Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

FC Porto: um passo em frente dois atrás

Andam a dar baile aos sócios. 
Há 4 anos. 

Cidade celebra o São João durante um mês inteiro

A contagem decrescente para a grande noite sanjoanina começa já a 25 de Maio e toda a cidade está convocada para participar numa das maiores festas de rua da Europa. A tradição popular e o envolvimento da comunidade serão duas das premissas da programação deste ano, que terá música e músicos do Porto nos três concertos agendados para os Aliados, a 22, 23 e 24 de Junho.



A Câmara do Porto apresentou na passada terça-feira, no Miradouro da Sé, bem no coração do Centro Histórico, o programa oficial das Festas de São João do Porto 2017, que este ano se iniciará a 25 de Maio e se prolongará por um mês, até 25 de Junho. 

Serão cinco semanas de animação constante, um pouco por toda a cidade, sempre com novas e variadas propostas que prometem ir ao encontro de todas as gerações de portuenses - os que aqui vivem e trabalham -, mas também a de todos os que visitam a cidade por esta altura do ano.


"Uma Festa de Todos e para Todos" é, aliás, a promessa da programação desenvolvida para a edição de 2017. Uma programação pensada a partir da cidade e para a cidade, que procurará manter vivas as tradições mais genuínas e enraizadas desta Festa, valorizando o nosso património cultural e imaterial como a construção das cascatas sanjoaninas, o lançamento de balões de fogo, os bailes e arraiais por toda a cidade ou as rusgas e arruadas que percorrem as ruas da Baixa.

Mas nesta festa, onde cabem tantas outras festas, a tradição também se renovará com outras propostas originais, promovendo o cruzamento entre o popular e o erudito, entre os conteúdos mais tradicionais e as disciplinas mais criativas, juntando o circo, a animação de rua, as artes performativas, o desporto e, claro, e os festivais de música e os concertos.

Afinal, até mesmo uma festa secular como o São João se pode revelar "nova" na forma como as suas tradições se celebram e se mantêm vivas e actuais, a cada ano. O mesmo se passa, aliás, com o espírito desta Festa, que percorre gerações e continua a contagiar todos os que nela participam, seja repetidamente ou pela primeira vez.

No fundo, é também assim que o São João se mantém, há tantos e tantos anos, como um marco incontornável da cidade e uma experiência única a viver no Porto. "Uma festa única, numa cidade única".

HOMENAGEM ÀS GENTES DO PORTO NA ABERTURA
Quando o fogo de artifício disparar sobre o rio Douro, na noite de 23 para 24 de Junho, já a cidade estará em festa há praticamente um mês. 

Este ano, a contagem decrescente para o São João começará a 25 de Maio. Será o primeiro dia de um programa que dedicará especial atenção ao envolvimento da comunidade no "fazer da festa", num reconhecimento do papel principal que as gentes do Porto têm nesta Festa, escolhida pela cidade há mais de 100 anos, e na preservação das tradições que lhe estão associadas.

Este primeiro dia será, por isso, de homenagem ao património imaterial mais importante da cidade: as suas gentes, com a sua autenticidade e a sua reconhecida força de vontade e superior vontade de fazer.

Neste dia, serão lançados dois projetos que convocarão a comunidade a participar em iniciativas de materialização de dois dos símbolos mais tradicionais da Festa de São João do Porto: a Cascata e os Balões de São João.

No caso da Cascata Comunitária, e porque se pretende que este seja uma iniciativa realmente aberta e disponível a toda a cidade, serão promovidas 20 oficinas (de 3h cada), entre 25 de Maio e 17 de Junho, percorrendo todas as freguesias do Porto. Haverá também oficinas especialmente dedicadas ao público infantil e famílias, à comunidade do Centro Histórico e ao Comércio Tradicional. O resultado final (prevê-se a execução de cerca de 250 casas) será relevado a 18 de Junho, em local ainda designar.

No caso dos Balões de São João, o dia 25 de Maio marcará o arranque de um projecto artístico e de mediação social para uma grande largada de balões, a acontecer na noite de 21 de Junho (o Dia mais Longo), como forma de celebração do Solstício de Verão.

Para além da distribuição massiva de um mapa com instruções de como construir um balão e do lançamento de um vídeo tutorial online, serão realizadas três oficinas comunitárias de construção de Balões de São João, entre 14 e 16 de Junho, no antigo Posto de Turismo da Sé.

O projecto São João Baloeiro irá, de resto, propor em 2017 uma associação directa a uma outra tradição da cidade: as Rusgas de São João.
Nesse sentido, as oficinas conduzidas pelo Mestre Baloeiro Luciano Britto serão, este ano, especialmente dirigidas às Freguesias e Uniões de Freguesia, convocando directamente a comunidade associada às Rusgas a criar os seus próprios balões. E a lançá-los no dia de encerramento das Festas de São João, a 25 de Junho, nos Aliados, como momento final das Rusgas de São João.

ALUMIA TRAZ LUZ, SOM E FOGO AO CENTRO HISTÓRICO
O dia de abertura das Festas de São João do Porto 2017 reserva ainda outro momento no espaço físico do Centro Histórico e também com forte envolvimento da comunidade local. Inserido no projecto ALUMIA, dinamizado pela PortoLazer para celebrar os 20 anos da classificação Centro Histórico do Porto pela UNESCO, será inaugurada a 25 de Maio, pelas 22 horas, a instalação CX LUX, que ocupará temporariamente (até 31 de Julho) o Elevador da Lada.

A instalação junta à luz uma componente sonora, decorrente da recolha de sonoridades (atualmente em curso) junto da comunidade do Centro Histórico, por via de uma residência artística promovida pela Faculdade de Belas Artes do Porto.

Na noite de 27 de Maio, e durante três horas, o mesmo projecto ALUMIA transformará o Largo Amor de Perdição (e a sua envolvente próxima) numa viagem sensorial guiada pelo fogo através de uma instalação de grande escala, trazida ao Porto pela conceituada Companhia Carabosse.

Neste primeiro fim de semana de programação, merecem igualmente destaque a estreia do Porto Blues Fest (26 e 27 de Maio), que terá como ponto alto o concerto de homenagem a B.B. King, juntando a filha Shirley King e Rui Veloso no mesmo palco, a realização do Porto Extreme XL na Ribeira do Porto (27 Maio), mas também o arranque de mais uma edição do Trengo - Festival de Circo nos Jardins do Palácio de Cristal, que este ano se prolongará até 18 de Junho.

JUNHO COMEÇA EM FESTA? NO PALÁCIO E EM SERRALVES
E porque o São João no Porto é realmente uma "Festa para Todos", o mês de Junho começa da forma mais divertida possível, com os Jardins do Palácio de Cristal a abrirem as suas portas a mais uma edição da Festa da Criança, de 1 a 4 de Junho. Desta vez, ainda com mais actividades e com três concertos na Concha Acústica, programados pelo NOS Primavera Sound.

Em festa estará também Serralves, que de 2 a 4 de Junho acolherá no seu Parque um dos maiores eventos de cultura contemporânea em Portugal, ao longo de 50 horas non stop! Na véspera, há ainda tempo para apresentar três espectáculos na Baixa do Porto (Jardim das Virtudes, Praça Carlos Alberto e Jardim da Cordoaria).

A terceira semana de programação será música para os ouvidos de muitos, com o NOS Primavera Sound (8 a 10 de Junho) a regressar ao Parque da Cidade do Porto com um cartaz de luxo. Mas quem já por aqui andou, sabe que não é só de música que é feito este festival?

Avançando para a quarta semana, as atenções voltam a estar centradas nos Jardins do Palácio de Cristal, onde ao Trengo - Festival de Circo se junta, também, e mais uma vez, o Porto Beer Fest. Será a 2.ª edição do festival dedicado à cerveja artesanal, que este ano se prolongará por cinco dias (14 a 18 de Junho), juntando mais de 30 cervejeiros nacionais e internacionais e cerca de 200 estilos em prova.

Neste fim de semana há ainda destacar a tradicional Arruada de Ranchos (17 de Junho), que envolverá nove ranchos folclóricos, mais um ciclo de Inaugurações Simultâneas em Bombarda (17 de Junho) e, ainda, a realização da Corrida de São João (18 de Junho), agora com a partida e chegada no Largo do Calém.

CONCERTOS NA AVENIDA COM MÚSICA "MADE IN" PORTO
Com a noite de São João quase a chegar, o destaque da última semana de programação vai, inevitavelmente, para os Concertos na Avenida, numa edição que terá três noites consecutivas (22, 23 e 24 de Junho) de música "Made in Porto". 

Sediada no Porto e dirigida pelo Maestro Francisco Ferreira, a Banda Sinfónica Portuguesa fará as honras de abertura do palco maior das Festas de São João, na noite de 22 de Junho, com um concerto festivo que incluirá temas bem populares da música portuguesa.

Na noite mais longa do ano, passarão pelo palco dos Aliados três grandes e icónicas bandas da cidade: Trabalhadores do Comércio, TÁXI e, já depois do fogo de artifício, GNR & Convidados. A comemorar 35 anos de carreira, a banda convida Isabel Silvestre para cantar em dueto com Rui Reininho a "Pronúncia do Norte", um dos hinos da cidade do Porto, e Javier Andreu, que em 1992 deu voz ao incontornável sucesso "Sangue Oculto". 

No feriado de São João (24 de Junho), a terceira e última noite dos Concertos na Avenida será ao som de duas vozes femininas, com Marta Ren & The Groovelvets na primeira parte e os portuenses Clã de Manuela Azevedo na segunda.

Mas como também é tradição, a música chegará ainda a oito palcos espalhados pela cidade, antes e durante a noite de São João, com um registo mais popular, mas onde não faltarão, também, nomes bem conhecidos da música portuguesa, casos de Toy, Rui Bandeira, Bandalusa, Diapasão e muitos outros.

Pela cidade, haverá também os tradicionais divertimentos. Seis espaços com atrações para os mais novos estarão na Rotunda da Boavista (uma tradição recuperada em 2014), Alameda das Fontainhas, Campanhã (Estação de Recolha de São Roque), Lordelo do Ouro (Jardim do Cálem), Largo do Amor de Perdição (Cordoaria) e Foz (Av. D. Carlos I).
+info: ver PROGRAMAÇÃO - SEMANA A SEMANA em anexo

Outra vez! Um Clube sem liderança, fora e dentro do campo.


Porcos encornados: JOÃO FERREIRA


Plataforma Campanhã cria nova centralidade e inclui Fonoteca Municipal com 34 mil discos de vinil


A Câmara do Porto vai criar uma Fonoteca Municipal de Vinil com 34 mil discos e integrá-la na Plataforma Campanhã, um complexo dedicado às indústrias da música e do audiovisual a nascer no final deste ano junto à estação ferroviária.

O projecto foi apresentado no passado dia 17 no pavilhão devoluto da Rua de Pinto Bessa que irá acolher o projecto e que, após obras de recuperação e adaptação, passará de 800 para 1.250 metros quadrados, albergando a Fonoteca Municipal, quatro estúdios de gravação e outras valências dedicadas a este sector.

A Plataforma Campanhã tem a sua génese na Arda Recording Company, empresa criada a partir dos Estúdios Sá da Bandeira, mas ganha novos contornos quando os seus responsáveis falam do projecto à autarquia. "Veio ao encontro da nossa visão estratégica para esta zona da cidade e para o que andávamos a desenhar desde há um ano, quando a RDP nos entregou a sua coleção de 16 mil discos em vinil", revelou Rui Moreira.
Esse volume veio somar-se aos 18 mil vinis que a Rádio Renascença confiara à autarquia já em 2008 e resulta num "acervo muito importante que não podia ficar fechado", considera o presidente da Câmara, que resolveu integrar a ideia da Fonoteca Municipal na Plataforma Campanhã logo que este projecto lhe foi apresentado.

Como diz Rui Moreira, a Fonoteca inserida na Plataforma vem potenciar as políticas anunciadas para a regeneração da zona de Campanhã e também a expansão da Cultura no Porto. "Mas está a ser concretizada pelos agentes privados", sublinhou, referindo que a poucos metros foi recentemente inaugurado o Espaço Mira e que outros investidores da área audiovisual também já têm os olhos voltados para "a nova vida de Campanhã".

Além disso, o nascimento da Fonoteca Municipal de Vinil vem dar verdadeira utilização do acervo pela cidade. "Os discos já estão catalogados e inventariados pela Biblioteca Municipal Almeida Garrett (BMAG), mas aqui poderão ser estudados e divulgados de diversas formas", avançou o Adjunto do presidente para a Cultura. Guilherme Blanc sublinhou que a Fonoteca é um projecto municipal a desenvolver em rede com a BMAG, mas que ali todo o espólio "poderá ser utilizado gratuitamente por quem se inscrever, tal como na Biblioteca Municipal", ficando acessível a crianças e jovens, investigadores ou qualquer cidadão.




"O Município garante assim os recursos para a instalação e estabilização do acervo e, em conjunto com a Plataforma Campanhã, fará a dinamização do espaço no regime de coprodução", explicou ainda o Adjunto para a Cultura, tendo em conta que "o suporte vinil é cada vez mais relevante". E que, como frisou Rui Moreira, "aqui transforma-se num instrumento mais vivo para a cidade".

A esta nova infraestrutura, que deve estar operacionalizada até final do corrente ano, a Plataforma Campanhã juntará quatro estúdios de gravação, a concluir no primeiro trimestre de 2018 e o maior dos quais terá cerca de 250 metros quadrados.
João Brandão, da Arda Records, referiu também que o complexo vai ter seis salas independentes, incluindo câmara de eco, espaços para realização de voz off, finalizações musicais, restauro de suportes (como fitas magnéticas e outros), além de valências pedagógicas, nos termos de uma parceria a estabelecer com uma escola artística.

O pavilhão terá ainda camarins, quatro salas de produção "onde os músicos podem ter a 'sua casa' com recursos tecnológicos, zona de lazer em open space e para apresentações públicas", adiantou João Brandão, referindo igualmente os escritórios de várias empresas de sectores ligados à música e ao audiovisual que ali irão instalar-se. A produtora Lovers & Lollypops, de Joaquim Durães, e o músico André Tentúgal (We Trust) são algumas das presenças já asseguradas e que foram atraídas pelo projecto e pela sua localização na cidade.
"Bons acessos, transportes públicos e proximidade da Baixa vão fazer desta, em breve, uma zona de referência na cidade", anteviu mesmo João Brandão, indo ao encontro do "alinhamento de propósitos e investimentos na zona, como o Espaço Mira e uma empresa de mobiliário vintage", referidos pelo proprietário do espaço, Rui Canela, outro forte entusiasta da Plataforma Campanhã, que se assume, assim, como um paradigma de colaboração entre a iniciativa privada e o Município. [daqui]

Imagens raras (VIII)

Enquanto a lisboeta TAP despreza o Porto, companhia de bandeira holandesa já voa entre o Porto e Amsterdão

A KLM oferece desde esta semana um voo diário entre o Porto e Amsterdão, em ambos os sentidos, mas pretende aumentar para dois voos diários em Setembro. A companhia opera com Boeing 737-700 de 137 lugares, equipados com as classes Business e Económica.

A KLM e a Air France pertencem ao mesmo grupo e decidiram este ano começar a operar entre o Porto e os respetivos hubs em Amesterdão Schiphol e Paris Charles de Gaulle.


Portas de Ródão, Monumento Natural!

Até quando vamos tolerar este polvo? Rui Santos e crime na Luz – As diferenças



30 de Novembro de 2012 – O FC Porto vai jogar a Braga. Antes do jogo, um adepto bracarense é atropelado enquanto cruzava, a pé, uma via rápida da cidade. O condutor da viatura não está associado a nenhuma claque do Porto ou do Braga. A polícia confirma que se tratou de um atropelamento acidental. O Braga emite um comunicado a lamentar a morte do adepto e o director de comunicação do clube, Marco Aurélio Carvalho, exclui qualquer possibilidade de o evento trágico estar relacionado com as claques.

3 de Dezembro de 2012 – Rui Santos procura enquadrar o atropelamento numa “guerras de claques” do Braga e do FC Porto. Inventa factos a partir de fontes que não cita nem identifica, diz que a cidade de Braga estava em “estado de sítio”, nomeia os clubes, a quem pede explicações e responsabilidades, e ainda sugere uma punição ao Futebol Clube o Porto.

22 de Abril de 2017 – O Benfica vai jogar a Alvalade. Na madrugada do jogo, membros das claques do Sporting entram em confrontos com membros da claque clandestina do Benfica, os NN Boys, que, segundo afirmam comentadores do clube, estavam a defender e guardar instalações. Nesses confrontos, um grupo da claque do Benfica atropela um membro da claque do Sporting, um italiano que estavam em Portugal para assistir ao jogo.

26 de Abril de 2017 – Rui Santos diz que se trata de “uma morte no futebol”, distribui responsabilidades um pouco por todos os clubes e particularmente pelos presidentes dos três grandes. Não cita uma única vez as palavras Benfica, No Name Boys e Estádio da Luz. Todos ilibados. A culpa é difusa e atenuada.

Em resumo: Porto, Braga – todo o norte, de um modo geral – estão constantemente em “estádio de sítio.” Nem que seja por causa de um atropelamento acidental. Já o faroeste em torno do Estádio da Luz, que resulta no homicídio de um adepto, é culpa um pouco de todos e de ninguém em particular.

Já sabíamos que Rui Santos era um fanático militante anti-Porto e anti-Norte e a sua desonestidade nem é propriamente uma novidade. Mas o que fez aqui foi mais grave do que o que é habitual. Ao branquear uma morte no Estádio da Luz, ao participar ativamente no encobrimento dos responsáveis criminais e morais, Rui Santos está a comprometer-se irreversivelmente com o ocorrido. É uma mancha que nunca mais se apagará, a juntar-se às outras que carrega no seu currículo sórdido.

Nenhum portista pode aceitar sujeitar-se a esta humilhação constante.

Mudar de canal e não alimentar estas bestas é vital!
Fonte: Baluarte Dragão

Até quando vamos ficar serenos?

Uma vergonha inqualificável. A RTP passou imagens do Estádio do Dragão e de adeptos do Futebol Clube do Porto para ilustrar uma reportagem sobre a Operação Jogo Duplo, um escândalo de corrupção e manipulação de resultados de jogos para apostas.
Sendo que o Futebol Clube do Porto não tem qualquer relação com este processo, a RTP deve explicações urgentes.
Quando começamos a por o polvo e os seus acólitos a arder?

Apertado

O ponto mais ocidental da Costa Alentejana

O que a imprensa lisboeta está a esconder: o FC Porto B conquistou a Premier League International Cup


FC Porto B esmaga Sunderland  (5-0) e conquista a
 


 
 
 
 
 
 
Em Portugal  não foi dada qualquer notícia desta vitória na imprensa. Ao contrário, lembramos o destaque dado a uma equipa encornada de lisboa que também foi a uma final do tipo - sub 19, creio -  ( e perdeu, como é hábito). Privado ou público, este jornalixo de merda lisboeta é assim. Sempre foi e sempre será. E depois admiram-se: 
NÓS SÓ QUEREMOS (mesmo) LISBOA A ARDER!

Universo Porto da Bancada - 16 de Maio: obrigatório!


Francesa Kiabi chega ao Mar para combater a Primark no Norte

A cadeia francesa de moda Kiabi, que tem como grande rival a irlandesa Primark, pretende abrir 10 lojas em Portugal, nos próximos cinco anos, num investimento de 13 milhões de euros e a criação de 400 empregos. Depois de Sintra, chega esta quinta-feira a Matosinhos.


Criada em 1978 no Norte de França com um conceito de "moda a pequenos preços", a gigante Kiabi, que está presente em 12 países e facturou 1,8 mil milhões de euros no passado, chegou a Portugal no final de 2005, com a abertura de uma loja em Almada, tendo então anunciado que iria investir 20 milhões de euros no nosso país, com a abertura de uma dúzia de lojas até 2010.


A cadeia francesa acabou por recuar na sua ambição, tendo preferido expandir-se em Portugal "de pantufas", com a abertura, em 2010, em regime de franchising, de lojas em Beja, Évora, Pombal e Santo André.

Sete anos depois, após ter adquirido conhecimento profundo do mercado português, onde a sua grande rival, a irlandesa Primark, se tinha instalado no ano anterior, a Kiabi decidiu arrancar com um ambicioso plano de abertura de lojas próprias no nosso país.

De acordo com Isabel Azevedo, "country manager" da kiabi Portugal, a marca francesa pretende abrir uma dezena de lojas no mercado nacional até 2021, num investimento estimado em 13 milhões de euros.

Depois da abertura da loja no Fórum Sintra, a primeira no quadro do novo plano de expansão da Kiabi em Portugal, a 16 de Março passado, a marca francesa vai chegar ao Norte do país.

Esta quinta-feira, 18 de Maio, a Kiabi abre ao público a sua loja no Mar Shopping, em Matosinhos, num espaço de dois mil metros quadrados.

"É um dos ‘shoppings’ do Grande Porto com maior afluência de público, bastante frequentado por famílias e com uma localização estratégica entre várias cidades e praias. Tudo isso reflecte na íntegra a tipologia de consumidor que a Kiabi deseja servir", explica Isabel Azevedo, em comunicado.

"Com esta inauguração concedemos cerca de 40 postos de trabalho na região e damos sequência ao plano de crescimento no mercado português que passa pela abertura de um total de 10 lojas e a criação de 400 empregos ao longo dos próximos cinco anos", avança a mesma responsável.

Histórias desconhecidas por detrás do "Polvo": "um polvo à janela"

Um cartilheiro com janelas de vidro



8 de Maio de 1988. Em Macedo de Cavaleiros, joga-se uma partida decisiva para definir quem subia à Primeira Liga. A equipa da casa recebe o FC Famalicão, que disputa a promoção com o Fafe. Ao intervalo, os adeptos locais invadem o campo, o jogo termina, o Famalicão ganha 0-3 na secretaria e sobe de divisão. 

O escândalo rebenta pouco tempo depois: a invasão de campo tinha sido encenada, na sequência de um suborno ao presidente do Macedo de Cavaleiros, que o próprio viria a confirmar. Consequência: acusados de corrupção, Famalicão e Macedo de Cavaleiros são despromovidos à III Divisão.

E agora podem perguntar: o que é que essa história tem a ver com esta página? Muito simples. O director desportivo do Famalicão, um dos rostos desta despromoção administrativa causada por actos de corrupção, era Carlos Janela, o "autor" das cartilhas do Benfica.

Uma das linhas de força dos discursos dos comentadores da turma de Carnide, com origem nas cartilhas que agora tão bem conhecemos, é a exaltação de uma pureza imaculada que envolve o Benfica e os seus dirigentes – pureza ética pessoal, nos negócios, no respeito pela verdade desportiva, etc. em oposição à suposta promiscuidade moral dos adversários. Já todos sabíamos que essa imagem angelical do vencedor da Liga Salazar não tinha qualquer correspondência com a realidade dos factos. Agora ficamos a saber que o ghost-writer do Al Carnidão, quando escreve sobre corrupção e recomenda a colagem de outros clubes a esses atos condenáveis, sabe muito bem daquilo que está a falar.

Não sabia desta triste história em que o Carlos Janela, independente, e cartilheiro estaria eventualmente metido nesse crime de corrupção onde desempenhava as funções de director desportivo. 

Este indivíduo tem andado por tudo que é sítio e, pelos vistos, sempre metido em negócios pouco claros como é o caso dessa cartilha que faz semanalmente, segundo veio a público. É preciso ter lata e não ter pinga de vergonha.

O que mais me admira é como um clube da grandeza do clube do regime, não tem na sua estrutura ninguém capaz de fazer uma cartilha em condições, para que os cartilheiros não tivessem que dizer tantas asneiras e tantas mentiras nas televisões. Não nos podemos esquecer que alguns desses cartilheiros ou cartilhados são professores universitários de trazer por casa, juristas avençados e até há um que, pasme-se, já foi ministro deste país (por engano, mas foi).

Para se sujeitarem a esta vergonha só quem não tem carácter intelectual é que se sujeita a isso, mas é verdade.

O polvo vermelho para ganhar a liga Salazar teve que se agarrar a indivíduos com este nível do Janela e dos outros, que juntamente com os decisores dos órgãos da Federação e dos árbitros lá conseguiram ganhar.

NÃO VALE TUDO.


Olhem quem nos visitou


Hoje, 16 de Maio, o nosso Porto de Leixões foi palco novamente de uma grande escala:  o portentoso QUEEN ELIZABETH.

O luxuoso navio tem 294 metros, possui 89.500 toneladas e tem capacidade para receber 2.092 passageiros.

Depois desta paragem seguiu para o porto St. Peter Port.






Mas estamos rodeados de traidores?

ADRIANO QUINTANILHA NA TRIBUNA PRESIDENCIAL DO ESTÁDIO LUZ !?

O dono da W52 parceiro de ciclismo do FCPorto esteve este sábado presente no jogo que deu o título ao boifica!
Acontece, porém que Quintanilha recebeu a época passada o Dragão de Ouro relativo ao "Projecto do Ano"!
Com amigos destes...


NÓS SÓ QUEREMOS LISBOA A ARDER: e depois admiram-se!


Cacela Velha e Ria Formosa: vista aérea

Há republicas de bananas mais sérias

O caudillo
Desgraçadamente, há coisas em Portugal que nunca mudam. Ontem, no jogo de consagração da Liga Salazar, lá estavam o primeiro-ministro António Costa e o ministro das Finanças, Mário Centeno, ao lado de Luís Filipe Vieira. É inconcebível e inaceitável este comportamento dos nossos governantes. Não a preferência pelo Benfica, legítima como qualquer outra, mas o carimbo de legitimidade que dão ao cidadão Luís Filipe Vieira, que só em dívidas à Caixa Geral de Depósitos, que é um banco público, pago por todos nós, ultrapassa a decência em muitos milhões. Isto numa altura em que milhares de famílias sofrem para honrar compromissos incomensuravelmente menores, sempre com o espectro de ações judiciais por incumprimento. Depois, porque o primeiro-ministro e o ministro das Finanças estão fartos de saber que o Benfica presta apoio ilegítimo e ilegal a claques ilegais que ainda recentemente provocaram mais uma morte. Há repúblicas das bananas mais sérias.

Fernando Gomes, Presidente da Federação Portuguesa de Futebol é ESTRUME

"Esta foi uma prova só decidida bem próximo do seu final e onde ficou demonstrado enorme equilíbrio de forças. Todas as equipas lutaram bravamente pela vitória, contribuindo assim para um campeonato cheio de emoção. (...) A todos os que não atingiram as metas propostas, dirijo uma palavra de conforto e apreço pelo facto de nunca terem desistido, dignificando até ao fim os seus emblemas"

É preciso não ter vergonha na cara! Outro nortenho que ficou ofuscado pela merda lisboeta!