Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

Insólitos e Desconcertantes (17)


Do putedo do Saldanha

(olhar o país através do postigo lisboeta)
(eis porque mais vale a regionalização do que viver sob a constante filho da putice lisboeta)


Uma questão de critérios


Menos de 24 horas depois do acontecimento, o Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol (CA) veio a público explicar que o golo que o Belenenses marcou ao FC Porto foi legal, contrariando o que defendem vários especialistas na matéria.

Não é comum o CA, por voz própria ou através dos árbitros, pronunciar-se sobre os lances polémicos da Liga portuguesa, mas esta época já é a segunda vez que acontece: à quinta jornada, foi a vez de Vasco Santos explicar que errou enquanto videoárbitro ao não reverter um penálti assinalado a favor do FC Porto.

Perante estes dois casos, mesmo discordando da substância das posições assumidas, elogiamos a coerência do CA, que intervém sempre em função do mesmo critério: só fala quando acha que o FC Porto foi beneficiado ou não foi prejudicado.

Ainda assim, como acreditamos que o CA não quer ser só coerente e também pretende ser justo, continuaremos confortavelmente sentados à espera que venham esclarecer:

- por que é que o segundo golo do Benfica no Bessa, há quatro dias, foi validado;
- por que é que o primeiro golo do Benfica frente ao Santa Clara, há 31 dias, foi validado;
- por que é que Florentino não foi expulso em Tondela, há 44 dias;
- por que é que não foi assinalado penálti por falta de Florentino sobre Gabrielzinho, em Vila do Conde, há 212 dias;
- por que é que não foi invalidado um golo em fora de jogo de João Félix, em Vila do Conde, há 212 dias;
- por que é que foi assinalado um penálti por falta inexistente sobre João Félix, em Braga, há 226 dias;
- por que é que João Félix não foi expulso, em Braga, há 226 dias;
- por que é que Florentino não foi expulso, em Braga, há 226 dias;
- por que é que foi mal anulado um golo contra o Benfica, na Feira, há 247 dias;
- por que é que foi assinalado penálti por suposta falta sobre Pizzi, na Feira, há 247 dias.

E podíamos continuar por aqui fora a elencar mais casos que o Conselho de Arbitragem ainda não teve a oportunidade de esclarecer. E é realmente uma pena que não o faça, porque ajudaria verdadeiramente a clarificar como é que o Benfica ganhou o campeonato passado e como é que lidera o atual com quatro pontos de vantagem.

Os Çossialistas estão cada vez mais eruditos...

Desconfio que esta ex ministra (da cultura) esteja a começar a padecer do maldito Alçaimer !... 

Um governo sem respeito nem vergonha na cara...

As primeiras medidas começam a 30 Fevereiro 2020

"Governo prepara estratégia nacional contra a corrupção"

Que tal falarem com o Rui Pinto?


Como se decidem os campeonatos


Insólitos e Desconcertantes (16)


Não será chegada a altura de começar a abater esta corrupção?


"Operação Glamour"


Condenado por lesar o Fisco em 60 milhões não tem de devolver um cêntimo ao Estado

Juízes do tribunal de Lisboa  !!!!! entenderam que o arguido não praticou o crime de branqueamento de capitais e, como tal, não foi decretada qualquer perda de vantagem.
Deu um prejuízo ao Fisco de cerca de 60 milhões de euros e foi-lhe calculado um património incongruente (não justificado por rendimentos) de 13,8 milhões, mas o empresário do setor do ouro, de 58 anos e natural do Porto, recentemente condenado a sete anos de prisão pelo crime de fraude fiscal agravada, nada tem de devolver ao Estado. (daqui)

Boavista. Serão mesmo do Porto? Só para relembrar! - Actualização!

A chamada de atenção era óbvia.
Os boavisteiros podem ser muito portuenses. Podem. Mas no fundo não o são. 
Odeiam o Porto e até têm um fraquinho por clubes de lisboa. Alguns até têm filhos e netos que são declaradamente portuenses e adeptos do corrupto benfica. 
Desportivamente basta assistir à "intensidade" com que jogam sempre contra o FC Porto e a forma desplicente e até reverente com que se ajoelham aos clubes de lisboa.
Afectivamente, ainda ontem, depois do jogo Belenenses/Pinheiro - FC Porto, após o cozinhado empate, um senhor DEPUTADO MUNICIPAL DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DO PORTO, boavisteiro, eleito pelo movimento de Moreira mas com um passado bem socialista (atenção Rui Moreira, veja lá quem escolhe para a sua bancada, á primeira espetam-lhe a faca nas costas...), saltou eufórico para o Facebook a gozar com o FC Porto. Com desdém, falava de "vingança servida fria", tudo a propósito de uma observação óbvia acerca do habitual "open legs" dos clubes dominados pelo corrupto benfica. No mínimo, como eu escrevi em comentário, era seu dever, REPITO, como deputado da assembleia municipal do Porto, abster-se de tal desiderato. Fica-lhe mal e até é insultuoso para os seus eleitores. Afinal o FC Porto é o clube mais representativo da Cidade e o único que faz frente à corrupção dos clubes de lisboa. ÚNICO, sr deputado. 
O clube daquele deputado municipal foi desterrado para a 3ª divisão e eles, boavisteiros continuam a prestar vassalagem ao corrupto clube que esteve por trás da sua descida aos infernos. Já agora, aquela dívida de 2 milhões, que felizmente os email puseram a nú, nunca foram esclarecidos. O boavista, na época do contrato que anda por aí,  não comprou qualquer jogador ao corrupto benfica e assumir uma dívida de 2 milhões é então o quê? Lavagem de dinheiro? Pagamento de favores? Já agora o sr deputado, sendo sócio apaixonado do Boavista bem que nos podia esclarecer. Como sabe, no Porto gostamos de contas limpas...

Em resumo: boavisteiros, portuenses de nascimento são, no fundo, lisboetas de clubite. Odeiam o FC Porto e preferem, na incapacidade de lutar honestamente co o grande rival da Cidade, vergar a cerviz aos clubes de lisboa. São portuenses? Se cá nasceram, são, mas não prestam. Não são de confiar.  São iguais aos portuenses benfiquistas. 

"Padre" João Pinheiro - para relembrar, mais nada...


O árbitro João Pinheiro, tem 30 anos, e já é árbitro internacional desde o final de 2015.

Caso dos e-mails


João Pinheiro é mencionado no caso dos e-mails numa troca de informações sobre o curso de árbitros de elite com o Nuno Cabral. Sendo que João Pinheiro só queria um favorzinho.
Como é óbvio, tal como o blogue Misterdocafé refere, o estágio correu de feição para o Padre João Pinheiro. Este tornou-se árbitro profissional aos 26 anos, quando ainda na época 2013/2014 passeava pela terceira divisão.

O Mostovoi de Viatodos

João Pinheiro é natural de Barcelos, mais precisamente de Viatodos, tal como referido no blog Misterdocafé, este é conhecido por “Mostovoi” em homenagem ao antigo jogador do Benfica.
O árbitro provém de uma família de benfiquistas como demonstrou o blog Tu Vais Vencer e começou a carreira de árbitro na Associação de Futebol de Braga, que por mera coincidência, o responsável pelas nomeações era o Adão Mendes, menino querido do Benfica.

As estatísticas nos jogos dos três grandes


Com o contributo do blogger Bai à Linha e Cruza, que pode ser encontrado no Twitter aqui e no seu Blogue aqui, ficam as estatísticas de João Pinheiro nos jogos dos três grandes, desde o início da sua carreira*.


*Gráfico atualizado no dia 12 de novembro de 2018

O Benfica é o clube que tem mais percentagem de pontos ganhos na totalidade dos jogos arbitrados por João Pinheiro. O Sporting CP é o clube com menor percentagem de pontos ganhos.
João Pinheiro é um padre com boas missas. Não é de estranhar quando este comunica com Nuno Cabral para pedir favores e quando cresceu na carreira com Adão Mendes por perto, um dos peões deste polvo.
FONTE: João Pinheiro - Opolvo

Seca: isto sim, é um desastre

A impressionante imagem das Cataratas de Vitória reduzidas a um fio de água

As famosas Cataras de Vitória, na fronteira entre a Zâmbia e o Zimbabué, estão reduzidas a um fio de água. Aquela que já é considerada a maior seca do século é mais um alerta sobre os riscos do aquecimento global.
Durante décadas, as Cataratas de Vitória, Património Mundial da Unesco, atraíram milhões de visitantes, graças ao cenário espetacular em que se pode ver uma queda de água com mais de 100 metros.
A pior seca do século reduziu a queda a um pequeno fio de água, naquilo que é mais um alerta sobre os riscos do aquecimento global. Apesar de ser habitual o fluxo de água diminuir nesta altura do ano, as autoridades locais admitem que nunca houve um declínio como o deste ano.


Há uma "certa" justiça na corrupta lisboa e outra no resto do País...


Porto na pintura (49)

(Jorge do Carmo)

Insólitos e Desconcertantes (15)


Insólitos e Desconcertantes (14)


Boavista. Serão mesmo do Porto? Só para relembrar!

LEMBRAM-SE?
UM PORTISTA NÃO ESQUECE NEM PERDOA!

jorge de sousa? Na dúvida há que optar! E opta-se pelo clube do coração...


luis vieira & juiz rangel


Insólitos e Desconcertantes (13)


Esta coisa ainda se mantém em funções

Ivo Rosa derrotado pela 11ª vez na Relação, desta vez por não querer considerar declarações de Salgado – Observador


Tomás Esteves



En abril, el Oporto se convirtió en el primer equipo portugués en ganar la Youth League. Los 'dragones', que también alzarían la Liga portuguesa sub 19, tuvieron en su equipo titular, tanto en la final (3-1 ante el Chelsea) como en las semifinales (0-3 contra el Hoffenheim), a dos jugadores nacidos en 2002: Tomás Esteves y Fábio Silva fueron determinantes para la conquista de un torneo en el que podían jugar futbolistas del año 1999.
Tomás Esteves, lateral derecho nacido el 3 de abril de 2002, es todo un fenómeno de precocidad. La temporada pasada, en la que empezó con 16 años de edad, realizó 34 partidas con el sub 19 del Oporto. Fue un fijo en Liga (28 encuentros) y se ganó un puesto en la Youth League a partir de octavos. En los cuatro partidos finales del torneo, fue titular en todos.


Nota pessoal: uma cláusula de 10 milhões? Dez? A SAD mais uma vez a dormir?


Insólitos e Desconcertantes (12)


Alegadamente, o novo especialista nomeado pelo Ministro do Ambiente...

Já vem com a escola toda. Entre 2017 e 2018 foi presidente da associação académica da FDL


Portugal tornou-se um manicómio a céu aberto, onde os cidadãos trabalhadores estão a ser escravizados para sustentar quem se recusa a trabalhar


Isto pode muito bem explicar a vitória do PS nas legislativas. Os tugas andam a ver mal!


Insólitos e Desconcertantes (11)


Merry Christmas, Mr. Bean | Episode 7

Sem fronteiras: a verdade da mentira (*)



Mais dois ataques com facas, um em Londres outro em Haia, vieram-nos lembrar que o terrorismo vive silenciosamente no meio de nós e somos alvos muito fáceis ao contrário do que nos querem fazer crer.  Estes assassinos não precisam de armas compradas em lojas. Com facas e explosivos de fabrico artesanal matam e fazem-se explodir  apenas por motivações ideológicas. E nós, nem com medidas de segurança sofisticadas estamos a salvo. Essa é a triste realidade.

Sou do tempo em que na Europa, quando se falava de terrorismo, ou era a ETA ou o IRA cujo o alvo eram membros dos governos ou juízes. Ataques com facas e homens suicidas no meio de multidões de civis só mesmo no médio oriente. Como é que importamos isto?

A resposta podemos encontrá-la num magnífico documentário – Borderless –  da jornalista canadiana Lauren Southern. Infiltrada durante 4 meses, entrevistou traficantes, migrantes e responsáveis por estas passagens para a Europa. Um trabalho jornalístico de alto risco mas muito revelador do tráfico humano, um negócio milionário.

A crise das migrações deu-se em 2010  com a Primavera árabe e o fim dos ditadores que trouxe uma onda de deslocados para a Turquia, Líbano, e Jordânia com muitas incompatibilidades culturais pelo meio. Em Ayvalik na Turquia a jornalista falou com locais que revelaram que “esta rota abriu em 2013 para a Grécia e que desde então as mulheres da região já não podiam ir para os campos sozinhas; que por ali passam  milhares de seres humanos por dia; que os traficantes agem como uma máfia e estão armados com AK47; a população vive com medo. O preço da passagem para Lesbos e outros destinos  são 1000, 2000, 3000, 4000 dólares. Não são refugiados porque esses não têm meios económicos, nem são pobres nem crianças. E também não é trabalho humanitário”. Outra travessia deste “negócio” dá-se por Marrocos para Espanha. Os passaportes e documentação são propositadamente destruídos para que não sejam deportados.

Em  Lesbos são colocados num campo para 3000 pessoas mas que já excedeu os 11000 “refugiados”.  Nele há assassínios, violações, estupros. É um lugar perigoso onde matam enquanto dormem porque está cheio de grupos étnicos diferentes que não se toleram. Os migrantes não se sentem seguros e muitos dizem-se arrependidos.

Alguns denunciam à jornalista subornos pedidos por médicos gregos do Governo para conseguirem a legalização – “os Papeis” – que é um pedido médico atestando que aquela pessoa tem um problema grave de saúde e tem de ser transferida urgentemente para Atenas ficando assim automaticamente “legal”. Denunciam ainda que o ISIS está no meio deles disfarçados de refugiados. Dizem que há no campo  2000 ou mais de ISIS que fugiram do Iraque e Síria porque foram derrubados nos seus países e atacam com facas ateus, cristãos, judeus, jazidis e curdos no acampamento. Chegam a pedir câmaras de vigilância às autoridades para os protegerem mas ninguém se importa com isso.

Estes “refugiados” têm o suporte do Departamento Europeu do Conselho dos Direitos Humanos da ONU que vão aos campos fazer entrevistas para rastreios. De 2015 a 2016,  dos 80% dos pedidos de asilo de sírios e 20% de outras nacionalidades,  só 3%  foram rejeitados.

A jornalista fez uma gravação de uma entrevista a  uma CEO da ONG “Advocates Abroad” que faz assessoria aos migrantes – Ariel Riker – onde ela explica que os ensina  a mentir aos guardas costeiros, como ajuda a criar um falso perfil fazendo-os  passar por cristãos, encenando uma narrativa credível junto dos representantes da ACNUR. A gravação saiu nos média. Você ouviu alguma coisa? Houve consequências? Pois.

Os repórteres também se infiltraram nos barcos das ONG e entrevistaram um comandante que afirmou que apenas “salva vidas” e que não lavou a quantia de dinheiro de que era acusado. “No máximo 500 mil, muito menos que outras ONG´s” – disse seu advogado. Provou-se que o que alimenta este “humanitarismo” são os milhões que o sustentam. Milhões! Nada mais. Consequências? Zero. A “missão” prossegue.

Esta imigração ilegal financiada custa cerca de 200 biliões de euros por ano aos 27 países da UE. Não é sustentável. Toda a imigração que vai além das necessidades de cada país, provoca sérias dificuldades económicas e muita pobreza não só aos nativos como aos que chegam. Mas isso não parece preocupar ninguém. Muito menos UE e ONU. Esquisito.

A jornalista quis saber o que era feito daqueles que se aventuraram a sair dos seus países e se tinha valido a pena. Em Paris um migrante do Mali, a viver debaixo de uma ponte, conta que foi um erro. Que esperava ser legalizado, trabalhar e mandar dinheiro para a família. Sente-se traído.

Foi saber de outros que entretanto conseguiram asilo na Irlanda. Uma refugiada política do Zimbabué por oposição a Mugabe, outra da África do Sul por perseguição à sua integridade física por suspeita de ser lésbica, explicam que são gratas ao povo que as recebeu e compreendem a animosidade dos irlandeses que não os vêem com agrado porque têm receios, compreensíveis,  pelo seu futuro.

Na verdade a Irlanda nem nos piores momentos económicos do país teve sem abrigos a viver na rua mas agora o cenário é devastador. Os escassos  recursos estão a sair para estrangeiros. Deixar entrar o 3º mundo, sem quotas,  para colocar os nativos em dificuldades, por dinheiro, é desumano e dão uma visão negativa da imigração. Não se pode ter fronteiras escancaradas  quando não se tem condições para cuidar do próprio povo que trabalhou e descontou para ter uma vida digna.   Mostrar insatisfação pela situação é considerado  “racismo e fascismo”, a arma de silenciamento preferida dos que  vivem à custa desta exploração da miséria   sem nenhuma preocupação com o destino que estes  têm depois de entrarem na Europa.

Não são todos invasores, assassinos,  nem tão pouco são todos fugitivos de guerra. São pessoas, a maioria migrantes económicos que venderam tudo o que tinham para pagar uma travessia onde lhes prometeram acesso fácil ao “paraíso social”.   Estas pessoas compraram uma mentira por muitos milhares de dólares. Um crime ironicamente “abençoado” pela UE e ONU. Porquê?

Veja aqui o documentário completo:

Ainda há uma réstia de esperança.... Vocês sabem do que estou a falar!

Antigo candidato à presidência do benfica, o clube mais corrupto do país, o juiz Rui Rangel, foi hoje expulso pelo Conselho Superior da Magistratura, por envolvimento no processo criminal, Operação Lex. É também arguido no mesmo processo criminal, o actual presidente do corrupto benfica, Luís Filipe Vieira.

Aposentação compulsiva para Fátima Galante

QUESTÃO:
Ainda há algum presidente, ex presidente ou candidato à presidência do corrupto benfica que não esteja envolvido em casos de polícia?

A OPA do corrupto clube e a habitual distracção da CMVM

Insólitos e Desconcertantes (10)


Todos querem ver a greta

Quem faz greve com governo das esquerdas leva...

  • Primeiro atacaram o sindicato dos motoristas, ninguém ligou porque era inorgânico...
  • Depois ameaçaram os enfermeiros, “bem feito” porque a bastonária era de “direita” ...
Agora habituem-se... 

Quem faz greve com governo das esquerdas leva...


Para que serve o corrupto e lamacento parlamento lisboeta?

Na actual AR dá-se o estranho fenómeno da multiplicação de votos. Os ditos são de pesar, louvor, condenação, congratulação, repúdio. Sobre temas internacionais, futebol, ovelhas. Até hoje já são 70 votos, isto é 7 vezes mais que em igual período da anterior. O que lhes terá dado?

Corrupto benfica: business, as allways


Insólitos e Desconcertantes (9)


Multiculturalismo: a falência das políticas da patética e perigosa esquerda europeia

Os já repetidos e cada vez mais frequentes ataques promovidos por admiradores do Alá, em todo e qualquer sítio à escala global onde existem vestígios de presença cristã ou católica, desde a repetida destruição de património até à frequente matança de seres humanos, demonstram que o multiculturalismo trazido, posto em prática e defendido no ocidente por perigosos partidos de esquerda e de extrema esquerda está definitivamente morto.
Deve ser estancado: os líderes ocidentais devem repensar e até mesmo "devolver" esses assassinos à sua terra natal. Está claro que aquela crença num pedófilo assassino não pode ser mais tolerada como "religião de paz". O islamismo só poderá ser eventualmente tolerado no dia em que, nos países onde crescem esses infames e canalhas assassinos, hajam igrejas católicas, sinagogas e outros cultos onde os seus acólitos não sejam perseguidos só porque não são muçulmanos.
Continuar a acolher esses vermes no solo europeu será o fim da civilização. Estou farto do "politicamente correcto" habitual de uns tipos que chegam momentaneamente ao poder  e que se acham donos da verdade, abrindo as nossas casas, os nossos cofres e a nossa vida a seres que se comparam a escorpiões. E o escorpião mata porque é a sua natureza...
Estamos perante um verdadeiro combate civilizacional. Em que uns se querem impor, a mal, sempre e cada vez mais pela força e pelo terror. Ora isto não se pode tolerar!

Sabem onde fica a Estónia?

No Observador, um artigo de opinião 
( O “milagre” liberal ) por Luís Areias:
[…] Ocupada pela URSS até 1991, o PIB per capita em 1995 era de uns míseros 5.292 euros o que compara com os 12.116 euros de Portugal no mesmo ano. Volvidos 23 anos, o PIB per capita estónio era de 25.087 euros que compara com os 23.397 euros portugueses.
Refira-se que a Estónia apenas aderiu à União Europeia em 2004, isto é, 18 anos após a entrada de Portugal. Não obstante Portugal ter partido de uma base de riqueza de mais do dobro da Estónia, de ter beneficiado de fundos europeus por mais 18 anos que a Estónia e da dívida per capita em Portugal ser quase 15 vezes superior a da Estónia (23.831 euros vs 1.624 euros), em 23 anos a Estónia é hoje um país mais próspero e mais desenvolvido que o nosso.
[…] A Estónia é uma economia com melhor rating de dívida que Portugal (2019); melhor posicionada no ranking de inovação (2018); com uma taxa de desemprego inferior à portuguesa (3,9% vs 6,6%) (2019) e com desemprego de longa duração muito inferior ao nosso; melhor posicionada no ranking de capital humano (12º vs 43º) (2017); melhor país para se fazer negócios (16º vs 34º) (2019); com mais imigração e menos emigração que Portugal, sinal de maior atractividade; melhor posicionado no ranking global de competitividade (32º vs 34º) (2018); onde a percepção de corrupção é menor (18º vs 30º) (2018); melhor posicionado no ranking mundial de felicidade de 2019 (55º vs 66º); melhor posicionado no índice global de diferença de genéro em 2018 (33º vs 37º) e com uma taxa de natalidade e um índice de desenvolvimento humano superior ao nosso (2017).

Afinal, para onde vão os nossos impostos ?

Portugal com o Terceiro Menor Investimento Público Per Capita da União Europeia

Portugal uma vez mais na cauda da Europa, desta vez no que diz respeito ao investimento público. Por comparação, a Irlanda regista um investimento per capita cerca de quatro vezes maior, a Estónia cerca de três vezes maior e a Letónia cerca de duas vezes maior.

Porto na pintura (48)

(Vanessa D'Azevedo)

Insólitos e Desconcertantes (8)


Insólitos e Desconcertantes (7)


Insólitos e Desconcertantes (6)


Empresa tecnológica do Porto (...) distinguida pelo governo britânico


A iniciativa empreendedora e o talento de uma empresa tecnológica do Porto voltaram (…) a colher reconhecimento internacional com uma distinção atribuída pelo governo britânico. A Blip recebeu o "Overseas Direct Investment Award" pelos seus contributos para a relação comercial entre Portugal e o Reino Unido.

A distinção, atribuída pelo UK Department for International Trade (DIT - departamento governamental britânico de comércio externo), foi (…) entregue aos responsáveis pela Blip durante a 11.ª edição dos DIT Business Awards, na residência oficial do Embaixador do Reino Unido em Portugal, Graham Stuart. 

O "Overseas Direct Investment Award" (Prémio de Investimento Directo no Estrangeiro) reconhece e valoriza a promoção de boas relações comerciais e de investimento entre Portugal e o Reino Unido para que tem contribuído a actividade da empresa tecnológica do Porto, que produz software à medida para web e mobile.

"Sentimo-nos honrados com este reconhecimento, que é o reflexo do esforço e da dedicação que a nossa equipa entrega ao trabalho. É também o resultado de uma estreita relação que a Blip, nascida e criada no Porto, tem com a sua casa-mãe, no Reino Unido, e com muitos outros mercados no mundo", afirma Hélder Costa, head of technology da Blip. 

O "Overseas Direct Investment Award" realça o trabalho desenvolvido por empresas sediadas num determinado país, mas cuja actividade e investimento incidem noutros mercados, como é o caso da Blip.

A empresa fundada em Portugal e onde trabalham cerca de 310 colaboradores é responsável pela gestão e desenvolvimento tecnológico de plataformas de jogo online presentes em 120 países e utilizadas por mais de seis milhões de clientes das várias marcas da multinacional Paddy Power Betfair. O software desenvolvido na cidade do Porto é 100% exportado, transformando a Blip num dos principais tech hubs à escala global.

"As distinções feitas às empresas que apoiam a agenda de crescimento económico bilateral são reconhecidas pela comunidade empresarial portuguesa como uma importante valorização da sua capacidade de internacionalização e do seu esforço empreendedor", salienta João Sebastião, diretor do DIT Portugal. Para este responsável, "os DIT Business Awards são um momento de celebração das relações comerciais entre o Reino Unido e Portugal, e das sinergias que se criaram entre os dois países".

A Blip tem-se destacado pela valorização dos seus colaboradores e pela sua estratégia de employer branding, o que já lhe valeu, neste ano, o prémio de 3.ª Melhor Empresa para Trabalhar em Portugal e de Melhor Espaço de Trabalho, pela revista "Exame", uma lista que, aliás, já liderara em 2017