Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

Kelvin: o inventor da moda dos baldes de água gelada


(também) No desporto, acentua-se o centralismo e colonialismo da Antena! 1

Apesar de toda a falsa publicidade, não somos todos adeptos dos símbolos da capital. Ainda que assim fosse, a pluralidade, e respeito pelo antagónico, e, enfim, a democracia e respeito pelos Nortenhos, exigia MAIS UMA VEZ, outro tratamento da rádio pública. O relato do jogo do Porto-Moreirense foi "apagado" em favor do jogo que se realizava na capital, entre duas equipas locais. 
Aqui vai a missiva ao Provedor do Leitor:


Mais uma vez, saliento, mais uma vez, uma rádio do estado, pago pelos impostos de todos os portugueses, dá preferência ao que se passa em lisboa, na capital colonial, e despreza totalmente os ouvintes que não alinham pelos símbolos lisboetas. Falamos do tratamento radiofónico dado ao jogo entre o FC Porto e o Moreirense e a o que se passava noutro estádio da capital colonial. Numa demonstração de total desprezo pelos ouvintes que não professam o "centralismo do futebol lisboeta", decidiram calar o relato do jogo que se realizava no Norte em favor do jogo que ocorria em lisboa. Mais uma vergonha, mais um tratamento em prejuízo do que se passa fora da capital. NÓS NÃO TEMOS QUE SER TODOS APÓSTOLOS DOS SÍMBOLOS DE LISBOA!  Noutras alturas ainda tinham a decência de dar o relato de forma alternada. Mas,com o crescer da impunidade e integridade física intocável, os de lisboa, da capital, acentuam o comportamento colonialista e centralista. Até um dia em que "o sangue comece a correr debaixo das pontes"...

Momento Musical: Get Back - Rooftop Concert

Pão de marca...


Push Porto

Realizado pela  Circus, o festival  Push Porto vai realizar-se entre 13 e 21 de Setembro.
Trata-se de um evento englobado nos circuitos de turismo alternativos, envolvendo toda a comunidade, com o intuito de dinamizar e embelezar a cidade com intervenções criativas e artísticas. Conta com  a intervenção de artistas nacionais e internacionais em várias paredes da cidade, ou seja, pinturas de murais, workshops, palestras, instalações, festas e mais actividades no centro da cidade.
Entretanto, e até lá, decorre uma campanha de crowdfunding onde todo o apoio será bem recebido.
 
Quem pretender conhecer e/ou apoiar o projecto pode espreitar aqui: http://www.indiegogo.com/projects/festival-push-porto

E mais informação aqui:  https://www.facebook.com/festivalpushporto


O Céu, segundo Silas

Quase que sinto necessidade de pedir desculpa pelo vídeo, todavia, sendo tão puro e emocionante, não posso deixar de o partilhar.
O menino, Silas, tinha 4 anos quando ele faleceu de doença grave, mas e era assim que ele descrevia o céu ... 

Perder calorias ... no feminino

Frutas: como as preparar / comer correctamente?

Você jamais olhará para os melões ou mesmo para os morangos da mesma forma...

Exame rectal...

Save Water - if the monkey can why cant we?

A angústia do desemprego (*)

(*) [Helena Sacadura Cabral, no Fio de Prumo]

Há dois temores a que a maioria dos seres humanos está sujeito. Um, a falta de saúde. O outro, a falta de meios. Um terceiro, o desemprego, acabaria por se tornar num medo visceral nestes últimos anos. E quando falo da falta de trabalho, refiro-me também àqueles que tendo deitado corajosamente mão ao que lhe apareceu para sobreviverem, não estão de facto a exercer as funções para as quais foram preparados.
Tem sido um ciclo vicioso que acaba por fazer rupturas entre as gerações, julgando os mais novos que não encontram labor porque os mais velhos não abandonam as suas funções. E as recentes medidas de prolongamento da idade da reforma, deste ponto de vista, estão longe de ajudarem à resolução do problema.
Ora ninguém consegue viver com uma parede de fundo de medos e ansiedades acumuladas. Talvez por isso, os períodos de crise sejam também aqueles onde se revelam melhor as capacidades individuais. Com efeito, passados os primeiros tempos de angústia, é surpreendente ver como certas pessoas são capazes de dar a volta aos problemas e se lançam em projectos nos quais jamais teriam pensado se a crise lhes não batesse à porta.
Claro que ser jovem facilita muito este tipo de atitude, até porque os parcos apoios que existem - financeiros ou não - são, sobretudo, vocacionados para a juventude e não para aqueles que, aos 50 anos, se vêem desempregados. Estes terão, talvez, que passar a olhar para si de outro modo e a não se sentirem menorizados por virem a exercer funções que possam ser hirarquicamente inferiores àquelas que já desempenharam.
Servindo-me de um exemplo "menor", lembro o caso do actual Ministro dos Negócios Estrangeiros francês que já foi Primeiro Ministro. E, apesar disso, não deixou de aceitar o presente cargo que lhe está abaixo. Assim, pode acontecer que um director passe a ser dirigido sem que, por esse facto, tenha de sentir-se humilhado.
Eu sei que, por norma, não é assim que pensamos. Mas face ao momento que atravessamos, julgo que vale a pena meditar um pouco nisto.

HSC

Quem ocupa Gaza?

Cão'mendo' à mesa

Já não tinha memória de um golo de livre...


Porque somos os melhores...


Carlos Paião

Carlos Paião morreu a 26 de Agosto de 1988, há precisamente 26 anos. Se fosse vivo, teria hoje 56 anos.
Será para sempre recordado!

Na Galiza, não há medo das palavras...

PEDRO GÓMEZ-VALADÉS PRESIDE A ASOCIACIÓN DE AMIZADE CON ISRAEL

"Hamas non busca nin de lonxe unha palestina democrática e en paz, senón un califato"

Non son tempos doados para ser presidente da Asociación Galega de Amizade con Israel, pero o vigués Pedro Gómez-Valadés  está disposto a explicarse
Como se resolve o de Israel-Palestina?
Boa pregunta! Sen dúbida non hai unha variña máxica para resolver o conflito palestino-israelí. Pero para chegar a ese acordo que é posible e no que creo firmentete, deberanse dar varias condicións. A primeira e fundamental é a plena asunción polas dúas partes do dereito a existir da outra parte. De que Israel e Palestina guste máis ou guste menos a palestinos e israelies están para quedarse. Camiñar nesa dirección implica inexcusablemente recoñecer a fórmula de dous estados para dous pobos. Un estado nacional xudeu e democrático para Israel e un estado nacional árabe e democratico para Palestina. Por suposto as dúas partes terán que facer concesións que serán seguro dolorosas para os dous bandos. E hai tamén un factor básico que debemos contemplar para ter garantía de supervivencia no tempo do acordo de paz. Porque pode ser máis ou menos pouco ententido aquí, pero un pobo como o xudeu que hai só unhas décadas sofriu o exterminio industrial de 6.000.000 dos seus membros ten unha absoluta prioridade existencial pola seguridade. Cousas que creo é fácil de entender vistos os antecedentes. Acadada esa seguridade plena do Estado de Israel todo o demais, fronteiras, asentamentos, capitalidade, refuxiados, etc... son puntos resolubles. Pero sen seguridade plena non haberá nunca paz plena. 

Pode haber acordo con Hamas?
Cando pensamos en Hamas moita xente por aquí non entende plenamente de que estamos a falar. Hamas é un grupo islamista radical que aboga pola destrucción de Israel. Isto é algo que eles mesmos non ocultan, está na súa carta fundacional, textos, comunicados e actuacións constantes onde reivindican e procuran exercer ese exterminio. Porque Hamas é unha organización ideoloxicamente xenocida (pretender eliminar a todos os xudeus de Israel non ten outro cualificativo), totalitaria e terrorista, emprega o terror como arma politico-ideoloxica. Isto non ten posible dúbida, quen usa o terror para conseguir fines politicos ou relixiosos é terrorista, sexa Hamas, Yihad islámica, Estado islámico ou Al-Qaeda. Non perdamos por favor isto de vista. Hamas non é un partido politico como nós entendemos. É unha organización creada para destruir a Israel e impor o islam nun califato. Non busca nin de lonxe unha Palestina democrática e en paz. 

Teñen gañada os palestinos a guerra da imaxe?
 Sen dúbida. Porque a todo ben nacido nos conmove a imaxe da morte dun neno. E Hamas que emprega ao seu propio pobo como refén, como escudo humano, sabe como utilizar as imaxes dramáticas que se producen na guerra. Dicia antes que a todo ben nacido lle conmove a morte dun neno, corrixo, aos dirixentes de Hamas non lles preocupa o máis mínimo e incluso buscan provocar cantas máis vítimas civis e de nenos mellor. 

É doado defender Israel cando se ven as imaxes dos bombardeos?
Eu defendo o dereito que lle asiste a Israel, como a calquera outro estado no mundo, a exercer a lexitima defensa fronte o ataque constante durante anos desde Gaza con milleiros de misiles lanzados por Hamas, Yihad islámica... Por suposto que as imaxes de destrucción que provoca un bombardeo son demoledoras en todos os sentidos. Pero entendo que para ter unha opinión e unha visión axeitada e fundada do que sucede nese enmarañado conflito é imprescindible ter boa información e non deixarse condicionar pola propaganda que un grupo terrorista como Hamas envia ao mundo. Israel actua como calquera estado democrático nas súas circustancias, e defender ese dereito para min non é nin facil nin dificil, simplemente é xusto. 

Cal é a culpa de Israel no conflicto actual?
Se me preguntas polo global do conflito palestino-israelí direiche que a responsabilidade da súa non resolución é por suposto compartida por palestinos e israelies. Sempre o dixen, non estamos diante dun western de bos e malos, nin dunha película en branco e negro. Todo no Medio Oriente é poliédrico, e as dúas partes teñen as súas culpas e as dúas partes teñen que asumilo e obrar en consecuencia se queren vivir en paz como veciños que serán gústelles ou non as partes. Se a pregunta é en relación a actual escalada provocada por Hamas desde Gaza direi categoricamente que a culpa é ao 100% de Hamas. Dende 2005 Israel saiu por completo de Gaza, desmantelou todos e cada un dos asentamentos e a pesar disto, de que en Gaza non hai ocupación nin problemas do trazado das fronteiras, de que a Faixa ten recibido nestes anos moreas de millóns de euros de axuda económica procedente de USA, Unión Europa, estados árabes, UNWRA... finanzamento que podia e debia ter revertido na mellora da calidade de vida dos seus propios cidadáns, pero a furia xenocida e fanática do islamismo insiste en provocar e buscar a confrontación con Israel. Sen importarlle o seu propio pobo nin o seu sufrimento. Estou seguro de que se Gaza estivera gobernada como está hoxe Cisxordania non habería nin bloqueo nin desde logo guerra e o nivel de vida dos gazaties sería como o dos palestinos de Cisxordania onde a economía vai moi ben e o nivel de vida é con moita diferencia o que mellor evolue dos estados árabes da rexión. Pero insisto, o único responsable do que sucede é Hamas.

Cre que hai certo odio a Israel?
Falar de odio é moi forte, pero lamentablemente e sinto ter que dicilo, moito me temo que si. En alguns sectores o que se respira non é a absolutamente lexitima defensa da causa palestina e a crítica tamén lexítima as actuacións do goberno de Israel, o que con demasiada frecuencia atopamos e propaganda antiisraelí, non propalestino. Proba delo e que cando os mesmos palestinos morren en Siria baixo a brutal represión do rexime de Assad a ninguén por aquí parece importarlle. Eu non vin nin lin ningún comunicado de denuncia nin mobilización nas rúas sobre os palestinos mortos en Siria. Moitos non defenden aos palestinos, odian aos xudeus. Si, temos un problema.  [daqui]

Consegues sentir o medo?


Boavista: a face negra


O lobisomem de Rio Tinto

A beleza está nos olhos de quem vê

Casos de real genocídio de muçulmanos que, por não envolverem Israel, não mobilizam a extrema-esquerda


Micção bancária

Dizem que nos mictórios da Islândia os homens podiam urinar sobre os retratos dos banqueiros responsáveis pelo colapso do sistema financeiro. Se lá mijavam nos banqueiros, por cá podemos dizer que ainda se mijam com a banca, não é?

Este país....




Não gostei (continuo a não gostar), mas...

Não me excedo no desagrado. Afinal a equipa é nova, extremamente jovem e pouco experiente. O tempo é de conhecimento, de aprendizagem e de crescimento para a criação de uma equipa de sucesso e que garanta hegemonia pela via dos títulos. Mas o que me parece é que se pratica ainda um futebol pastoso, de posse e longos lançamentos para ... os lados, sem progressão, sem ambição e sem um rasgo de génio. Previsíveis e facilmente as anuláveis.
Sem ser velho do restelo, pensando que 3 jogos numa semana pode ser mesmo fatigante, espero que melhorem, depressa. Mesmo assim, se tivermos que ganhar sempre por 1-0 a jogar desta forma, paciência, que vençamos...

Nani: a importância de quem não entendeu nada da vida


Brincamos? Tantos sacrifícios para esta m%$#?

"Dívida da Administração Pública volta a subir, passando de 132,9% em Março para 134% em Junho"


Festival Gastronómico: A gosto no Porto


O Porto em Imagens (151)


Comerciais para adultos

Escolha a rota, o resto é viagem...

Este site é incrível. 
Selecione pontos de partida e destino, ele vai mostrar o caminho, por todos os modos de transporte e respectivos custos.
A rota com o mapa, para qualquer destino no mundo, por avião / autocarro / comboio
Basta clicar no link abaixo :

Nani: "o meu nível é outro"

Pela boca morre o ....


Top 10 - os melhores comerciais de todos os tempos

Israel salvou-lhe o filho; ela espera que o filho ataque Israel.... É isto o que defendem os palermas apoiantes do Hamas?

Se ainda restam dúvidas, é o momento para resolver essa questão.

Mulher palestina entrevistada por um Judeu confirma que a vida para ela (e outros) não tem algum valor.



Cidade do Porto by Brett Novak

Uma visão Zen do Porto por Brett Novak.
A música é dos Dead Combo e as palavras de Alan Watts.
Caso queiram saber mais sobre este último: http://alanwatts.com/

Publicidade enganosa


CENTRALISMO E COLONIALISMO LISBOETA: Instituto Politécnico do Porto é obrigado a comprar alfaces em Lisboa...

Rosário Gambôa, Presidente do Instituto Politécnico do Porto (IPP), denunciou esta terça-feira, não submeter o orçamento do próximo ano por entender não ter condições para distribuir internamente o financiamento face a novos cortes. 
De igual forma denunciou a ditadura da Central de Compras, chegando a citar um outro reitor que se queixava de, sendo do Porto, ser obrigado a abastecer a cantina tendo, por exemplo, que comprar alfaces em lisboa....


Anita também vai ...


R.I.P. Pires Veloso

Morreu Pires Veloso, o “vice-rei do Norte”


Como comandante da Região Militar do Norte, foi um dos protagonistas do 25 de Novembro de 1975, que pôs fim ao Verão Quente e ao PREC. Morreu este domingo, aos 88 anos, no Porto. [daqui]

Eu Maior (higher self)

Coisas d' Homem!


Troca de turno de faroleiros no farol de Kereon France


Começou (*)

(*) e ao zporten já foi perdoado um penalty

The Bolt Report - Gaza - Aquilo que ninguém quer ver...

Momento Musical: Sinfonia do Novo Mundo de Dvorák

Por vezes, o Bem triunfa sobre o Mal

O Hamas gosta muito do faz de conta: I see dead people

Portuenses são os mais felizes da Europa

Smart em parceria com o Instituto RheinGold, realizou um estudo que visava descobrir quais são as cidades da Europa em que os habitantes são mais felizes. Os portuenses tiveram a melhor pontuação.

Foram inquiridas 3269 pessoas em 31 cidades. A grande vencedora foi o Porto, a única cidade a alcançar os 86 pontos numa escala de zero a cem — Hamburgo ficou logo a seguir com 85.

Para além do Porto e Hamburgo, Munique e Barcelona são as únicas cidades com pontuação acima dos 80. Lisboa não conseguiu chegar além dos 71 pontos . Marselha foi a cidade com menor pontuação, fincando-se pelos 58. A média de felicidade dos cidadãos europeus é de 74%.

No geral o estudo mostra que os cidadãos europeus são felizes. 76% das pessoas pretendem manter-se na cidade onde vive e 65% não se imagina a viver em outro sítio.

O estudo assenta em alguns critérios que ajudam a perceber o que faz feliz os citadinos. A casa, a infraestrutura abrangente, a diversidade e os contrastes sociais e a vitalidade das cidades são alguns dos factores que tornam agradável a vida urbana.


Coisas d'Ateu


Humor Financeiro (VI)


O Parlamento Europeu é uma fraude!

O provincianismo da metrópole e o ministro cosmopolita

"À porta um grupo palrava, e Artur contemplava-o de longe, com devoção, pensando que deviam ser poetas e estadistas... Subiu-lhe então de repente ao cérebro um vapor excitante de emanações intelectuais: teve pressa de entrar naquela existência - relacionar-se, regalar-se das discussões sobre Arte e Ideal, "ser também de Lisboa"! (in Eça de Queirós, A Capital!)




1. Lisboa é - não o questiono - uma cidade lindíssima que enche com a sua dinâmica social e cultural quem aí vive e quem a visita. Tenho bons amigos em Lisboa e gosto muito da vida da capital. Mas Lisboa não é Portugal e os encantos de Lisboa são poucos quando comparados com os atrativos de um país fantástico que, de norte a sul, sem esquecer as ilhas, surpreende na sua diversidade cultural. Em suma: há mundo para lá de Lisboa. Não cessa, por isso, de me surpreender o desconhecimento de uma boa parte desse "universo Lisboeta" relativamente ao resto de país. Mas pior que o desconhecimento, indigna-me o desinteresse, a indiferença, o descaso. Encontrar em Lisboa quem nunca tenha ido ao Porto é quase tão fácil como tropeçar nas pedras da calçada. Guimarães, a nossa primeira cidade é, para muitos, uma espécie de reduto de livros de história. Já o disse e já o escrevi: para uma parte do "universo de Lisboa" o "Norte" (como gostam de referir-se a cidades tão diferentes como o Porto, Guimarães, Braga, Barcelos, Régua ou Viana do Castelo) é uma espécie de massa amorfa sem identidade nem identidades. Fica "lá para cima". É "lá no norte", dizem.Quando me reconhecem a pronúncia que ostento com orgulho, invariavelmente ouço um "Logo vi que é do Porto". E quando digo que não, que sou de Guimarães, sou repreendida com um: "É a mesma coisaé "lá no Norte"! Há mesmo quem tente encontrar um laivo de afinidade atirando: "Tenho um primo em Viana", como se fosse ali, mesmo ao virar da esquina. Costumo responder dizendo que tenho um amigo em Santarém, e fica o assunto arrumado.
Poucos como Eça de Queirós terão descrito tão bem o provincianismo da capital e aqueles que por ela se deixam deslumbrar. Basta pensar na história de Artur Corvelo, chegado a Lisboa seduzido pelas frivolidades da grande cidade - parecia-lhe que as ideias deviam ter decerto a amplidão das ruas, e os sentimentos a elegância dos vestuários - não tardou estava de volta ao recato genuíno de Oliveira de Azeméis.
2. O provincianismo (de uma parte, bem entendido!) da capital não pode, contudo, ser objecto de censura sem que antes se reconheça que ele apenas espelha o paradigma do nosso modelo de desenvolvimento enquanto país, alimentado por sucessivos governos, sem excepção de cor política. Década após década, com reservas pontuais, os grandes investimentos públicos foram feitos em Lisboa e os grandes eventos internacionais tiveram lugar em Lisboa. Nunca lográmos estimular o desenvolvimento de uma rede de cidades de média dimensão economicamente pujantes e culturalmente dinâmicas. Não conseguimos fixar população no interior e não conseguimos promover a qualidade de vida na capital. Lisboa atrai quase tudo quanto tem e gera valor em Portugal e o resto do país - em especial o Norte e o Interior - são deixados sem os recursos de que necessitam para se afirmarem no contexto nacional e europeu. O resultado está à vista. Nem se vive bem em Lisboa, nem se vive bem no resto do país. Não se vive bem em lado nenhum.

3. Na semana em que o Ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional terminou o último dos cinco roteiros pelos territórios de baixa densidade, vale a pena recordar e sublinhar que, ao longo das últimas décadas, num universo de governantes tantas vezes fechados nas suas torres de marfim, um ministro ousou, como poucos que lhe antecederam, descer ao "país real". Foi, designadamente, a Arraiolos, a Ferreira do Alentejo, ao Alqueva, a Beja, ao Marvão, a Campo Maior, a Coruche, a Alpiarça, à Golegã, a Abrantes, à Régua, a Foz Côa, a Valença a Cinfães, a Miranda do Douro, a Mondim de Basto, a Alcoutim, a Tavira, a Loulé, a Monchique ou a Aljezur. Falou com os autarcas e com os cidadãos, visitou empresas e ficou a conhecer o património. É pena que, ao inverso do que sucedeu nos meios de comunicação social local e regional, nem sempre a imprensa nacional tenha sabido valorizar esta iniciativa, excepção feita, do que me apercebi, para a excelente reportagem de Liliana Valente no Observador . Com efeito, numa altura em que os "imperativos da austeridade" se fazem sentir com particular severidade nas regiões de baixa densidade, Miguel Poiares Maduro percebeu a importância de "estar presente" e de fazer presente o Estado e a Administração Pública com a criação, em muitos desses locais, dos novos Espaços do Cidadão, uma espécie de "pequenas lojas do cidadão" que conjugam um conjunto de serviços habitualmente prestados nos grandes centros. Acresce que só o profundo conhecimento das idiossincrasias regionais do nosso país permitirá descentralizar com racionalidade, como sucederá, por exemplo, com a Unidade de Desenvolvimento da Agência de Modernização Administrativa que beneficiará das sinergias a criar com o Operating Unit de Guimarães da Universidade das Nações Unidas.Por outro lado, o Acordo de Parceria Portugal 2020 espelha esta especial preocupação com as regiões menos desenvolvidas que vão receber 93% dos cerca de 21 mil milhões de euros, já que beneficiam também da quase totalidade dos montantes previstos para os programas temáticos. Nos Programas Operacionais Regionais, o Norte e o Centro vão receber mais 25% do que no anterior quadro comunitário e aumento para a região do Alentejo cifra-se nos 42%. Bem executados, os novos fundos comunitários poderão constituir um contributo decisivo para marcar a diferença na redução das assimetrias regionais.Muito ainda está por fazer - dirão alguns - mas para começo, Poiares Maduro não começa mal!

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/o-provincianismo-da-metropole-e-o-ministro-cosmopolita=f885368#ixzz3A04rpkfa

Hamas: grupo terrorista apoiado pela esquerda europeia

'Xico Esperto'

Este triste exemplo madeirense de condução "deixa estar que já lhe vou mostrar quem é o melhor condutor do mundo" já se tornou viral.

XISTREMA para começar...

Juiz de Castelo Branco arbitra o FC Porto-Marítimo, agendado para as 20h00 de sexta-feira, no Estádio do Dragão.


O árbitro internacional, filiado à AF Castelo Branco, será auxiliado por Nuno Pereira e Jorge Cruz.

Humor Financeiro (V)


Minhas músicas de sempre: Vambora, by Adriana Calcanhotto

Na pior fase da minha vida, em que toda uma estrutura familiar foi destruída e todas as convicções pessoais e humanas foram abaladas ... senão destruídas...

R.I.P. Lauren Bacall

No tempo em que as mulheres eram belas, sem silicones nem plásticas...


You just put your lips together and...blow.

A Cidade do Porto já chegou à India...


A heritage winner

Porto, the city that gives the name to port wine, is a terrific mix of themedieval and the modern side by side, says Ranjita Biswas

The Romans called it Portus, the locals, Porto and the English, Oporto. Call this city by any name, and it would still be as beautiful, situated as it is at the mouth of the Douro River flowing into the Atlantic in northern Portugal.
Porto has been inhabited since at least the fourth century. So, its architecture is varied, with the medieval and the modern side by side. Many streets look as if they've hardly changed since the Middle Ages and the houses have colourful tiles, called azulejos, and wrought-iron balconies. Porto flaunts its ancestry charmingly and deserves its World Heritage Site tag.
This is Portugal's second-largest city and has a different flavour from the country's ot-her big cities. It's more mercantile than laid-back Lisbon and not like the studious university town Coimbra. Porto is also referred to as Cidade Invicta, or the invincible city, because of its resistance to the Cerco do Porto (Porto's Siege) during the 1832-34 civil war.
Bring a pair of sturdy shoes because parts of the city are quite hilly with many buildings built into the granite cliffs that overlook the Douro.
My first port of call in the morning was the historic downtown area. The Clerigos Church and Tower dominates this area. The tower was the tallest structure in Portugal when completed in 1763 and ships used it as a landmark while anchoring near the Cais da Ribeira riverbank. If you have the inclination, and the energy, climb up the 200-plus steps to the top to get a wonderful bird's-eye view of the city.
In this area with its Lion's Square is another landmark of Porto: the Lello & Irmao Bookshop, which is more than a century old and has been called the third-best bookshop in the world (I don't know if that's true or not). On entering the Art Nouveau- style bookstore, you will see a beautiful, ornamental staircase in rose pink surrounded by a wooden panelled ceiling with stained glass and Lello's motto 'Decus in labore', or 'there is honour in labour'.
J. K. Rowling lived in Porto for a decade as an English teacher and frequented the Lello bookshop. In fact, it is said that the library at Hogwarts School is modelled on this bookshop.
Walking in the alleys of the Ribeira area, browsing quaint souvenir shops, I discovered an extremely new addition in the city. Apparently opened only this summer, the World of Discoveries Museum is the brainchild of Douro Azul, a well-known tour operator. The theme of the museum and theme park is the Age of Discovery, when sailors of this seafaring nation crossed the world in the Middle Ages, mainly to discover the spice routes to India. Later they went as far as Macau and the Philippines and established colonies in those places. Brazil became a colony only later.
The ushers in the museum receive you wearing medieval togs and beautiful Anna Torres, the general manager, showed me around. Then I was led to 'real' boat parked on a canal, which felt like an indoor Venice. As the boat moved, at every corner there was a piece of history on tableaux, from Africa to India to China, with information about their flora and fauna, the dangers faced by the explorers, etc.. The most thrilling scene for me, as an Indian, was the tableau where Vasco da Gama pays his respects to the zamorin, the ruler of Calicut, on his first voyage.
For lunch, I decided to go to the Praça da Ribeira Square on the waterfront. It was a good idea even though it was a bit touristy with food stalls galore and cheap souvenir kiosks. Nevertheless, the heritage buildings with their filigreed balconies, the washing flapping in the wind and the double-decker Dom Luis Bridge in the background (when it opened in 1886, it held the record for the longest iron arch in the world) made it a great place to hang out.
Also on the river, I could see boats floating along as I dug into a Francesinha, literally 'little French lady', and which lays claim to be one of the world's 10 best sandwiches. The layered toast has all kinds of meat inside: beef (you can opt out), pork, ham, et al, and it's covered with cheese and a spicy sauce, with the option of including French fries on top. Before you ask, yes it is rich. A beer, not wine, is recommended with it.
For dinner try a Bacalhau — a salted codfish, fresh and succulent, cooked in many different ways here.
Across the river I could see the beautiful waterfront of Cais da Gaia. A river trip is a must and so I crossed over a bridge (there are six in all between the two parts of the city) to board a boat at Vila Nova de Gaia. The waterfront is also lined with 'caves', cellars of well-known companies producing port wine. This region is the world's oldest defined and regulated wine region, going on since 1756. A wine tasting tour is very popular and a must even if you don't drink.   [daqui]

Humor Financeiro (IV)


Porto d'outrus tempus

Filme-Porto 1956, by Manoel de Oliveira




Horror: criança católica decapitada e mulher católica degolada pelos "inocentes" islâmicos...

AVISO...Este link apresenta fotos cruas de cristãos assassinados no Iraque pelos terroristas do ISIS. Isto é maldade em sua forma mais pura, cristalina." Aqui está o resto do artigo: http://www.catholic.org/news/international/middle_east/story.php?id=56339

A distraught father in Syria holds the lifeless body of his decapitated daughter, executed by militants because she was of a Christian family. Allegedly, Christian children in Mosul are being systematically beheaded and their little heads placed on poles in a park as a warning to others who love their children.

Islamists killing a cristian woman by slitting her throat and capturing her blood in a bowl, holding her firm as her life literally drains from her neck. Such forms of execution are intended to intimidate others.

A imprensa europeia e ocidental, mais preocupada com a defesa dos terroristas do Hamas, não falam destas atrocidades que só demonstram a verdade sobre um certo islão...

Carlos Lopes e os Simpsons


Há 30 anos Carlos Lopes conquistava o Ouro em Los Angeles e o imaginário do mundo. 

Teve até direito a uma das maiores honras da cultura pop: uma referência nos Simpsons:


"Eles", a caminho da Comporta


Verdades que nos deviam pôr a pensar ... e a agir!

"Há infinitamente mais manifestações contra Israel que há contra a Rússia, que invadiu parte da Ucrânia e abate de um avião civil"

Hillary Clinton

R.I.P. Robin Williams

Muçulmanos na Europa: é bom saber onde estão os nossos inimigos

O roubo (aumento de capital) do BES

Dire Straits - Money For Nothing

Como um sapato muda a fotografia de um grupo...


Os jardins do Palácio de Cristal estão entre os mais belos parques urbanos da Europa



The Romantic Gardens of Palácio de Cristal occupy an area of 8 hectares in Porto's centre and they were designed in the 19th century by the German landscape architect Émille David, in the context of constructing the building of Palácio de Cristal (Crystal Palace). Currently, the following still remain preserved in accordance with the original project: Jardim Émille David at the main entrance, Avenida das Tílias, the forest and the balconies' design over the river Douro. We can also contemplate magnificent panoramic views over the river and the city that the viewpoints in strategic places offer to us. It is to be noted that these gardens, making a good use of the botanic heritage and of the ludic-cultural dynamics, is home to an Environmental Education Centre.  [daqui]

Porto d'outrus tempus

O famoso 78, na Praça D. João I (quando esta tinha um lago no meio). Tratava-se da carreira entre o Hospital de S. João e o Castelo do Queijo (Praça Cidade Salvador)


Banco Bom vs Banco Mau

Arménia

Arménia, denominada oficialmente de República da Arménia, é  um país sem costa marítima localizado numa região montanhosa na Eurásia, entre o Mar Negro  e o mar Cáspio, no sul do Cáucaso.
Faz fronteira coma Turquia a oeste, Geórgia a norte, Azerbeijão a leste, e com o Irão e com o enclave de Nakhchivan (pertencente ao Azerbaijão) ao sul. Apesar de geograficamente estar inteiramente localizada na Ásia, a Arménia possui extensas relações sociopolíticas e culturais com a Europa.
Foi a menor das repúblicas da extinta União Soviética. A Arménia configura-se num estado unitário, multipartidário, democrático, com uma antiga herança histórica e cultural. Historicamente foi a primeira nação a adoptar o CRISTIANISMO como religião de Estado em 301. A Arménia é constitucionalmente um estado secular, tendo a fé cristã uma grande identificação com o povo. O país é uma democracia emergente e por causa de sua posição estratégica, tenta conciliar alianças com a Rússia e com o Médio Oriente.
Entre 1915 e 1923 sofreu o que os historiadores consideram o primeiro genocídio do século XX, perpetrado pelo Império Otomano e negado até hoje pela Turquia . As mortes são estimadas em 1,5 milhão de arménios e a deportação de milhões de outros, fazendo com que a Arménia tenha uma diáspora gigantesca pelo mundo, de descendentes que fugindo das perseguições, tomaram o rumo de países como França, França, Estados Unidos, Argentina, Brasil, Líbano e muitos outros. [daqui]


BES: e ainda ninguém foi preso?

É um palestiniano quem o diz...

Palestinian Leader Mudar Zahran: Hamas is killing my people


A morte é um dia que vale a pena viver (*)

(*) Ana Cláudia Quintana Arantes



Humor Financeiro (III)


Intelevator - o elevador inteligente (e espertinho)

This may change your life


Islão: vejam o que essa religião de %&$# faz aos não muçulmanos


Provocação leonina: O Sporting ... de Gijon venceu a lagartagem...


Perigos de uma noite de Verão...

Paisagens de Portugal

Castelo de Santa Maria da Feira

Os crimes de mercado do BES e as consequências danosas para os portugueses....

O que é o ébola? Um vírus mortal, sem cura, que se alimenta da miséria

O actual surto de ébola começou em Fevereiro e já fez 932 mortes, segundo o balanço disponível a 8 de Agosto, dia em que a Direcção-Geral de Saúde decretou o estado de emergência de saúde pública.


O que é?
O ébola é um vírus identificado pela primeira vez em 1976, que provoca febres hemorrágicas. Não existe vacina, nem tratamentos específicos e a taxa de mortalidade situa-se entre os 25 e os 90%.

Como acontece a infecção?
A infecção resulta do contacto directo com líquidos orgânicos de doentes – como sangue, urina, fezes, sémen. A transmissão da doença por via sexual pode ocorrer até sete semanas depois da recuperação clínica. O período de incubação da doença pode durar até três semanas.

Quais os sintomas?
A febre costuma ser o principal sinal, acompanhada de fraqueza e dores musculares, de cabeça e de garganta. Outros sintomas nos tempos seguintes são náuseas, diarreia, feridas na pele, problemas hepáticos e hemorragia interna e externa.

Entre a infecção pelo vírus e os primeiros sintomas podem decorrer entre dois e 21 dias.

Como se trata?
Não existe cura nem um tratamento específico para a febre hemorrágica provocada pelo vírus do ébola. A estes doentes são dados os tratamentos que costumam ser administrados nos cuidados intensivos, com destaque para a hidratação.

Quais os hospitais de referência em Portugal?
Em Portugal, os hospitais para onde serão encaminhados os doentes suspeitos de estarem infectados com o vírus do ébola são os hospitais Curry Cabral e Dona Estefânia, em Lisboa, e São João, no Porto.

E qual é o laboratório de referência?
O Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge.

Qual é a resposta de emergência médica?
O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) tem equipas especializadas, com formação específica e equipamento de protecção elevada. Serão estas equipas que irão acompanhar os casos suspeitos ou de doença e encaminhá-los para os hospitais de referência.
 
Que medidas as autoridades portuguesas têm em vigor?
- Reforço da articulação internacional, nomeadamente com a OMS, com o European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC), em Estocolmo, e com outros Estados;
- Recomendação aos cidadãos para que ponderem viajar apenas em situações essenciais, tendo em atenção o princípio da precaução, apesar de não estarem interditadas, actualmente, viagens internacionais para áreas afectadas;
- Os viajantes são alertados para procurarem aconselhamento médico caso se verifique exposição ao vírus ou desenvolvam sintomas de doença;
- Portugal tem em estado de prontidão mecanismos para detectar, investigar e gerir casos suspeitos de doença por vírus ébola, incluindo capacidade laboratorial para confirmação da doença;
- Estão previstas medidas para facilitar a evacuação e a repatriação dos cidadãos que possam ter estado expostos ao vírus.

Este é o pior surto?
Desde 1976 registaram-se vários surtos, nenhum com tantos infectados e países atingidos como o actual. Começou em Fevereiro e, até segunda-feira, causou em vários países africanos 1.711 casos (1.070 confirmados, 436 prováveis, 205 suspeitos) e 932 mortes.

Que países já foram afectados?
Até ao momento e neste surto registaram-se casos na Guiné-Conacri, Libéria, Serra Leoa e Nigéria.