Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

Este trafulha, vigarista, traficante, corrupto que deve a todos os bancos...

Assim de repente... Vejo uns milhões em dívida daquele senhor que chorou à Cristina e que disser que não deve nada a ninguém...
Esta é a lista dos principais devedores à CGD.

Grande Manifestação Mundial contra o regime de Maduro


Liberdade para Rui Pinto!

No Benfiquistão é um terrível criminoso. Em países democráticos é uma inspiração para o povo livre.


Porto na pintura (3)


O socialismo de facto acaba com a pobreza... dos políticos e dos seus.

O PCP tem o genro do líder a trocar lâmpadas por 11 mil euros.

O Bloco tem vereadores a especular por 4 milhões de euros.

O PS tem uma líder da JS que recebeu ajustes directos de 110 mil euros em dois anos.

Em Portugal, um destes relvados valeu 765 Euros de multa aplicada pelo Sr. Meirim

Adivinhe você qual

Escutem o que estes filhos da puta de lisboa dizem!


Mais de 200 milhões de euros por ano para servir o regime político?


E o ‘Hacker’ dos ‘emails’ que expuseram a corrupção do Benfica é que foi preso num País de trapaceiros, velhacos e ladrões!

O genro de Jerónimo de Sousa fez uns trabalhos de limpeza e manutenção de paragens de autocarros e mupis publicitários para o ‘Bernardino’ da Câmara de Loures?!


O islamismo desumaniza as mulheres: não queremos disto na Europa e muito menos em Portugal!




Momento Musical: Vokul Fen Mah - Original Skyrim Bard Song - feat. Malukah

Dos "padres" encornados

"Não tenho nada contra o Hugo Miguel, o Capela... Gostava era de ter sempre os melhores a apitar"

2ª lição. É mais grave entrar nos computadores do Benfica do que do Citius.

Do tempo em que os emails do hacker eram "verdades" e "factos"...


Aumento do valor bruto das reformas, traduz-se numa redução do valor líquido que os reformados vão receber ao final do mês


Leixões-Porto e Porto-corrupto boifica: descubra a "coincidência"!


Rui Pinto para quê? Bastam os jogadores do Marítimo!


Pacientemente à espera que as toupeiras joguem na Hungria. Está visto que é a única maneira da @PJudiciaria deter o Vieira.

Ferreira do Amaral


Ferreira do Amaral mandou construir a PONTE VASCO DA GAMA. Este foi um dos mais ruinosos negócios para o Estado português desde sempre: os privados que construíram a ponte entraram com apenas um quarto do investimento. O restante foi garantido pelo Estado, que assim permitiu aos privados rentabilidades milionárias ao longo de décadas. Mais tarde, o Estado beneficiou ainda o concessionário Lusoponte em mais de mil milhões - mais do que o próprio valor da ponte!
Para cúmulo, hoje, ainda agora, o presidente da Lusoponte é o mesmo Ferreira do Amaral, o ministro que a mandou construir, responsável por este negócio calamitoso. A ponte já está mais do que paga, os concessionários continuam a facturar de forma milionária e Ferreira do Amaral recebe a sua tença - até hoje. (via)
(foto: Público)

Futebol sem VAR é voltar às capeladas encornadas

Mas, quando as aulas de fora-de-jogo são dadas, pelo mesmo artista que anulou o golo do Herrera, no Dragão contra o 5lb, dá para perceber o nível da nossa arbitragem e o descaramento com que se gere este tipo de iniciativas.


Longevidade


Quando 2019 se assemelha tanto a 2009 (ou quando a merda é a mesma e as moscas só estão mais avermelhadas)


Com a detenção do Rui Pinto, aprendi uma grande lição. É mais fácil prender um hacker a viver no estrangeiro, que um corrupto a viver em Lisboa

A julgar pela forma como o caso E-Toupeira foi julgado na Instrução, Rui Pinto vai ser libertado e quem irá a julgamento será o seu teclado e o seu modem

A suprema hipocrisia do corrupto boifica


Petição: Pela Proibição Constitucional do Comunismo em Portugal (e já agora o bloco de esterco)

Para: Exmo. Sr. Presidente da Assembleia da República


Nos termos e fundamentos de seguida apresentados, a presente petição tem como objetivo promover uma revisão constitucional que leve à inclusão, no n.º 4 do artigo 46.º da Constituição da República Portuguesa, e consequente proibição, de quaisquer associações ou organizações que perfilhem ideologias comunistas/marxistas, leninistas, estalinistas e semelhantes. 

Termos e fundamentos: 

O n.º 4 do artigo 46.º da Constituição da República Portuguesa consagra que “Não são consentidas (…) organizações racistas ou que perfilhem a ideologia fascista.” 

O fascismo é uma ideologia política radical ultranacionalista que se caracteriza pelo autoritarismo, totalitarismo, pela veneração de um líder e que promove um estado forte com recurso à vigilância e às restrições de liberdades e garantias dos cidadãos. 

A ideologia fascista não é per si uma ideologia intrinsecamente racista, embora tenha sido algumas vezes caracterizada por atos de distinção e discriminação racial e religiosa. 

A ideologia fascista não goza de um espectro político claramente definido (esquerda vs. direita) porquanto existiram e verificaram-se diferentes formas de fascismo, designadamente o fascismo de esquerda e o fascismo de direita. 

Pelo exposto, a lei fundamental portuguesa não aceita, assim, e bem, qualquer associação ou organização cuja ideologia seja considerada fascista, principalmente porque esta apresenta-se como uma ideologia antagónica aos princípios de um estado de direito democrático, isto é, antes de tudo mais, demonstra-se fundamentalmente antidemocrática. 

Ora, se, por um lado, é comumente bem aceite pela sociedade portuguesa que a nossa constituição proíba a manifestação e o culto de ideologias fascistas, por outro, é incompreensível a omissão ensurdecedora que jaz no n.º 4 do artigo 46.º quanto a outras ideologias igualmente ameaçadoras de um Estado de direito democrático, designadamente ideologias comunistas/marxistas, leninistas e semelhantes. 

Estas ideologias e todos os seus ramos têm como base o comunismo marxista e partilham todas elas de diversas características claramente contrárias e antagónicas aos valores e princípios de um estado de direito democrático. 

Em concreto, e entre outras, estas ideologias revelam e partilham, indubitavelmente, parcial ou totalmente, as seguintes características: 

• Autoritarismo;
• Totalitarismo;
• Culto à personalidade do líder;
• Opressão e perseguição de opositores;
• Opressão e perseguição de crentes religiosos;
• Negação da liberdade de expressão e livre pensamento;
• Violação dos direitos humanos;
• Sociedade tendencialmente apátrida e igualitária sem classes sociais que culmina no nivelamento económico e social, por baixo, de toda a população;
• Negação parcial ou total da propriedade privada, em especial dos meios de produção;
• Negação parcial ou total da economia de mercado;
• Nacionalização, ingerência e forte limitação da economia em geral;
• Forte restrição de liberdades, direitos e garantias civis e económicas; 

Atendendo às características destas ideologias, sobejamente verificadas e demonstradas em inúmeros exemplos do passado e dos dias de hoje (vide os péssimos exemplos, entre tantos outros, da antiga Federação Russa, de Cuba, da Venezuela, de Angola, da Coreia do Norte e da China), não se entende como é que a Constituição da República Portuguesa pode condescender a perfilhação, em Portugal, das mesmas. 

E não se entende porque, em primeiro lugar, estas ideologias são ideologias marcadamente totalitárias e autoritárias (à fiel semelhança do fascismo), o que, só por si, já constitui uma grave, intolerável e inaceitável ameaça ao Estado português, que se diz e se constitui como democrático. 

Estas ideologias são, em rigor, opostas a um estado de direito democrático e não podem, nem devem, em razão disso, ser aceites e toleradas pela nossa constituição. São ideologias profunda e inquestionavelmente antidemocráticas. 

Em segundo lugar, também não se entende como pode a nossa constituição cometer tamanha e prejudicial omissão, porque vários são os princípios e liberdades nela consagrados que se demonstram claramente abominados pelas referidas ideologias. 

A título de exemplo, vejamos o direito à livre iniciativa económica privada (artigo 61.º da CRP), o direito à propriedade privada (artigo 62.º da CRP), o direito à liberdade religiosa (artigo 41.º da CRP) e o direito à liberdade de expressão e pensamento (artigo 37.º da CRP). 

Estes quatro direitos e liberdades, tão elementares quanto basilares na nossa sociedade, são, curiosamente, quatro dos mais abominados pelas ideologias comunistas/marxistas, leninistas e estalinistas, tal como se pôde e se pode observar nos diversos regimes comunistas/marxistas, leninistas e estalinistas. 

De facto, estas ideologias são o apogeu da violação dos direitos, liberdades e garantias, coletivas e individuais, que regem a nossa sociedade. 

Em terceiro lugar, e como se não bastasse, os exemplos vividos e experienciados em vários países onde dominou ou domina uma destas ideologias, demonstraram e continuam a demonstrar que o resultado final das mesmas é a pobreza e miséria generalizada da população, a corrupção e a monopolização e açambarcamento não só do poder mas também da riqueza económica e patrimonial do país pelas altas figuras dos respetivos Estados, isto é, pelas altas figuras dos respetivos regimes (comunistas/marxistas, leninistas e estalinistas). 

Aliás, em Portugal, na ressaca do 25 de Abril e nas tentativas desesperadas de implementar um regime comunista, ficou a prova provada - com a apropriação/nacionalização indevida e destruição das produções agrícolas no Alentejo e a nacionalização forçada e destruidora de várias empresas - do quão nefastas são as ideologias comunistas/marxistas, leninistas e estalinistas. 

As consequências só não foram piores porque, felizmente, os comunistas, lato sensu, não chegaram ao poder. 

Está ainda para nascer um país comunista/marxista, leninista, estalinista ou análogo que tenha verdadeiro sucesso económico e social. 

Por oposição, verifica-se cabalmente que os países cujos princípios, valores, direitos, liberdades e garantias se pautam pela democracia e pela liberdade individual e económica, são aqueles que maior sucesso económico e social têm alcançado, providenciando à generalidade da população o melhor bem-estar e condições possíveis. 

Por fim, e por todo o exposto, há que concluir que estas ideologias são completamente antagónicas à forma como a sociedade portuguesa se organiza e prospera e a muitos dos seus fundamentais e elementares direitos e liberdades. 

É inclusivamente possível afirmar que Portugal é hoje em dia uma democracia graças ao facto dos comunistas, lato sensu, nunca terem chegado ao poder. 

De facto, as ideologias comunistas/marxistas, leninistas e estalinistas representam um risco à democracia portuguesa tão grande ou maior que as ideologias fascistas (praticamente inexistentes hoje em dia). 

Vários são os países onde o comunismo, lato sensu, é legalmente proibido, assim como o fascismo. 

A Constituição da República Portuguesa só contém, ainda, tamanha omissão porque a mesma foi propositadamente deixada aquando da sua criação, ora não tivesse sido a nossa constituição inicialmente elaborada durante o PREC e não tivesse a ressaca do pós 25 de Abril sido marcada pelas tentativas de implementação de um regime comunista. 

Em suma, o fascismo e o comunismo, lato sensu, são opostos que, além de se atraírem, confundem-se. 

Estes dois conjuntos de ideologias partilham de demasiadas semelhanças, todas elas negativas à luz da nossa sociedade, da nossa democracia e da nossa constituição, para que uma (fascismo) seja constitucionalmente proibida e outra (comunismo) seja, por omissão, constitucionalmente consentida. 

Não se verifica, pois, razão válida para que o comunismo continue a gozar de um estatuto distinto em Portugal, devendo a sua proibição ser decretada constitucionalmente. 

Assim, pela presente petição, solicita-se que, nos termos constitucionais e legais, se proceda à revisão da Constituição da República Portuguesa com vista à inclusão, no número 4.º do seu artigo 46.º, das ideologias comunistas/marxistas, leninistas, estalinistas e semelhantes como ideologias não consentidas.


Fonte: https://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT79459&fbclid=IwAR05-PBGpT1ogA0FwbXmuu2qtY9qXH9CfFhOK8rSMpYAfqjrlzaL8KYcg6c

Sem VAR volta logo a pouca vergonha


Descobrimos porque Armando Vara demorou tanto a chegar a Évora... afinal foi a pé


Esta foto não é montagem e é uma das "chapas" mais premonitórias de sempre da nossa circunstância metafórico- política


Costa, o incêndio do Pinhal de Leiria e os sobreiros. Estrato da crónica de Helena Matos


Como é "viver" na ditadura da Venezuela


Momento Musical: Dmitri Shostakovich - Waltz No. 2

Taça de Portugal -18 de Novembro de 2016: Chaves elimina ardilosamente o FC Porto. Árbitro: Capela

Taça de Portugal - 15 de Janeiro de 2019: Leixões - FC Porto. Árbitro: Capela

Todos se lembram dos 3 penaltis que Capela perdoou ao Chaves. O FC Porto foi eliminado da Taça de Portugal, por isso...

… hoje, Capela foi de novo - e por alguma razão - "escolhido" pelo patriarcado lisboeta e todos viram isto: um golo LEGAL anulado por NÉLSON MONIZ, árbitro assistente internacional, que acompanhava o … CAPELA!




Deve ser por coisas destas que o FC Porto não vence as Taças: sem VAR é roubar vilanagem!


O artista da afirmação é o "sr" Seixas da Costa


Iniciativa a Norte!


Está feita a piada...


Isto é trabalhar para a Cidade. Muito bem Rui Moreira!

Para os "outros", o "sr" Meirim tem uns tomates do carvalho!

14 mil euros e um ano de castigo a Rúben Amorim.

Equipa do Campeonato de Portugal questiona um castigo pesado aplicado pela Federação Portuguesa de Futebol: um ano de castigo para Rúben Amorim, 14 mil euros de multa para o clube e cinco jogos à porta fechada.

Corruptos encornados falam em "erros de uma dimensão que há muitos anos não se via". POR ISSO É QUE DESPEDIRAM O SEU TREINADOR!

O que intriga é que após as 18 vitórias do FC Porto, a equipa corrupta de lisboa só esteja a 5 pontos do Campeão Nacional!

Este não é o muro fronteiriço desejado por Donald Trump entre os EUA e o México...

nem a cerca do primeiro-ministro húngaro Viktor Orbán que impede o fluxo de migrantes para a Europa - este é um muro de 764 quilómetros entre a Turquia e a Síria, financiado pela União Europeia.
Embora a UE e os seus leais seguidores persistam em pregar que qualquer forma de fronteira é racista, muitos ficarão chocados ao saber que a construção deste muro foi financiada em grande parte pelos 28 estados membros, incluindo o governo da extrema esquerda de Portugal!
Os estados da UE forneceram ao governo islâmico de Ankara tecnologia de segurança e vigilância avaliada em mais de 80 milhões de euros.
Isto incluiu a transferência de 35,6 milhões de euros por Bruxelas para a empresa turca Otokar como parte do programa de desenvolvimento regional da IPA para a construção de veículos militares blindados Cobra II, que agora estão a ser usados para patrulhar a fronteira com a Síria.
Além disso, em 2016, a UE prometeu 3 bilhões de euros à Turquia sob o pretexto de ajuda humanitária aos refugiados sírios no país. Na realidade, esse negócio serviu para prender os actuais 3,5 milhões de refugiados na Turquia e deixou os que esperavam fugir do país devastado pela guerra ainda em maior risco.
Boa noite pequeninos.
Ainda ides ter saudades do Cristianismo.


Meirim e o IPDJ ainda estão em funções? Ninguém os demite?

Só nesta época, lembro-me distúrbios adeptos do Benfica num restaurante na Madeira, num hotel em Lx onde estavam adeptos do Ajax e agora nos Açores. Não há debates, especiais, crónicas, nada. Zero. Jornaleiros limitam-se a noticiar os eventos como quem diz o tempo q fará amanhã.
O execrável Meirim e o IPDJ continuam a cagar-se para o assunto. 

Vale uma aposta como todos seriam mais agressivos se tivesse acontecido com adeptos do FC Porto?