Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

Momento Musical

Cinema Paraíso

Datas com História: 21 de Fevereiro de 1431

Inicia-se o julgamento de Joana d'Arc

Joana d'Arc (6 de Janeiro 1412 - 30 de Maio 1431) foi uma heroína da Guerra dos Cem Anos que ajudou a França a libertar-se do domínio inglês. Descendente de uma família modesta de Domrémy, foi uma mártir francesa canonizada em 1920, quase 5 séculos depois de ser queimada viva.

Joana d'Arc afirmava aos 13 que ouvia vozes divinas que lhe pediam para salvar a França do domínio inglês, porém durante cinco anos manteve essas mensagens em segredo, apenas em 1429 deixa sua casa na região de Champagne e viaja em destino à Corte do rei francês Carlos VII. Joana convence o rei Carlos VII a colocar tropas em seu comando e segue rumo a libertação da cidade de Orléans, que havia sido invadida e tomada pelos ingleses havia oito meses. Em maio de 1429, com um pequeno exército, Joana consegue a vitória sobre os invasores em apenas oito dias. Cerca de um mês após sua vitória sobre os ingleses em Orléans, ela conduziu o rei Carlos VII à cidade de Reims, onde Carlos VII é coroado em 17 de julho. A vitória de Joana d'Arc e a coroação do rei acabaram por reacender as esperanças dos franceses de se libertarem do domínio inglês. Na primavera de 1430, Joana d'Arc retomou a campanha militar e passou a tentar libertar a cidade de Compiègne, onde acabou sendo dominada e capturada pelos borgonheses, que eram aliados dos ingleses.

Foi presa a 23 de maio do mesmo ano e entregue aos ingleses, que, interessados em desacreditá-la, a acusam de bruxaria e heresia. Submetida a um tribunal católico em Rouen, Joana é condenada à morte após meses de julgamento. É queimada viva em 30 de maio de 1431, com apenas 19 anos. A revisão do seu processo começou a partir de 1456, e em 1909 Igreja Católica a beatifica. Em 1920, Joana d'Arc é declarada santa pelo Papa.

Wikipedia.

Última Hora: Comunicado de Bin Laden a Portugal

Piadinha política

Um homem caminha estrada fora, quando percebe a pouca distância, um balão voando baixo.
O balonista acena-lhe desesperadamente, consegue fazer o balão baixar o máximo possível e grita-lhe:
" Ei, você, poderia ajudar-me? Prometi a um amigo que me encontraria com ele às duas da tarde, porém já são duas e meia e nem sei onde estou."
O outro homem, com muita cortesia, respondeu:
" Mas claro que posso ajudá-lo! Você se encontra num balão de ar quente, flutuando a uns vinte metros acima da estrada. Está a quarenta graus de latitude norte e a cinquenta e oito graus de longitude oeste."
O balonista escuta com atenção e depois pergunta-lhe com um sorriso:
" Amigo, você é engenheiro?"
" Sim senhor, ao seu dispôr! Como conseguiu adivinhar?"
"Porque tudo o que você me disse está perfeito e tecnicamente correcto, porém essa informação é-me totatalmente inútil, pois continuo perdido. Será que não tem uma resposta mais satisfatória?"
O engenheiro fica calado por alguns segundos e finalmente pergunta ao balonista:
" E você, não será por acaso um socialista?"
"Sim, sou realmente filiado no PS. Como descobriu?"
"Ah! Foi muito fácil! Você não sabe onde está nem para onde vai. Fez uma promessa que não tem a mínima ideia de como irá cumpri-la e ainda por cima espera que outra pessoa resolva o seu problema. Continua exactamente tão perdido quanto antes de me perguntar, porém, agora, estranhamente, a culpa passou a ser minha...

Introdução ao post abaixo

The Internationale (versão de Billy Bragg)

Cuba


Andam para aí a falar das «mudanças» políticas em Cuba. Penso que ainda ninguém deu por nada. Nem vai dar. Fidel Castro, apesar do dote da gestão do regime que concedeu ao irmão Raul (isto sim, é democracia), continua a desempenhar o mesmo papel de sempre, ainda que debilitado pela doença e pela idade. Nada vai mudar, até ao desaparecimento físico do ditador. Daí para a frente, talvez. Basta saber se os opositores vão conseguir uma resistência maior, por um lado, e por outro se os ideólogos do regime actual vão ter capacidade de manutenção sdo status quo. Até lá, atente-se nestas palavras de:

Pedro Rolo Duarte: «O que restava de certa esquerda a correr-me no sangue foi varrido em escassos dez dias, nos idos de 1993, quando umas inesperadas férias me levaram a Cuba. (…) Mas, em vez dessa felicidade que a propaganda vendia a rodos, em vez desse povo em festa permanente nas ruas, imagem de cartaz e de postal, encontrei miséria em todos os cantos e recantos da Ilha. Miséria disfarçada e escondida numa paz podre feita de policias que controlavam policias e outros policias para controlar os restantes. Miséria descarada nos racionamentos, nos professores universitários que acumulavam empregos para poder comprar um frango

Como Sócrates e a pandilha socialista lisboeta acha que são os Portugueses

Bom senso e estratégia

A Arca de Noé do Futuro


Esta não tem animais mas sim sementes de todo o planeta. Um tesouro para futuras gerações.

Situada numa ilha do arquipélago norueguês, no Árctico, designa-se Banco Global de Sementes de Svalbard. Construída numa montanha esta nova «Arca de Noé», que sem animais, carrega um tesouro de sementes para futuras gerações.
Contém mais de 250 mil amostras, oriundas de todo o planeta Terra, guardadas num cofre gelado, a 120 metros de profundidade, que começou a ser construído em Março de 2007.
A «Arca de Noé» ou «Cofre do juízo final», como também é conhecida, foi inaugurada terça-feira.
(Notícia) (mais) Global Crop Diversity Trust

Pobreza no Porto

A pobreza no Porto "continua ainda muito encoberta. Os números variam de estudo para estudo, mas alguns podem ser ilustrativos da realidade", referiu ontem, ao JN, o presidente da União Distrital das Instituições Particulares de Solidariedade Social (UDIPSS) do Porto, Lino Maia.

Deu como exemplo o índice de 13% de desemprego no distrito, quando no país se fica pelos 8%; apontou também as cerca de 20 mil pessoas que vivem em bairros sociais, os milhares que recebem o Rendimento Social de Inserção (RSI) e os cerca de "quatro a cinco mil acamados, doentes ou idosos, de que nunca ninguém fala".

Os números podem não ser exactos, mas tome-se como ponto de partida uma única instituição de solidariedade da cidade do Porto, Coração da Cidade, que nesta altura do ano tem as contas "na ponta do lápis, por falta de dádivas das empresas, em contraponto com o que acontece no Natal", disse a presidente da associação, La Salette Piedade.

A associação dá apoio a 500 agregados familiares. "São essencialmente da classe média, com casa, e com filhos a estudar, que ficaram desempregados. As contas acumulam-se e deixa de haver dinheiro, mesmo para a alimentação. Nessa altura pedem ajuda", explicou.

O apoio é dado em forma de programa com duração de um ano. Os adultos fazem serviço de voluntariado ou serviço cívico, e "é dada a cada família, de acordo com as necessidades, uma caderneta, com cerca de 250 euros mensais, que lhes permite fazer compras no supermercado da associação", disse La Salette Piedade.

Além das famílias, o Coração da Cidade ajuda no próprio domicílio, em freguesias próximas da sua sede. "Actualmente, temos cerca de 45 domicílios, são essencialmente idosos ou doentes, que não se podem deslocar à associação, são normalmente duas pessoas por agregado, mas com muitas necessidades".

O Coração da Cidade serve ainda cerca de 300 refeições por dia aos sem-abrigo. Número a que se pode, somar muitos mais que procuram apoios noutras instituições, como AMI, o Banco Alimentar, a Sopa dos Pobres, entre outras.

O presidente da UDIPSS vai mais longe no apontar do dedo, afirmando que no Porto "não existe uma visão humanitária, mas sim securitária". Fala ainda "no estigma que muitos dos jovens que vivem nos bairros sociais sentem ao tentarem encontrar emprego. Não conseguem e inscrevem-se para receber o RSI, tal como os pais".
Virgínia Alves , in Jornal de Notícias

Espectadores


A Taça de Portugal cuja final é em Oeiras, beneficiando os sulistas, é praticada em moldes e em horários completamente inadequados.
A propósito da jornada de ontem, achei piada ao ouvir na TV os pivots a afirmarem que o Dragão tinha assistido à pior assistência de sempre. É uma forma de apresentar a coisa. Nós Dragões percebemos que a intenção foi apresentar o caso pela negativa e tendenciosa do tipo "jogos do Porto nada valem...". Na realidade foi a casa mais pequena de sempre, ainda assim a notícia podia ser dada de outra forma: é que o Porto jogou num horário imbecil - 18h30m -, mas teve a melhor assistência do que quem jogou a horários "decentes", ou seja os inimigos da 2ª circular. Os pivots podiam questionar onde estariam os milhões da treta lisboeta, mas não... Já estamos habituados. Eis as audiências de ontem:


18:30 - FCPorto-Gil Vicente = 12 117 espectadores
19:45 - Benfica-Moreirense = 10 494 espectadores
20:45 - Sporting-E.Amadora = 7 475 espectadores

O poder da marca

ARROZ PILAU
CERVEJA MORTE SÚBITA

Momento Musical

Humanos - Muda de Vida

Fantasporto: a programação




Poesia


"Hora a hora,
Nasce outra vez em mim a vida.
Devagar,
Como um gomo de vide a rebentar,
Cobre de verde a cepa ressequida.

É um fruto que acena?
É uma flor que há-de ser?
-Fui eu que disse que valia a pena
Viver!"

14 de Fevereiro de1943, Coimbra
MIGUEL TORGA
(Diário II)

SEDES (Associação para o Desenvolvimento Social)

1) UM DIFUSO MAL ESTAR
Sente-se hoje na sociedade portuguesa um mal estar difuso, que alastra e mina a confiança essencial à coesão nacional.

Nem todas as causas desse sentimento são exclusivamente portuguesas, na medida em que reflectem tendências culturais do espaço civilizacional em que nos inserimos. Mas uma boa parte são questões internas à nossa sociedade e às nossas circunstâncias. Não podemos, por isso, ceder à resignação sem recusarmos a liberdade com que assumimos a responsabilidade pelo nosso destino.

Assumindo o dever cívico decorrente de uma ética da responsabilidade, a SEDES entende ser oportuno chamar a atenção para os sinais de degradação da qualidade da vida cívica que, não constituindo um fenómeno inteiramente novo, estão por detrás do referido mal estar.
2) DEGRADAÇÃO DA CONFIANÇA NO SISTEMA POLÍTICO

Ao nível político, tem-se acentuado a degradação da confiança dos cidadãos nos representantes partidários, praticamente generalizada a todo o espectro político.

É uma situação preocupante para quem acredita que a democracia representativa é o regime que melhor assegura o bem comum de sociedades desenvolvidas. O seu eventual fracasso, com o estreitamento do papel da mediação partidária, criará um vácuo propício ao acirrar das emoções mais primárias em detrimento da razão e à consequente emergência de derivas populistas, caciquistas, personalistas, etc.

Importa, por isso, perseverar na defesa da democracia representativa e das suas instituições. E desde logo, dos partidos políticos, pilares do eficaz funcionamento de uma democracia representativa. Mas há três condições para que estes possam cumprir adequadamente o seu papel.

Têm, por um lado, de ser capazes de mobilizar os talentos da sociedade para uma elite de serviço; por outro lado, a sua presença não pode ser dominadora a ponto de asfixiar a sociedade e o Estado, coarctando a necessária e vivificante diversidade e o dinamismo criativo; finalmente, não devem ser um objectivo em si mesmos...

É por isso preocupante ver o afunilamento da qualidade dos partidos, seja pela dificuldade em atrair e reter os cidadãos mais qualificados, seja por critérios de selecção, cada vez mais favoráveis à gestão de interesses do que à promoção da qualidade cívica. E é também preocupante assistir à tentacular expansão da influência partidária – quer na ocupação do Estado, quer na articulação com interesses da economia privada – muito para além do que deve ser o seu espaço natural.

Estas tendências são factores de empobrecimento do regime político e da qualidade da vida cívica. O que, em última instância, não deixará de se reflectir na qualidade de vida dos portugueses.
3) VALORES, JUSTIÇA E COMUNICAÇÃO SOCIAL

Outro factor de degradação da qualidade da vida política é o resultado da combinação de alguma comunicação social sensacionalista com uma justiça ineficaz. E a sensação de que a justiça também funciona por vezes subordinada a agendas políticas.

Com ou sem intencionalidade, essa combinação alimenta um estado de suspeição generalizada sobre a classe política, sem contudo conduzir a quaisquer condenações relevantes. É o pior dos mundos: sendo fácil e impune lançar suspeitas infundadas, muitas pessoas sérias e competentes afastam-se da política, empobrecendo-a; a banalização da suspeita e a incapacidade de condenar os culpados (e ilibar inocentes) favorece os mal-intencionados, diluídos na confusão. Resulta a desacreditação do sistema político e a adversa e perversa selecção dos seus agentes.

Nalguma comunicação social prolifera um jornalismo de insinuação, onde prima o sensacionalismo. Misturando-se verdades e suspeitas, coisas importantes e minudências, destroem-se impunemente reputações laboriosamente construídas, ao mesmo tempo que, banalizando o mal, se favorecem as pessoas sem escrúpulos.

Por seu lado, o Estado tem uma presença asfixiante sobre toda a sociedade, a ponto de não ser exagero considerar que é cada vez mais estreito o espaço deixado verdadeiramente livre para a iniciativa privada. Além disso, demite-se muitas vezes do seu dever de isenta regulação, para desenvolver duvidosas articulações com interesses privados, que deixam em muitos um perigoso rasto de desconfiança.

Num ambiente de relativismo moral, é frequentemente promovida a confusão entre o que a lei não proíbe explicitamente e o que é eticamente aceitável, tentando tornar a lei no único regulador aceitável dos comportamentos sociais. Esquece-se, deliberadamente, que uma tal acepção enredaria a sociedade numa burocratizante teia legislativa e num palco de permanente litigância judicial, que acabaria por coarctar seriamente a sua funcionalidade. Não será, pois, por acaso que é precisamente na penumbra do que a lei não prevê explicitamente que proliferam comportamentos contrários ao interesse da sociedade e ao bem comum. E que é justamente nessa penumbra sem valores que medra a corrupção, um cancro que corrói a sociedade e que a justiça não alcança.
4) CRIMINALIDADE, INSEGURANÇA E EXAGEROS

A criminalidade violenta progride e cresce o sentimento de insegurança entre os cidadãos. Se é certo que Portugal ainda é um país relativamente seguro, apesar da facilidade de circulação no espaço europeu facilitar a importação da criminalidade organizada. Mas a crescente ousadia dos criminosos transmite o sentimento de que a impune experimentação vai consolidando saber e experiência na escala da violência.

Ora, para além de alguns fogachos mediáticos, não se vê uma acção consistente, da prevenção, da investigação e da justiça, para transmitir a desejada tranquilidade.

Mas enquanto subsiste uma cultura predominantemente laxista no cumprimento da lei, em áreas menos relevantes para as necessidades do bom funcionamento da sociedade emerge, por vezes, uma espécie de fundamentalismo utra-zeloso, sem sentido de proporcionalidade ou bom-senso.

Para se ter uma noção objectiva da desproporção entre os riscos que a sociedade enfrenta e o empenho do Estado para os enfrentar, calculem-se as vítimas da última década originadas por problemas relacionados com bolas de Berlim, colheres de pau, ou similares e os decorrentes da criminalidade violenta ou da circulação rodoviária e confronte-se com o zelo que o Estado visivelmente lhes dedicou.

E nesta matéria a responsabilidade pelo desproporcionado zelo utilizado recai, antes de mais, nos legisladores portugueses que transcrevem para o direito português, mecânica e por vezes levianamente, as directivas de Bruxelas.
5) APELO DA SEDES

O mal-estar e a degradação da confiança, a espiral descendente em que o regime parece ter mergulhado, têm como consequência inevitável o seu bloqueamento. E se essa espiral descendente continuar, emergirá, mais cedo ou mais tarde, uma crise social de contornos difíceis de prever.

A sociedade civil pode e deve participar no desbloqueamento da eficácia do regime – para o que será necessário que este se lhe abra mais do que tem feito até aqui –, mas ele só pode partir dos seus dois pólos de poder: os partidos, com a sua emanação fundamental que é o Parlamento, e o Presidente da República.

As últimas eleições para a Câmara de Lisboa mostraram a existência de uma significativa dissociação entre os eleitores e os partidos. E uma sondagem recente deu conta de que os políticos – grupo a que se associa quase por metonímia “os partidos” – são a classe em que os portugueses menos confiam.

Este estado de coisas deve preocupar todos aqueles que se empenham verdadeiramente na coisa pública e que não podem continuar indiferentes perante a crescente dissociação entre o conceito de “res pública” e o de intervenção política!

A regeneração é necessária e tem de começar nos próprios partidos políticos, fulcro de um regime democrático representativo. Abrir-se à sociedade, promover princípios éticos de decência na vida política e na sociedade em geral, desenvolver processos de selecção que permitam atrair competências e afastar oportunismos, são parte essencial da necessária regeneração.

Os partidos estão na base da formação das políticas públicas que determinam a organização da sociedade portuguesa. Na Assembleia ou no Governo exercem um mandato ratificado pelos cidadãos, e têm a obrigação de prestar contas de forma permanente sobre o modo como o exercem.

Em geral o Estado, a esfera formal onde se forma a decisão e se gerem os negócios do país, tem de abrir urgentemente canais para escutar a sociedade civil e os cidadãos em geral. Deve fazê-lo de forma clara, transparente e, sobretudo, escrutinável. Os portugueses têm de poder entender as razões que presidem à formação das políticas públicas que lhes dizem respeito.

A SEDES está naturalmente disponível para alimentar esses canais e frequentar as esferas de reflexão e diálogo que forem efectiva e produtivamente activadas.

Ó pra ela!?

Talvez ainda te prejudiques

Agora que as eleições primárias nos EUA estão ao rubro, começa a guerra suja e a aparecerem os esqueletos escondidos no armário do passado.Esta foto é de Barack Obama de turbante durante uma deslocação há dois anos ao Quénia. Estarão os norte-americanos preparados para serem governados por um indivíduo que de vez em quando usa turbante? Não sei...

Imagem choque: aquecimento global dá nisto também...

(outro título mais cavernoso: dá-se cãozinho com a pata xxdida)

O comentador cromo Riu Santos

Para que conste, desde já o administrador deste blog afirma que a essa hora estava num curso de bricolage. Para além do mais, não gostamos de usar capuzes. Fazem-nos comichões na faringe... Convém dizer igualmente que este blog rejubila com o facto de Rui Santos, sozinho, ter colocado em fuga, a custo de muito pontapé, 3 bandidos armados com barrotes... Espera este blog também que a agressão não tenha correspondência com a análise realista e pouco abonatória que o dito comentador acabara de fazer em relação aos clubes da 2ª circular lisboeta, papoilas saltitantes e sporten. Aguarda também este blog com expectativa a nomeação de um magistrado do Porto para investigar a criminalidade violenta na noite de Lisboa.

Quando se preparava para abandonar as instalações da televisão de Carnaxide, pouco depois da uma da manhã de hoje, Rui Santos foi surpreendido já dentro do carro. Os três indivíduos levavam barrotes de madeira.
«Não me deixaram fechar a porta, mas tiveram dificuldade em agredir-me porque eu afastei-os com vários pontapés e não me conseguiram tirar do carro», conta Rui Santos, que viu os agressores fugirem quando um segurança da SIC veio em seu auxílio.
Um carro aguardava-os fora do parque de estacionamento, o que pressupõe o envolvimento de uma quarta pessoa.
Durante o confronto físico, os três encapuzados não falaram, pelo que o jornalista desconhece as suas motivações e de que clube são adeptos.
Apesar de não ter mazelas físicas, Rui Santos promete ir até às últimas consequências para os levar à justiça. «Este país está a ficar perigoso, mas irei até ao fim, em nome da liberdade de expressão. Farei tudo para não ser um novo caso Bexiga».
O jornalista deixou ainda a garantia de que não vai reduzir o tom crítico do Tempo Extra. «Ao fim de 32 anos de profissão, não vou mudar nada. Serei até ao fim a mesma pessoa»
Fonte: SOL

Descubra as diferenças

Martin Taylor, do Birminghan, partiu a tíbia e o perónio ao avançado do Arsenal, Eduardo Silva, com uma entrada de lado, descrita como "arrepiante" - a tal ponto que as imagens não foram repetidas pela BBC. Em Portugal, o jogador do benfica, Katsouranis também partiu a tíbia, o perónio e causou um rotura de ligamentos ao jogador do FCPorto, Anderson, tendo entrado por trás a "matar". É engraçado ouvir hoje as críticas ao inglês, daqueles que no passado, "limparam" a entrada assassina do grego ao brasileiro, árbitor incluído....

Datas com História: 23 de Fevereiro de 1945

Durante a batalha de Iwo Jima, um grupo de Marines alcança o Monte Surabachi e iça a bandeira americana. A fotografia ganhou o prémio Pulitzer.

Fantasporto - Começa Hoje!

Datas com História: 22 de Fevereiro de 1943

Os primeiros elementos da Rosa Branca são executados. A partir de 27 de junho de 1942, nas caixas do correio de grandes cidades do sul da Alemanha e da Áustria, começaram a ser distribuídos panfletos contra o regime nazista, pelo movimento de resistência "Weisse Rose". O Rosa Branca (Weisse Rose), atuante em Munique e em Hamburgo, foi o movimento de resistência de jovens alemães mais conhecido durante o Terceiro Reich. Seu núcleo era formado por universitários de 21 a 25 anos de idade, entre estes os irmãos Hans e Sophie Scholl, Alexander Schmorell, Willi Graf e Christoph Probst.

Os panfletos, que começaram a ser distribuídos nas caixas de correio de intelectuais dos grandes centros na Baviera e na Áustria, exortavam à resistência passiva contra a guerra e a opressão intelectual pelos nazistas. Os textos revelavam o alto nível cultural de seus redatores e apelavam a valores religiosos. Nos quatro primeiros panfletos, distribuídos entre 27 de junho e 12 de julho de 1942, foram usados em profusão trechos apocalípticos da Bíblia. Os dois últimos folhetos, entretanto, tiveram um estilo completamente adverso. Em linguagem direta, apresentavam planos concretos para a Alemanha pós-guerra, dirigindo-se a todas as camadas da população.
Primeira derrota chocou a população alemã. A morte de 300 mil alemães na batalha de Stalingrado, em fevereiro de 1943, representou uma reviravolta na Segunda Guerra Mundial. A primeira derrota alemã alimentou a resistência em todas as cidades européias ocupadas pelos nazistas e ao mesmo tempo chocou a população do país.

Willi Graf, Alexander Schmorell e Hans Scholl passaram a noite pichando Abaixo Hitler e Liberdade nas paredes da universidade e de prédios vizinhos. O grupo Rosa Branca aproveitou a ocasião, publicando um novo panfleto. A estratégia era redigir os textos em máquina de escrever, copiá-los e enviá-los pelo correio a partir de várias cidades diferentes. Descobertos enquanto depositavam suas mensagens nos corredores do prédio principal da Universidade de Munique, os irmãos Hans e Sophie Scholl foram presos pela Gestapo, a polícia política de Hitler. Junto com Christoph Probst, foram julgados no dia 22 do mesmo mês. Em pouco mais de três horas de julgamento, foram condenados à morte e executados no mesmo dia. Os demais membros do grupo de resistência Rosa Branca de Munique foram executados após julgamentos sumários, entre abril e outubro de 1943.

Mais indignação do que ideologia
O objetivo dos panfletos era abalar a confiança dos alemães no Führer, despertar ao menos um mínimo de dúvidas sobre a veracidade da propaganda feita pelo regime e alimentar eventuais células de resistência no próprio povo alemão. O movimento surgiu menos de uma ideologia política e mais da indignação com a forma como os alemães aceitavam o nazismo e a guerra feita em seu nome. A coragem dos membros do Rosa Branca ficou conhecida em toda a Alemanha ainda no decorrer da Segunda Guerra. O escritor Thomas Mann reconheceu seus méritos publicamente, num pronunciamento transmitido pela BBC no dia 27 de junho de 1943. Reproduções do último panfleto da resistência estudantil, feitas na Inglaterra, foram jogadas pelos aviões britânicos sobre território alemão.

Durante o segundo semestre de 1943, a Gestapo descobriu em Hamburgo um grupo de resistência que divulgava os panfletos do movimento de Munique. Dos 50 participantes, oito universitários foram condenados à morte: Hans Konrad Leipelt, Greta Rothe, Reinhold Meyer, Frederick Gaussenheimer, Käte Leipelt, Elisabeth Lange, Curt Ledien e Margarete Mrosek

Mais.

Juno

Este País não é para Velhos

Haverá Sangue

Expiação

Michael Clayton - Uma Questão de Consciência

O empobrecimento do Norte

Segundo afirmou o Presidente da Unicer, um dos motivos do empobrecimento do Norte é que os empresários do Norte esqueceram-se de investir nas “competência relacionais” porque em vez de irem todos ao mesmo restaurante como os empresários de Lisboa, os empresários do Norte “comem em casa ou na cantina da fábrica”.

Enquanto a lisboeta 2ª circular sofre, o Porto goleia

Lisandro cada vez mais líder na lista de melhores marcadores em Portugal

O FC Porto mantém ritmo cruzeiro a mais um título na Liga Portugesa com uma esclarecedora vitória de 3-0 sobre o Paços de Ferreira de José Mota, que tarda a fugir dos lugares que lhe poderão levar à Liga Vitalis.

Numa noite totalmente made in Argentina, os dragões tiveram nos pés dos seus sul-americanos todos os pormenores fulcrais do jogo. Golos, passes e lances perigosos foram todos obra de Lisandro, Lucho, Farías e Mariano, este marcou pela primeira vez pelo Porto e em Portugal.


Lisandro no momento que rematava para mais um golo

Os dragões marcaram por três vezes, mas ainda houve uma bola na barra e outra no poste, também com sotaque argentino. A forte entrada no segundo tempo e os três tentos justificaram plenamente o triunfo e elevam para 12 a diferença de pontos relativamente ao více-líder Benfica.


FC Porto 3-0 Paços de Ferreira
Lisandro 45', 53'
Mariano 92'

A entrevista do Sr. Presidente Pinto da Costa

3 Golos de Belo Efeito


Perante o olhar embevecido do Rodrigo e da Clara , o Senhor Presidente Pinto da Costa consumou o hat - trick, despachando-os em três penadas , que era preciso voltar depressa para o Porto , que jogava no dia a seguir e ele não é como aqueles Vieiras que passam a vida a faltar aos jogos dos clubes a que presidem por dá cá aquela palha. É caso para dizer aos benfiquistas que todos os burros comem palha..é preciso é saber dá-la. E o actual presidente tem sido exímio....

Pinto da Costa , nesta fase avançada da sua vida , só costuma dar entrevistas quando precisa de dizer alguma coisa e na última sexta não fugiu à regra. Foram três os coelhos que ele tirou da cartola , dando corpo ao famoso truque do chapéu , mais conhecido em futebolês por hat-trick.

1º) O Apito Dourado é uma palhaçada motivada por uma guerra Lisboa - Porto dentro do Ministério Público e da PJ como o Procurador Geral da República teve ocasião de informar e confirmar.

2º) O célebre livro que esteve na origem da reabertura dos processos que tinham sido arquivados tem o dedo do Benfica e foi escrito a várias mãos , sendo uma fraude congeminada pelo senhor Vieira e por uma jornalista que é visita de sua casa , até porque o original está guardado em boas mãos.

3º) A credibilidade da testemunha principal da coisa está ferida de morte pela própria dra Morgado ( que com o marido perseguem o presidente do Porto há muito por razões insondáveis.. ) quando manda arquivar de novo o processo das agressões a Bexiga, não acreditando em Carolina que se confessa mandante do crime em investigação.

Concluindo, a entrevista deu a perceber o ridículo do desenho táctico gizado pelo ministério público; a dupla formada por Mizé e Carolina Salgado é, objectivamente, um equívoco. Ficamos a saber que a confissão de Carolina Salgado relativamente ao caso Bexiga -- na qual ela se assume como a mandante directa da agressão -- foi considerada inconsistente. Ou seja, a auto-incriminação de Carolina foi tida como falaciosa, razão porque o processo foi arquivado sem que Carolina tenha sido pronunciada arguida. Levanta-se pois a questão elementar: como é que Carolina Salgado é tida como testemunha crucial nos processos que acusam Pinto da Costa quando a sua própria confissão não é considerada credível? Ressalta aqui a citação de JNPC a Joana Amaral Dias...

Ficamos a estranhar como foi possível o MP lisboeta ter apostado tão alto em Carolina sem por um momento tentarem compreender as armadilhas do quadro emocional em que ela estava imersa. Nem vale a pena lembrar que a versão publicada terá sido "ligeiramente" alterada de molde a satisfazer as amizades sulistas de Carolina -- assim o prova a versão original a que a defesa de Pinto da Costa terá conseguido aceder. Carolina Salgado foi visivelmente movida por um amor que apesar de ferido ainda estava suficientemente vivo para deixar de doer. O ministério público viu em Carolina Salgado uma oportunidade de ouro. Nada contra. Mas deveria ter procurado perceber que, por definição, os gestos da ordem da traição não têm escrúpulos. Basta pensar que Carolina foi capaz de confessar um crime que pelos vistos o MP acha que não cometeu e estamos conversados. A questão é que, como o ministério público já deve ter percebido, a paixão que alimenta a traição pouco se comove com rigores da justiça. A Mizé está "quilhada" e o Vieira lá vai ter que meter a viola no saco...

Momento Musical

Poesia



A TUA ROSA

A bela rosa é a que tenho na mão
quando o amor faz durar cada instante,
e em cada segundo se ouve o coração
que faz bater o pulso do amante.

Abro-a com os dedos, até ao fundo,
e vejo-a fechar-se quando se oferece,
os olhos prendendo ao seu secreto mundo,
de cada vez que a olho e ela me esquece.

Nenhuma rosa é como esta, que eu amo,
ao vê-la nascer de um campo de alegria:
tem a púrpura do teu rosto, quente e fria,

e a pureza da tua voz que eu reclamo.
Assim, nunca outro amor teve uma tal flor,
e é à minha vida que dás a sua cor.

(Nuno Júdice, O Estado dos Campos)

Um filme! Um óscar?

Atonement ou em português Expiação, é a história de um amor proibido que se destrói devido a um bilhete secreto, nas mãos de uma criança hiper imaginativa que culmina numa falsa acusação.
A história passa-se em Inglaterra decorre o ano de 1935, a família Tallis, vive numa típica casa Victorina cheia de criados e mordomias.
Um desenrolar de episódios dão lugar a uma infundada e grave acusação por parte de Briony a filha mais nova da família cuja imaginação fértil leva-a a acusar o filho da governanta da família de um crime que ele não cometeu.
O registo de que há atitudes que mudam o curso das nossas vidas para sempre, está bem patente neste brilhante filme de Joe Wright; a acusação da jovem Briony vai mudar para sempre as vidas da sua irmã Cecília e de Robbie que até então viviam um amor forte e proibido.
Atonement foi o grande vencedor dos Globos de Ouro bem como a estrela da noite dos prémios Bafta (British Academy of Film and Television Arts) em Inglaterra, e eu até sei bem porquê.
Dario Marianelli embeleza o filme com uma estrondosa banda sonora e Seamus McGarvey é o responsável pela magnífica fotografia.
Para quem tiver curiosidade…let’s look at the trailer…aqui mesmo em baixo…disfrutem.


Propaganda Indecente


Vasco Pulido Valente, Sessão de propaganda, no Público. A realidade é esta e nada mais:

«A entrevista da SIC e do Expresso a Sócrates não foi uma entrevista, foi uma sessão de propaganda. Ricardo Costa mostrou bem o espírito da coisa, quando disse: “Já sei que não vai gostar desta pergunta, mas tenho de lha fazer...”. Lá fez. Quanto ao resto, ele e Nicolau Santos deram as “deixas” e tentaram não incomodar. Sócrates falou sozinho: sem interrupções, tranquilamente, abundantemente. E, como seria de prever, explicou a excelência da sua política macroeconómica e das “suas” reformas da educação e da saúde. Explicou tudo isso como se não existisse mais nada em Portugal ou até como se Portugal não existisse. Parecia que vinha de outro mundo. Talvez porque houve um acordo prévio entre a SIC, o Expresso e o primeiro-ministro, ninguém se atreveu a mencionar assuntos tão prosaicos como desigualdade, inflação, salários reais, pensões de reforma, justiça, administração central e local, corrupção, autoritarismo e por aí fora. Nem a pronunciar o irritante nome de Manuel Alegre. A SIC e Sócrates trataram o país como um comício do PS. Isto é, com segurança e com desprezo.»

E se isto acontece ao BCP?

O governo britânico nacionalizou o Northern Rock, banco privado que atravessa uma crise grave. Para evitar a sua venda em condições menos favoráveis — um dos interessados é Richard Branson, que pretendia efectuar uma injecção de capital de 700 milhões de euros antes de o fundir com o Virgin Money —, o ministro das Finanças britânico, Alistair Darling, não hesitou. O banco foi mesmo nacionalizado, com o beneplácito das autoridades de supervisão (o Banco de Inglaterra e a Autoridade dos Serviços Financeiros, que é a CMVM inglesa). O Northern Rock andava nas bocas do mundo por ser o exemplo europeu mais notório da crise internacional do subprime. Os comentadores que compararam a mudança de administração do Millennium BCP a uma nacionalização encapotada, têm agora um bom termo de comparação.

Toma!

António Costa, o presidente de câmara, tem “a cidade bloqueada” por causa de uma lei do ministro António Costa. Os outros presidentes de câmara devem estar a rebentar de rir. Eu também!

"Trilho da Peneda", na Serra da Peneda, dia 24 de Fevereiro, organizado pela Associação dos Amigos do Rio Ovelha (AARO)

Na Serra da Peneda, dia 24 de Fevereiro, organizado pela Associação dos Amigos do Rio Ovelha (AARO)

"A Secção de Pedestrianismo da Associação dos Amigos do Rio Ovelha (AARO), procurando proporcionar um dia agradável de convívio e contacto com a natureza, propõe, já no próximo dia 24 de Fevereiro, a caminhada "Trilho da Peneda" em pleno Parque Nacional da Peneda-Gerês.

O percurso, terá início cerca das 10h30, no Santuário da Nossa Senhora da Peneda, localizado em Arcos de Valdevez, na freguesia de Gavieira (localização GPS: N 41º 58.485 - W 8º 13.304). Para quem não for directamente ao Santuário da Peneda, haverá partido do Marco de Canaveses em direcção à Peneda (cerca de 200 km), pelas 07h30, junto ao Estádio Municipal de Marco de Canaveses, com tempo de viagem estimado em cerca de cerca de 2 horas.


O Trilho da Peneda é um trilho de interesse paisagístico, com um traçado circular de, aproximadamente, 11 km e cuja dificuldade considera-se de nível médio dado alguns desníveis que apresenta. Atravessa dois povoados serranos, o Lugar de Peneda e a Bouça dos Homens, tendo como outros pontos de interesse as "Faldas da Penameda", onde se atinge a altitude máxima deste percurso, cerca de 1215m, o lugar de Chã do Monte, onde se pode contemplar um pequeno lago artificial conhecido como o "Pântano", que outrora servia uma mini-hídrica que fornecia energia eléctrica ao povoado de Peneda, e a "Fraga da Meadinha", uma autêntica parede que se ergue imponente até aos 986m, muito apreciada pelos escaladores e referenciada nos roteiros internacionais da modalidade de escalada.

Prevê-se o final da marcha pelas 15h, seguido de um convívio gastronómico para retemperar as forças. Por isso, não se esqueça de trazer um petisco para partilhar e uma bebida para acompanhar.


Inscrições e informações:

Associação dos Amigos do Rio Ovelha
Lugar do Passal
4635-622 Várzea de Ovelha e Aliviada
Marco de Canaveses

Tlm 96 263 13 37 ; 91 920 90 41
percursos@rioovelha.com


Na inscrição (até 21 de Fevereiro) deverá indicar:
- Nome, idade, local onde reside,
- se possui carta de montanheiro ou carta de pedestrianista actualizada
- uma nota indicando se pretende partir do Marco e se necessita de transporte, ou se parte do local onde reside directamente para a Senhora da Peneda.

O valor da inscrição:
1.50€ sócios 5€ não sócios
Até aos 16 anos é grátis

Seguro: 3,50€, pago até dia 21 de Fevereiro, por cada participante não portador de carta de montanheiro ou pedestrianista actualizada.

Oferta de lembranças a todos os participantes pré-inscritos.


Fonte do texto e imagem: Secção de Pedestrianismo da Associação dos Amigos do Rio Ovelha

Vais queimar isso, certo?

Image Hosted by ImageShack.us

Bêbado na estrada

IKEA na vanguarda: até automóveis...

A IKEA está a planear vender automóveis.
Só para clientes habituais.


Mariano Gonzalez, do benfica

O FC Porto é um bom exemplo de trabalho e gestão. Eles não ganham por sorte, mas porque sabem trabalhar bem. O FC Porto fez uma mudança geracional sem perder superioridade e a verdade é que são a única equipa portuguesa que nestes últimos anos se mantém competitiva na Europa. Como jogador, enfurece-me e sinto-me impotente por não ter conseguido contrariar esta situação, mas tenho de despir a camisola e ser objectivo: em dez anos, o FC Porto fez muito pelo hóquei português".

Se o Kosovo é independente, porque não o Condado Portucalense?

A propósito da declaração unilateral de independência do Kosovo

Em lisboa existe racismo contra as pessoas do Porto!!!!



Debate sobre a Comunicação Social, inserido na 5ª edição do ciclo Olhares Cruzados sobre o Porto promovido pelo Público:

"(...) A determinada altura, Rui Moreira deu um exemplo feliz dos tiques do centralismo ao falar da maneira como foi recebido, pelos panditas da capital, o estudo sobre a localização do novo aeroporto internacional de Lisboa, promovido pela Associação Comercial do Porto. A reacção generalizada na capital ao estudo veio sob a forma da pergunta enfadada: «E o que é que esses tipos do Porto têm a ver com isso?», como se por alguma lei secreta estivéssemos inibidos de nos pronunciar sobre tudo quanto se passa no resto do país e circunscritos a opinar sobre as coisas da nossa região.

Embalado por esta denúncia, o ministro Augusto Santos Silva falou da existência em Lisboa de um «racismo» (foi esta a palavra usada por ele) contra as pessoas do Porto, detalhando que ele próprio e a ex-ministra da Cultura tinham sido vítimas desse «racismo».
Esta acusação muito grave foi sonegada pela imprensa lisboeta o facto do ministro dos Assuntos Parlamentares ter dito ser vítima de racismo por ser do Porto.
P.S. Já Narciso Miranda se queixara do mesmo. Fernando Gomes foi perseguido como todos vimos. Agora é noutro governo, 10 anos depois. Logo, não é um caso isolado.

Lisboa ataca! Atenção Portucalenses!

· Excelente crónica de Rui Moreira no Público: «Como diria Jorge Fiel, este país é uma mesa de snooker inclinada, onde tudo corre para o buraco lisboeta. E, se é lá que está o poder e os seus protagonistas, se é lá que tudo acontece, se é lá que decorrem os jogos de bastidores, se é para lá que vai migrando a riqueza e a inteligência, se é lá que estão as agências de publicidade e de comunicação e também a economia semipública que as abastece, não será inevitável que os media optem, ou sejam obrigados a optar, por também lá estar?»

· Já agora, será verdade que a nova pide lisboeta e os seus sicários, protegendo a palavra de Carolina contra Pinto da Costa, vão calar Bexiga dando-lhe um lugar na CP? Na blogosfera podemos ler acerca disto aqui e aqui.

· Ao contrário do que ocorre na Região Norte, abandonada pelo poder de lisboa, aquela maldita cidade tem sempre o estado protector a safar as suas empresas da falência. Ricardo Arroja detecta-o aqui.

ANA e TAP traem (uma vez mais) o PORTO

Afinal a RYAN AIR foi corrida do Porto pelas lisboetas ANA e TAP. Assim, a sua base tanto reclamada para o Porto vai parar a Santiago de Compostela e a mais onze bases em Espanha.

Artigos relacionados:


Datas com História: 21 de Fevereiro de 1916

Inicia-se a Batalha de Verdun com uma ofensiva em massa pela margem direita do Mosa que obteve grandes êxitos iniciais. Em 24 de Fevereiro o general Pétain assumiu o comando das forças francesas em Verdun. Pela sua hábil tática, conseguiu conter o avanço alemão em 29 de Fevereiro.

A segunda fase da batalha (6-17 Mar) tomou a forma duma ofensiva alemã pela margem esquerda do rio, acompanhada de violentos ataques na margem direita, a que os franceses opuseram encarniçada resistência.

Junho de 1916
A 3a. fase, de guerra de desgaste, caracterizou-se pela "defesa agressiva" das forças francesas que, em Junho, detiveram o avanço inimigo a 6 quilômetos da cidade. Em 11 de Julho os alemães lançaram o último ataque de envergadura, sendo repelidos.

Julho de 1916
Em 11 de Julho os alemães lançaram o último ataque de envergadura, sendo repelidos. A partir de então registraram-se apenas choques locais, pois os aliados, para aliviar a frente de Verdun, haviam dado começo à Batalha do Somme (1 Jul a 18 Nov), ofensiva franco-britânica que fez com que os alemães recuassem até Peronne.

Outubro a Dezembro de 1916
A 4a. fase da Batalha de Verdun começou em 24 de Outubro. As forças francesas realizaram uma contra-ofensiva que se prolongou até 15 de Dezembro, recuperando grande parte do território conquistado pelo inimigo nas fases anteriores.

Estas coisas pagam-se caro...


Sócrates no seu melhor

E os burros somos nós...

Curtas

No hospital, diz o médico:
- O senhor é o dador de sangue?
- Não, eu sou o da dor de cabeça!

******

Uma mulher entra numa loja de roupa e pergunta:
- Vendem camisas de noite?
- Não, de noite estamos fechados...

******
Vai um velhote na auto-estrada quando a mulher lhe liga.
- Sim?
- Olha, querido, tem cuidado! Deu agora nas notícias que na auto-estrada vai um carro em sentido contrário!
- Um? Eles são às dezenas!

******
Dois miúdos estão a conversar:
- O que é que o teu pai faz?
- É advogado.
- Sério?
- Não, um dos normais.

******
Numa estrada, alguns metros antes duma curva, dois frades seguravam um cartaz que dizia: ' O Fim Está Próximo! Arrepende-te e Volta Para Trás!'
Nisto, passa um carro e eles mostram-lhe o cartaz.
O condutor do automóvel dá uma gargalhada, insulta-os e segue em frente.
Instantes depois ouve-se um grande estrondo para lá da curva.
Diz um dos frades para o outro:
- Olha lá... Se calhar já devíamos mudar o cartaz e escrever mesmo 'A Ponte Caiu', não?

******
Vai um casal a passar por um poço dos desejos.
O homem atira uma moeda lá para baixo e pede um desejo.
A mulher atira uma moeda lá para baixo, mas debruça-se demais, perde o equilíbrio e cai lá abaixo.
Diz o homem:
- Ena, e não é que resulta mesmo?

Tempos Modernos












T5 Duplex

Proibido Fumar

Momento Musical

La Bohème- Charles Aznavour

Questão dos tempos modernos

Engenheiro ou Arquitecto? Saiu engenheiro...sanitário

Autoridade moral, diz ele



"Sinto-me em condições de ser julgador em causa própria. Sinto, porque eu tenho uma grande autoridade moral e tenho uma grande confiança na minha honestidade pessoal" Presidente da Autoridade para os Serviços de Sangue e Transplantação

Como?

Fidel

O tipo que um dia renunciou à democracia diz agora que renuncia ao poder. Perestroika em Cuba?

Dignidade

Uma revista lisboeta, a Visão, vem esta semana referir Elisa Ferreira como a próxima candidata do PS para o Porto. Elisa Ferreira

Penso que para fazer melhor que Rui Rio não é preciso muito, e penso também que chega de ser governado por um candidato a 1º ministro, ou seja, candidato a viver em lisboa e sugar o país em beneplácito daquela capital sulista. Será que vai chegar o tempo do Porto voltar a ver restituída a dignidade que lhe é devida?

Silva e o Rio, com o Porto ao fundo

Um governante de lisboa que saiu do Porto, Augusto Santos Silva diz que Rui Rio odeia os principais traços de cosmopolitismo do Porto. Diz ele que o Porto é "uma cidade dirigida por uma estrutura que odeia os seus principais traços de cosmopolitismo, como o Rivoli e a Casa da Música". Acrescentando que "quem acha que a Casa da Música custou de mais, quem fez pouco para proteger a sua envolvente e reabilitar a rotunda da Boavista, quem achou que a única coisa que podia fazer no Rivoli era privatizá-lo" e quem "destruiu" o legado da Porto 2001 "só pode detestar a modernidade".

Como sabem, ainda que da franja partidária que costumo apoiar, detesto o que por engano foi eleito presidente da câmara. Concordo assim com a opinião do sr. Silva. Pena é que o mesmo sr. Silva, estando no governo de lisboa, se tenha esqueciso rapidamente do Porto e não faça nada em prol da Cidade. Então o desemprego, então o abandono, então as infraestruturas, então o crescimento. NADA! São todos iguais quando vão para o governo de lisboa.... A bardamerda todos estes vendilhões...

O silêncio de Sá Fernandes

Estou para Lisboa como aquele tipo da anedota: levantem muros à volta da capital e ... inundem-na...
Faz-me algum gozo observar a parolada que lá vive e se dá ares de grandes cosmopolitas... Neste pote, incluo aqueles governantes que, originários do Porto ou do Norte, acabam eleitos e por força disso mudam-se para aquela cidade proibída e aí, rapidamente, se esquecem das origens. Esses são os verdadeiros parolos. Enfim...
Mas vem este post falar das chuvadas que caíram naqueles lados e que inundaram alguns pontos (não os suficientes, portanto). Um tal Fernandes, em tempos, levantou consigo um coro de protestos a propósito do túnel do Marquês. Dizem que de todos os túneis de lisboa, aquele foi um dos poucos que não "meteu" água. Ora o dito túnel foi considerado “zona húmida” na fundamentação da queixa apresentada por Sá Fernandes contra a construção do mesmo, e na promeira demonstração, nada aconteceu. E uma “zona húmida” num dia como o de segunda deve ter estado reservada a botes.... O dito senhor está calado? Estes alfaces são muito giros...

E por falar em túneis, apesar de um buraco financeiro, a câmara de lisboa foi mais uma vez beneficada pelo estado, o estado que saca a todos os portugueses os impostos e depois os despeja na capital. A expo, o novo aeroporto, o aeroporto antigo (que continua a sorver) e outras que tal... Bem, como dizia, o túnel do rossio foi inaugurado pelo governo socialista. Viagens à borla para a populaça. E aos basbaques, quando se fala à borla, lá aparecem aos magotes. Foi giro, ver essa camada superior da população portuguesa, os lisboetas -de origem ou adoptados- a entrarem em carruagens-museu e combios que não circulam ou noutros que não importa para onde vão. Estes alfaces são muito giros...

Momento Musical

Supertramp

FC Porto: o maior clube do mundo! (porque é um vencedor)

.

Segundo um estudo efectuado pela empresa de consultadoria Deloitte, o F. C. Porto ocupa o primeiro lugar no ranking mundial de clubes com melhor desempenho desportivo na última década, em igualdade com os alemães do Bayern de Munique. Segundo os critérios adoptados pela Deloitte, que apenas têm em conta os campeonatos e taças nacionais, e os títulos de campeão continental (estão excluídas provas como as Supertaças nacionais e europeias, a Taça UEFA ou a Taça Intercontinental), os dragões conquistaram 13 troféus entre as temporadas de 1996/97 e de 2006/07 (sete campeonatos nacionais, cinco taças de Portugal e uma Liga dos Campeões). Fora destas contas estão aindas as vitórias do clube das Antas na Taça UEFA (2003) e na Taça Intercontinental (2004), para além das várias supertaças portuguesas conquistadas nos últimos anos, caso contrário, o domínio seria mais intenso...

A Deloitte também elaborou um ranking sobre o desempenho dos clubes na Liga dos Campeões entre 1997 e 2007, que neste caso é liderado pelo Real Madrid, seguido pelo Milan e pelo Manchester United. O F. C. Porto surge na décima posição, em igualdade pontual com o Borússia de Dortmund.
Nos 20 primeiros classificados desta lista da "Champions" não aparecem o Benfica e o Sporting.
Por outro lado, temos o mais melhor bom que é o ....