Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

O Porto em imagens (20)

Armando Tavares

Em memória dos slows das festas de garagem

Mercado Cedofeita Viva

O Mercado de Rua Cedofeita Viva, que se vai realizar a 2 de Novembro, entre as 12:30 e as 19:00, na zona pedonal da Rua de Cedofeita e Miguel Bombarda, tem por tema “Bruxas e Castanhas”. Tão perto do dia de S. Martinho, vai haver castanhas à venda, enquanto bruxas e feiticeiros vão animar a rua. Haverá música com os Gaiteiros Nacionais do Porto e o grupo Tons do Povo, jogos tradicionais, um workshop de abóboras e contos enquadrados no tema, contados para crianças por contadoras de histórias – Augusta Santos, Rita Cirne e Vânia Abreu. Neste mercado poderá encontrar artesanato, petiscos e usados. Visitantes e vendedores são convidados a aderir ao espírito do tema, vestindo ou trazendo consigo adereços relacionados. Venha a Cedofeita e divirta-se connosco!

Mais informações e inscrições em:

Um evento Cedofeita Viva - ISCET e ACECE, com o apoio de Salta Folhinhas Livraria Infantil, Porto Paralelo e da C.M. Porto.

As estranhas profissões

'Ganda' maluca

Adão e Eva

Em memória dos slows das festas de garagem

O Porto em imagens (18)

Joana Duarte

Até que a morte nos separe

Momento Esotérico

Christie's coloca Porto e Norte de Portugal no topo de zonas para investimentos

O Porto e o Norte de Portugal foram eleitos pela leiloeira Christie's, como uma das melhores 10 zonas do mundo para investimentos internacionais, nomeadamente ao nível das quintas vinícolas. O ramo imobiliário da leiloeira britânica prevê captar mais de cem milhões de euros em 2014 no Norte.



Centenária leiloeira Christie’s abre filial no Porto

O Porto foi a cidade escolhida pela Christie’s International Real Estate para abrir uma nova filial. A prestigiada e centenária leiloeira de arte viu no portuense Ricardo Alves da Costa, de 41 anos e com uma década de experiência no sector da mediação imobiliária de propriedades de luxo, o parceiro ideal para trabalhar os mercados do Porto, Minho e vale do Douro.
“É uma rede a que só se acede por convite e nós fomos convidados a integrar a Christie’s”, explicou ao P24 o director executivo da Luximo’s, a nova “subsidiária” da prestigiada marca inglesa.
Com sede na Avenida Brasil, a nova filial da Christie’s – que tem 1050 escritórios espalhados por 46 países – vai “angariar imóveis de luxo” no Norte de Portugal.
“Somos afiliados exclusivos. Tudo o que é para cima de Aveiro é o nosso território”, refere Ricardo Alves da Costa, que explica que pode acontecer surgirem negócios fora desta área geográfica mas que esses serão encaminhados para os parceiros Christie’s.

Uma voltinha pela Cidade do Porto

Aldeia versus capital


Ah, mas são verdes!

Desordeiros do Dragão são do Sporting e de extrema-direita
FONTE POLICIAL GARANTE QUE ESTÃO IDENTIFICADOS

Têm cerca de 30 anos, ostentam tatuagens, nunca utilizam símbolos alusivos ao seu clube (neste caso o Sporting), vestem roupas caras, não acompanham as tradicionais claques, são alegadamente de extrema-direita e vão ao futebol (sem bilhete) com um único objetivo: causar distúrbios. E se só agora se tornaram conhecidos da maioria dos adeptos do futebol em Portugal, 
Fonte policial admitiu a Record que os indivíduos (cerca de uma centena) que no domingo provocaram os graves incidentes nas imediações do Estádio do Dragão eram apoiantes do Sporting (farão parte de um grupo denominado Casuals) e que, na sua maioria, são pessoas já identificadas pelas autoridades. 

Contudo, em comunicado, os calimeros "zportinguists" têm a lata de dizer isto:
"- Vários Sportinguistas foram agredidos nas imediações do estádio do dragão. Ao invés do clube da casa repudiar totalmente estas atitudes, como esta Direcção já o fez em situações similares, começou a circular um rumor de que um grupo de Sportinguistas teria provocado desacatos, facto ainda não confirmado, que “justificaria” tais atitudes bárbaras e inqualificáveis. Até ao momento, ao serem vistas as imagens televisivas e fotográficas disponibilizadas, verificou tratar-se de um conjunto de pessoas onde as únicas que se conseguem identificar são do clube da casa;"

Cenas terríveis do Tsunami no Japão

Resposta às provocações do "zporten"


Sócrates é tão pulha que até trai a própria mãe!

O MILAGRE DA DONA ADELAIDE, MÃE DE JOSÉ SÓCRATES Divorciada nos anos 60 de Fernando Pinto de Sousa, “viveu modestamente em Cascais como empregada doméstica, tricotando botinhas e cachecóis…”.(24 H) Admitamos que, na sequência do divórcio ficou com o chalet (r/c e 1º andar) . Admitamos ainda, que em 1998, altura em que comprou o apartamento na Rua Braamcamp, o fez com o produto da venda da vivenda referida, feita nesse mesmo ano. Neste mesmo ano, declarou às Finanças um rendimento anual inferior a 250 €.(CM), o que pressupõe não ter qualquer pensão de valor superior, nem da Segurança Social nem da CGA. Entretanto morre o pai (Júlio Araújo Monteiro) que lhe deixa “uma pequena fortuna, de cujos rendimentos em parte vive hoje” (24H). Por que neste momento, aufere do Instituto Financeiro da Segurança Social (organismo público que faz a gestão do orçamento da Segurança Social) uma pensão superior a 3.000 € (CM), seria lícito deduzir – caso não tivesse tido outro emprego a partir dos 65 anos – que , considerando a idade normal para a pensão de 65 anos, a mesma lhe teria sido concedida em 1996 (1931+ 65). Só que, por que em 1998 a dita pensão não consta dos seus rendimentos, forçoso será considerar que a partir desse mesmo ano, 1998 desempenhou um lugar que lhe acabou por garantir uma pensão de (vamos por baixo): 3.000 €. Abstraindo a aplicação da esdrúxula forma de cálculo actual, a pensão teria sido calculada sobre os 10 melhores anos de 15 anos de contribuições, com um valor de 2% /ano e uma taxa global de pensão de 80%. Por que a “pequena fortuna ” não conta para a pensão; por que o I.F.S.S. não funciona como entidade bancária que, paga dividendos face a investimentos ali feitos (depósitos); por que em 1998 o seu rendimento foi de 250 €; para poder usufruir em 2008 uma pensão de 3.000 €, será por que (ainda que considerando que já descontava para a Segurança Social como empregada doméstica e perfez os 15 anos para poder ter direito a pensão), durante o período (pós 1998), nos ditos melhores 10 anos, a remuneração mensal foi tal, que deu uma média de 3.750 €/mês para efeitos do cálculo da pensão final. (3.750 x 80% = 3.000). Ora, como uma pensão de 3.000 €, não se identifica com os “rendimentos ” provenientes da pequena fortuna do pai, a senhora tem uma pensão acrescida de outros rendimentos. Como em nenhum dos jornais se fala em habilitações que a senhora tenha adquirido, que lhe permitisse ultrapassar o tal serviço doméstico remunerado, parece poder depreender-se que as habilitações que tinha nos anos 60 eram as mesmas que tinha quando ocupou o tal lugar que lhe rendeu os ditos 3.750 €/mês. Pode-se saber qual foram as funções desempenhadas que lhe permitiram poder receber tal pensão? E há mais… A Dona Adelaide comprou um apartamento na Rua Braamcamp, em Lisboa, a uma sociedade off-shore com sede nas Ilhas Virgens Britânicas, apurou o Correio da Manhã. Em Novembro de 1998, nove meses depois de José Sócrates se ter mudado para o terceiro andar do prédio Heron Castilho, a mãe do primeiro-ministro adquiria o quarto piso, letra E, com um valor tributável de 44 923 000 escudos – cerca de 224 mil euros –, sem recurso a qualquer empréstimo bancário e auferindo um rendimento anual declarado nas Finanças que foi inferior a 250 euros (50 contos). Ora vejam lá como a senhora deve ter sido poupadinha durante toda a vida. Com um rendimento anual de 50 contos, que nem dá para comprar um mínimo de alimentação mensal, ainda conseguiu juntar 224.000 euros para comprar um apartamento de luxo, não em Oeiras ou Almada, na Picheleira ou no Bairro Santos, mas no fabuloso edifício Heron, no nº40, da rua Braamcamp, a escassos metros do Marquês de Pombal e numa das mais nobres e caras zonas de Lisboa. Notável exemplo de vida espartana que permitiu juntar uns dinheiritos largos para comprar casa no inverno da velhice. Vocês lembram-se daquela ideia genial do Teixeira dos Santos, que queria que pagássemos imposto se déssemos 500 euros aos filhos? Quem terá ajudado, com algum cacau, para que uma cidadã, que declarou às Finanças um RENDIMENTO ANUAL de 50 contos, pudesse pagar A PRONTO, a uma sociedade OFFSHORE, os tais 224.000 euros? — com josé socrates e 4 outras pessoas.

Sobrevoando Valongo

Porto d'outrus tempus


Antiga igreja do Bonfim, construída em 1786.

A incapacidade do pequeno templo fazer face a uma população sempre crescente, daquela que era uma das freguesias mais industrializadas da cidade, levou à sua demolição em 1874, para que fosse erguida a atual igreja, consagrada a Santa Clara e ao Senhor do Bonfim.


Resposta (3-1) às provocações do Bruno do "zporten"







O segredo revelado: elas são mãe e filha


Pronúncia do Norte

Para descontrair

Cinfães fica fora de Portugal, quem o diz é o burgesso treinador dos encornados

Momento Musical

O Douro visto da janela de um comboio

Minhas Músicas de Sempre

S.A.R. D. Duarte de Bragança concede uma entrevista à TDM

Best of fails compilation


Em memória dos slows das festas de garagem

Renault CLIO 4


A entidade reguladora responsável no Reino Unido proibiu a exibição deste anúncio por considerar que “trata as mulheres como objecto sexual”. e tu o que achas?

Todos ao Dragão: Sejam Porto, carago!

A vencer ... desde sempre


Em memória dos slows das festas de garagem

Alfinetadas ao "zporten": também as sabemos fazer (e com muito mais nível)



Ponte móvel de Leixões: só daqui a 2 meses voltaremos a tê-la disponível!

A quarta maior ponte basculante do mundo precisa de uma peça que tem de ser fabricada propositadamente

A circulação automóvel e pedonal na ponte móvel do porto de Leixões continuará interrompida durante pelo menos “um ou 2 meses”, na sequência da avaria registada na quarta-feira de manhã, disse à Lusa o presidente da administração portuária.
Segundo o presidente da Administração dos Portos do Douro e Leixões (APDL), Brogueira Dias, a vistoria entretanto efectuada revelou que uma das rótulas que integra o complexo sistema de elevação da ponte “não está a funcionar em pleno” e terá que ser substituída.
Contudo, e dado o muito limitado número de pontes móveis deste tipo, a peça não está disponível no mercado, pelo que terá que ser propositadamente fabricada.

A ponte móvel de Leixões, que assegura a ligação para veículos e peões entre Matosinhos e Leça da Palmeira, foi construída em 2007 em substituição da anterior, com um custo de 12,8 milhões de euros comparticipados em 45% por fundos europeus.
Entretanto, e para tentar minimizar o tempo de imobilização da ponte, a APDL está “a estudar se há disponibilidade de alguma unidade que possa ser adquirida com carácter de urgência”, admitindo que exista uma rótula semelhante nos EUA, que não obedece a “todos os certificados” impostos, mas poderá “permitir uma operacionalização mais rápida da ponte, enquanto se espera pela solução definitiva”.
Contudo, e mesmo vindo a confirmar-se esta possibilidade, Brogueira Dias adverte que “nunca se conseguirá pôr a ponte – a quarta maior ponte basculante do mundo – operacional em menos de um ou 2 meses”.
É que, explicou, a peça em questão poderá chegar dos EUA “dentro de 8 a 15 dias”, mas a sua colocação exige que a ponte seja “imobilizada e sustentada”, num “processo muito complexo e demorado” dado o elevado peso da estrutura e os meios envolvidos.
A avaria na ponte móvel de Leixões manifestou-se pelas 8h30 de quarta-feira, após a elevação do tabuleiro da estrutura para permitir a passagem de um navio.
Quando se fechou de novo a ponte, esta não fechou integralmente do lado de Leça e bloqueou a 10 graus do fecho completo”, explicou o presidente da APDL, tendo-se então optado pela sua abertura total para, pelo menos, permitir o acesso de navios ao porto.
Salientando que, no âmbito de um acordo entre a APDL e o Instituto de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial (Inegi), o funcionamento da ponte e dos seus sistemas hidráulicos e “mais sofisticados” tem vindo a ser permanentemente acompanhado, Brogueira Dias considerou ser “daquelas avarias totalmente imprevistas”.
Até porque, disse, “não havia nenhum histórico desta avaria em pontes idênticas”.
Segundo o administrador da APDL, durante todo o período de encerramento da circulação na ponte será assegurado 24 horas por dia um transporte gratuito de passageiros por autocarro, entre Matosinhos e Leça, através da A28.
Única alternativa viável à ponte móvel na travessia entre Matosinhos e Leça – recentemente agregadas numa única freguesia – a ponte de Leça da A28 está actualmente em obras de repavimentação, o que tem complicado bastante o trânsito naquela zona.

Pode ser que fiquem atolados na m...


Porto d'outrus tempus

O rei D. Carlos, no coche real, é aplaudido pela população na sua chegada à cidade do Porto para participar nas comemorações do 5.º centenário do nascimento do Infante D. Henrique, em 1894.

O pulha que deveria a estar a ser julgado...

O ex-ministro das Finanças Eduardo Catroga recordou hoje que o antigo primeiro-ministro José Sócrates empurrou Portugal para uma situação difícil e que deveria ser julgado por isso.

Em entrevista à «Antena1», Eduardo Catroga defendeu que o antigo chefe do governo «devia estar definitivamente enterrado e até devia estar a ser julgado pelos erros de gestão».

«Estamos perante uma tentativa de lavagem política de José Sócrates que levou o País à falência», reforçou o responsável escolhido pelo PSD para negociar o programa de resgate financeiro da troika no início do Governo de Pedro Passos Coelho.

O Porto em imagens (17)


A emblemática zona ribeirinha

Crime contra a Humanidade e escândalo nacional sob a bitola do toureiro Bastinhas

Não são necessárias palavras: uma cambada de assassinos.


Em memória dos slows das festas de garagem

(Roberto) Ele é um bom companheiro





Máfia, azar e infantilidade: a Liga dos Campeões acabou este ano

Um gigante Fernando, um azar do caraças om duas bolas nos postes (mesmo tendo em conta o falhanço do Hulk ou a grande defesa de Helton), e infantilidades recorrentes. Lixaram-nos em Málaga no passado recente e este ano com o Atlético de Madrid, lixaram-nos hoje, pese o empenho do árbitro, os apagões de defesas internacionais, a ingenuidade de Herrera, mesmo com o desconto da "coragem" do árbitro... O jogo acabou aos 6 minutos. O grande carácter, prejudicado pela habitual quebra física da 2ª parte, um treinador anedótico, a fazer uma época patética, com o Natal a aproximar-se sem prendas nem alegria e cujo fim de época parece penoso para todos, um árbitro italiano para um treinador italiano adversário de hoje e a Gazprom que patrocina o Zenit e ... a Liga dos Campeões, no melhor estilo mafioso...
Esta equipa, hoje, com 11 talvez não perdessemos. Talvez. Confesso que foi brilhante a coesão e esforço de todos, mas esta equipa do FC Porto é muito mal treinada. Ponto final. Irreconhecível forma física, desdenhosa forma técnica. Estou desiludido, mas Pinto da Costa nem sempre pode acertar...
Se não se puserem a pau, este mês de Novembro pode ser um desastre desportivo. Arrebitem, carago. Deixemos os provocadores leoninos na trampa...

Nota: como é que Jackson Martinez pode marcar golos se as bolas nem lá chegam?



Futebol é uma coisa simples: chutar para a baliza é o meio.


Esta semana, o FCPorto e a sua estrutura do futebol vai ter de demonstrar daquilo que realmente o seu ADN é feito. O Treinador Fonseca terá a época em jogo, pois já estamos fartos deste futebolzinho que não encanta e que nos deixa ao pé de um ataque de nervos. Sejam Porto, carago!

Anita vai a Luanda ...


Funicular dos Guindais é usado por 3,7 milhões de pessoas

O Funicular dos Guindais, que liga a Ribeira do Porto à Praça da Batalha desde Fevereiro de 2004, já transportou cerca de 3,7 milhões de pessoas.
Só de Janeiro deste até ao momento utilizaram o elevador cerca de 391 mil utentes, sendo que, em 2012, registou-se um total de 472.426 utilizações, disse à agência Lusa fonte da Metro do Porto, empresa com a concessão do Funicular dos Guindais desde Julho de 2003.
Construído em 1891, o funicular operou apenas durante 2 anos, ao longo de 281 metros, dos quais 90 em percurso subterrâneo, tendo estado desactivado durante mais de um século na sequência de um acidente que causou dezenas de feridos.
Este elevador de tracção eléctrica e comando automático, que liga a cota alta à cota baixa da cidade, foi totalmente recuperado no âmbito da Porto 2001 – Capital Europeia da Cultura. Contudo, apenas foi inaugurado em Fevereiro de 2004.
As 2 cabinas panorâmicas têm uma lotação máxima de 25 pessoas cada e fazem a ligação entre as 2 cotas/estações em pouco mais de 2 minutos, numa via única com cruzamento central.
O Funicular é hoje uma das atracções turísticas da cidade, oferecendo, a descer ou a subir a inclinada rampa, uma panorâmica sobre o rio Douro, a ponte Luiz I e o Mosteiro da Serra do Pilar, em Gaia.
A concepção e instalação do Funicular dos Guindais foi adjudicada pela Porto 2001 em Janeiro desse ano à Construtora do Tâmega por 4,79 milhões de euros (958 mil contos à época), depois de inicialmente a sociedade promotora da Capital Europeia da Cultura ter estimado o custo em 3 milhões de euros (600 mil contos).
A reinstalação do elevador no mesmo local onde existiu um entre 1891 e 1893 foi pensada no início deste século XXI em articulação com o projecto de regresso dos carros eléctricos à baixa do Porto, entretanto suspenso.
Em Julho do ano passado, a Metro do Porto lançou o novo título “Funi”, de utilização exclusiva no Funicular dos Guindais e vocacionado para o sector do turismo, que tem agora um custo unitário de 2 euros.
Em 2012, de acordo com o relatório e contas da empresa Metro do Porto, desde o lançamento do “Funi”, 52,9% das validações foram efectuadas com o novo título. [daqui]

Os 35 melhores restaurantes de praia de Portugal


NORTE


Ancoradouro Espaço acolhedor junto da Praia do Moledo, com ambiente tranquilo e cozinha de sabores caseiros à base de peixe fresco e de carne barrosã. Rua João Batista da Silva, Caminha 258 722 477 € 20
Casa Mariana Perto da Praia de Afife, mas fora do seu bulício, é um refúgio com ambiente descontraído e cozinha esmerada, de que é exemplo o célebre robalo cozido em algas. Estrada Pedro Homem de Mello, 42, Afife 258 981 327 € 20
Camelo da Apúlia Com vista para o mar e para os típicos moinhos de vento da Apúlia, oferece também o melhor da gastronomia do Alto Minho, com os sabores do mar em evidência  Rua do Facho, Apúlia253 987 600 € 20
Shis Atracção dos veraneantes, no Porto de outras eras, a praia do Ourigo continua a ser uma referência da cidade. Está numa zona nobre, oferece um panorama admirável do mar e tem animação, sobretudo desde a abertura do Shis, há meia dúzia de anos. Além da localização privilegiada, o restaurante distingue-se pelo bom gosto da decoração, do ambiente e da gastronomia com influências marcantes das cozinhas mediterrânica e japonesa. É um espaço requintado e alegre que justifica a recomendação: pare, escute e olhe. E saboreie! Esplanada do Castelo Praia do Ourigo, Foz do Douro, Porto 226 189 593 e 961 356 376 e 934 067 857 € 35
Zizi Num síto pitoresco, ligado à pesca, diante do mar, tem ambiente familiar e boa comida: simples, farta e muito saborosa.Rua do Mar, 261, Praia da Aguda, Arcozelo, Gaia 227 620 728, 919 986 573 e 917 796 027 € 15
Capitão Gancho De simples apoio de praia passou a restaurante com instalações modernas e cozinha contemporânea que tira o melhor partido do peixe "do nosso mar". Travessa da Barrinha, 195, Esmoriz 256 752 162 € 20
D'Aurora Na praia como em casa, em ambiente descontraído, afável e, por que não dizê-lo?, familiar. A omnipresença do mar é visível de todos os lugares. E também no prato. É o pescado que dá vida e alegria a esta a cozinha sã, gostosa, onde as indecisões se resolvem optando pela açorda de marisco, pela caldeirada de raia, pelo peixe no forno ou, caindo nas tentações da carne, pelo chateaubriand ou pelo filet mignon. Tudo muito bem feito e bem apresentado, tudo apetecível.Avenida Nossa Senhora da Nazaré, Lugar da Praia, Cortegaça 256 755 603 e 967 816 400 € 18

CENTRO


A Praia do Tubarão Localização  privilegiada, entre a ria de Aveiro e o mar, numa das casas típicas de madeira da Costa Nova - os famosos "palheiros" - e a cozinha também, à base do peixe do dia. Avenida José Estêvão, 136, Costa Nova do Prado, Gafanha da Encarnação 234 369 602 € 20
Estrela do Mar Um banho de mar e outro de sol, na areia, seguidos de mais um momento de prazer, desta vez à mesa, sobre a falésia, olhando o azul imenso do Atlântico.Avenida Marginal, S. Pedro de Moel244 599 245 € 18
Taberna d'AdéliaEspaço alegre com boa cozinha à base de peixes e mariscos, numa ruela que vai dar à marginal, diante da praia da Nazaré, sendo o restaurante tão pitoresco e convidativo como a vila. Rua das Traineiras, 12, Nazaré 262 552 134 € 17,50
Tasca do Joel Sob o manto da modéstia que cobre o nome popular, a decoração singela e o ambiente informal descobre-se um restaurante muito agradável com excelente cozinha de matriz tradicional portuguesa. Rua do Lapadusso, 73, Peniche 262 782 945 e 939 711 007 € 15

GRANDE LISBOA


Restaurante da Adraga Não se descreve um lugar assim, tão simples e discreto, mas tão belo, no fim do caminho que leva ao mar, num dos mais belos trechos do litoral português. Na única construção ali existente, à sombra da falésia e à entrada da praia funciona o restaurante, que tem o melhor que há no mar: peixes e mariscos. Cozinhados simples, praticamente só grelhados, mas sempre no ponto, com sábia utilização do braseiro. Pode lamentar-se a falta de outras e melhores instalações, não a qualidade dos produtos e da culinária. É admirável, apesar das suas naturais limitações.Praia de Adraga, Almoçageme, Colares, Sintra 219 280 028 e 961 910 833 € 18
O Faroleiro Diante do mar do Guincho, peixes e mariscos da nossa costa no seu esplendor, que seduzem logo ao serem apresentados na canasta e mais ainda quando chegam ao prato.Estrada do Guincho, Cascais 214 870 225, 214 871 330 e   938 801 113 € 35
A PastorinhaO restaurante de Carcavelos distingue-se pela sala interior com ambiente intimista, a varanda para o mar e a cozinha de raiz portuguesa e apontamentos internacionais.Avenida Marginal, Praia de Carcavelos, Carcavelos 214 571 892 e 214 580 492 € 35
Praia CafféProvavelmente um dos melhores restaurantes de praia com instalações tão confortáveis no inverno como no verão e muito boa oferta gastronómica. Passeio Marítimo da Praia da Torre, Edifício Principal, r/c inferior, Oeiras 214 418 230 € 30
Bar do Peixe Em pleno Meco, um espaço acolhedor e com gastronomia de insuspeitada qualidade, centrada nos peixes e mariscos. Praia do Moinho de Baixo, Aldeia do Meco, Sesimbra 212 684 732 € 20
RibamarSala ampla e luminosa com esplanada na marginal de Sesimbra, diante do mar, onde a montra de pescado seduz e a cozinha definitivamente convence.Avenida dos Náufragos, 29, Sesimbra (Santiago), Sesimbra212 234 853 € 25

ALENTEJO E COSTA VICENTINA


Comporta Café Numa paisagem ainda (quase) intocada do litoral alentejano, a descoberta de um restaurante com excelente cozinha de inspiração tradicional portuguesa que funciona todo o ano. Praia da Comporta, CCI 2801, 7680-612 Comporta 265 497 652, 265 490 513 e 933 976 520 € 25
Trinca Espinhas Bem localizado à entrada da Praia de São Torpes, identifica-se facilmente pela pintura a duas cores: azul e branco. Sala e varanda voltadas para o mar sobriamente decoradas com motivos marítimos. Boa cozinha de raiz portuguesa, centrada no pescado, com alguns pratos já mais emblemáticos, como a cataplana Trinca Espinhas, que leva bivalves, camarão e tamboril; os linguadinhos fritos com açorda de ovas, a massinha do mar e a raia de alhada com batata-doce. Praia de S. Torpes, Sines 269 636 379 € 20
A Fateixa Na parte inferior da Fortaleza, junto do cais, quase sobre as águas, um recanto privilegiado para  contemplar o rio Mira e conhecer os sabores simples, mas autênticos, da cozinha portuguesa. Largo do Cais, Vila Nova de Mil Fontes 283 996 415 e 283 996 898 € 18
O Sacas Casa e esplanada sobre a falésia que protege o porto de pesca artesanal da Zambujeira do Mar, com surpreendente cozinha à base de peixes e mariscos da costa. Entrada da Barca, Zambujeira do Mar 283 961 151 € 20
Restaurante da Praia Está num lugar esplendoroso, debruçado sobre uma das mais belas praias da costa vicentina, e tem uma oferta gastronómica diversificada com petiscos, peixes e mariscos em evidência. Praia da Arrifana, Aljezur 282 998 527 € 20
O Sítio do Rio Já nas dunas, mas antes da praia, um espaço agradável que convida a saborear a cozinha regional com predomínio dos peixes da costa, como os sargos e as douradas. Sítio do Rio, Carrapateira, Bordeira 282 973 119 e 962 372 885 € 15

ALGARVE


Mar à vista Varanda aberta sobre a Praia da Mareta com um panorama deslumbrante, como facilmente se adivinha, e com apreciável oferta gastronómica, centrada nos peixes e mariscos. Praia da Mareta, Sagres 282 624 247 € 25
Zavial Poucos lugares se encontram com esta singeleza, a paisagem em volta em estado puro, a casa modesta a tentar passar despercebida, as pessoas afáveis, a comida simples e prática. Zavial, Raposeira, Vila do Bispo 282 639 282 € 20
São Roque Indo de Lagos, é o primeiro restaurante que se encontra na Meia-Praia - areal amplo a definir os contornos da baía, vegetação dunar, rochas, águas transparentes, marina e cidade num quadro de serena beleza. Instalações modernas que sugerem conforto. Gastronomia também sedutora à base de mariscos e peixes frescos, só do mar. Não menos surpreendente é a variedade e a qualidade dos petiscos algarvios. É um bom exemplo da evolução dos meros apoios de praia para restaurantes de assinalável qualidade. Praia de São Roque, Meia-Praia, Lagos 282 792 101  € 35
Caniço Parece incrustado na falésia, tem um panorama deslumbrante e afirma-se como um dos mais atraentes restaurantes do Algarve, com boa cozinha de peixes e mariscos. Praia dos Três Irmãos - Aldeamento Turístico da Prainha 282 458 503  € 30
Restinga Se a localização privilegiada na Praia do Alvor, diante do mar, da ria e da baía de Lagos, contribuiu para que se tornasse um ponto de encontro de figuras públicas, a qualidade da cozinha também. Praia do Alvor, Alvor 282 459 434  € 25
Ábabuja Da junção de duas casas de pescadores, junto da antiga lota de Alvor, diante do mar, nasceu este restaurante onde tudo é simples, mas genuíno e muito agradável.Rua da Ribeira, 11, Alvor 282 458 979 € 17
Sueste Instalações bonitas e originais com o teto abobadado de tijolo, ambiente alegre e descontraído, cozinha portuguesa agradável, só com peixe. Rua Infante Santo, 91, Ferragudo 282 461 592 € 25
A Ruína Referência incontornável pela localização na antiga muralha, à entrada da praia, com quatro salas interiores, terraços e uma esplanada sobre a areia, e pela gastronomia à base de peixes e mariscos frescos. Largo Cais Herculano, Albufeira 289 512 094 € 45
Gigi O lugar, no caminho da praia, a música e a simpatia contribuíram para a fama do Gigi, mas o essencial foram os peixes e mariscos frescos, dos melhores que o mar tem para dar. Praia da Quinta do Lago, Almancil 964 045 178 € 40
EstaminéNão seria exagerado considerá-lo paradigma do restaurante de praia. Única construção da Ilha Deserta, só acessível por barco, numa estrutura moderna em madeira, quase sem decoração para não desviar o olhar da beleza exterior, o Estaminé tem a ria e o mar como fronteiras, inclusive na gastronomia. Ementa à base de peixe, que é fresquíssimo e preparado de modo simples, na grelha, só com sal, com um arrozinho de amêijoas e coentros a acompanhar.  Mas não faltam outras especialidades algarvias.Ilha Deserta, Faro917 811 856 € 30
Noélia e Jerónimo Lugar de encontro de quem prefere a autenticidade dos sabores aos artifícios da culinária, dispondo-se a esperar a sua vez para se sentar numa mesa simples, escolher um prato simples e saborear comida simples mas... deliciosa. Avenida da Fortaleza, Loja 1, Cabanas de Tavira 281 370 649 € 20
Pezinhos N'Areia À entrada da praia, sobre a areia, diante do mar, sala e esplanada confortáveis com ambiente informal, mas contido, ementa com boas sugestões, sobretudo de peixes e mariscos e culinária cuidada. Praia Verde, Castro Marim 281 513 195 € 25

Magia by Criss Rips

Momento Esotérico

Quinta da Regaleira



Rui Moreira: o canto do cisne da independência

Os portuenses estão sempre a inovar e a mostrar ao país como se deve fazer.
A sua história assim o demonstra. Esta Cidade sempre deu exemplos de inovação e modernidade ao país que tão mal nos trata. 
Nas últimas eleições autárquicas, os portuenses colheram uma ideia: independência dos partidos de lisboa. 
Décadas de frustrações, décadas de gestão errada, décadas em que o ostracismo tomou conta da Cidade por força de edis e vereadores seguidistas dos mandatórios partidos da capital colonial.
Até que por fim, uma candidatura parecia ser a chave para o fim desse opressão. Rui Moreira surgiu com uma proposta que mereceu de uma franja importante de portuenses, os votos suficientes para o eleger. Rui Moreira a quem em tempos eu, quase que de forma premonitória, escrevi uma dissertação em que o apelidava de ser um dos herdeiros dos "24 do Porto" e por isso capaz de alavancar esta Cidade ao patamar de outrora...
Na noite de eleição, a frase pelo candidato vencedor deixou o alerta, aos partidos e ao país.
Por isso ao percebermos que Rui Moreira faz um acordo com o Partido Socialista de Lisboa deixa-nos destroçados na fé da mudança, na crença do novo paradigma. Fomos traídos.
Mesmo antes da tomada de posse, Rui Moreira apressou-se a meter a independência na gaveta, esquecendo-se que se foi a escolha de uma franja relevante da sociedade portuense foi pela sua independência partidária.
Porquê a pressa? Estaria esta decisão tomada antes das eleições? Parece que sim. Os discursos na noite eleitoral, com mútuos e sebentos elogios já preconizavam o cozinhado... Será que Rui Moreira tinha mesmo necessidade desta coligação? Em sede própria, os demais portuenses eleitos não poderiam apoiar as decisões do Presidente?  Que tristeza! Rui Moreira tinha plena capacidade para respeitar a independência que tanto apregoou sem se sujar com os partidos, com nenhum partido. Rui Moreira abdicou de si mesmo e fica refém da partidarite. 
Por força da mudança de residência, eu deixei de votar no Porto, mas como portuense filho de várias gerações de portuenses digo que Rui Moreira decepcionou-me. Outra vez (depois daquela perfídia da reunião do Movimento do Partido do Norte).  Afinal, a sua  independência morreu antes de ter nascido.

EDP: o tacho parlamentar

Paulo Morais afirma que:

“O parlamento tem uma comissão para acompanhamento para programa de existência financeira chamada: Comissão eventual para acompanhamento de existência financeira. Os mais importantes deputados dessa comissão têm todos interesses com a EDP (…) nomeadamente têm cargos diretos com a EDP e depois são eles próprios que fiscalizam o seu trabalho. Exemplificando:
Miguel Frasquinho (deputado do PSD) trabalha no grupo Espírito Santo, que foi exactamente a identidade que tratou da asseguria financeira da compra da EDP por parte dos chineses.
Adolfo Mesquita Nunes (deputado CDS-PP) que é advogado, que trabalha num escritório de advogados que trabalha para a EDP.
Pedro Pinto que também é deputado do PSD, e hoje é, vice presidente do PSD é consultor de duas empresas que dependem absolutamente da EDP.
Como é que estes senhores vão fiscalizar matérias que tenham a ver com a privatização e com a EDP com a comissão parlamentar ? “
Paulo Morais convida estes visados a terem um pouco de vergonha e mais afirma, que todos deveriam ir ao site do parlamento porque esta informação é pública. “Aqui podem ver os registos de interesse destes senhores e ver nomeadamente as ligações que eles têm com a EDP”.
Em sátira política ainda diz:
Devem ser senhores que de manhã vão trabalhar para os consultórios de advogados e depois à tarde vão para o Parlamento fiscalizar o que eles próprios fizeram durante a manhã
Estas informações são públicas e como é possível este país permitir situações de interesse desta envergadura, nomeadamente os maiores partidos do regime permitirem-se colocar na comissão que vai avaliar o programa de existência financeira, pessoas que tenham interesses em quase todas as medidas no programa de existência financeira.
O parlamento tornou-se num grande centro de negócios ao invés de defender os interesses nacionais…

Rendimento Básico



O rendimento básico incondicional é uma proposta de um sistema de segurança social em que cada cidadão tem direito a receber regularmente uma quantia de dinheiro suficiente para garantir condições de vida decentes. Este direito é garantido a todos os cidadãos, independentemente da sua situação financeira, familiar, ou de emprego.

Em Janeiro de 2013, a Comissão Europeia aceitou a Iniciativa de Cidadania Europeia para a Renda Básica Incondicional, dando início a uma campanha nos países da UE. O objectivo é recolher um milhão de assinaturas em apoio ao rendimento básico incondicional, até 14 de Janeiro de 2014. Assine aqui » http://tiny.cc/grnq4w


Se conseguirmos as assinaturas necessárias, a Comissão Europeia compromete-se a examinar a nossa iniciativa, e discutir publicamente esta proposta no Parlamento Europeu. 

O Mundo Celta e m 10 minutos

Porto d'outrus tempus

A construção do Palácio de Justiça, onde era o Mercado do Peixe


Momento Musical - Empire of the Sun

Momento Musical: Mikky Ekko - Pull Me Down

O Governo de lisboa esclarece


Queremos...


Salvação nacional

A austeridade que nos impingiram é socialmente insuportável, injusta e está apontada aos alvos errados. O Estado português tem de pôr as contas em dia.


É verdade. Se a receita anual anda na ordem dos sessenta mil milhões e a despesa nos setenta, obviamente que este défice tem de ser diminuído ou até eliminado. O Estado tem de reduzir – e muito – as suas despesas. Mas deve penalizar os que provocaram a crise e não todos os outros.
Em primeiro lugar, o Estado tem de poupar nos juros da dívida. Milhares de milhões de euros em cada ano, bem entendido. Não é admissível que os juros representem a maior despesa do Estado em 2013. É irracional. Seria como se alguém na sua economia familiar gastasse mais em lavagens do automóvel do que na alimentação dos filhos. É claro que este corte viria agastar o "lobby" da banca, Ricardo Espírito Santo, Fernando Ulrich ou até a filha do presidente angolano. E não há coragem política para o fazer. Além de que alguns políticos influentes são, eles próprios, administradores de bancos, de Vera Jardim no PS, a Lobo Xavier no CDS… entre outros.
Outra despesa a ser imediatamente reduzida é a das rendas com as parcerias público-privadas. Poder-se-iam poupar, sem dificuldade, mil milhões. Isto se houvesse coragem para enfrentar os maiores parceiros privados, como os grupos Mello ou Mota-Engil. Não há! Acresce que estes grupos garantem a sua intocabilidade colocando nas suas administrações atores políticos como Joaquim Ferreira do Amaral, Valente de Oliveira ou Jorge Coelho.
Muitas outras despesas se poderiam evitar no Estado, a começar na renda milionária contratada com o fundo detentor do Campus de Justiça em Lisboa, presidido por Alexandre Relvas, diretor de campanha de Cavaco Silva. Etc., etc., etc. A verdadeira salvação nacional consiste em cortar neste tipo de gorduras do Estado. E não nas pensões, nas reformas, ou nos salários e subsídios dos funcionários. E muito menos no ensino, na saúde ou na segurança social. Portugal precisa apenas de ser governado por quem, seguindo a máxima de António Vieira, impeça que "os peixes grandes comam os pequenos. O contrário seria menos escandaloso, porque um peixe grande poderia alimentar muitos peixes pequenos".

Compreender os incêndios florestais de 2013. A eucaliptização do país.

Programa Biosfera da RTP2 sobre as consequências do Decreto-Lei n.º 96/2013 relativo às acções de arborização e rearborização na floresta nacional