Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

Liga dos Campeões: Sentimentos contraditórios (que tótós)


Shakthar Donetsk vs FC Porto  
2:2





Publicação de Futbook.


Entretanto o lixo jornalístico deu-nos destas pérolas


Olha, olha quem anda pela Lousã

Daniel Palos  Photography

Diogo Quental; um Senhor, um Homem do Norte!

Attraction Shadow Theatre Group (Britain's Got Talent Semi-Final)

Deputados: para meditar


Se a maioria dos eleitores se abstiver nas próximas eleições legislativas, FICARÁ TUDO NA MESMA. Os deputados serão distribuídos, em cada círculo, proporcionalmente pelos partidos, mesmo que muito poucos votem. 
Mas SERIA DIFERENTE se os mandatos dependessem do número efectivo de votos. Seriam necessários cerca de 40 mil votantes para justificar cada deputado. Se assim fosse, com a abstenção que se verificou nas eleições de 2011, o Parlamento teria apenas 133 deputados, ou seja... 97 cadeiras vazias. [Paulo Morais]

Ribeira do Porto

Coisas bonitas

Ténis de Mesa: Portugal, Campeão Europeu 2014

8º Aniversário do Porto Canal

O dia em que o racismo lampião foi esmagado

O poder da empatia

Casa dos Segredos, by Nilton (ou como diz o Aventar, "merda que brilha no escuro")

Queria ver jogo de voleibol e acabou presa no Irão

Mais de 400 mil pessoas subscreveram uma petiçãoonline a pedir a libertação de Ghoncheh Ghavami, a jovem iraniana com passaporte britânico que foi detida durante o verão quando tentava assistir a um jogo de voleibol masculino num estádio em Teerão, capital do Irão.

O seu irmão, Iman Ghavami, lançou uma campanha online para defender a libertação da irmã e deslocou-se a Nova Iorque na tentativa de conseguir encontrar-se com o Presidente iraniano Hassan Rouhani, para interceder a favor daquela jovem de 25 anos de idade.
Licenciada em Direito pela Universidade de Londres, viveu na capital britânica até regressar com os pais a Teerão. A 20 de junho foi detida à entrada do estádio Azadi, quando tentava ir assistir ao jogo de voleibol masculino, manifestando-se contra a lei que proíbe as mulheres de assistirem a eventos desportivos na República Islâmica. As autoridades judiciais iranianas acusam a jovem de fazer propaganda contra o Governo.
Mais de 400 mil pessoas já subscreveram online a petição lançada pelo irmão a favor da libertação de Ghoncheh. No site Change.org, Iman explica que a Amnistia Internacional teme que a irmã esteja a ser sujeita a pressão psicológica e corra o risco de não sair viva da cadeia.

Oliver Stone recebe Medalha de Honra da Cidade do Porto

"We are all one"

Documentary about the lifestyle of the Awakened Life Project community in Portugal

Erros meus (muitos), má fortuna (o costume) e de novo a arbitragem!

Até agora 6 pontos muito mal perdidos, ROUBADOS até...

(está tudo dito, depois ouvir um jogador do Sporting, Patrício, elogiar a arbitragem...
- Benquerença limpou a folha - )

Quanto mais é preciso para a SAD falar?

Nunca subestimar o poder de uma grande história

Jackie Evancho - To Believe


Porto Belo

A oeste nada de novo


Shana Tova

Jews in Israel and throughout the world mark the beginning of a new Jewish year. Rosh Hashanah will be celebrated this year from sundown on Wednesday, Sept 24, until nightfall on Friday, Sept 26. 

As we pray for a year of peace, happiness and well-being, we extend to our best wishes for the new year to our friends around the world.

Ele roça-se nas partes íntimas de muitas das mulheres mais ricas e poderosas do planeta

Falo (do verbo falar) do sabonete Ach. Brito


Julgamentos apressados

Parque Natural do Alvão


O Alvão, maciço essencialmente granítico, culmina no Alto das Caravelas, ponto cimeiro da imponente escarpa rochosa que se precipita sobre os vales do Corgo e do Cabril. 



O Parque Natural do Alvão localiza-se no norte de Portugal, no distrito de Vila Real, abrangendo parte do concelho de Vila Real e de Mondim de Basto, perfazendo 7220 ha de área total.


Douro Marina

Lettice Rowbotham !

Porto d'outrus tempus


O chafariz da rua das Taipas, em 1961

À semelhança da fonte de São João, a construção do chafariz da rua das Taipas insere-se no plano de abastecimento de água à cidade delineado ao longo da segunda metade do séc. XVIII. A sua construção remonta a 1772, ano em que os moradores do largo do Postigo do Sol enviaram à Câmara uma petição para que fosse construída uma fonte nas imediações.

Actualmente encontra-se inserida entre dois prédios, o que acentua a sua aparente simplicidade. Compõe-se de nicho neoclássico de arco de volta perfeita, delimitado por pilastras, rematado superiormente por um pináculo central. Interiormente, um medalhão oval serve de boca de água, descarregando numa pequena taça semicircular, que por sua vez dá para um tanque que define inferiormente todo o conjunto.


[Foto: SIPA; texto: Direção-Geral do Património Cultural]


Timelapse Porto

Isto de continuar a "fazer as coisas pelo outro lado" já fede...

A Rotatividade da pancada...ora era o Danilo, ora era o Tello, ora era o Brahimi...normal...quando chegou a hora do Maicon...é que chegou a "coragem"!

Enquanto o FC Porto se mantiver a comer e calar ...

Attraction Shadow Theatre Dancers [HD] Britains got talent 2013 (auditions)

Igreja das Carmelitas

Linguagem do Amor

BES ... fica

Ninguém acredita nisto...

«O Benfica é o primeiro clube português a passar os 200 milhões de euros de proveitos consolidados» - Soares de Oliveira

Porto assoreado


Não me iludi com 6-0. "Eles" não nos estudaram.

Em Portugal eles pelo menos conhecem-nos.
Não me iludi com a caminhada até hoje: nunca vi um jogo deslumbrante e, pior, nunca achei um jogo suficientemente convincente para um candidato a campeão. Aliás o Presidente já tinha alertado: "eles ainda são bébés"...

Completamente molhado, da cabeça aos pés, cheguei ao estádio e tudo parecia indicar que não haveria jogo.
Havendo, percebi que aquela grande área, seria um problema. Foram as duas. 
Se nos primeiros minutos aquele centro não deu golo porque o esférico ficou ali retido no meio da lama, deixou um mau aviso: parecia tudo fácil. Complicou-se com aquela expulsão. Sabemos que jamais teremos a favor do Porto um expulsão semelhante (e ocasiões não vão faltar para isso), mas uma equipa do Porto TINHA QUE FAZER MAIS contra um cinzento e pobre Boavista, que ao termo futebol junta-lhe o "anti". 
No fim, o PORTO empatou porque não quis mais, pois tinha OBRIGAÇÃO DE FAZER MAIS.
Qualquer equipa, com um técnico inteligente, percebe que o PORTO NÃO TEM PROFUNDIDADE. Muito passe, bola para o lado e para trás, e por vezes umas jogadas bonitinhas. À excepção do prélio com o BATE, que não nos estudou bem, repito, iste futebolzinho do Porto é um deserto de rapidez, objectividade e acutilância. 
À semelhança da época passada, depois do roubo (então no Estoril, a semana passada em Guimarães), tudo começa a ruir.
Na pior altura este empate, na véspera de jogar com os viscondes de alvalade pode significar nova ruína da época que ainda agora começa. Um mau resultado para a semana, a possibilidade de poder ficar JÁ A 5 PONTOS do primeiro e de ver o arruaceiro do bruninho ultrapassar-nos pode ser o princípio do fim. JÁ!

Desiludido e sem vontade de voltar...

P.S.: não há ninguém do Porto que saiba fazer destas?

Dumas?


"Vejam com quem os árbitros vão jantar"

«Vejam com quem os árbitros vão jantar», desafia presidente após jogo com o Benfica B


Houve polémica no jogo da 2.ª Liga entre o União da Madeira e o Benfica B. A equipa encarnada esteve a perder e virou o jogo com dois penalties, com a equipa madeirense a ficar a jogar com 10 desde o primeiro. Factos que levaram Filipe Silva, presidente do União, a marcar presença em conferência de imprensa.


«É preciso investigar-se o que se passa na arbitragem em Portugal. Temos eco de muitas coisas à volta dos árbitros e eu desafio o Conselho de Arbitragem a ver o que os árbitros que vêm à Madeira fazem quando cá chegam, onde vão jantar e com quem vão jantar, para que a transparência e a verdade desportiva sejam salvaguardadas», afirmou o presidente, indignado com o que acabara de ver.

Filipe Silva acusou o árbitro do jogo de amadorismo e incompetência:

«Estamos numa liga profissional, há investimentos que são feitos pelas equipas, e, por isso, tem de se honrar o futebol. Não se podem nomear amadores para jogos profissionais. O que tivemos aqui trata-se de verdadeira incompetência».  [daqui]




Confirma-se que a equipa de Carnide faz mesmo o que quer da arbitragem:
Não é de agora. Pelo menos desde a época passada que vão ocorrendo arbitragens "estranhas" nos jogos em que o Boifica B intervém. Algumas reviravoltas "surpreendentes" transformam derrotas cantadas em vitórias "extraordinárias". 
As afirmações do "inenarrável" Presidente da Liga apontando um certo "modelo" que o Boifica está a usar, as contundentes afirmações de Luis Filipe Vieira em que este sustentava ser preferível fazer as coisas pelo outro lado e mais importante que vencer era ter os homens certos nos lugares certos, aliando a isto as recentes arbitragens sem pudor a favorecer a equipa da luz e em prejuízo dos seus concorrentes (quando não estes os prejudicados, como aconteceu na arbitragem "parecida  com encomenda" do último Guimarães-Porto) e ainda o facto do silêncio ensurdecedor dos encornados desde que os triunfos lhes caem às catadupas, joguem bem ou mal, deixa-nos perceber aquilo que já se entendia, ou seja, que "eles estão mesmo a fazer as coisas pelo outro lado" 

Os túneis do terror do HAMAS

Lt. Libby Weiss shows the inside of a Hamas terror tunnel and asks “What could have been done with 100,000,000 dollars used to build these tunnels?” What an incredible amount of money, given to the people of Gaza to be used for humanitarian needs has been poured into “terror resources”. Please, all governments sending money for humanitarian purposes into Gaza, send the money where it will really be used for humanitarian purposes. If you send money into Gaza, you won’t be supporting the people of Gaza, you’ll be creating resources of terror.


Reino Unido: better together

Para gáudio dos bifes ocupantes...



(I)literacia e futebol


Momento Musical: September Tears

Caledonia, you're calling me, now I'm going home

Beethoven´s 5th salsa

Quem se lembra?

Quem se lembra destes guardas de passagem de nível sempre de bandeira levantada durante a passagem de um comboio ?

Minas de Murçós - Macedo de Cavaleiros

Lema do ano lectivo 2014-2015

SÊ AMÁVEL E O MUNDO MUDA!

O Futsal feminino é muito violento...

Aconteceu num jogo AMIGÁVEL inserido no 3º Torneio Quadrangular Interassociações promovido pelo SC Canidelo, entre as formações do Futebol Clube Vermoim e os Restauradores Avintenses.
A jogadora Ana Azevedo do FC Vermoim foi violentamente agredida conforme se pode observar pelas imagens que dizem tudo...

Bate..Bate...levemente! Será chuva? Será vento? É goleada certamente!






Um jogo às 19h45m num dia de semana na Cidade do Trabalho é um duplo desafio para os cidadãos que amam o FC Porto e que sempre que a oportunidade chega (leia-se, disponibilidade financeira) dizem presente. 
Assim, sair do trabalho e ir a correr para o Estádio deixa-nos muitas vezes de barriga vazia. Não é porque o Estádio do Dragão não possua uma agradável área de degustação, ou pelo menos de uma área onde se pode "matar o bicho"; convenhamos, contudo, que nem todos apreciam (eu sou um deles) umas sandochas ou mesmo um pacote de pipocas. Por isso, acabado o espectáculo é correr para casa e consoante o resultado jantar como deve ser (quando é negativo - felizmente poucas ocasiões- nem entra nada e ficamos em jejum até ao dia seguinte).

Passando aos finalmente, o jogo 200 do FC Porto na Liga dos Campeões não podia ficar melhor marcado para a posteridade: 6-0 aos bielorrusos do BATE BORISOV!
Um resultado destes deve sr sempre valorizado, ainda que se diga que o adversário é mais "assado" do que "assim"...

Este novo team do FC Porto ainda não me entusiasmou, mas numa época em que ocorre uma revolução como não me recordo em 38 anos de sócio, dou de barato o entusiasmo e só me interessa o trabalho e os resultados.

Por isso percebendo que o jogo não tenha sido deslumbrante acho que foi sobretudo emocionante observar como vão crescendo os "meninos" do treinador do País Basco. Aliás, a certa altura pensei no jogo de Guimarães e cheguei à conclusão que se não fosse a "encomenda" arbitral, o resultado não teria sido um empate a uma bola mas um score como o de hoje, igualmente volumoso e com a manutenção imaculada da nossa baliza...

Assim, sem entrar em euforias ou em elevar as expectativas, penso que esta estrondosa goleada serve de bálsamo no crescimento de um grupo de jogadores que se quer equipa coesa e triunfadora, por muitos anos e onde começam a surgir os fora-de-série que habitualmente despontam no Dragão, refiro-me a Brahimi.

Embora já tenhamos visto por parte dos nossos adeptos algo semelhante no Dragão (creio até que no ano passado), e depois de um injusto desaire, felizmente não precisamos daquele patético exercício que a máquina da propaganda encornada usou ontem e hoje extraordináriamente ampliado pela hipócrita imprensa centralista, depois do baile, sim baile, que o Zenit presenteou os boifiquistas em pleno galinheiro, que foi transformar uma derrota humilhante e inapelável numa vitória cantada. Lampionices, portanto...

Viva o FC Porto!

P.S.: Na Eslovénia não sei o que foi mais bonito, se o golo do "português" Luka Zahovic (parece que ele nasceu em Guimarães) se o cabeceamento de Sarr (do cimo dos seus 1,96) se a assistência de Maurício, ha ha ha

O Porto esquecido

Cuecas à prova de "puns" (ou quase)

Como se dar bem numa entrevista de emprego

Quem era o árbitro?

Aquele abraço


... embora os porcos encornados tenham jogado desfalcados de Capela, de Xistra, de Mota, de Paulo Batista, e dos Rufos que os acompanham...

Brigitte Gabriel sem papas na língua

O "traidor da pátria" e apoiante das guerrilhas que mataram milhares de portugueses perdeu! Outra vez!

Absolvido de difamação, João José Brandão Ferreira tinha dito que Manuel Alegre traiu a pátria:

Brandão Ferreira absolvido do crime de difamação

 O tenente-coronel aviador (na reforma) Brandão Ferreira e o director do semanário "O Diabo", Esteves Pinto, foram hoje absolvidos do crime de difamação contra o histórico dirigente socialista Manuel Alegre.

O tenente-coronel João José Brandão Ferreira foi julgado por difamação por causa de artigos publicados em blogues, tendo o arguido reiterado em julgamento a tese que Manuel Alegre cometeu, aos microfones da rádio Voz da Liberdade, em Argel, traição à pátria, ao incitar os militares portugueses a desertar, ao conviver com os líderes dos movimentos de libertação de Angola, Moçambique e Guiné e ao ajudá-los na guerrilha contra as tropas portuguesas no Ultramar.
A juíza dos Juízos Criminais, citando jurisprudência do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem e o direito consignado na Constituição Portuguesa à liberdade de expressão, considerou que Brandão Ferreira emitiu a sua opinião sobre factos históricos e que não se verificou o crime de difamação.
Esteves Pinto foi absolvido depois de o tribunal admitir que à data da publicação de um artigo considerado difamatório do dirigente socialista, o arguido já não exercia, na prática, as funções de director de O Diabo, por motivos de doença.
Miguel Teixeira, chefe de redacção do jornal também à data dos factos, esteve ausente deste julgamento e foi declarado contumaz pelo tribunal, sabendo-se que o mesmo se encontra ausente no estrangeiro.
Um outro arguido do processo, o general Fernando Paula Vicente, assumiu na primeira sessão em acta de julgamento que foi em "estado de erro" que chamou "desertor" a Manuel Alegre, num "post" colocado num blogue, tendo, perante tais explicações, Manuel Alegre desistido da queixa e do pedido de indemnização cível contra este militar. Saiu assim do processo.
No final do veredicto, Manuel Alegre considerou a sentença "algo surpreendente", porque "a liberdade de expressão não permite tudo", designadamente que uma pessoa seja "difamada" ou seja alvo das "insinuações" em causa.
Manuel Alegre adiantou à Lusa que vai recorrer da decisão por uma "questão de dignidade e de princípio", insistindo que a "liberdade de expressão não permite tudo, não permite o atentado ao bom nome e à dignidade das pessoas".
Os factos e artigos alegadamente difamatórios foram divulgados antes das eleições para a Presidência da República, em Janeiro de 2011, nas quais Manuel Alegre foi candidato a Belém.
Alexandre Lafayete, advogado de Brandão Ferreira, disse estar "satisfeito" com a absolvição do seu constituinte, observando que em Portugal há "muitas ideias feitas", por políticos e por alguma comunicação social, que é "incómodo saber a verdade do que realmente se passou antes do 25 de Abril e o que certas pessoas, que hoje são notáveis, fizeram antes do 25 de Abril".
O causídico admitiu que a juíza considerou que que o mais importante é a "salvaguarda da liberdade de expressão", designadamente sobre o que se passou na guerra África, aludindo a jurisprudência do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem.
Na primeira sessão de julgamento, Nuno Godinho de Matos, advogado de Manuel Alegre, insurgiu-se contra a "agressão de carácter" ao histórico socialista, realçando a "coragem, o patriotismo e o dever cívico" do poeta e político socialista em combater um regime "tirano" e "cadavérico" que violava sistematicamente os direitos humanos, subjugando, pelas armas e com a ajuda da polícia política (PIDE), os naturais de Angola, Moçambique e Guiné.    [daqui]

Willie, o mais famoso escocês, logo a seguir a Sean Connery, fala sobre o referendo da próxima 5ª, que vai decidir a independência escocesa.

Portugal tem um Paraíso: o Parque Nacional da Peneda-Gerês

Dragão Dick Jaspers vence Taça do Mundo

O holandês Dick Jaspers (número cinco do Mundo), atleta do FC Porto, venceu, este domingo, a Taça do Mundo de Bilhar às 3 tabelas, frente ao belga Roland Forthomme (número 22 do Mundo), por 40-39.

O socialista Vara continua à solta!

Vara à solta

Como no jogo de Monopólio, dispõem do cartão ‘Você está livre da prisão’.

Armando Vara foi condenado a cinco anos de prisão efetiva. Mas continua à solta. Impunemente. Vara e Penedos, poderosos e ex-governantes, o sucateiro Godinho e seus cúmplices foram condenados à cadeia e a restituir milhões de euros. Mas ainda não cumpriram nem um dia e não devolveram nem um cêntimo. Como no jogo de Monopólio, dispõem do cartão ‘Você está livre da prisão’.
O processo ‘Face Oculta’ constitui, apesar de tudo, um avanço neste sistema de justiça desolador. A sentença proferida pelo Tribunal resultou duma ação bem conduzida pelos investigadores da Judiciária, capitaneados pelo destemido Teófilo Santiago. 
A forma cuidadosa como o Ministério Público proferiu acusação é também uma das chaves do sucesso. E, finalmente, um Tribunal corajoso proferiu uma sentença inédita, condenando corruptos e traficantes de influências. E que incorpora ainda uma fortíssima censura social à permanente promiscuidade entre a política e os negócios.

Mas neste processo ‘Face Oculta’ há forças – também elas ocultas – que impedem que se faça justiça de forma cabal. Os condenados, assessorados pelos mais ardilosos advogados, vão recorrer das sentenças para instâncias superiores. Usarão todas as diligências, provocarão todos os incidentes. O processo arrastar-se-á por anos e os criminosos continuarão à solta, uma vez que os recursos têm efeito suspensivo sobre as penas. Tal não deveria ser possível. A partir do momento em que uma instância judicial os condena a prisão efectiva, deveriam ser presos. Efectivamente, sem perderem, claro, a possibilidade de recurso, mas aguardando as decisões no sítio certo: a cadeia.
Há ainda um outro aspecto frustrante neste processo. Os condenados não foram obrigados a devolver à comunidade os montantes de que beneficiaram com os seus crimes. Os pagamentos a que foram sentenciados são apenas uma percentagem ridícula do que ganharam com todos estes negócios em que lesaram o Estado e empresas de capital público. Não se entende também.
Neste processo houve justiça formal, é verdade. Mas sem prisões, sem indemnizações e sem ressarcimento económico da sociedade – o que prevalece é a "face oculta" da justiça nacional: a impunidade.
Deputados e impostos
É possível aproximar os eleitores dos eleitos? 
Sim, para que cada um possa conhecer o seu deputado, bastará alterar o atual sistema eleitoral, que está obsoleto, num de dois sentidos: ou criar círculos uninominais e cada círculo passa a ter o SEU deputado; ou, em alternativa, em escrutínio de lista, o eleitor vota o partido e simultaneamente escolhe o seu deputado preferido na lista.

Como evitar os permanentes aumentos de impostos?
Bastaria que o Presidente da República fizesse o que lhe compete: demitir o Governo, pois este não honra o compromisso de campanha de não aumentar impostos. Sempre que se violam compromissos eleitorais, está comprometido "o regular funcionamento das instituições democráticas", que o PR tem obrigação de assegurar.

Presidenciais no Brasil
A corrupção está a dominar a campanha eleitoral das presidenciais no Brasil, que decorrem no próximo mês de Outubro. O escândalo da empresa pública Petrobras, que envolve dirigentes e luvas a políticos, já levou a presidente Dilma Rousseff a vir publicamente garantir que nada sabia. E a prometer, finalmente, tolerância zero à corrupção.
O princípio da luz
Opaco
Diana Ferreira. A deputada comunista tomou posse, apesar de ser 13.ª na lista do Porto, onde o PC apenas elegeu dois deputados. Ultrapassou 11 camaradas. Um total desrespeito pelos eleitores, fruto da feroz disciplina comunista.

Translúcido
Cavaco Silva. Defende um debate aprofundado sobre a dívida pública, no Parlamento. Muito bem. Mas, para Cavaco, "discutir a dívida pública não significa renegociar". Pode discutir-se o tema, mas desde que fique tudo na mesma.

Transparente
Henrique Trigueiros Cunha. Lidera o movimento de voluntários ‘Reutilizar’, constituído por cerca de 200 bancos de livros escolares. Promove entrega gratuita de manuais, alivia o orçamento de dezenas de milhares de famílias.

Porcos encornados: venderam alguns. mas seguraram os mais importantes


O Usain Bolt da Polícia...

Mais um árbitro que 'gosta' do benfica e que o prova em campo!

Árbitro assistente no D. Afonso Henriques "gosta" do Benfica

NUM JOGO EM QUE FORAM PERDOADAS 2 PENALIDADES CONTRA O GUIMARÃES E ONDE FOI INVENTADO UM PENALTI CONTRA O PORTO, VALTER RUFO ANULOU GOLO A BRAHIMI ...

Mais um árbitro que é apanhado nas redes sociais a vangloriar-se do seu afecto pelos encornados de lisboa. Valter Rufo, árbitro assistente n.º2 de Paulo Batista no V. Guimarães-FC Porto, assinalou gostar do boifica naquela que será a sua página no Facebook. Rufo, de 37 anos, é árbitro da Associação de Futebol de Évora, e foi ele quem assinalou, mal, o fora-de-jogo ao jogador do FC Porto, aos 72'. Paulo Batista teve como árbitro assistente n.º1 José Braga. A mesma equipa de arbitragem esteve no também polémico Benfica-Estoril, no final da época de 2012/2013, em que ficou uma grande penalidade por assinalar para o Estoril, aos 25', quando Artur pisou Luís Leal. Ainda neste jogo que terminou empatado a uma bola - e que permitiu ao FC Porto decidir o título no seu estádio, com um golo de Kelvin - persistiram dúvidas num lance em que Artur defende sobre a linha de meta.



Não é a primeira vez que um árbitro é visado por causa das suas preferências no Facebook. O ano passado aconteceu o mesmo com o bracarense Manuel Mota, que tinha também um "gosto Benfica".



Valter Manuel Dias Rufo integra a equipa de Paulo Batista há duas épocas e chegou à 1.ª categoria em 2012, pertencendo ao Núcleo de Árbitros de Futebol da Zona dos Mármores.


P.S.; já agora fica também a fotografia do outro artista, também ele alvo do "fazer as coisas pelo outro lado", de seu nome José Braga, da Associação de Futebol de Portalegre, e que inventou o penalti contra o Porto!

Lembram-se de um certo árbitro de Portalegre e dos benefícios encornados?

Mercado do Bolhão

Marinho Pinto

De crítico feroz das nojentas 'jogadas' na política, passa, num estalar de dedos, a um dos seus mais perfeitos executantes

Portugal precisa mesmo de políticos novos, eleitos directamente (e corridos da mesma forma) pelos cidadãos... E já agora presos como qualquer meliante, sem paninhos quentes da Justiça (quando esta deixar de estar enfeudada aos ... tais políticos)...

O poder dos quietos e contemplativos

Alguém se lembra da última vez em que os encornados foram prejudicados num jogo de futebol?

Líder da Juventude Soicialista, apoiante do António Costa fala de um ..."impoluto" robalo

"Novo" Banco, velhos hábitos (não tirem de lá a massa não)


A solução encontrada está à vista com a administração do Novo Banco em debandada geral. Começa a ser mais do que evidente que o "aquela-coisa-Novo-Banco" não vale o dinheiro que o Estado lá colocou e que, por muita publicidade que todos os dias faça, a sua marca não tem qualquer valor num sector altamente competivo.

PS.:  Os bancos novos envelhecem cada vez mais depressa!

APAF-FCPorto: hoje percebemos o poder do 12º jogador ... encornado!

À semelhança do ano passado, quando os árbitros fabricaram 2 golos a favor do Estoril contra o FC Porto, este ano, mais cedo, à 4ª jornada, chega o sulista Paulo Baptista e a corja encornada que o acompanhava, que depois de despejarem faltas à entrada da área do Porto e fabricarem foras de jogo e faltas no ataque no Porto, vendo que o Porto estava por cima, a ganhar, decidiram inverter a verdade do jogo. Eu cá sei o que gostava de lhes fazer... A quem: Paulo Batista, José Braga e Valter Rufo, para memória futura!


P.S.: Batista está no último ano de carreira; será que o artista já está a receber a reforma antecipada?

Germany after the War, 1945-49

Dia Europeu da Cultura Judaica


Como fingir uma falta

Funicular dos Guindais

Abre a porta, caramba!

Questão resolvida ?!


O "Costa Luminosa" visitou-nos hoje

O nosso Porto de Leixões hoje esteve em alta, aliás como quase todos os dias, chegam cruzeiros e alguns deles bem Grandes, Enormes.
Hoje Três navios de cruzeiro e entre eles uma estreia absoluta em Leixões, o "COSTA LUMINOSA".
A Costa Crociere deu ao País de marinheiros a honra de receber o seu mais recente navio, o Costa Luminosa. O Costa Luminosa (entregue no final de Maio pelos estaleiros Fincantieri de Veneza), é o mais recente navio da Costa Crociere. Apesar de novo, já figura no Guiness Book of records, ao inscrever o seu nome no duplo baptismo efectuado em Génova. Este navio possui 294m de comprimento e 32,25m de largura. De entre as muitas atracções que possui destacam-se o cinema 4D, um simulador de golfe com 37 campos virtuais, um simulador de fórmula um, um circuito para jogging e para patinagem ao ar livre e as 1130 cabines, das quais 772 com varanda. De referir, ainda, o Samsara Spa, um oásis de bem-estar com mais de mais de 2 000 m2, um tecto retráctil de cristal que permitirá desfrutar da área aberta em plena noite. Tem capacidade para receber 2 828 passageiros e uma tonelagem de 92700t. A sua partida ocorreu ao som de Andrea Bocelli.



Daniel Lewin: a primeira vítima e o primeiro herói do 11 de Setembro

Daniel Lewin, cidadão israelita e ex-oficial das Forças Armadas, foi a primeira vítima dos ataques terroristas de 11 de Setembro de 2001. Foi morto a bordo de um dos aviões, após ter tentado lutar contra os sequestradores.
Daniel serviu por quatro anos nas Forças de Defesa de Israel, na Sayeret Matkal, unidade de combate de elite do IDF. Deixou o Exército após alcançar a patente de capitão, graduou-se pelo Instituto de Tecnologia Technion, em Haifa, e recebeu uma bolsa de estudo para iniciar os estudos de pós-graduação em Filosofia no MIT. Enquanto esteve no MIT, ajudou a descobrir algoritmos inovadores para permitir aos sites lidarem com o tráfego intenso. Vários sites deixam de funcionar quando têm tráfego intenso e ele descobriu como distribuir o tráfego entre vários servidores. Co-fundou a Akamai Techonologies, que teve clientes como a Microsoft, Yahoo, Google e Apple.
Na manhã de 11 de Setembro de 2001, Daniel estava sentado no lugar 9b da classe executiva, no voo da American Airlines 11, a caminho de uma reunião de negócios em Los Angeles. Os sequestradores nunca imaginaram que poderiam vir a ser confrontados com um soldado israelita de elite, quando tentaram assumir o controlo do avião.
Relatórios da Comissão FAA do FBI, sobre o 11 de Setembro, indicam que Daniel entrou em acção para tentar impedir Mohamed Atta de entrar no cockpit. Daniel não teria notado Satam al-Suqami, que estava sentado atrás. Os relatórios sugerem que al Suqami assassinou Daniel por esfaqueamento na garganta.
Daniel Lewin foi oficialmente considerado como a primeira vítima dos ataques de 11 de Setembro. Deixou a sua esposa, Anne, e os seus dois filhos, Eitan e Itamar, que tinham respectivamente cinco e oito anos quando o pai foi morto.
Neste dia em que lembramos todas as vítimas dos ataques, vamos todos lembrar Daniel Levin, um soldado israelita de elite, morto heroicamente quando tentava impedir os ataques de se concretizarem.
A História de Daniel:
Fonte: United With Israel
- É esta a diferença entre a civilização e a barbárie. Uns edificam, amam, contribuem para o Bem comum. Outros, destroem, odeiam e semeiam o caos e o sofrimento. DE que lado está você?
- José João de Jesus
(Hiperligações no blogue  Amigo de Israel)

Our choice between two futures...

Como diz David, o meu antigo companheiro do falecido Partido do Norte, "Depois de ver este vídeo só me apetece ir já para a rua arregimentar nortenhos para lutarmos pela nossa autonomia. Quem é que me quer acompanhar?"

Piada do dia: Rússia adverte para ilegalidade dos ataques aéreos na Síria

Mundo árabe aceita integrar "frente unida" contra islamistas mas põe-se de fora das manobras militares. Rússia adverte para ilegalidade dos ataques aéreos na Síria.

O último (?) roubo do BES 'ORIGINAL' feito com a conivência da CMVM e do BP


Os pequenos accionistas do BES


Ao longo de 40 anos, para não ir mais longe, os pequenos aforradores tiveram sempre, ou quase sempre, uma especial protecção em Portugal. Trata-se de uma tradição ou princípio geral que decorre de simples e enraizadas considerações de natureza social e política.

Temos vários exemplos dessa discriminação a favor dos pequenos: a lei dasindemnizações, subsequente às nacionalizações de 1975, estabelece taxas de juro crescentes em função dos montantes a pagar a cada indemnizando; as leis dasreprivatizações, de 1988 e 1990, consagram uma quota-parte para os pequenos subscritores; junto do BdP, o "Fundo de Garantia de Depósitos" abriga os pequenos depositantes até 100 mil euros; junto da CMVM, o "Sistema de Indemnização aos Investidores" abriga os pequenos investidores até 25 mil euros; etc.

O aumento de capital do BES...

Aquele princípio geral de protecção ou benefício do pequeno aforrador foi absolutamente desprezado na chamada "resolução" da crise do BES. Os pequenos accionistas dizem-se maltratados pelo Estado e pelas suas instituições. Recapitulemos. Em 9 de Junho, o BES termina um aumento de capital reservado a accionistas: mais 1 607 milhões de novas acções (aumento de 40%), ao preço de 0,65 euros por acção. O correspondente "prospecto", enorme de 375 páginas, inclui avisos e reparos que a CMVM mandou, e bem, lá colocar, mas o pequeno accionista não é, claro que não é, o melhor destinatário e leitor desses cuidados. Logo a seguir, o BES cai no colapso e na lama. Em 3 de Agosto, numa operação-relâmpago, fulminante, coactiva, o BdP extrai do BES o "Novo Banco", NB, e entrega-o ao "Fundo de Resolução", FdR, por contrapartida de uma injecção de capital de 4,9 mil milhões de euros. Na imputação patrimonial, o NB fica com a carne, ao passo que o banco remanescente, o "BES em liquidação", fica com os ossos, fica com um Activo que será provavelmente inferior ao Passivo e, portanto, fica a caminho da falência: todos os accionistas do BES original poderão perder tudo.

E os pequenos accionistas? A constatação é tremenda, os pequenos accionistas não foram protegidos, não transitaram, sob uma qualquer forma, para o NB (que, sublinhe-se, é uma criação do Sector Público), nem transitaram para outra entidade pública. Foram cruamente remetidos para a massa falida ou em liquidação.

Como foi possível o sacrifício dos pequenos accionistas?

Pergunta-se, por que razão não foram protegidos os pequenos accionistas? Ao menos aqueles que investiram no fatídico, imperdoável, aumento de capital do BES de há semanas? Não podendo eles ficar como accionistas do NB (a lei "europeia" manda que o único sócio do NB seja o FdR), por que razão o Estado não concebeu uma solução adequada, legítima, razoável, coerente com o dito princípio tradicional e geral de salvaguarda dos pequenos aforradores?

A senhora ministra das Finanças (cito de memória) sentenciou que investir em acções é um risco de que todos, grandes e pequenos, devem estar cientes. Sim, a sentença é antiga e é, em geral, justa. Mas, atenção, é uma sentença relativa (os grandes sabem muito mais do que os pequenos). E, na circunstância, não foi muito apropriado alegar a sentença porque isso flagelou, ainda mais, os pequenos investidores e pode levá-los a concluir que erraram ao acreditar e confiar no escrutínio último das autoridades. Além disso, houve (não deveria ter havido) declarações de altos responsáveis políticos, cujas palavras cuidadas e escolhidas foram naturalmente bem escutadas pelos pequenos investidores.

Por consequência, o envolvimento do Sector Público atingiu elevado grau em todo este caso, quer no acto de "resolução", em si mesmo, quer no adjacente acto do aumento de capital, quer nas precedentes diligências de supervisão. Esse é o ponto. E é o ponto indissociável da protecção do pequeno aforrador.

Estamos a tempo de fazer o que tem de ser feito?

Por conseguinte, os pequenos accionistas do BES foram pisados em contexto regulado e finalmente determinado pelo Estado institucional. A que propósito e sob que conceito de justiça os pequenos accionistas foram excluídos de uma solução em simultâneo com a criação do NB? O regime de "resolução" pública das crises bancárias não há-de ser uma manta cega, exclusiva, absoluta. Se eu (seja-me consentida esta breve veste) estivesse no lugar de quem tem o poder de reparar os estragos provocados, não descansaria enquanto não encontrasse uma solução de leique permitisse salvaguardar os pequenos accionistas do BES (a definição de "pequeno", para o efeito, poderia vir por analogia com os casos que mencionei acima). E procuraria atribuir-lhes um preço por acção que fosse justo, nunca inferior ao preço do último aumento de capital. Atribuir-lhes-ia, como? Aí reside um óbice, que é, antes de mais, de ordem jurídica e requer imaginação e segurança conceptual, pelo que haveria de ouvir bons juristas. A construção da resposta caberia tecnicamente, e em primeiro lugar, ao BdP e à CMVM. E caberia politicamente ao Governo e ao Parlamento. Seria preciso aprovar um mini-quadro legal. Uma nova lei que, por exemplo - e avanço com uma sugestão -, facultasse aos pequenos accionistas a opção de vender ao NB as acções do BES. Estas passariam, assim, a figurar no Activo do NB, com a inerente imparidade. Sei bem que esta é uma hipótese de solução que certamente não agradará aos bancos contribuintes do FdR. Porém, pergunto: o dinheiro do aumento de capital dos pequenos subscritores, esse onde está? Pois não é verdade que está no NB?  [daqui]