Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

A Itália, (afinal) essa desconhecida

A Itália também é uma figura de mulher, guardiã da tradição, mas louca e sem esperança


Este é um post à Pedro Arroja, que fez recentemente o livro "F: Portugal é uma figura de mulher", mas ao contrário, não sobre Portugal, mas sobre a Itália, o berço da cristandade, onde Pedro criou e desenvolveu a Igreja, e da elevação (pela Igreja) da mulher ideal ao altar de Maria.

Vivo há três anos em Itália e julgo que agora começo a entender a superficialidade de uma cultura que na aparência é muito semelhante à nossa, mas que no fundo é muito diferente, apesar de ter aspectos comuns.

Este é o país onde as patentes são geradas, a uma velocidade impressionante, e onde elas são muito símiles a outras desenvolvidas noutros países. À genialidade reconhecida italiana, adiciona-se a enorme facilidade com que se replica e copia o que é feito lá fora. Como a economia é muito fechada, os italianos preferem, por princípio comprar produção própria, e as novidades externas são lançadas internamente, mais tarde, muitas vezes por italianos "inspirados" no trabalho original de outros.

Este é o país que tem a pior penetração de banda larga e acesso à internet da europa comunitária. A rede de cobre impera na maior parte do território, o gestor está falido e o investimento de fibra ao nível nacional não está sequer previsto fora do papel. A reacção ao desenvolvimento é bloqueada em primeira mão pelo próprio governo e cliques partidárias pois o acesso livre à informação contraria o controlo apertado que os media impõem ao que é oficialmente comunicado.
Este é o país onde tudo é dobrado na televisão, onde se fala menos línguas estrangeiras na europa comunitária e onde a cultura tradicional é mais mantida de modo fechado.

Este é o país machista onde as mulheres mandam nos homens. É o país onde, depois de milénios de subjugação da mulher ao homem (relembrar a pater potestas, romana) a mulher encontrou um papel determinante de refúgio, tornando-se a "mamma", o colo seguro, onde os homens, que vivem num inferno social extremamente instável, encontram na figura materna a única segurança sem condições. É o país da Europa em que os filhos saem de casa mais tarde e profundamente dependentes.

É o país de um enorme choque geracional e civilizacional. Onde os papeis tradicionais de comportamento da família já não fazem sentido mas ainda não foram encontrados outros. Não há mãe que em perfeito juízo pense ser possível criar uma filha para o papel tradicional feminino (gerando uma potencial dependente para toda a vida) e não há pai que pense poder criar um filho para o papel macho conservador, pois já não haverá mulher que o ature, dependente, autoritário e todo-poderoso.

É o país onde o primeiro-ministro nomeado vai em primeiro lugar pedir a bênção e apoio político ao Papa para evitar, que nas igrejas cheias, algo de contrariador possa ser dito pelos sempre presentes e importantes padres.

É o país de Maquiavel, de muitos príncipes e de muitos mais servos, onde o poder político resulta de enormes manipulações sociais e políticas .

É o país que depois do império romano, subjugador, deu ao mundo as heranças enormes da igreja católica e da mafia. O país da união conseguida por Garibaldi com enorme derramamento de sangue e dor para o sul do país, onde agora os do norte, netos dos conquistadores, reclamam a separação. Onde os do sul, os "briganti" em reacção ao poder do norte, criaram o estado paralelo que depois se expandiu na enorme emigração italiana, com nomes como a "mafia", a "camorra", o "sacro cuore".

É o país que tem a mais alta taxação da Europa. Onde as taxas, suportadas por uma burocracia imensa, alimentam uma classe política das mais bem pagas no mundo.

É o país controlado por homens subjugados a Maria. Um país matriarcal onde qualquer decisão importante de qualquer homem é feita em conselho familiar presidido pela mulher predominante.

É o país da religião. Da maior mentira alguma vez elaborada no mundo ocidental, sobre a  qual se construiu um pretenso castelo de cartas de "verdades" (perdoem-me os amigos católicos dogmáticos).

É o país onde as mulheres, durante gerações, enlouqueceram de sofrimento. De dor, após gerações de controlo masculino por parte de primogénitos obcecados pelo poder, secundados por segundos que partiram para a solução de recurso: o trabalho eclesiástico.  O país onde as mães não têm como ver futuro para os filhos, que ou singram fruto de relações familiares favoráveis, ou então minguam toda a vida não interessando o mérito que tenham, ou ainda emigram.

É o país onde a justiça não funciona e é instrumento. Onde Berlusconi ficou rico depois de ser primeiro-ministro (apesar do mito de que já o era) e onde o seu principal adversário (De Benedetti) é o expoente sombra do principal partido contrário a Berlusconi (o PD). Quando ouvirem dizer que Berlusconi é perseguido (e apesar de muitos disparates que ele tenha feito) pode ser verdade. 

É o país com uma das maiores dívidas públicas do mundo que continua há 4 anos sem fazer qualquer austeridade, afundando-se sempre mais, na esperança de uma retoma que ainda não aconteceu. Onde as contas públicas no ISTAT (nosso INE) são publicadas com 3 ou mais anos de atraso.

Sim, tal como Portugal, a Itália também é uma figura de mulher, guardiã da tradição, mas louca e sem esperança. A loucura dos filhos, não será, também, à medida da das suas mães? Porquê? Porque as mulheres são o receptáculo do sofrimento da humanidade: a única que sofre a vida do filho como o filho, ou mais, é a mãe. O sofrimento deixa marcas, por gerações.

Bragança


Medíocres, como quase sempre nesta época

Os portistas acham que Miguel Sousa Tavares é bom a defender o FCPorto e a derrubar os dogmas desportivos  lisboetas mas péssimo a analisar a equipa. Eu também acho. Da mesma forma que considero que ele é muito injusto na maior parte das vezes nas críticas que faz a alguns jogadores portistas. Todavia, ontem pensei muito nas suas palavras: Licá foi um nojo, como absurdos foram Varela, aquele mexicano, ou mesmo Defour quando entrou mais tarde. Foi uma equipa ridícula, sem fio de jogo e nada convincente ou melhor, condizente com o estatuto criado sob suor, sangue e lágrimas ao longo dos últimos anos. 
Felizmente, um muro chamado FABIANO permitiu a inviolabilidade da baliza. Não porque a defesa tenha estado mal, mas porque o meio campo, pese Fernando, era um autêntico passador. O ataque, entregue ao esforçado Ghilas não podia fazer mais...
Sinceramente não entendo este futebolzinho que mais parece jogado por um grupo de excursionistas que se juntam ao fim de semana para baterem umas bolas com os compinchas da freguesia vizinha. Sinceramente continuo a pensar que o treinador, que lida com muitos egos inchados, é certo, também não tem estaleca. Dizer publicamente que foi jogar sob a defesa é pecado mortal. Não quero treinadores desde jaez: fraco, previsível e medroso. 
Claro que quero sempre os mínimos, mas camisola honrada e transpirada e quando possível, lagosta em vez de sardinha, mas sinceramente quero que o meu Porto, em qualquer circunstância, vença, convencendo ou não. isso é para a chusmas de entendidos que sobrevivem nas rádios, jornais e televisões, à custa do fenómeno futebol, quase todos de forma tendenciosa pró clubes de lisboa. Olhando este meia época passada, começo a pensar que isso pode não ser possível esta época...

Ainda assim, factos a reter do jogo de ontem:

  • A imprensa sulista idolatra o desempenho do zporten. Se foi assim, se o FCPorto esteve fraquinho, só conseguiram um empate? 
  • Proença foi um amigo ... do zporten: antes da expulsão do atleta do FCPorto, tão injusta como o 1º amarelo que levou, aquela decisão salomónica na troca de cabeças entre Jeferson e Varela (amarelo para Varela e NADA para o lagarto, que já tinha amarelo) foi para não estragar o espectáculo. Pior mesmo foi a aplicação de um ordinário amarelo face à AGRESSÃO sobre Varela praticada por aquela esperança da academia, um tal de William qualquer coisa. Certamente foi para não manchar o espectáculo, outra vez, e a doce carreira da promessa.  Depois, foi a grande coragem, sob um ambiente adverso, em expulsar o Carlos Eduardo do Porto. É de os ter no sítio.... errado!

Futebolísticamente falando, 2013 foi assim


"Incompatibilidade dos Deputados" - debate

Qual Fénix...

Momento Desportivo do ano 2013


Os escândalos da Liga 2

Este golo foi validado aos lampiões





Este golo foi anulado ao FC Porto


FCPorto 2013-2014


Em memória dos slows das festas de garagem

O Porto em Imagens (33)


Gente com sorte, muita sorte...


Miranda do Douro


Momento Musical

O Porto em Imagens (32)

Casa do Roseiral, no Palácio de Cristal

Avelino Gamelas

Serra de Gredos

O Porto em Imagens (31)


Pitões das Júnias


Campo do Gerês

(Marta Maia)

Os saldos estão aí

Em memória dos slows das festas de garagem

Para fechar o ano


Montalegre, este Natal





Serra de Nogueira, Bragança


Teste aqui os seus conhecimentos sobre estádios europeus

Take away


Girls d'ont poop; poopouri.com

Auto-Retrato


Não sei se já repararam, mas

A moda agora é usar idosos fofinhos em vez de crianças nos anúncios

Contos e ditos

Tristezas e o meu salário. 
Duas coisas que não pagam dívidas.

Razões para desejar o fim da crise

Como se não houvesse já razões mais do que suficientes para ansiarmos pelo fim da crise ...



Momento Esotérico: servant of peace

A vida secreta dos cães

Mosteiro de Santa Maria das Júnias


Mosteiro de Santa Maria das Júnias - Pitões das Júnias, concelho de Montalegre, Distrito de Vila Real
Este convento remonta a um antigo eremitério pré-românico, fundado no século IX, cuja implantação obedeceu a critérios de isolamento. Encontra-se num vale estreito, de difícil acesso e longe dos caminhos e de lugares habitados, inscrito em um grandioso fundo paisagístico.
O actual mosteiro e seu templo anexo foram erguidos durante a primeira metade do século XII, antes mesmo da fundação da nacionalidade. Era então ocupado monges da Ordem de São Bento.
Em meados do século XIII, o mosteiro passou a seguir a regra da Ordem de Cister, ficado agregado à Abadia de Oseira, na Galiza.
Ao longo dos séculos, este mosteiro foi enriquecendo com a obtenção de terras na região do Barroso e na Galiza.
Mais recentemente, em 1994 e 1995, o Parque Nacional da Peneda-Gerês promoveu uma intervenção arqueológica no claustro e na cozinha conventuais.
À igreja deste convento acontece uma romaria anual, a 15 de Agosto, a que acorrem gentes de Pitões das Júnias e de povoações vizinhas.

Momento Musical

Natività di Carlo Maratta




Feliz Natal e Bom Ano Novo

Hoje estou assim

Momento Musical

Feliz Natal


Onde está o lampião, Sasha?

O Porto em Imagens (30)

José Miguel Gomes

Santuário de Nossa Senhora da Assunção - Vila Flor


Porto d'outrus tempus

Comboio a vapor da linha da Póvoa, na estação da Trindade, em 1968


Solestício de Inverno

Solstício de Inverno no templo de Porta do Sol, em Chãs, Foz Côa

A Norte há algo de novo

"O tempo revelará o grau de convicção destas palavras, ditas com um hálito democrático a que já ninguém estava habituado"

1. As estações de monitorização da qualidade do ar do Litoral Norte ainda não detectaram o fenómeno, mas começa a ser perceptível que o ambiente na região se desanuviou e que, a certos níveis, se respira indubitavelmente melhor.
Tem tudo a ver com o ciclone das últimas autárquicas. Para já, nota-se que o Porto cresceu para lá das fronteiras norte e sul, sem que, paradoxalmente, conste que Matosinhos e Gaia se contraíram. Pelo contrário, a Frente Atlântica do Porto agora criada pelos três municípios contíguos, para desenvolverem projectos e candidaturas a fundos comuns, deixou a todos maiores.
Em rigor a Frente ainda não conseguiu nada: só o renovar da promessa, já antiga, de sediar no Monte da Virgem o canal 2 da RTP. Mas trouxe a reboque as seis universidades públicas do Norte e Centro, a Fundação de Serralves, a Associação Empresarial Portuguesa, numa onda que retira margem de recuo à RTP e à tutela. E o Norte sabe como é raro unir-se.
Esta vaga pró-RTP 2 gerada pela Frente Atlântica sugere que ela poderá ser útil e eficaz. A Frente já demonstrou que os três municípios mais importantes da região (falta a Maia, com o aeroporto), não estão condenados a viver de costas voltadas, reféns das simpatias e antipatias pessoais dos seus autarcas. Que nunca mais se percam fundos comunitários, como sucedeu no caso da Circunvalação.
É verdade que a criação da Frente Atlântica não faz muito pelo Conselho Metropolitano (CM), ao qual disputa influência política. E que o presidente da Câmara do Porto já desprestigiara o CM, ao afirmar que o município mais importante da Área Metropolitana não estava interessado em liderá-lo. A questão é saber se o independente Rui Moreira conseguiria fazê-lo, se quisesse. É saber se os aparelhos do PSD e do PS alguma vez lho permitiriam. Nesse sentido, a Frente Atlântica é uma consequência das altas pressões político-partidárias a que a Área Metropolitana está sujeita.
A chegada da Frente Atlântica ainda pode ser positiva para todos. Basta que o princípio da subsidiariedade nas alianças municipais seja aplicado com critério. Com uma sintonia mais fina, ver-se-ia que a bandeira da RTP2 até devia ser erguida pelo CM, e não apenas pela Frente Atlântica. Oxalá, vencido o ciúme, o CM se sinta obrigado a emular a dinâmica da Frente. E que, assim, obrigue a Câmara do Porto (que faltou ao último CM) a cumprir os deveres metropolitanos.
2. Na última Assembleia Municipal do Porto, Rui Moreira anunciou que a revista Porto Sempre, generosamente paga com dinheiro dos munícipes para proveito e glória de Rui Rio, está suspensa para redefinição. Moreira acrescentou que não quer uma "comunicação municipal totalitária" e prometeu que a oposição e as críticas ao executivo também terão lugar nos meios de comunicação camarários. Ninguém reagiu. Só o tempo revelará o grau de sinceridade e convicção destas palavras que, em todo o caso, foram ditas com um hálito democrático a que já ninguém estava habituado.

CARACÓIS! Quem come caracóis?!


Crónica na secção "Loft", da GRANDE PORTO MAGAZINE (nº2, Dezembro de 2013)

Nunca comi caracóis. E apesar de ser imprudente dizer-se “dessa água nunca beberei”, não creio que estando de posse de todas as minhas faculdades mentais, queira, alguma vez, provar essa “iguaria portuguesa”. Pessoalmente, aqueles molúsculos gastrópodes terrestres, primos das lesmas, causam-me repugnância suficiente para conseguir, sequer, imaginá-los como um pitéu! A visão de caracóis e de caracoletas cozidos, assados ou refugados, largando um molho amarelado e gorduroso, escorrendo pelos dedos dos seus comensais, tira-me o apetite. No entanto, os pratinhos de caracóis, acompanhando bebidas frescas, são muito apreciados no centro e, sobretudo, no sul do país. 
Em Espanha, a situação dos caracóis é, em tudo, semelhante à de Portugal. Para muitos e apesar de serem também servidos noutras paragens (ex. o “escargot” francês) também são um “pitéu espanhol”; em Madrid, tal como em Lisboa, comem-se nos meses da Primavera/Verão, com calor e nas esplanadas. No entanto, na Galiza, não. Para um galego, tal como para um minhoto ou para um tripeiro, os caracóis, na mesa, equivalem, mais ou menos, a uma mosca na sopa (ou no caldo galego)!
Este pormenor gastronómico é um dos muitos exemplos ilustrativos das diferenças culturais existentes entre o norte/noroeste peninsular e o resto da Ibéria. Os caracóis, ou a falta deles, nas mesas das esplanadas, aproximam aquilo que só por vicissitudes histórico-políticas foi separado: o Norte de Portugal e a Galiza. Sociologicamente, os galegos revêm-se e (como que) autoidentificam-se nos minhotos, nos transmontanos e nos tripeiros. Por isso, muitos consideram o Porto, também e quase que naturalmente, o seu centro, a sua capitalidade (em termos culturais e de lazer). A “movida” portuense (cujo epicentro, agora, é na Baixa) – hoje em dia, muito viva e quente, contrastando com a arquitetura granítica e austera que lhe serve de cenário - atrai cada vez mais galegos. Tal como o “bairro das artes”. O aeroporto Sá Carneiro é a principal porta de entrada, para quem vem da América do Sul, não só do Norte de Portugal, como da Galiza. E, na realidade, o emergente cosmopolitismo tripeiro tem, sobretudo, traços galegos (apesar de o Porto, nos últimos anos, ser rota turística cada vez mais apreciada na Europa do norte e nos Estados-Unidos). Muito à custa de certos ícones de mercados culturais específicos, como, por exemplo, a Casa da Música, o vinho do porto e a região do Douro, Serralves e a “escola de arquitectura do Porto”, a “Ribeira – património da Humanidade”. 
Ora, só temos a ganhar com uma aproximação sólida, também político-institucional, à Galiza. Tal como os galegos se acham sempre, um pouco, portugueses (do Norte), o Porto e o Norte de Portugal também são eminentemente galegos. Estrategicamente, as agruras do centralismo que nos corrói enquanto Estado, poderão ser, a Norte, atenuadas, se nos empenharmos na institucionalização viva da “Euroregião” do Noroeste Peninsular. A regionalização (momentaneamente perdida, também e em grande medida, por culpa nossa, do imobilismo das gentes e das supostas elites de poder – que não existem! – do Porto), só poderá, particularmente agora e em tempo de crise, concretizar-se por atalhos. Ou seja, criando-se regionalmente “massa crítica”, económica, cultural e política, incontornável para o centralismo político nacional dominante. E o Porto deve empenhar-se nisso mesmo, procurando, cada vez mais, o seu Norte onde também não se comem caracóis!

*Cumprimento singelo a José António GÓMEZ SEGADE, galego, um jurista internacional de referência e um verdadeiro Professor que, em Portugal, “não é estrangeiro”.

Soutelinho da Raia, Chaves


Enfeites de Natal


Golf na Estela



Casa de Chá de Leça da Palmeira

Em bom ritmo a obra emblemática de Álvaro Siza Vieira. Finalmente!


fotos de José António Modesto

Ryanair corta frequências no aeroporto do Porto em 2014

Já se vê a "mão" sulista a trabalhar no aeroporto da capital colonial

O aeroporto do Porto deverá ter um corte de frequências no verão 2014, nomeadamente para Ryanair. 
Só Rui Moreira acreditava que esta ligação da RyanAir à capital colonial seria vantajosa para Portugal. Claro que a RyanAir está a afunilar para a capital porque secretamente os incentivos da ANA devem ser muito interessantes. O Porto, o Norte são sempre prejudicados pelas instituições "nacionais" de lisboa. São inúmeros os exemplos de esbulho e sacanice lisboeta, de centralismo e colonialismo. Os nortenhos deviam pedir a autonomia ou a independência como a catalunha. Chega de chiluce lisboeta!

Segundo dados que podem ser vistos no motor de reserva da companhia, os horários carregados das seguintes rotas têm as reduções face às operações do ano passado:
Weeze – 4 para 3 voos semanais
Baden – 3 para 2 voos semanais
Charleroi – 9 para 6 voos semanais
Barcelona – 12 para 11 voos semanais
Madrid – 15 para 14 voos semanais
Palma – 3 para 2 voos semanais
Tenerife – 2 para 1 voos semanais
Valencia – 4 para 3 voos semanais
Marselha – 6 para 5 voos semanais
Eindhoven – 4 para 3 voos semanais
Faro – 12 para 10 voos semanais
As rotas do Porto para Hamburgo e Nueremberga são canceladas.


A "academia" do Dragão


O islamismo é perigoso, é a fonte do terrorismo e da falta da respeito pelas diferenças!

«JESUS É UM CÃO! MATEM OS CRISTÃOS!»

O Porto em Imagens (29)

José Paulo Andrade

O sr. 4 milhões


Momento musical: Norah Jones


Momento Musical

A noite mais longa e o dia mais curto do ano


Because i'm happy


Pharrell Williams

Feliz Natal


Caiu-lhes a máscara

Bruno de Carvalho: «Sinto vergonha de fazer parte do mundo do futebol»
MUITO CRÍTICO APÓS lance POLÉMICO DE ALVALADE


Natal no Porto




Carlos Eduardo: a magia está de volta ao Dragão (!?)


Afinal, supostamente trilhados, também falam dos árbitros; hipócritas sportinguistas

Leonardo Jardim: «Lances de expulsão que nem falta foram...»




O Porto em Imagens (28)


Grécia: as consequências da crise

 1. Zeus vende o trono a uma multinacional coreana.

 2. Aquiles vai tratar o calcanhar na saúde pública.

 3. Eros e Pan inauguram um prostíbulo.

 4. Hércules suspende os 12 trabalhos por falta de pagamento.

 5. Narciso vende os espelhos para pagar a dívida do cheque especial.

 6. O Minotauro puxa carroça para ganhar a vida.

 7. Acrópole é vendida e aí é inaugurada uma Igreja Universal do Reino de Zeus.

 8. Eurozona rejeita Medusa como negociadora grega: "Ela tem minhocas na cabeça".

 9. Sócrates inaugura o Cicuta Bar para ganhar uns trocos.
 
 10. Dionísio vende vinhos à beira da estrada de Marathonas.

 11. Hermes entrega currículo para trabalhar nos correios. Especialidade: entrega rápida.

 12. Afrodite aceita posar para a Playboy.

 13. Sem dinheiro para pagar os salários, Zeus liberta as ninfas para trabalharem na Eurozona.

 14. Ilha de Lesbos abre um resort hétero.

 15. Para economizar energia, Diógenes apaga a lanterna.

 16. Oráculo de Delfos apaga os números do orçamento e provoca pânico nas Bolsas.

 17. Áries, deus da guerra, é agarrado em flagrante desviando armamento para a guerrilha síria.

 18. A caverna de Platão abriga milhares de sem-teto.
 
 19. Descoberto o porquê da crise: os economistas estão falando grego!
 

O Costa ajuda


Ainda o execrável Rui Rio

O ex-presidente da câmara do Porto terá recusado um convite para presidir ao novo Banco de Fomento, que dizem terá sede no Porto. A maralha sulista, apreciadora da "coragem" do ex-coveiro da cidade do Porto, logo teceu grandes loas a esta recusa da reforma dourada. Aguardo "entusiasmado" pela apreciação à sua entrada no BCP, que tem sede no Porto e administração em lisboa... Pois, é preciso pôr comidinha na mesa e lamber o cú aos sulistas...

Os amigos do partido comunista português

Isento


Pai Natal


Gourmet

- Hoje fui a um restaurante gourmet!
- Ah sim e então?
- O meu almoço foi camarão envolvido em molho béchamel, com pequenos apontamentos de salsa frisada em cama de massa fina, banhada em pão ralado crocante e confitada em óleo vegetal.
- O quê? Mas afinal que porra é que tu comeste, pá?

- Olha, comi um rissol..

O Porto em Imagens (27)


Momento Esotérico

Não gosto do b....

Caminhadas no Gerês

Dizem que foi internado; percebe-se a razão...

O Porto em Imagens (26)

O Presépio dos Guindais

Fernando Pedro


"O nome de Trasmontano, que quer dizer filho de Trás-os-Montes, pois assim se chama o Reino Maravilhoso de que vos falei."

Miguel Torga

Favaios - Alijó 

Em memória dos slows das festas de garagem

Porto d'outrus tempus

Américo Tomás visita a Ach Brito, na Avenida da França, no Porto, em 1968


Best Earth Footage

Momento Musical

"La Follia" "La Folía" "Follies of Spain" in D minor op. 5 no. 12
Variations for violin and accompaniment.
By Arcangelo Corelli, from Fusignano, Italy (1653 - 1713)
Corelli was an Italian violinist and composer of the Baroque era. 

Download gratuíto

Obras de 150 compositores clássicos para download gratuito ou audição on-line


O Musopen, biblioteca online de obras musicais de domínio público, disponibiliza peças de 150 compositores clássicos para download ou audição on-line. As composições estão organizadas por períodos, instrumentos, intérpretes e compositores. As peças são conduzidas por maestros e instrumentistas consagrados. Para fazer o download é necessário um registro simples. Os downloads gratuitos são limitados ao número de cinco por dia.  [ AQUI ]