Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

A podridão deve ser arrancada e destruída


«cada um de nós dará o seu melhor para um país mais justo, para um país mais pobre»
(não fui eu que disse...)

Fraude do governo socialista de lisboa recomeça

Nos últimos dias temos sido confrontados com inúmeras benesses do governo socialista e centralizador de lisboa: é a redução do IVA, o fim da crise orçamental, as isenções de taxas moderadoras para os idosos, distribuição de portáteis, lançamentos de concursos para auto-estradas essenciais. A campanha para as Legislativas de 2009 já começou!!!! Ao bom estilo socialista, ou seja, no estilo que eles tanto criticavam noutros....

Pornografia :-))

Lucílio: o momento histórico

Lucílio Calabote Baptista é um velho conhecido portista; pelos piores motivos, claro. Trata-se de um árbitro sulista, na senda de Calabote, do Valente, do B.Paixão, ou seja, de um artista do apito, especialista em prejudicar o Porto e beneficiar os sulistas da 2ª circular... Este Lucílio é um mestre em penaltis sonegados ao Porto e em benefícios à lagartagem, especialmente em jogos com os Dragões como adversários daqueles...
Pois ontem, este bacano foi capaz de marcar uma grande penalidade no último minuto a favor do Porto!!!!!! Momento Histórico que eu, Dragão desde o embrião, jamais esquecerei!

A propósito das (tristes) cenas do Carolina...

Jesualdo Ferreira acusa detractores do clube de “falta de honestidade intelectual”

O treinador Jesualdo Ferreira acusou todos os que em Portugal desvalorizam os êxitos do clube de “falta de rigor e honestidade intelectual”.
Não valorizar o que foi a carreira do FC Porto, a competência e qualidades de quem aqui trabalha, é falta de rigor profissional e honestidade intelectual por parte de quem avalia”, disse.
Jesualdo Ferreira criticou todos os que menosprezam as conquistas dos dragões e congratulou-se pelos elogios feitos ontem por Paulo Bento, treinador do Sporting, que disse que o FC Porto será campeão porque é um clube com organização, competência e hábito de ganhar.
“É a opinião do treinador de uma equipa grande de Portugal. Ficamos satisfeitos quando colegas de trabalho reconhecem as qualidades das nossas equipas. No caso de Paulo Bento, tem importância acrescida por ser um treinador de clube adversário e serem palavras da perspectiva de quem é um profissional”, vincou.
Até o facto do presidente Pinto da Costa ir a julgamento no processo de corrupção no futebol ”Apito Dourado” passa ao lado de Jesualdo Ferreira, que dissocia esse facto dos títulos do clube. “Se é para julgarem o presidente que no seu mandado vai atingir o 45º título, para se valorizar outras coisas… Não sou juiz, nem advogado, não conheço nem quero conhecer os processos”, frisou. E, numa perspectiva pessoal, acrescentou: “Nestes dois anos em que estou no FC Porto deu para entender que há coisas diferentes neste clube que ajudam a ganhar.
Antes, já sentia que o FC Porto era diferente dos outros, ganhava mais. Acho interessante que as pessoas agora estejam muito zangadas com a Liga e que digam que esta Liga não presta. Liga interessante deve ter sido há quatro anos quando o Benfica foi campeão. O problema não é da Liga, é dos competidores que estão na Liga. Às vezes, parece que se quer fazer crer que ganhar no FC Porto não é meritório”, completou.

Avaliação dos Professores

MANUAL SIMPLIFICADO

Momento musical

Kulinária

bbolacha.jpg

INGREDIENTES:

2 pacotes de bolacha Maria
200 gr de açúcar
200 gr de manteiga
1 chávena de café
2 gemas

CONFECÇÃO:

Bate-se o açúcar com a manteiga, de seguida põem-se as 2 gemas e bate-se novamente.
Sempre a bater vai-se deitando o café morno até a massa ficar homogénea (nem muito grossa nem muito líquida).
A manteiga deve ser derretida em banho Maria, mas não na sua totalidade ou então amolecer ao sol
As bolachas são molhadas no café morno.

O bolo monta-se colocando uma camada de bolachas e uma camada de creme sucessivamente.

Xerox

Um novo anúncio de Cristiano Ronaldo para a Fuji Xerox mostra o jogador a driblar um touro.

O Porto a ler

O regresso em força das livrarias à Baixa

Terceira Livraria Leitura no Porto vai apostar na literatura generalista, com destaque para a ficção estrangeira

A Byblos não está só na intenção de reforçar a oferta livreira no Porto, sobretudo na zona da Baixa da cidade. O empresário Américo Areal, antigo proprietário das Edições ASA, entretanto adquirida por Miguel Paes do Amaral, foi o primeiro a anunciar a intenção de abrir "a maior livraria do país" na Praça de Lisboa, no cimo da Rua dos Carmelitas, mas, ainda antes da entrada em funcionamento desse espaço - o que não deverá acontecer antes do final de 2009, dada a complexidade do projecto de requalificação urbana -, a Baixa vai acolher a mais recente proposta livreira do grupo Civilização.

Situada na Rua Sampaio Bruno, a nova Livraria Leitura assume-se como o terceiro espaço da rede no Porto, depois das situadas na Rua José Falcão e no Shopping Cidade do Porto. São mil metros quadrados divididos por dois pisos num edifício que irá acolher também a sede do grupo livreiro, proprietário das livrarias Bulhosa, em Lisboa.

"A melhor zona da cidade"

Administrador do grupo Leitura/Bulhosa, Pedro Gil Mata classifica a aposta numa zona que até há pouco tempo era apenas associada ao abandono como "um sinal de esperança".

"Acreditamos que este projecto possa ter um efeito galvanizador nesta área, atraindo mais investimentos", concretiza o administrador, que apelida a Baixa portuense como "o melhor espaço comercial da cidade".

"Temos a noção de que a livraria não será um fenómeno de vendas no imediato, mas a nossa intenção é rentabilizar o investimento numa perspectiva de longo prazo", diz Gil Mata.

Para combater o muito apontado esvaziamento nocturno da Baixa, os responsáveis da Livraria Leitura planeiam um "horário de funcionamento alargado", pelo que "o encerramento nunca será antes das 21 horas, com tendência para que feche ainda mais tarde durante o fim-de-semana"

Assumindo-se como "um espaço generalista", a nova "Leitura" elege a ficção estrangeira como uma das suas principais apostas. O edifício, situado nas proximidades do Teatro Sá da Bandeira, foi adquirido de raiz pelo grupo e deverá albergar 90 funcionários.

Também a Bertrand planeia abrir brevemente um espaço comercial de grandes dimensões na cidade do Porto. Embora não se situe na Baixa - a Rua Júlio Dinis é o destino escolhido -, a nova loja insere-se numa reorganização estratégica do sector livreiro por parte da empresa detida pelo poderoso grupo Bertelsmann, já que deverá implicar o encerramento das lojas nos shoppings Brasília e Cidade do Porto, situadas nas imediações do novo estabelecimento.

O rol de espaços livreiros a abrir no Grande Porto durante os próximos meses é mais vasto e inclui ainda dois espaços previstos para o IKEA de Matosinhos. A Fnac e a Bertrand são duas das empresas que já manifestaram interesse em explorar os novos espaços.

Alma Nostra

Na RDP, às terças: A análise semanal da actualidade
Programa de Carlos Magno e Carlos Amaral Dias


Alma Nostra é um tertulia semanal onde um psiquiatra e um jornalista partilham o prazer da conversa sobre politica e psicanálise com os ouvintes da Antena 1.
Carlos Magno e Carlos Amaral Dias divertem-se a tocar todos os temas da agenda mediática sem tabus, olhando a actualidade com lúcida ironia e destilando amarga ternura sobre os complexos nacionais. É uma conversa solta que faz um voo rasante sobre o Mundo com um olhar português e explora as subtilezas da nossa língua nos lapsos e frases mais polémicas do discurso público contemporâneo.
Carlos Magno e Carlos Amaral Dias reunem-se todas as terças no estúdio, mas o programa também viaja regularmente por universidades e instituições culturais de todo o país numa itinerância que desafia o ouvinte a entrar no debate. Além disso, personalidades nacionais e estrangeiras participam também com regularidade na conversa em estúdio, porque o programa tem um público de culto que já se habituou a encontrar neste espaço um estimulante debate alternativo.

Seleccinha (*)

Se o jogo com a Grécia provou alguma coisa foi que Scolari tem razão. Pode parecer chocante, mas é verdade e não há por que desmenti-lo até porque é raro acontecer. Scolari tem razão quando diz que Portugal tem bons jogadores, mas não tem uma boa equipa. Quase nos antípodas da Grécia, que mesmo sem jogadores verdadeiramente geniais - embora quase todos sejam muito bons - tem uma excelente equipa. É claro que a Grécia também tem um excelente treinador e isso é meio caminho andado para se chegar a uma boa equipa. Ora, não só Portugal não tem uma boa equipa, como não se consegue perceber como se pode chegar lá em apenas dois meses quando cinco anos de Scolari à frente da Selecção Nacional não lhe garantiram absolutamente nenhuma rotina de jogo, nenhum sistema definido, nada. Absolutamente nada que resista ao desgaste do meio-campo desenhado por José Mourinho para o FC Porto campeão europeu e no qual Scolari se montou para fazer duas das melhores campanhas de sempre da Selecção Nacional no Euro'2004 e depois no Mundial de 2006. E é por isso que, mesmo a única boa notícia que parece ter resultado de mais uma derrota com a Grécia - Scolari diz que ganhou mais dois jogadores - serve de pouco. Jogadores, bons, excelentes, geniais jogadores, Portugal já tem. O que precisava era de uma equipa, mas, pelos vistos, desta vez não há ninguém capaz de oferecer uma a Scolari numa bandeja.
(*) por Jorge Maia, in "O JOGO"

Islão: novas da relegião da paz

Os americanos e os europeus enganaram-se no país. Em Gaza como no Líbano, o exército do Irão utiliza milicianos e movimentos paramilitares para uma guerra aberta contra Israel. Desta vez é o Hamas a admitir que os seus membros são treinados na teocracia pré-nuclear:

«The Palestinian group Hamas, blamed for last week’s massacre of eight students at a Jewish seminary in Jerusalem, has revealed that hundreds of its fighters have been trained in Iran. (...)»

Morrer por estupidez

33 mil utentes recusaram vales para cirurgias e continuam nas listas de espera do SNS: em Portugal morre-se mais de estupidez do que de qualquer outra coisa.

Lapsus linguae

A candidata democrata afirmou ter passado por vários perigos, na Bósnia, em 1996,mas as imagens da altura revelam o contrário. Há agora duas teses para o problema: estava a mentir ou estava apenas exagerar? ainda assim, aprecio muito a postura. Hirta, sorridente, confiante. Embora goste mais de a ver de boca aberta de espanto acenando em cumprimentos aos seus apoiantes. Isso é que eu gosto…mas este vídeo também não está mal.


Transferida? E os pais também?

Prendas aos árbitros, escutas telefónicas e o Ministério Público lisboeta

Devemos confiar na justiça? Não!
Devemos confiar no Ministério Público lisboeta? Não!


Concretizo: Pinto da Costa vai a julgamento! Não é novidade. Há muito que o processo está montado para que isso acontecesse e, portanto a atitude persecutória do MP ao lider do Porto não pode ser de espantar. Após milhares de horas de escutas, parece que há mais parra que uvas. Processos e suspeitas tinham sido mandados arquivar. Eis que surge um livro, ao que parece encomendado por figurinhas da diáspora lisboeta e a verdade (a deles) claro, é que passa a fazer lei. Logo o MP de lisboa, coloca a "justiceira", (dizem antiga terrorista de esquerda lisboeta) cujo marido até dizem ser conselheiro fiscal do presidente de um clube rival da praça lisboeta, a investigar e a reabrir processos a toda a velocidade. Curiosamente chamadas em que o amigo do marido é apanhado a escolher um de vários árbitros não vale de nada. Assim como não é credível para a polícia e para o mesmo MP lisboeta que a principal base de ataque ao lider dos Dragões tenha afirmado ser a mandante de uma agressão a um cidadão. Ela disse: fui eu, mas o MO disse: oh, isso és tu a brincar, vai lá em paz... A Pinto da Costa ninguém apanhou qualquer chamada do género. Tudo assenta em palavras que eles dizem ser em código, e principalmente num livro que, está provado, foi forjado por uma pretensa jornalista e um ridículo presidente do clube rival...
Caros leitores: eles querem mesmo imputar qualquer coisa a Pinto da Costa. Precisam disso para apagar 25 anos de derrotas sucessivas, não só no futebol mas em várias modalidades desportivas, e assim aliviar a sua cruz....
Engane-se quem acha que apesar da consolidação das acusações Pinto da Costa será ilibado! Está tudo montado para o acusar. Dê por onde der.
Vamos ficar parados?

Já agora deixem que lhes diga: o problema não é confiar na justiça! O problema é que o processo está minado desde o principio. Ainda não consegui perceber porquê que umas escutas foram validadas e outras não (será que seguiram uma bússula que indica sempre o norte?). Se existem arbritos a ser julgados por terem recebido um simples fio de ouro, porquê que o arbrito Rui Silva que confessou em tribunal ter recebido uma valiosa peça de cristal oferecida pelo Benfica não está também a ser julgado por essa oferta? A quem interessa esta justiça?

Inquérito às prendas aos árbitros
A Comissão Disciplinar da Liga instaurou um inquérito ao Benfica na sequência de uma denuncia motivada pelas declarações de Rui Silva, árbitro do jogo Benfica-Naval. O juiz produziu as declarações durante uma audição no âmbito do processo Apito Dourado. O Benfica alega que a oferta da peça (que avalia em 35 euros) é pratica habitual. O JN apurou que a denúncia foi efectuada pela União de Leira.
O Benfica ofereceu uma peça em cristal ao árbitro no jogo com a Naval.
Aprígio Santos condena a atitude do Benfica, que esta época, no jogo frente à Naval, no Estádio da Luz, no passado dia 15 de Setembro de 2007, ofereceu ao árbitro Rui Silva, uma peça em cristal, como prenda. O jovem árbitro de Vila Real, ouvido no Tribunal de Gondomar, no âmbito do processo “Apito Dourado”, afirmou perante o juiz, que já esta época, aquando do jogo Benfica-Naval, recebeu uma prenda em cristal do clube da casa, referindo que foi uma das mais valiosas que recebeu até agora, a par de um fio de ouro do Gondomar. Rui Silva disse ainda que nunca recebeu pressões de ninguém para alterar a verdade desportiva e que no futebol não tem amigos, "só conhecidos". Seja como for, esta surpreendente declaração assumindo que recebeu uma prenda, deve merecer, sabe Bola Branca, uma avaliação por parte da Comissão Disciplinar da Liga, até porque os regulamentos interditam a recepção deste tipo de prendas.De resto, o presidente da Naval, Aprigio Santos, não deixa passar em claro a situação, apontando o dedo a Luís Filipe Vieira, que muito tem falado sobre o processo “Apito Dourado”.Aprígio Santos diz que é um defensor da arbitragem, mas que muita gente que opina, o conhece mal.O presidente da Naval aguarda desenvolvimentos neste caso espoletado ontem pelo árbitro Rui Silva, ao mesmo tempo que dá como garantida a conquista dos 3 pontos, no tal jogo com o Belenenses, por utilização indevida do camaronês Meyong.

O "sistema" que o Ministério Público lisboeta escamoteou

Estoril SAD

Em 16 de Agosto de 2004, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) anunciou que José Veiga tinha aumentado a sua participação no Estoril Praia – Futebol SAD, SA para 80,55%, depois da última Oferta Pública de Aquisição (OPA), que tinha tido lugar em 30 de Julho de 2004. Para além de ser o accionista maioritário da Estoril SAD, cuja posição acabava de reforçar, Veiga era, na mesma altura, também o homem forte do Benfica para o futebol. De salientar que o Estoril tinha subido de divisão e que nessa época (2004/05) iria jogar duas vezes contra o Benfica. Promiscuidade? A verdade desportiva estava em causa?

Preocupado com as aparências (não fosse alguém pensar que ele estava a jogar em dois tabuleiros...), em 18/10/2004, já em pleno campeonato, José Veiga anunciou ter vendido 18% do seu capital à KCK Developments Limited, 18% à Mexes Marketing Limited e 4,767% à Primera Management Limited.
Não será estranho o súbito interesse de três empresas inglesas, ainda por cima sem qualquer ligação anterior ao fenómeno desportivo, em investir numa equipa desconhecida do futebol português?
Mais. Os supostos novos accionistas da Estoril SAD (que nunca foram vistos em Portugal...), não quiseram nomear qualquer administrador e mantiveram como presidente da Estoril SAD o antigo dirigente do Benfica, António Figueiredo, o qual tinha sido nomeado em 15/09/2004.
Nomeado por quem?
Pois, por José Veiga! Ou seja, Veiga, enquanto accionista maioritário da Estoril SAD, mas numa altura que já era o responsável do futebol da Benfica SAD, nomeou um antigo dirigente do Benfica para presidente da Estoril SAD. Lapidar!

Mas afinal, quem eram as tais empresas inglesas a quem, supostamente, José Veiga vendeu parte da sua participação na Estoril SAD?
Nunca se soube mas, em 25 de Julho de 2005, a CMVM emitiu um comunicado onde informou o mercado “da falta de transparência quanto à titularidade das participações qualificadas detidas pela Mexes Marketing Limited e pela KCK Developments Limited na sociedade aberta Estoril Praia – Futebol SAD, SA.” Além disso, as duas empresas tinham o mesmo representante, entre outros dados comuns. Mais palavras para quê?

Resta dizer que durante a época 2004/05, os jogos entre o Benfica e o Estoril foram recheados de casos. Desde contactos (pressões?) sobre jogadores do Estoril, antes dos jogos com o SLB, até à transferência do Estoril – Benfica para o Estádio do Algarve (com a concordância da Administração do Estoril, constituída por ex-dirigentes do Benfica, nomeados por José Veiga), a arbitragens polémicas, houve de tudo. Contudo, o episódio mais caricato talvez seja o que veio a público após o jogo disputado na Luz, em que no intervalo um jogador do Benfica (Petit) se dirigiu a um antigo colega do Boavista (Paulo Sousa), aconselhando os jogadores do Estoril a “terem calma e não forçarem muito na 2ª parte”...

Se no início da época 2004/05 poderia haver dúvidas de que lado iria estar o coração (e a cabeça) de José Veiga nos dois jogos entre o Benfica e o Estoril, no final da época não restavam quaisquer dúvidas."

Neste tempo, a Mizé e o marido andavam entretidos com outras coisas...

Quando não existia o "sistema"

... Com o decorrer do campeonato, o Zé do Boné (Pedroto), decidiu passar ao ataque. Foi aí que surgiu a sua famosa frase acerca dos "roubos de igreja no Estádio da Luz", a qual, como se calcula, teve o condão de irritar solenemente o "establishment".
Mas a coisa não ficaria por aqui: ia já o campeonato relativamente adiantado quando, numa bela tarde de Domingo, o Zé do Boné, aproveitando o facto de o FCP não jogar nesse dia, se deslocou à Póvoa de Varzim para presenciar um Varzim-Benfica que terminaria com um empate a 1-1. Numa das suas páginas interiores "A Bola" do dia seguinte titulava: "PEDROTO NA PÓVOA: «BENFICA NÃO TEM ESTOFO DE CAMPEÃO»" O jornal noticiava em detalhe as declarações de Pedroto no final do jogo, com mais ou menos este teor: "O Benfica não tem estofo de campeão: demonstrou-o bem aqui, pois empatou tal como poderiam ter empatado o Feirense ou o Espinho, isto é, jogando à defesa. Claro que falhou um penalty, mas penalties todos os guarda-redes defendem, mexendo-se ou não" (uma alusão ao facto de Manuel Bento, o guarda-redes do Benfica, ser "especialista" em defender penalties, mexendo-se frequentemente antes de a bola partir). Foi o bom e o bonito! Desta vez o nossos rivais da Luz entraram definitivamente em parafuso, chegando ao cúmulo de enviarem um telegrama ao Dr. Américo Sá, protestanto contra "interferência vosso técnico assuntos internos nosso clube" (!).

Calabotes há muitos, não é Sporting?

Mário Luis - o chinês!


Mário Luís – Após ter posto fim a um jejum de 19 anos, com a conquista do campeonato de 1977/78, o FC Porto também se apurou para a final da Taça de Portugal. O outro finalista era o Sporting e, claro, a final ia realizar-se no “muito neutral” estádio de Oeiras. Naquele tempo, o “mau da fita” ainda não era Pinto da Costa, mas sim José Maria Pedroto que, sem medo, comentava: “É tempo de acabar com a centralização de todos os poderes na capital”.

A final foi um jogo muito quente, com uma arbitragem escandalosa, e ficou marcada por um penalty polémico, favorável ao Sporting, que foi convertido por Menezes. Tendo o jogo terminado empatado (1-1), foi necessário disputar-se uma finalíssima, no dia 24 de Junho de 1978, arbitrada pelo senhor Mário Luís de Santarém.
Com uma arbitragem idêntica ao que era (é!) habitual nos jogos em Lisboa contra o Sporting, e que validou um golo irregular à equipa leonina, o FC Porto perdeu por 1-2, provocando a natural indignação dos seus jogadores, treinador e dirigentes. No final do jogo, Seninho, o autor do golo portista, diria o seguinte: “O árbitro entregou a Taça ao Sporting”.

Mas o mais escandaloso estava ainda para vir. Menos de 48 horas depois da finalíssima, o Sporting partiu para uma digressão à China. Qual não foi o espanto quando se constatou que integrados na comitiva sportinguista, e vestidos com um fato à medida igual ao dos restantes elementos, iam dois... árbitros!
Dois árbitros?
Sim, o senhor Porém Luís de Leiria e, nada mais nada menos, que Mário Luís, o árbitro da finalíssima, a partir daí conhecido como o “chinês”.

Evidentemente, esta situação foi devidamente esclarecida pelos envolvidos – Sporting e árbitros – por forma a evitar mal entendidos... Talvez por isso, não houve inquéritos da FPF, nem investigações da PJ e muitos menos punições para os árbitros envolvidos, que continuaram a “passear a sua classe” pelos relvados portugueses.

Cerca de dois anos depois, na época 1979/80, o FC Porto disputava taco-a-taco o campeonato com o Sporting e a quatro jornadas do fim recebia os leões nas Antas. Dada a sua importância decisiva, foi nomeado um trio "de luxo" para dirigir o jogo: António Garrido a árbitro principal e outros dois árbitros desempenhando as funções de fiscal-de-linha, um dos quais era...o “chinês”!

Bons tempos em que não havia “sistema”...

PINTO DA COSTA - O culpado de tudo ou a coerência persecutória


"Sinto-me como me sentia ontem, quando não estava pronunciado e era um dos muitos milhares de arguidos deste país. (No julgamento) espero tudo. Quando nasceu o Apito Dourado e ouvi as primeiras acusações em tribunal, pareceu-me um filme de ficção", sustentou o presidente do FC Porto.

Pinto da Costa advertiu que o processo pelo qual foi pronunciado pelo crime de corrupção desportiva activa "foi arquivado pelo Ministério Público", tendo sido "reaberto por causa do livro" de Carolina Salgado, sua antiga companheira.

"Mas o livro não diz nada. Isso foi falado no inquérito feito na Judiciária, em Lisboa, por um senhor de quem a irmã (de Carolina Salgado) disse que a industriava. Essa senhora foi utilizada. No entanto, ela é credível", argumentou o presidente do clube portuense.

Pinto da Costa garantiu que não tem "nenhum peso na consciência", pois acredita que será absolvido, apesar de sentir "que há um plano" para o atingir: "O que não quero é que o assunto seja arquivado pelo facto de não haver provas".

O sr está sujeito a que amanhã se alguém vier dizer e se interessar dar credibilidade a essa pessoa... No dia 14 ou 15 Maio de 2006, apareceu um sujeito no Correio da Manhã, ou no 24, a exibir coisas minhas, objectos meus, como tendo sido dados por essa senhora. São meus, não é nenhuma montagem, uma salva dada em Castelo de Paiva, fatos meus, e que ela tinha um plano para me extorquir 500 mil euros. Esse senhor ainda hoje não conheço. Essas peças foram entregues no tribunal e ainda não me foram devolvidas, apresentei queixa por roubo, a PSP de Gaia foi a sua casa e encontrou-as numa garagem, levou-as para a esquadra de Oliveira do Douro e devolveu-mas, inclusive foi fotografado no sítio onde tenho o museu e um busto meu que foi furtado. Está também pronunciado o indivíduo que chegou fogo ao meu escritório e ao de Lourenço Pinto a mando dela, está queixa na GNR com fotografias em que ela me devolve a casa da Madalena completamente destruida. Essa senhora também veio dizer que contratou indivíduos para matar o dr Bexiga. Mais do que para me incrimuinar a mim era para incriminar o Fernando Madureira por razoes que nada têm a ver com o assunto. Ouvimos declarações da irmã a dizer que ela era treinada por esse senhor da PJ.

Não tenho dúvidas de que há pessoas que tramaram tudo. Andaram anos a investigar a minha vida: via verde, os restaurantes onde ia, o meu cartão de crédito, as minhas chamadas... Andaram anos a fazer isto tudo para descobrir que há um árbitro que foi apitar o FC Porto quando já era campeão, num jogo que não nos interessava para nada - até poupámos meia equipa -, só porque esse árbitro foi a minha casa, não a meu pedido, mas por um terceiro indivíduo, para tratar de um assunto que não estava relacionado com um jogo de futebol. Mas há mais: a Polícia Judiciária descobriu os apitos dourados, mas havia lá facturas ainda mais valiosas de relógios oferecidos por outros clubes. Mas isso não interessava. Nem sequer foram levadas cópias.
Há pormenores que ajudam a compreender. Este processo em que foi pronunciado foi arquivado pelo MP, foi reaberto por causa de um livro mas no livro não diz nada, depois é que o livro foi rectificado num relatório da PJ por um tal senhor Sérgio Bagulho. Quando foi reaberto, há dois pormenores, no dia em que é nomeado mjmorgado para cooddenadora do processo o senhor LFV dá uma netrevista e diz agora sim, agora as coisas vão andar, não percebo porque, e nos dias seguintes o seu marido, Saldanha Sanchez, vai a SIC e diz que é preciso acabar com a corrupção no futebol porque o presidente do fcporto disse em gondomar que ganha 400 euros por mês e portanto há corrupção.

Nem conhecia o dr Almeida Pereira. Quando saiu a notícia de que estava indigitado para a PJ do Porto, o sr Cartaxana escreveu um artigo a dizer que ele habitué convidado do fcporto nas viagens. Sei que o dr. Almeida Pereira é benfiquista e assumidamente benfiquista, o que não quer dizer nada porque no Benfica também há boa gente. Essa impunidade em que os jornais vivem que faz com que as pessoas abdiquem dos lugares. O meu conhecimento com ele é cumprimentá-lo quando vai ao futebol, nunca falei com ele nem 30 segundos.

Nem confidencial nem ser ser, as únicas notícias de saber que vou ser arguido ou que vou perder esta acção é através do Correio da Manhã, não lei, mas dão-me os resumos. O CM é que publicou oito dias antes de eu receber que era improcedente minha queixa contra o Estado,
para além dos papéis que recebo a única informação que tem batido certo é a que sai no Correio da Manhã.

Quer pensem no Jorge Nuno quer pensem no Pinto da Costa ou no Lima, há uma coisa a que ninguém me associa: é a droga. Isso é que me dá uma grande tranquilidade de espírito, a mim ninguém associa o meu nome à droga.

SCOLARI

Apesar do centralismo lisboeta, habituado à 25 anos a perder, e que tanto o aprecia e sustenta,
R U A

Momento Musical

Gangs de lisboa? Não pode ser, pois não Pacheco Pereira?

"Cerca de duas dezenas de militares da GNR impediram ontem uma tragédia quando dois grupos rivais da zona de Lisboa se envolveram numa rixa à porta da discoteca BigCansil em S. João de Ver, Feira. Um jovem tentou atropelar outro e disparou seis tiros com uma pistola de calibre 9 mm, colocando-se em fuga. Por sorte, não houve feridos (mais aqui)."
Para variar, nada a assinalar neste Portugal sem criminalidade e gangs a sul do Douro...

Datas com história: 21 de Março de 1804

No dia 21 de Março de 1804, a França republicana conheceu um novo código civil, o Código de Napoleão. A sua promulgação, concretizada em 36 leis aprovadas entre 1803/4, ratificou e corrigiu a maior parte das conquistas sociais alcançadas pela sociedade civil burguesa a partir da Revolução de 1789. Igualmente, foi um marco jurídico da modernidade, assinalando o estabelecimento, no mundo do direito, do reconhecimento das novas relações socio-económicas decorrentes dos acontecimentos provocados pela queda da Bastilha. O Código Civil, seguido de uma série de outros (Processo Civil, Comercial, Criminal e Penal), promulgados entre 1804 e 1811, foram a manifestação jurídica da vitória da jovem burguesia francesa sobre a antiga nobreza fundiária e seus privilégios feudais. Foi o redesenho de toda uma sociedade saída do rescaldo da grande revolução de 1789, do incêndio que destruía boa parte do Antigo Regime. Para a execução do grande propósito convocou, a partir de 12 de Agosto de 1800, a colaboração dos três grandes juristas da república: Tronchet, Portalis e Bigot de Préameneu et Malleville, os grandes sábios das leis da época.

O Código Napoleônico baseou-se em leis francesas anteriores e também no Direito Romano e seguiu o Código Justiniano (Corpus Juris Civilis) dividindo o direito civil em:

a pessoa;
a propriedade;
a aquisição da propriedade.

A intenção por trás do Código Napoleônico era reformar o sistema legal francês de acordo com os princípios da Revolução Francesa. Antes do Código, a França não tinha um único corpo de leis, que dependiam de costumes locais, havendo freqüentemente isenções e privilégios dados por reis ou senhores feudais. Durante a Revolução os vestígios do feudalismo foram abolidos e os vários sistemas legais tinham de dar lugar a um único código. Entretanto, devido às agitações revolucionárias a situação não caminhou até a era napoleônica.

Além de legalizar definitivamente o divórcio, pondo fim à concepção sagrada do matrimónio adoptada pela Igreja Católica, sustentou a igualdade de todos os filhos frente à herança paterna (instrumento jurídico voltado a eliminar os direitos da primogenitura herdado dos tempos medievais e coluna que sustentava a transmissão integral do património da aristocracia feudal).

Apesar de não ter sido o primeiro, o Código Napoleônico foi o mais influente dos códigos legais. De fato, foi adotado em diversos países sob ocupação napoleônica, formando as bases dos sistemas legais modernos da Itália, dos Países Baixos, da Bélgica, da Espanha , de Portugal e suas antigas colônias. Outros países sofreram a influência do Código Napoleônico, como Suíça, Alemanha e Áustria. Portanto, os sistema de direito civil dos países europeus - com exceção do Reino Unido, Irlanda, Rússia e países escandinavos - foram inspirados em diferentes graus pelo Código Napoleônico, fazendo dele o maior legado de Napoleão.

Olhem para os pais destas crianças...

"O Carolina Michaëlis, que já teve o belo nome de liceu, não serve os miúdos do bairro do Aleixo, no Porto. Não, aquele vídeo (ver págs. 4 e 5) não mostra gente com desculpas fáceis, vindas do piorio. Pela localização daquela escola, quem para lá vai vive às voltas da Boavista e os pais têm jantes de liga leve sem precisar de as gamar. Os pais da miúda histérica que agride a professora de francês estarão nessa média. Os pais do miúdo besta que filma a cena, também. Tudo isso nos remete para a questão tão badalada das avaliações. Claro que não me permito avaliar a citada professora. A essa senhora só posso agradecer a coragem. E pedir-lhe perdão por a mandar para os cornos desses pequenos cobardolas sem lhe dar as condições de preencher a sua nobre profissão. Já avaliar os referidos pais, posso: pelo visto, e apesar das jantes de liga leve, valem pouco. O vídeo mostrou-o. É que se ele foi filmado numa sala de aula, o que mostrou foi a sala de jantar daqueles miúdos."
Ferreira Fernandes

Governo ou circo?


O ministro da administração interna, Rui Pereira, fez uma cerimónia para se congratular com a operação contra os incêndios em 2007. Menos fogos, menos área ardida, menos prejuízos. Um sucesso do "dispositivo operacional colocado no terreno". Um sucesso do Governo. O facto de no ano passado ter chovido em agosto foi só um pormenor que, graças a Deus, não estragou a cerimónia...

Racial


A questão racial, num discurso feito em Philadelphia.

Verdade verdadinha

Antigamente dizia-se assim:
O António há-de morrer!
A Oliveira há-de secar!
O Sal há-de derreter!
E o azar há-de acabar!

Actualmente é caso para dizer:
O António já morreu!
A Oliveira já secou!
O Sal já derreteu!
Mas a merda do azar não acabou!

Anedota futebolística

«Perdemos muitos pontos e não é preciso procurar culpados. Empatámos muitos jogos em casa e fora, enquanto o F.C. Porto ganhou. As derrotas e os empates cedidos no início acabaram por definir tudo. Se isso não tivesse acontecido tudo seria diferente. Acho que este ano o F.C. Porto teve uma regularidade que outros não conseguiram. Agora ser mais forte não acho, pois em Dezembro estavam a quatro pontos e vieram à Luz. Foram mais regulares em casa.»

Luisão in Mais Futebol

Jorge Maia no OJOGO explica:
Quê?


Luisão acha que o FC Porto não é mais forte do que o Benfica. É mais regular, diz ele, mas não é mais forte. É capaz de ter razão. A força é uma coisa muito difícil de avaliar e cada um sabe a cruz que carrega. É verdade que o FC Porto ganhou mais jogos do que o Benfica, marcou mais golos e sofreu menos e também é verdade que conseguiu mais 16 pontos do que os encarnados até agora, preparando-se para conquistar o terceiro campeonato consecutivo, um fenómeno cósmico conhecido simplesmente como Tri. E também é verdade que, no único braço-de-ferro entre as duas equipas esta temporada, os portistas até venceram na Luz. Mas nem mesmo isso significa que o FC Porto seja mais forte que o Benfica.

Como Luisão faz questão de sublinhar, se o Benfica não tivesse empatado e perdido tantos jogos, tudo seria diferente. Não há como argumentar com uma lógica assim.

Depois, só os jogadores encarnados sabem a força que têm de fazer para aguentar a cruz que carregam, o enorme peso da história que lhes verga as costas e que os obriga a arrastar os pés pelo campeonato.

Aliás, deve ser por isso que Luisão garante que ser campeão no Benfica é uma coisa diferente. Mais uma vez, o central encarnado tem toda razão.

Ser campeão no FC Porto é sempre a mesma coisa. Todos os anos, a mesma história, uma e outra vez, ad eternum, ad nauseum.

Ser campeão no Benfica é uma coisa única, preciosa, rara, como um eclipse solar, uma aurora boreal, um urso panda ou uma virgem num bordel. Em poucas palavras, é outra loiça.


De... formação
Cópia por sistema

Quase dois anos depois de o FC Porto ter dado início à Visão 611 que, entre muitas outras coisas, prevê a uniformização do sistema táctico em todos os escalões da formação, o Benfica revela uma intenção semelhante. É bonito. Afinal, a cópia é uma das melhores formas de elogio.

A Paixão de Cristo




Filmes com Memória

The Pianist - De Roman Polanski

Em Espanha já perceberam...

"Benfica só sobrevive das recordações"

"A equipa madrilena aproveitou as misérias da entidade lisboeta para projectar a sua imagem no futebol europeu. E o Getafe recreia-se nos sonhos. É um clube jovem invadido pela ilusão de crescer. Bem ao contrário do Benfica, plasmado de lustre no seu historial mas que só sobrevive das recordações".

O autismo do Poder face ao Norte (*)

(*) José Silva Peneda - Eurodeputado

O Norte de Portugal passou, em poucos anos, de uma das regiões mais industrializadas da Europa para uma das mais pobres, atrás da Galiza e até mesmo da mais pobre das regiões espanholas, a Estremadura.
Hoje o Norte só é comparável com as regiões que pertencem aos países recém-entrados na União Europeia, mas com uma diferença. Enquanto o Norte nos últimos anos não tem sido capaz de crescer nem de criar empregos, essas outras regiões estão a crescer a um grande ritmo, o que significa que, a manter-se esta tendência e com o andar dos anos, acabarão por ultrapassar-nos.
A globalização tem sido muito madrasta para este Norte. O número de empresas que têm encerrado e os números de desempregados aí estão, com toda a crueldade, a mostrar essa evidência. Isto acontece porque o Norte não vive em mercado protegido, ao contrário de Lisboa, onde estão concentrados todos os serviços públicos, financeiros, seguros, tudo actividades que nada sofreram com o fenómeno da globalização, pois os clientes estão lá e não param de crescer. No Norte, onde o mercado não é protegido, há que seduzir e conquistar clientes, não basta estar à espera de que eles surjam. Este é o real significado da globalização que tornou para o Norte as coisas mais difíceis.
Perante este quadro, não se entende a passividade do Poder para com uma região que sofre de uma situação de tal modo grave que justifica a adopção de medidas excepcionais, através de um grande e ambicioso programa de emergência, que já deveria estar em marcha.
Uma correcta estratégia de crescimento para o Norte, onde vive um terço dos residentes em Portugal, é essencial para que o país possa apresentar melhores indicadores em termos económicos e sociais. O problema do Norte, pelas suas natureza e dimensão, não pode ser visto como uma questão regional. O problema do Norte é verdadeiramente uma questão nacional, porque se o Norte recuperar será o país, como um todo, que estará melhor.
Mas os factos mostram que há uma enorme insensibilidade política e social por parte do poder político face ao Norte e aos nortenhos.
Por exemplo, é chocante verificar que, dos grandes investimentos públicos a submeter a Bruxelas até 2013, listados na página 102 do Programa Operacional Temático Valorização do Território do QREN (Quadro de Referência Estratégico Nacional) e que totalizam um investimento de mais de 13 mil milhões de euros, ao Norte caberá apenas 4,6% desse montante, cerca de 600 milhões de euros, que serão distribuídos por três projectos, IP4 Vila Real/Quintanilha, plataforma logística de Leixões e IC 35 - Penafiel/Entre-os-Rios! São estes e só estes os três grandes projectos públicos que vão realizar-se no Norte nos próximos sete anos!

PSD, símbolos e barões

Fico incomodado com a designada "nata" do PSD. Diria antes, com os barões feudais do PSD. Todos eles querem o seu feudo e todos eles estão-se nas tistas para o país. Só assim se compreende estes ataques ferozes ao líder eleito democráticamente. Gostemos ou não de Menezes, ele concorreu e ganhou. Os outros, os barões, não têm tido "tomates" para se candidatar - se calhar também não têm ideias -, mas na sombra ou às claras, combatem o seu líder esquecendo-se que a luta deve ser imposta a Sócrates e ao miserável partido socialista de lisboa... Agora as críticas à liderança do PSD não se prendem com razões ideológicas, nem estratégicas. Só acusações pessoais e questões de regulamentos. Os antagonistas de Menezes usam e abusam da palavra ‘ética’ que parecem considerar como coisa sua, pessoal e intransmissível. O seu estilo esgota-se no argumento de autoridade - o que afirmam deve estar certo porque são ‘eles’ que assim o dizem. Um dos barões em causa, e que eu como portuense detesto, é o execrável Pacheco Pereira. Questiona e critica a "lavagem" do rosto do partido. É fantástico como estes animais não têm memória: este bacano é o mesmo que durante os meses em que Santana Lopes foi primeiro-ministro inverteu o símbolo do partido: no seu blogue colocou-o sempre com as setas para baixo. Mais uma superior lição de coerência, sem dúvida....

Cinema na UP

Um grupo de estudantes da Universidade do Porto está a organizar um ciclo de cinema clássico, o designado «Circuito». É de aplaudir e participar nesta iniciativa que decorre em vários auditórios da UP, até porque podemos ver alguns clássicos sem ser no pequeno ecrã....

Tibete ou a face negra do expansionismo chinês

Garantido que está o não boicote aos Jogos Olímpicos (um dia depois de de o defender, a França deu o dito por não dito) , a China endureceu a guerra política e militar contra os que, nomedamente no território, querem que o Tibete seja independente. "Estamos numa batalha de vida ou morte contra mais um dos nossos inimigos", afirmou o secretário do Partido Comunista no Tibete, Zhang Qingli, num artigo publicado pelo jornal oficial "Tibet Daily". Zhang Qingli afirmou ainda que o Dalai Lama é "um lobo vestido de cordeiro, um monstro com face humana e coração de animal selvagem". Francamente!
Fonte: Jornal de Notícias

"Dezanove manifestantes tibetanos foram hoje mortos na província chinesa de Gansu (noroeste do país), anunciou o governo tibetano no exílio, avançando um balanço total "confirmado" de 99 mortos na última semana de confrontos (mais aqui)."

Estranhamos (ou talvez não) o silêncio da esquerda, nomeadamente do PC e do Bloco de esquerda. Tem de se enviar americanos para lá?

Legislação Penal mais avançada da Europa

"O homem que, na semana passada, foi atingido com três disparos desferidos pelo proprietário da churrasqueira que pretendia assaltar, em Gaia, voltou a ser detido pela PSP, durante a madrugada de ontem, na altura em que furtava tabaco no interior de uma tabacaria do Porto (mais aqui)."

À primeira vista pode parecer que a criminalidade reina impunemente neste país. Nada disso. Estamos perante uma das legislações penais mais avançadas do mundo. O problema é compreende-la…

Os gangs que o miserável Pacheco Pereira não vê!


"São cinco, têm entre 16 e 25 anos e residem em Rio de Mouro, concelho de Sintra. As autoridades identificaram o gang responsável pela maioria dos assaltos a pastelarias que nas últimas duas semanas varreram a linha de Sintra (mais aqui)."

Parece que os gangs que o capitão da GNR do Destacamento Territorial de Sintra negou existirem em Rio de Mouro (mais aqui) afinal existem. Só foi preciso acontecer 10 “actos isolados” para fazerem tão brilhante conclusão. Parece também que, para pesar de um tal Pacheco, os "meninos" não são adeptos do FCPorto. Naquele território não serão dos clubes da 2ª circular? Deve ser por isso que o tal Pacheco não comenta...

Ainda o comício do PS

Como Portuense e Portucalense senti-me profundamente ofendido pelo partido do governo de lisboa ter escolhido a cidade para festajar 3 anos de governação estrondosamente penalizadora para a classe média. Nos últimos anos, a Cidade e a Região de que é capital, tem vindo a sofrer com o desemprego, a falta de oportunidades, diminuição do crescimento, falta de liderança regional, abandono pelo poder central de lisboa que se materializa na falta de investimento público... Lisboa continua a ser o buraco negro e sugador do país que se designa Portugal... O resto é deserto, como frisa um certo miserável governante. Por isso, o poder central e quem lá está devia ter vergonha na cara em fazer comícios de apoio na cidade que mais sofre no contexto europeu... Mas não, os socialistas do governo de lisboa vieram para cá fazer a "festa". Pobre e ridícula festa, diga-se...

"Quero agradecer a vinda a todos os que estão dentro do pavilhão, mas também a todos os que estão lá fora. Este não foi um comício, mas dois comícios. Não é o espaço que é pequeno, é o PS que é um grande partido", afirmou José Sócrates (mais aqui)". O receio de ter no Pavilhão do Académico do Porto «pessoas menos entusiasmadas ou que até possam vaiar Sócrates» levou a máquina partidária do PS a fazer uma selecção dos militantes para o comício desta tarde, disse ao SOL um dirigente concelhio (mais aqui)".

Para quem conseguiu juntar aqueles velhinhos do interior do país no Hotel Altis a bater palmas a António Costa esperava-se melhor. Muito melhor…

Momento Musical

Por vezes tenho saudades...

... de ser Criança

Poesia


Nunca no teu olhar o meu repousa;
Nunca te posso ver, e todavia,
Eu não vejo outra cousa!
(João de Deus)


O ano novo chega
como se se abrisse ilusória cortina.
O destino, qual onda do mar,
já se quer outro,
refazendo-se em torno da pedra.

em meio ao tormento do amor só,
esperam os aflitos
que o novo ano seja um vento,
ser o vento...
esperam os benditos que ainda amam.

para quem vive encarcerado na solidão,
mesmo a ira das palavras
é alento, nesga de sol,
ano novo no carnaval.

(Quase fenda de semear, o novo ano.
e já está a passar)

...asa de voar.

Imagem: Francisco Huete Martos

Europa e as Regiões

Europa: um estudo sobre Portugal (2005)

Venho relembrar o relatório publicado pela Comissão, em Dezembro de 2005, intitulado "Policy guidelines for regions falling under the new regional competitiveness and employment objective for the 2007 - 2013 period", produzido pelo CSIL-Centre for Industrial Studies (Milan) para a Direcção-Geral de Política Regional. Um dos anexos reporta-se a Portugal, incluindo naturalmente as Regiões Autónomas. Considero que este documento, mesmo que tenha sido divulgado em 2005, continua a constituir um importante documento de consulta, podendo os interessados fazê-lo aqui.

Outro documento importante, relacionado com as regiões europeias, elaborado a solicitação da Direcção-Geral de Política Regional da União, foi divulgado em Fevereiro de 2007. Trata-se de um documento do qual apenas obtive a sua versão em inglês, intitulado "CHANGING REGIONS – STRUCTURAL CHANGES IN THE EU REGIONS” (relatório final) que recomendo seja ao menos guardado e que está disponível aqui.

O estado da Nação


images-11.jpgimages2.jpg

No Porto, querem construir um metro sem condutor. Em Lisboa, o Metro derrapa, sem travões. No Porto, 8 quilómetros de Metro custam 165 milhões de euros. Em Lisboa, 2 quilómetros de Metro demoram 10 anos a fazer e custam 299.5 milhões.

No Porto, apesar de Rio,
a Câmara vai ter um superavit de 5,2 milhões de euros. Em Lisboa, a Câmara apoiada pelo sempre presente governo central, tem de pedir 400 milhões para poder pagar as dívidas…

Transformação


Pouco a pouco, em cada dia,
Pouco a pouco, Jesus me guia.
Está-me a transformar
Está-me a mudar
Desde que eu me entreguei.
Pela graça viverei
Cristo está-me a mudar.
Está-me a mudar, bendito Salvador
Nunca mais vou ser o que eu era.
Em crescimento lento, mas estou certo
Que um dia perfeito eu serei!

Tendo por certo isto mesmo, que aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até o dia de Cristo Jesus. - Filipenses 1:6

A esquerda balofa e as suas 'lavagens' históricas

Como era previsível, alguma esquerda já começou a lavar a imagem do presidente Chávez, um democrata dos quatro costados, para a tornar ainda mais alva e branca do que já é.

Entre outros exemplos, releva
este aqui. Os argumentos para considerar Chávez um «democrata» são os seguintes (ipsis verbis):

«Estranha ditadura que promove eleições e que aceita os resultados quando é derrotada nas urnas.
Estranha ditadura que vive numa sociedade com partidos de oposição e em que quase toda a comunicação social privada é hostil.
Estanha ditadura em que a pobreza diminui e em que os estudos internacionais mostram que a maioria esmagadora dos eleitores está contente com a qualidade da democracia.
Estranha ditadura que tem como presidente um católico falador de nome Chávez e como líder da oposição estudantil um estudante de direito chamado Estaline.»

Curiosamente, todos estes critérios se aplicavam, quase sem excepção, a Pinochet: também ele fez um referendo cujo resultado acatou, ao ponto de ter saído do governo por causa do resultado, o que ainda não sucedeu com Chávez, embora ele o tenha prometido; também Pinochet diminuiu brutalmente a pobreza do seu país, de tal modo que o Chile foi considerado o país economicamente mais desenvolvido da América Latina; também Pinochet era católico. Quanto às diferenças: na Venezuela ainda há partidos, embora a «revisão» constitucional que o referendo chumbou os tornasse desnecessários; não conheço estudos internacionais sobre a qualidade da «democracia» de Pinochet, embora ele devesse ter, na altura, vários à disposição; e o gajo que chefiava a oposição chilena não tinha o nome romântico de «Estaline». Que pena!
Ler Mais...

Desanuviamento

Vamos desanuviar?
Este boneco é o máximo!


Momento Musical

Mark Ronson and Amy Winehouse - Valerie

Datas com História: 12 de Março de 1938

Hitler inicia a sua campanha expansionista com a Anschluss (anexação) da Áustria.

Para justificar suas pretensões expansionistas, Hitler insistia em repetir que os alemães precisavam conquistar um "espaço vital", expandindo seu território. Concretizando essas intenções, em 07 de Março de 1936, a Alemanha começou a mostrar suas garras ocupando a Renânia (região situada entre a França e a Alemanha) que, por determinação do Tratado de Versalhes, deveria permanecer desmilitarizada. Essa atitude da Alemanha colocava em risco a segurança dos franceses. Apesar disso, a França nada fez para impedi-la. A Inglaterra, por sua vez, também não se manifestou. Essas omissões alimentaram a escalada do imperialismo alemão.

O próximo passo da Alemanha nazista foi juntar-se à Itália fascista e intervir na Guerra Civil Espanhola em favor das forças do general Franco. Essa guerra serviu para os nazi-fascista testarem suas armas, equipamentos tropas e estratégias. Logo em seguida, Hitler aliou-se formalmente a Mussolini, dando origem ao Eixo Roma-Berlin. Posteriormente, com a entrada do Japão nessa aliança, formou-se o Eixo Roma-Berlin-Tóquio. Hitler realizou a anschluss, ou seja, a anexação da Áustria à Alemanha, em Março de 1938. Para isso, os alemães contaram com o total apoio dos nazistas austríacos. Em seguida, o Fuhrer passou a exigir também os Sudetas, região da Checoslováquia onde viviam aproximadamente 3 milhões de alemães. A justificativa para tal exigência era que o governo checo "perseguia" a minoria germânica que vivia sob seu domínio. O governo checo, no entanto, decidiu resistir aos alemães. Para isso imobilizou suas tropas e pediu auxílio a França.

Quando a guerra parecia inevitável, as potências europeias concordaram em resolver a questão por meio de uma conferência.

A Conferência de Munique

Assim, em Setembro de 1938, Hitler, Mussolini, Chamberlain (Inglaterra) e Deladier (França) reuniram-se na Conferência de Munique e assinaram um acordo que obrigava a chescolováquia a ceder os Sudetas para a Alemanha. Ao cederem uma vez mais às exigências de Hitler, a França e a Inglaterra contribuíram tanto quanto os nazi-fascistas para o fim da paz mundial. Abandonada à sua própria sorte, a checoslováquia viu-se invadida pelos alemães, que inicialmente ocuparam os Sudetas e, e m Março de 1939, tomaram o resto do país. Essa intervenção desrespeitou o que havia sido acertado na Conferência de Munique, afrontando seriamente a França e a Inglaterra. Os dois países finalmente decidiram oferecer-se para ajudar qualquer nação cuja integridade viesse a ser ameaçada.

Como se nada tivesse ocorrido, Hitler escolheu a Polónia para ser sua próxima vítima. Passou a reivindicar a anexação do chamado "corredor polaco", uma estreita faixa territorial que permitia à Polónia uma saída para o mar. Essa nova investida alemã não deixava mais nenhuma dúvida de que o mundo caminhava a passos largos para uma nova guerra. Diante disso, as grandes potências começaram a se proteger. A União Soviética, que tinha sido desprezada pela França e pela Inglaterra, decidiu aproximar-se da Alemanha. Esta, por sua vez, viu vantagem nessa aproximação, pois em caso de guerra não precisaria ter de lutar em duas frentes.

Assim, em Agosto de 1939, a Alemanha de Hitler e a União Soviética de Estaline firmaram entre si um pacto de não guerra, que estabelecia, secretamente, a partilha do território polaco entre as duas nações. Com o sinal verde dado por Estaline, Hitler sentiu-se à vontade para agir. Em 1º de Setembro de 1939, invadiu a Polónia e por meio de uma ataque rápido e violentíssimo, liquidou-a em pouco mais de três semanas. Dois dias depois da invasão, Inglaterra e França declararam guerra à Alemanha. Era o começo da Segunda Guerra Mundial, que terminaria seis anos depois.

Um filme

A sensação estranha de que quando é bom demais não dura. A sensação estranha de que não se deve querer algo ou alguém muito muito muito.
Holly Kennedy (Hilary Swank) é bonita, inteligente e casada com o amor da sua vida: Gerry (Gerard Butler), um apaixonado, divertido, alegre , cheio de imaginação, e impetuoso que faz da vida uma brincadeira a sério.
Quando Gerry morre, a vida de Holly parece também ter terminado. Mas ele não partiu sem planear tudo com antecedência. Antes de morrer, Gerry escreve a Holly várias cartas .
No seu 30º aniversário, Holly recebe um bolo e uma cassete gravada por Gerry que a incita a sair e celebrar a vida. Nas semanas e meses seguintes Holly recebe novas cartas, entregues de formas surpreendentes, que terminam todas com um P.S. a relembrá-la que ele a ama.....

Simplex no seu esplendor

Divórcio na hora: Casados ao abrigo da Lei portuguesa podem divorciar-se pela Internet a partir de hoje

Nesta fase de lançamento, o serviço está apenas disponível para os titulares do Cartão do Cidadão.

Bem prega Frei Tomás

"O bastonário da Ordem dos Advogados está a defender um ex-liquidatário judicial acusado de sete crimes de corrupção passiva para acto ilícito, sete de participação económica em negócio e associação criminosa, no âmbito do megaprocesso de fraude com falências que há mais de um ano está a ser julgado no Porto. Ontem, nas alegações finais de defesa do seu cliente e "amigo de há 37 anos". "Há muito folclore, há apitos dourados, mas não se toca na verdadeira corrupção. E quanto mais incapaz é o Ministério Público de atacar os verdadeiros casos de corrupção, mais fundamentalista é em atacar os casos em que não há corrupção", sustentou, excluindo o processo das falências do lote de casos em que se tem esforçado em denunciar como bastonário (mais aqui)".
Parece que para o bastonário corrupção só existe quando praticada por políticos com cargos governativos (mais aqui)". E não são todos…

Canalhada

"As famílias portuguesas são das que menos beneficiam de incentivos à natalidade. Dos 30 países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE), Portugal é dos que dá menos estímulos fiscais aos contribuintes com filhos, de acordo com um relatório daquele organismo anteontem divulgado (aqui)".
Mas não digam nada aos socialistas que eles estão convencidos que fizeram uma grande coisa (aqui).

Obscenidades

POR ONDE ANDA A DEMOCRACIA?
Mário Crespo. Jornalista

Pronto!
Finalmente descobrimos aquilo de que Portugal realmente precisa: uma nova frota de jactos executivos para transporte de governantes.
Afinal, o que é preciso não são os 150 mil empregos que José Sócrates anda a tentar esgravatar nos desertos em que Portugal se vai transformando.
Tão-pouco precisamos de leis claras que impeçam que propriedade pública transite directamente para o sector privado sem passar pela Partida no soturno jogo do Monopólio de pedintes e espoliadores em que Portugal se tornou.
Não precisamos de nada disso.
Precisamos, diz-nos o Presidente da República, de trocar de jactos porque aviões executivos "assim" como aqueles que temos já não há "nem na Europa nem em África".
Cavaco Silva percebe, e obviamente gosta, de aviões executivos. Foi ele, quando chefiava o seu segundo governo, quem comprou com fundos comunitários a actual frota de Falcon em que os nossos governantes se deslocam.
Voei uma vez num jacto executivo.
Em 1984 andei num avião presidencial em Moçambique.
Samora Machel, em cuja capital se morria à fome, tinha, também, uma paixão por jactos privados que acabaria por lhe ser fatal.
Quando morreu a bordo de um deles tinha três na sua frota. Um quadrimotor Ilyushin 62 de longo curso, versão presidencial, o malogrado Antonov-6, e um lindíssimo bimotor a jacto British Aerospace 800B, novinho em folha.
Tive a sorte de ter sido nesse que voei com o então Ministro dos Estrangeiros Jaime Gama numa viagem entre Maputo e Cabora Bassa.
Era uma aeronave fantástica.
Um terço da cabina era uma magnífica casa de banho. O resto era de um requinte de decoração notável.
Por exemplo, havia um pequeno armário onde se metia um assistente de bordo magro, muito esguio que, num prodígio de contorcionismo, fez surgir durante o voo minúsculos banquetes de tapas variadíssimas, com sandes de beluga e rolinhos de salmão fumado que deglutimos entre golinhos de Clicquot Ponsardin. Depois de nos mimar, como por magia, desaparecia no seu armário.
Na altura fiz uma reportagem em que descrevi aquele luxo como "obsceno".
Fiz nesse trabalho a comparação com Portugal, que estava numa craveira de desenvolvimento totalmente diferente da de Moçambique, e não tinha jactos executivos do Estado para servir governantes.
Nesta fase metade dos rendimentos dos portugueses está a ser retida por impostos. Encerram-se maternidades, escolas e serviços de urgência.
O Presidente da República inaugura unidades de saúde privadas de luxo e aproveita para reiterar um insuspeitado direito de todos os portugueses a um sistema público de saúde.
Numa altura destas, comprar jactos executivos é tão obsceno como o foi nos dias de Samora Machel.
Este irrealismo brutalizado com que os nossos governantes eleitos afrontam a carência em que vivemos ultraja quem no seu quotidiano comuta num transporte público apinhado, pela Segunda Circular ou Camarate, para lhe ver passar por cima um jacto executivo com governantes cujo dia a dia decorre a quilómetros das suas dificuldades, entre tapas de caviar e rolinhos de salmão. Claro que há alternativas que vão desde fretar aviões das companhias nacionais até, pura e simplesmente, cingirem-se aos voos regulares.
Há governantes de países em muito melhores condições que o fazem por uma questão de pudor que a classe que dirige Portugal parece não ter.
Vi o majestático François Miterrand ir sempre a Washington na Air France.
Não é uma questão de soberania ter o melhor jacto executivo do Mundo.
É só falta de bom senso. E não venham com a história que é mesquinhez falar disto.
É de um pato-bravismo intolerável exigir ao país mais sacrifícios para que os nossos governantes andem de jacto executivo.
Nós granjearíamos muito mais respeito internacional chegando a cimeiras em voos de carreira do que a bordo de um qualquer prodígio tecnológico caríssimo para o qual todo o Mundo sabe que não temos dinheiro.
Mário Crespo, escreve à 2ªf no JN

Imbecil?

"O governador do Banco de Portugal (pago a peso de ouro) considerou que, nesta altura, uma redução de impostos não iria ter um efeito "muito estimulante" na economia do país, porque iria fomentar mais a poupança do que o consumo."
Uma descida de impostos pode não ter um efeito muito estimulante sobre a economia visto que os agentes económicos que beneficiariam dessa redução de impostos iriam alimentar a sua poupança e não necessariamente gastar aquilo que decorria da redução dos impostos", sustentou Vítor Constâncio.
Por esta razão, o governador reiterou que uma redução de impostos é neste momento "prematura", uma vez que o Governo tem ainda a cumprir até 2010 o resto do "exigente" programa de redução do défice orçamental.
Vítor Constâncio falava hoje no VI Fórum banca e mercado de capitais, promovido pelo "Diário Económico", onde o presidente do BES, Ricardo Salgado, defendeu que o Governo deveria apostar precisamente por uma redução de impostos uma vez que já "tem margem" para que isso aconteça.
Ontem, o primeiro-ministro afirmou que é cedo ainda para baixar os impostos, argumentando que falta conhecer os números da economia no primeiro trimestre do ano, bem como assegurar que o défice público ficou efectivamente abaixo dos três por cento do Produto Interno Bruto no ano passado.
Para além destes elementos internos, José Sócrates defendeu ainda que seria necessário avaliar o impacto da crise financeira internacional e só depois de ter todos este dados é que estaria em condições de tomar uma decisão em matéria de política fiscal. "

Comentário inusitado:
A Europa está moribunda e este é um facto. Os coveiros são conhecidos e sabem muito de economia.
Outro dia ouvia um, com muita prosápia que se recusa ficar á frente de um partido em crise, e arrogante quanto baste, mas não sei se foi um dos gestores que viram reduzidos os seus pobres salários devido à crise subprime.
Trago o exemplo do Japão, por ser uma excepção.
O consenso ocidental queria obrigar este país a baixar os impostos, a expandir a despesa pública e a incorrer em défices orçamentais. As causas são difíceis de perceber, depende das cabeças.
Mas vejam a comparação se é que se pode:
O Japão tem uma propensão para aumentar as poupanças em tempo de crise.
A convicção do corte nos impostos levaria a um aumento ainda maior das poupanças.
As medidas seriam, voltando atrás, para combater a deflação.
Por cá, não existe política do banco central, existe política orientada pelos organismos que deveria regular e fiscalizar.
Isto, voltando atrás, outra vez, aconteceu até há pouco tempo no Japão, a crise subprime alterou muita coisa e muitas exigências dos consensos ocidentais acabaram. O ocidente nada tem a ensinar aos japoneses e agora pouco podem exigir.
Portanto o que se pode concluir, por cá?
Que estão em desacordo? Ou que as palavras são apenas isso, palavras? (...)
“Diz isto, para fazeres aquilo e assim preparas o cenário do teatrinho de marionetes.”
São uma ventoinhas faladoras…

Lucidez

segundo Vieira: vai começar um novo ciclo (mais um)

benf.jpg

«A péssima qualidade do futebol português está bem patente no facto de uma equipa como o Benfica que não joga rigorosamente nada, conseguir, mesmo assim, estar no 2º lugar do campeonato», conclui, avisadamente, o blogue Ser Benfiquista. Por vezes, encontra-se lucidez onde menos se espera.

Re ... fresh da imagem

A crise na 2ª circular

Chamam-lhe paraíso...

Desertaram 7 dos 18 jogadores que a selecção cubana de futebol apresentou para o torneio Pré-Olímpico de sub-23.

Apito Encarnado

Aprígio Santos, carismático presidente da Naval, crítica Luís Filipe Vieira. "No melhor pano cai a nódoa" e "há muita gente que fala mas devia estar calada". As declarações, algo contundentes, mostram bem o mal-estar que grassa na Figueira, já perceptível no final do embate entre a Naval e o SLB, com as críticas à [péssima] arbitragem a serem tecidas, mas com alguma polidez...

Desta feita, o verniz estalou. As declarações proferidas pelo truculento presidente navalista surgem no seguimento das declarações prestadas em Tribunal pelo árbitro Rui Silva sobre a prenda que recebeu já esta época da parte do Benfica.

Ouvido ontem no Tribunal de Gondomar, no âmbito do chamado processo Apito Dourado, o árbitro de Vila Real revelou ter recebido de Luís Filipe Vieira em Setembro passado, no dia do jogo do Benfica frente à Naval, valiosa peça em cristal.

Perante essa revelação, o presidente da Naval, Aprígio Santos, falando à Renascença, não deixou de apontar o dedo ao presidente do Benfica, que muito tem falado sobre o processo Apito Dourado.

Acrescento eu, mas alguém tem dúvidas? Ou, pelos vistos, só a oferenda de peças em ouro é que se revela pouco ética e indiciadora de tentativa de aliciamento? Querem ver que o Orelhas só presenteou o árbitro por puro...altruísmo?

2 jogos de castigo? Brincamos...


  • Expulsão de Nelson do Benfica no jogo contra o Sporting? Castigo = 1 jogo
  • Agressão do Cardozo com uma cotovelada? Sumaríssimo? Nem vê-lo...
  • Patada karateca de katsouranis? Sumaríssimo? Nem vê-lo...
  • Agressão com uma cotovelada de Maxi Pereira a um jogador do Naval? Sumaríssimo? Nem vê-lo...
  • Agressão com cabeçada do Rodriguez no jogo contra o P.Ferreira? Castigo? Nem vê-lo...
  • Entrada assassina de Liedson sobre Helton? Sumaríssimo? Nem vê-lo...
  • Cabeçada de Gladstone do SCP a Edson do P.Ferreira? Sumaríssimo? Nem vê-lo...
  • Entradas de Bynia e Petit no jogo contra a Académica?
  • Entrada de Liedson sobre Filipe Oliveira do Leixões?
  • Agressão de Anselmo do Estrela a Helton? Sumaríssimo? Nem vê-lo...
  • Entrada de Romagnoli sobre João Pereira do Braga?E do Yannick Djaló sobre o mesmo João Pereira?
  • Cotovelada de Liedson ao jogador do Fátima?
  • Entradas de Bynia sobre Kanu do Marítimo por duas vezes?

    Etc,etc,etc...