vez realizada no Porto, a 27 de Maio, sob o tema "Celebrating Creative Excellence". 

Depois de já ter passado por cidades como Viena, Istambul, Colónia, Helsínquia, Roterdão, Estocolmo, Zurique ou Atenas, a cerimónia deste ano terá por palco o Teatro Rivoli. Em 2015, em Istambul, a marca Porto. foi premiada com um duplo ouro em "Branding Implementation" e "Best of Show", tendo então crescido a ideia de realizar no Porto o evento, em 2017. Em 2016, Demetrios Fakinos, o grego que lidera a organização, anunciou que o Porto tinha sido a cidade escolhida, apesar da competição de Milão e Atenas.

O evento vai distinguir os melhores exemplos de design de comunicação na Europa em mais de 30 categorias a concurso. Além da cerimónia, que trará ao Porto os mais reconhecidos designers, estúdios e agências de todo o continente europeu, a cidade será ainda palco de conferências, exposições, workshops e visitas guiadas a estúdios, que ajudarão a compreender e a debater melhor o papel do design na vida dos cidadãos.


EXPOSIÇÃO NO SILO AUTO ABRIU O PROGRAMA NA TERÇA-FEIRA PASSADA

O programa dos ED Awards arrancou na terça-feira, 23 de Maio, às 16 horas, com a abertura da exposição do projeto Two Pages, no sétimo piso do parque de estacionamento do Silo Auto.

A mostra, intitulada precisamente "Two Pages", apresentará uma seleção de 112 spreads que abarcam diferentes abordagens que vão desde o desenho/esboço, à ilustração, fotografia e design. 

Lançado em 2012 pelos designers Konstantinos Trichas e Dionysis Livanis, o projecto Two Pages teve já o contributo de mais de 450 artistas de todo o mundo, incluindo um núcleo activo sediado no Porto. Esta corrente colaborativa, aberta a novos talentos, tem por base a criação de sketchbooks com as mais diversas tendências no campo da comunicação visual.

A par da exposição, que ficará patente no Silo Auto até domingo 28 de Maio, Konstantinos Trichas (designer) e Dionysis Livanis (artistas plástico e designer) promovem no mesmo espaço um workshop sobre a linguagem visual e a cultura urbana do Porto, hoje, quinta-feira, 25 de Maio, entre as 12 e as 16 horas. Embora de acesso gratuito, a participação no workshop requer inscrição online.

WORKSHOP DO COLETIVO POST EADY NO PALÁCIO DOS CORREIOS

Também hoje, quinta-feira, 25 de Maio, a partir das 14 horas, o terceiro piso do Palácio dos Correios, ao lado do edifício da Câmara do Porto, acolhe um outro workshop, este promovido pelo coletivo Post Eady e com a designação "A Tumblr Manifesto: The Critical Intentions of the Interface Deco". 

O objectivo deste workshop é proporcionar aos participantes uma perspectiva das várias correntes do Design Gráfico enquanto disciplina. A participação no workshop também é gratuita, mas requer inscrição obrigatória para o email: posteadyevents@gmail.com ou através desta ligação.

TRÊS VISITAS GUIADAS A ESTÚDIOS DE DESIGN

No dia seguinte, sexta-feira, 26 de Maio, o programa paralelo dos ED Awards prossegue da parte da tarde, convidando os participantes do festival a conhecerem o ambiente criativo do Porto através de três visitas guiadas a estúdios de design sedeados na Baixa do Porto e em Matosinhos.

Os estúdios convidados a integrarem estes roteiros vão expor o seu trabalho, discutir os seus desafios, as suas soluções e a sua metodologia, interagindo e partilhando opiniões e experiências com os participantes (20 por cada passeio). A inscrição tem um custo de nove euros.

RIVOLI ACOLHE CONFERÊNCIA E CERIMÓNIA NO SÁBADO

No sábado, 27 de Maio, as atenções voltam-se para o Teatro Rivoli, onde a partir das 14h30 decorrerá a conferência principal do certame. Segue-se a cerimónia de entrega dos prémios, às 18,30 horas, também no auditório principal do Rivoli.

A partir das 23 horas, há uma festa no último piso Edifício dos Correios, em simultâneo com a pré-abertura da exposição "Design by Porto, Porto by Design: 4 anos de design da Câmara do Porto", que coloca em destaque a identidade gráfica da cidade, vencedora em 2015 de dois ED Awards.

DESCONTO ESPECIAL PARA ESTUDANTES

Na sua estreia no Porto, o festival vai oferecer condições especiais aos estudantes, que poderão assistir a todo o programa previsto para o Teatro Rivoli: conferência e cerimónia de entrega de prémios. O bilhete tem um preço simbólico de cinco euros, podendo ser adquirido até ao dia do festival nas bilheteiras do Rivoli.

O bilhete dá ainda acesso gratuito à festa que terá lugar ao final da noite de sábado no sétimo piso do Palácio dos Correios.

Os restantes bilhetes estão à venda online.

O novo filão da FPF faz tábua rasa da liberdade de expressão

CÂNTICOS SOBRE CHAPECOENSE E BENFICA VALEM PUNIÇÃO AO FC PORTO

Conselho de Disciplina aplicou multa de quase mil e quinhentos euros
Dicas para os adeptos do FC Porto:
  • A mãe do árbitro é uma meretriz
  • Os candeeiros são uns trastes tristes
  • E quem não salta é uma lâmpada de halogéneo

Portuguesa em Londres diz que os muçulmanos fazem o que querem


Uma portuguesa residente em Londres relata o que se passa na Escola onde os seus filhos estudam: "Crianças muçulmanas com 7 ou 8 anos não sabem 'pedir desculpa' nem dizer 'se faz favor'. Tratam mal os professores, são super mal educadas", diz Sílvia Isidro.
O ataque de Manchester: Opinião Pública SICN.

Os torquemadas persecutórios da FPF continuam a atacar o FC Porto: em democracia, liberdade de expressão é condenada!


Francisco J. Marques, director de comunicação do FC Porto, foi esta terça-feira multado pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol devido a declarações prestadas à comunicação social. Em causa estão as palavras escritas no Dragões Diário em Janeiro, com acusações à FPF por alegadamente tentar justificar a expulsão de Danilo no lance em que chocou com o árbitro Luís Godinho, na partida com o Moreirense.


O responsável portista desrespeitou o artigo 19.º do Regulamento Disciplinar, relacionado com Deveres e obrigações gerais, e foi condenado ao pagamento de 459 euros.

Também o FC Porto foi multado, por desrespeitar o artigo 112.º, relativo à Lesão da honra e da reputação dos órgãos da estrutura desportiva e dos seus membros. Os dragões terão assim de pagar 3.825 euros de multa.


Mais um exemplo que comprova a manipulação de resultados e um campeonato ganho fraudulentamente

QUANDO JÁ NÃO INTERESSA PARA AS CONTAS FINAIS, EIS QUE A JUSTIÇA "LISBOETA" DA FPF COMEÇA A FUNCIONAR.

AGORA SÓ FALTAM OS "CASOS" 
  • DA CLAQUE NN, 
  • DO VIGARISTA POEIRENTO E DA
  •  "HISTÓRIA" DO CORREDOR DE ALVALADE EM QUE A CÁFILA PRESIDENCIAL ENCORNADA PRESSIONOU SOARES DIAS




RIP


Uma vergonha: PS indicou o socialista Ricardo Rodrigues, “o deputado dos gravadores”, associado a boatos de ligações à pedofilia dos Açores, para órgão judicial

O presidente da câmara de Vila Franca do Campo foi eleito sem oposição (!!!), por indicação do grupo parlamentar socialista, para o Conselho Superior dos Tribunais Administrativos e Fiscais (CSTAF)

Ricardo Rodrigues, ex-deputado socialista e actual presidente da câmara de Vila Franca do Campo foi eleito esta quinta-feira, dia 11, como vogal do Conselho Superior dos Tribunais Administrativos e Fiscais.


O autarca, formado em Direito, tinha sido condenado em Junho 2012 por atentado à liberdade de imprensa e de informação e ao pagamento de uma multa no valor de 4950 euros, por ter levado os gravadores de dois jornalistas da revista SÁBADO durante uma entrevista de que não terá gostado. Suspendeu, após a condenação, as funções de vice-presidente do grupo parlamentar do PS na Assembleia da República (AR), de representante da AR no Conselho Geral do Centro de Estudos Judiciários, e de suplente no Conselho Superior de Informações, até ao trânsito em julgado do caso. Nas eleições autárquicas de 2013 foi eleito presidente da câmara de Vila Franca do Campo. Em Dezembro desse ano, o Tribunal da Relação indeferiu o recurso da condenação em primeira instância, tendo confirmado a decisão. Ricardo Rodrigues volta agora a ocupar um órgão judicial.

O nome de Ricardo Rodrigues foi proposto pelo grupo parlamentar do PS, presidido pelo também açoriano Carlos César, de quem Ricardo Rodrigues foi secretário regional quando este presidiu ao Governo regional dos Açores. Os vogais do CSTAF são propostos pelos grupos parlamentares e ouvidos em audições na comissão parlamentar de Direitos, Liberdades e Garantias. Ricardo Rodrigues foi ouvido no dia 9, tal como os outros elementos apresentados pelos partidos, não tendo sido levantada nenhuma objecção ao seu nome. A votação, em urna fechada, decorreu dois dias depois. Houve 202 deputados a votar, 116 votos a favor, 77 em branco e nove nulos. Foram eleitos como membros efectivos do CSTAF Pedro da Costa Gonçalves, Ana Gouveia Martins, João Taborda da Gama e Ricardo de Amaral Rodrigues.

O actual autarca e presidente da Associação de Municípios da Ilha de São Miguel (AMISM) é actualmente visado, pelo menos de forma indirecta, num caso que deu entrada na Justiça. Em Fevereiro último, a empresa italiana Termomeccanica apresentou duas queixas, junto da procuradoria da república dos Açores e junto da secção regional do Tribunal de Contas, acusando o júri do concurso promovido pela AMISM de factos que poderão configurar "ilícitos criminais e financeiros". Ganhou o concurso um consórcio luso-germânico – que teria o apoio de Ricardo Rodrigues e de alguns outros autarcas – com uma proposta mais cara em cerca de 11 milhões de euros e com um tempo de execução mais longo.

Contudo, apurou a SÁBADO junto da Assembleia da República, não existe nenhuma incompatibilidade formal ou jurídica entre ser presidente de câmara – mesmo que esta venha a ser visada em processos nos tribunais administrativos ou fiscais – e ser membro do CSTAF. Além disso, apesar de os tribunais administrativos e fiscais terem a seu cargo, com frequência, o julgamento de inúmeros casos envolvendo autarquias, as funções do CSTAF, de acordo com juristas ouvidos pela SÁBADO, não têm qualquer interferência sobre os mesmos. O CSTAF é legalmente "o órgão de gestão e disciplina dos juízes da jurisdição administrativa e fiscal" e conta, entre as suas atribuições, a faculdade de "nomear, colocar, transferir, promover, exonerar e apreciar o mérito profissional dos juízes" e "exercer a acção disciplinar relativamente a eles" ou "conhecer das impugnações administrativas interpostas de decisões materialmente administrativas proferidas, em matéria disciplinar", pelos presidentes dos tribunais centrais administrativos, dos tribunais administrativos de círculo e dos tribunais tributários. As inspecções aos tribunais administrativos e fiscais estão também a cargo do CSTAF.

Em 2010, durante uma entrevista à revista SÁBADO, Ricardo Rodrigues manifestou-se por várias vezes incomodado com as perguntas e ameaçou por diversas vezes abandonar a mesma. Acabou por se levantar e levar consigo os dois gravadores dos jornalistas. Deu uma conferência de imprensa queixando-se de que fora alvo de "violência psicológica insuportável".


CNN: Portugal's Douro Presidential Train: The world's tastiest rail journey

(CNN) Dappled sunlight gleaming off its regal blue livery, Portugal's Presidential Train glides out of the medieval heart of Porto towards the Douro Valley on the start of a new addition to Europe's selection of luxury rail journeys -- a nine-hour gourmet excursion through one of the most beautiful wine regions.



Its oldest carriages were assembled in Parisian workshops 127 years ago to convey Portuguese kings and queens around their realm in high comfort.
Now the once-royal rolling stock takes paying passengers on a lavish day-trip through 200 kilometers (125 miles) of stunning scenery from Porto to the grand Quinta do Vesuvio estate on the far eastern edge of Douro wine country.

For most of the journey the train hugs the riverbank. Each curve reveals a different breath-stopping vista of the broad, blue Douro as it snakes through vine-covered slopes dotted with granite villages or the stately mansions of old wine-making families.

It doesn't come cheap. Tickets for riding this railroad are €500 ($560) -- compared to €24.60, if you take the regular train along the same line. The Presidential price includes some extras, though, starting with the fancy catering.

A succession of Michelin-starred chefs from Portugal and beyond are serving gourmet lunches to travelers on the 30 or so trips scheduled for spring and fall 2017. Their multi-course meals are partnered with prize-wining Douro wines.

[ artigo e fotografias: continuar a ler aqui ]

FC Porto: um passo em frente dois atrás

Andam a dar baile aos sócios. 
Há 4 anos. 

Cidade celebra o São João durante um mês inteiro

A contagem decrescente para a grande noite sanjoanina começa já a 25 de Maio e toda a cidade está convocada para participar numa das maiores festas de rua da Europa. A tradição popular e o envolvimento da comunidade serão duas das premissas da programação deste ano, que terá música e músicos do Porto nos três concertos agendados para os Aliados, a 22, 23 e 24 de Junho.



A Câmara do Porto apresentou na passada terça-feira, no Miradouro da Sé, bem no coração do Centro Histórico, o programa oficial das Festas de São João do Porto 2017, que este ano se iniciará a 25 de Maio e se prolongará por um mês, até 25 de Junho. 

Serão cinco semanas de animação constante, um pouco por toda a cidade, sempre com novas e variadas propostas que prometem ir ao encontro de todas as gerações de portuenses - os que aqui vivem e trabalham -, mas também a de todos os que visitam a cidade por esta altura do ano.


"Uma Festa de Todos e para Todos" é, aliás, a promessa da programação desenvolvida para a edição de 2017. Uma programação pensada a partir da cidade e para a cidade, que procurará manter vivas as tradições mais genuínas e enraizadas desta Festa, valorizando o nosso património cultural e imaterial como a construção das cascatas sanjoaninas, o lançamento de balões de fogo, os bailes e arraiais por toda a cidade ou as rusgas e arruadas que percorrem as ruas da Baixa.

Mas nesta festa, onde cabem tantas outras festas, a tradição também se renovará com outras propostas originais, promovendo o cruzamento entre o popular e o erudito, entre os conteúdos mais tradicionais e as disciplinas mais criativas, juntando o circo, a animação de rua, as artes performativas, o desporto e, claro, e os festivais de música e os concertos.

Afinal, até mesmo uma festa secular como o São João se pode revelar "nova" na forma como as suas tradições se celebram e se mantêm vivas e actuais, a cada ano. O mesmo se passa, aliás, com o espírito desta Festa, que percorre gerações e continua a contagiar todos os que nela participam, seja repetidamente ou pela primeira vez.

No fundo, é também assim que o São João se mantém, há tantos e tantos anos, como um marco incontornável da cidade e uma experiência única a viver no Porto. "Uma festa única, numa cidade única".

HOMENAGEM ÀS GENTES DO PORTO NA ABERTURA
Quando o fogo de artifício disparar sobre o rio Douro, na noite de 23 para 24 de Junho, já a cidade estará em festa há praticamente um mês. 

Este ano, a contagem decrescente para o São João começará a 25 de Maio. Será o primeiro dia de um programa que dedicará especial atenção ao envolvimento da comunidade no "fazer da festa", num reconhecimento do papel principal que as gentes do Porto têm nesta Festa, escolhida pela cidade há mais de 100 anos, e na preservação das tradições que lhe estão associadas.

Este primeiro dia será, por isso, de homenagem ao património imaterial mais importante da cidade: as suas gentes, com a sua autenticidade e a sua reconhecida força de vontade e superior vontade de fazer.

Neste dia, serão lançados dois projetos que convocarão a comunidade a participar em iniciativas de materialização de dois dos símbolos mais tradicionais da Festa de São João do Porto: a Cascata e os Balões de São João.

No caso da Cascata Comunitária, e porque se pretende que este seja uma iniciativa realmente aberta e disponível a toda a cidade, serão promovidas 20 oficinas (de 3h cada), entre 25 de Maio e 17 de Junho, percorrendo todas as freguesias do Porto. Haverá também oficinas especialmente dedicadas ao público infantil e famílias, à comunidade do Centro Histórico e ao Comércio Tradicional. O resultado final (prevê-se a execução de cerca de 250 casas) será relevado a 18 de Junho, em local ainda designar.

No caso dos Balões de São João, o dia 25 de Maio marcará o arranque de um projecto artístico e de mediação social para uma grande largada de balões, a acontecer na noite de 21 de Junho (o Dia mais Longo), como forma de celebração do Solstício de Verão.

Para além da distribuição massiva de um mapa com instruções de como construir um balão e do lançamento de um vídeo tutorial online, serão realizadas três oficinas comunitárias de construção de Balões de São João, entre 14 e 16 de Junho, no antigo Posto de Turismo da Sé.

O projecto São João Baloeiro irá, de resto, propor em 2017 uma associação directa a uma outra tradição da cidade: as Rusgas de São João.
Nesse sentido, as oficinas conduzidas pelo Mestre Baloeiro Luciano Britto serão, este ano, especialmente dirigidas às Freguesias e Uniões de Freguesia, convocando directamente a comunidade associada às Rusgas a criar os seus próprios balões. E a lançá-los no dia de encerramento das Festas de São João, a 25 de Junho, nos Aliados, como momento final das Rusgas de São João.

ALUMIA TRAZ LUZ, SOM E FOGO AO CENTRO HISTÓRICO
O dia de abertura das Festas de São João do Porto 2017 reserva ainda outro momento no espaço físico do Centro Histórico e também com forte envolvimento da comunidade local. Inserido no projecto ALUMIA, dinamizado pela PortoLazer para celebrar os 20 anos da classificação Centro Histórico do Porto pela UNESCO, será inaugurada a 25 de Maio, pelas 22 horas, a instalação CX LUX, que ocupará temporariamente (até 31 de Julho) o Elevador da Lada.

A instalação junta à luz uma componente sonora, decorrente da recolha de sonoridades (atualmente em curso) junto da comunidade do Centro Histórico, por via de uma residência artística promovida pela Faculdade de Belas Artes do Porto.

Na noite de 27 de Maio, e durante três horas, o mesmo projecto ALUMIA transformará o Largo Amor de Perdição (e a sua envolvente próxima) numa viagem sensorial guiada pelo fogo através de uma instalação de grande escala, trazida ao Porto pela conceituada Companhia Carabosse.

Neste primeiro fim de semana de programação, merecem igualmente destaque a estreia do Porto Blues Fest (26 e 27 de Maio), que terá como ponto alto o concerto de homenagem a B.B. King, juntando a filha Shirley King e Rui Veloso no mesmo palco, a realização do Porto Extreme XL na Ribeira do Porto (27 Maio), mas também o arranque de mais uma edição do Trengo - Festival de Circo nos Jardins do Palácio de Cristal, que este ano se prolongará até 18 de Junho.

JUNHO COMEÇA EM FESTA? NO PALÁCIO E EM SERRALVES
E porque o São João no Porto é realmente uma "Festa para Todos", o mês de Junho começa da forma mais divertida possível, com os Jardins do Palácio de Cristal a abrirem as suas portas a mais uma edição da Festa da Criança, de 1 a 4 de Junho. Desta vez, ainda com mais actividades e com três concertos na Concha Acústica, programados pelo NOS Primavera Sound.

Em festa estará também Serralves, que de 2 a 4 de Junho acolherá no seu Parque um dos maiores eventos de cultura contemporânea em Portugal, ao longo de 50 horas non stop! Na véspera, há ainda tempo para apresentar três espectáculos na Baixa do Porto (Jardim das Virtudes, Praça Carlos Alberto e Jardim da Cordoaria).

A terceira semana de programação será música para os ouvidos de muitos, com o NOS Primavera Sound (8 a 10 de Junho) a regressar ao Parque da Cidade do Porto com um cartaz de luxo. Mas quem já por aqui andou, sabe que não é só de música que é feito este festival?

Avançando para a quarta semana, as atenções voltam a estar centradas nos Jardins do Palácio de Cristal, onde ao Trengo - Festival de Circo se junta, também, e mais uma vez, o Porto Beer Fest. Será a 2.ª edição do festival dedicado à cerveja artesanal, que este ano se prolongará por cinco dias (14 a 18 de Junho), juntando mais de 30 cervejeiros nacionais e internacionais e cerca de 200 estilos em prova.

Neste fim de semana há ainda destacar a tradicional Arruada de Ranchos (17 de Junho), que envolverá nove ranchos folclóricos, mais um ciclo de Inaugurações Simultâneas em Bombarda (17 de Junho) e, ainda, a realização da Corrida de São João (18 de Junho), agora com a partida e chegada no Largo do Calém.

CONCERTOS NA AVENIDA COM MÚSICA "MADE IN" PORTO
Com a noite de São João quase a chegar, o destaque da última semana de programação vai, inevitavelmente, para os Concertos na Avenida, numa edição que terá três noites consecutivas (22, 23 e 24 de Junho) de música "Made in Porto". 

Sediada no Porto e dirigida pelo Maestro Francisco Ferreira, a Banda Sinfónica Portuguesa fará as honras de abertura do palco maior das Festas de São João, na noite de 22 de Junho, com um concerto festivo que incluirá temas bem populares da música portuguesa.

Na noite mais longa do ano, passarão pelo palco dos Aliados três grandes e icónicas bandas da cidade: Trabalhadores do Comércio, TÁXI e, já depois do fogo de artifício, GNR & Convidados. A comemorar 35 anos de carreira, a banda convida Isabel Silvestre para cantar em dueto com Rui Reininho a "Pronúncia do Norte", um dos hinos da cidade do Porto, e Javier Andreu, que em 1992 deu voz ao incontornável sucesso "Sangue Oculto". 

No feriado de São João (24 de Junho), a terceira e última noite dos Concertos na Avenida será ao som de duas vozes femininas, com Marta Ren & The Groovelvets na primeira parte e os portuenses Clã de Manuela Azevedo na segunda.

Mas como também é tradição, a música chegará ainda a oito palcos espalhados pela cidade, antes e durante a noite de São João, com um registo mais popular, mas onde não faltarão, também, nomes bem conhecidos da música portuguesa, casos de Toy, Rui Bandeira, Bandalusa, Diapasão e muitos outros.

Pela cidade, haverá também os tradicionais divertimentos. Seis espaços com atrações para os mais novos estarão na Rotunda da Boavista (uma tradição recuperada em 2014), Alameda das Fontainhas, Campanhã (Estação de Recolha de São Roque), Lordelo do Ouro (Jardim do Cálem), Largo do Amor de Perdição (Cordoaria) e Foz (Av. D. Carlos I).
+info: ver PROGRAMAÇÃO - SEMANA A SEMANA em anexo

Outra vez! Um Clube sem liderança, fora e dentro do campo.


Porcos encornados: JOÃO FERREIRA


Plataforma Campanhã cria nova centralidade e inclui Fonoteca Municipal com 34 mil discos de vinil


A Câmara do Porto vai criar uma Fonoteca Municipal de Vinil com 34 mil discos e integrá-la na Plataforma Campanhã, um complexo dedicado às indústrias da música e do audiovisual a nascer no final deste ano junto à estação ferroviária.

O projecto foi apresentado no passado dia 17 no pavilhão devoluto da Rua de Pinto Bessa que irá acolher o projecto e que, após obras de recuperação e adaptação, passará de 800 para 1.250 metros quadrados, albergando a Fonoteca Municipal, quatro estúdios de gravação e outras valências dedicadas a este sector.

A Plataforma Campanhã tem a sua génese na Arda Recording Company, empresa criada a partir dos Estúdios Sá da Bandeira, mas ganha novos contornos quando os seus responsáveis falam do projecto à autarquia. "Veio ao encontro da nossa visão estratégica para esta zona da cidade e para o que andávamos a desenhar desde há um ano, quando a RDP nos entregou a sua coleção de 16 mil discos em vinil", revelou Rui Moreira.
Esse volume veio somar-se aos 18 mil vinis que a Rádio Renascença confiara à autarquia já em 2008 e resulta num "acervo muito importante que não podia ficar fechado", considera o presidente da Câmara, que resolveu integrar a ideia da Fonoteca Municipal na Plataforma Campanhã logo que este projecto lhe foi apresentado.

Como diz Rui Moreira, a Fonoteca inserida na Plataforma vem potenciar as políticas anunciadas para a regeneração da zona de Campanhã e também a expansão da Cultura no Porto. "Mas está a ser concretizada pelos agentes privados", sublinhou, referindo que a poucos metros foi recentemente inaugurado o Espaço Mira e que outros investidores da área audiovisual também já têm os olhos voltados para "a nova vida de Campanhã".

Além disso, o nascimento da Fonoteca Municipal de Vinil vem dar verdadeira utilização do acervo pela cidade. "Os discos já estão catalogados e inventariados pela Biblioteca Municipal Almeida Garrett (BMAG), mas aqui poderão ser estudados e divulgados de diversas formas", avançou o Adjunto do presidente para a Cultura. Guilherme Blanc sublinhou que a Fonoteca é um projecto municipal a desenvolver em rede com a BMAG, mas que ali todo o espólio "poderá ser utilizado gratuitamente por quem se inscrever, tal como na Biblioteca Municipal", ficando acessível a crianças e jovens, investigadores ou qualquer cidadão.




"O Município garante assim os recursos para a instalação e estabilização do acervo e, em conjunto com a Plataforma Campanhã, fará a dinamização do espaço no regime de coprodução", explicou ainda o Adjunto para a Cultura, tendo em conta que "o suporte vinil é cada vez mais relevante". E que, como frisou Rui Moreira, "aqui transforma-se num instrumento mais vivo para a cidade".

A esta nova infraestrutura, que deve estar operacionalizada até final do corrente ano, a Plataforma Campanhã juntará quatro estúdios de gravação, a concluir no primeiro trimestre de 2018 e o maior dos quais terá cerca de 250 metros quadrados.
João Brandão, da Arda Records, referiu também que o complexo vai ter seis salas independentes, incluindo câmara de eco, espaços para realização de voz off, finalizações musicais, restauro de suportes (como fitas magnéticas e outros), além de valências pedagógicas, nos termos de uma parceria a estabelecer com uma escola artística.

O pavilhão terá ainda camarins, quatro salas de produção "onde os músicos podem ter a 'sua casa' com recursos tecnológicos, zona de lazer em open space e para apresentações públicas", adiantou João Brandão, referindo igualmente os escritórios de várias empresas de sectores ligados à música e ao audiovisual que ali irão instalar-se. A produtora Lovers & Lollypops, de Joaquim Durães, e o músico André Tentúgal (We Trust) são algumas das presenças já asseguradas e que foram atraídas pelo projecto e pela sua localização na cidade.
"Bons acessos, transportes públicos e proximidade da Baixa vão fazer desta, em breve, uma zona de referência na cidade", anteviu mesmo João Brandão, indo ao encontro do "alinhamento de propósitos e investimentos na zona, como o Espaço Mira e uma empresa de mobiliário vintage", referidos pelo proprietário do espaço, Rui Canela, outro forte entusiasta da Plataforma Campanhã, que se assume, assim, como um paradigma de colaboração entre a iniciativa privada e o Município. [daqui]