Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

Curiosidade

Às 12hr 34 minutos e 56 segundos, a 7 de Agosto deste ano 2009
a hora e a data vai ser precisamente: 12:34:56 7/ 8/ 9 .
Ou seja:
1 2 3 4 5 6 7 8 9
Isto nunca mais vai acontecer nos próximos mil anos!!!

"Estou a fazer as coisas por outro lado..."

ou uma forma engraçada de dizer CORRUPÇÃO à moda do benfica!

Escreve Miguel Sousa Tavares, na sua coluna semanal no jornal do benfica:

"Graça Rosendo vem da escola do jornalismo de investigação do extinto «Independente» (o bom, porque também houve o mau), o que quer dizer que não é propriamente uma menina recém-chegada ao jornalismo, disposta a escrever qualquer coisa que o director lhe diga que faz vender jornais. Assim, a peça que ela escreveu no penúltimo número do «Sol», sobre as dívidas do Benfica à Euroárea decorrentes da construção do centro de treinos do Seixal, é história que merece ser analisada mais de perto. Aliás, o artigo que logo se seguiu sobre o assunto, aqui, na «Bola», e a reacção do porta-voz da Luz, demonstraram bem que o tema gera bastante desconforto.Desde logo, salta à vista o facto de, no conjunto de uma dívida cujo total chega aos 24,5 milhões de euros, o Benfica ter já falhado a primeira prestação, de apenas 2,5 milhões, titulada por uma letra de que é avalista. E se falhou o pagamento desses 2,5 milhões, como honrará, em Setembro, o pagamento dessa quantia mais os 22 milhões que então se vencem?

A segunda coisa que não pode deixar de preocupar alguns benfiquistas é pensar que esses 24,5 milhões representam o dobro daquilo que efectivamente era devido, mas que a falta de cumprimento contratual por parte do clube fez accionar a cláusula penal do contrato — a qual previa exactamente a duplicação do montante em dívida. E também deve dar que pensar que esses 24,5 milhões representem exactamente aquilo que o clube já gastou em contratações para a próxima época e representem também o total do orçamento do futebol para a época agora iniciada — e de onde tal dívida não consta orçamentada.

Mas isso são preocupações dos sócios benfiquistas, se as quiserem ter. E a verdade é que os sócios benfiquistas, que votaram maciçamente em Luís Filipe Viera há poucas semanas, ouviram-no dizer na campanha eleitoral que não lhe falassem do défice, se queriam ter uma equipa de futebol competitiva. E há poucos dias, os sócios benfiquistas desertaram também maciçamente a Assembleia Geral onde as contas e o orçamento do próximo ano foram aprovados. A mim, as dívidas do Benfica não me interessam nem me ocupam — excepto se, como também se pode inferir da notícia de o «Sol», elas vierem a ser cobertas, no todo ou em parte, pela Caixa Geral de Depósitos, porque aí já são os dinheiros públicos que entram em cena e julgaria inaceitável que o banco do Estado andasse a financiar um clube que, em lugar de pagar dívidas, compra jogadores. Mas, tirando essa situação, o que me preocupa, e tem ocupado aqui bastas vezes, são as contas e as compras do FC Porto.

Porém, se venho a este tema, é porque há, na peça da Graça Rosendo, uma parte que me fez disparar uma campainha de alarme. Como é que a direcção da SAD do Benfica, presidida então, como agora, por Vieira, se propôs pagar à Euroárea os custos da compra do terreno e construção do centro do Seixal? Em dinheiro, em partilha de receitas, em direitos de exploração? Não: propôs-se pagar em forma de tráfico de influências politicas. É isso mesmo que se infere do contrato assinado entre ambas as partes. O Benfica propôs à Euroárea cumprir a sua parte do contrato obtendo da CML a autorização para mais 1 800 metros quadrados de construção a favor da Euroárea na urbanização dos terrenos da Luz, e obter da CM Seixal idêntica licença para ampliação em 30 000 metros quadrados da urbanização na Quinta da Trindade, no Seixal, de que esta empresa é proprietária.

Ou seja: o Benfica propôs-se servir de intermediário da Euroárea e junto das edilidades de Lisboa e do Seixal, a favor dos interesses da empresa. E se o fez, e se a Euroárea o aceitou, é logicamente porque a empresa concluiu que, por si só, não conseguiria convencer as autarquias a reverem e revogarem os planos municipais já aprovados. A Euroárea reconheceu não ter força de influência politica para o conseguir; mas reconheceu também que o Benfica a tinha. E foi com este pressuposto que assinaram o contrato. Estamos perante um chocante caso de tráfico de influências, feito por um clube de futebol a favor de uma empresa privada e no interesses de ambos. A força da «marca Benfica», como costumam dizer, é de tal ordem, que a direcção presidida por Luís Filipe Viera não hesita em assinar contratos onde se compromete a obter de autarquias regimes de excepção a favor de terceiros!

Em tempos, e perante o silêncio geral, expus aqui detalhadamente o que foram os extraordinários contratos de favor celebrados entre Benfica e Sporting, por um lado, e a CML, então presidida por Santana Lopes, por outro, e que permitiram a construção dos novos Estádios da Luz e Alvalade XXI. Já lá vão cinco anos e recordo apenas que, entre várias facilidades de construção excepcionais e outras alcavalas, a CML (eternamente arruinada) deu, literalmente dado e em «cash», 15 milhões de euros a cada clube. O contrato era de tal forma impressionante que a última cláusula estabelecia (ó santa inocência!) que nos próximos dez anos nenhum dos dois clubes teria mais o que quer que fosse da CML.


O Sporting conseguiu recentemente que um tribunal arbitral, aceite pela CML, lhe outorgasse mais uns direitos de construção extra em terrenos tão próximos do estádio que basta olhar para a sua localização para perceber o regime de favor e excepção de que beneficiou. E o Benfica, pelos vistos, ainda se reserva o direito de obter o mesmo, directamente a favor de terceiro. E pensar que, depois do grande regabofe entre câmaras e clubes a pretexto do Euro-2004, o único «escândalo» que ocupou a imprensa e o Ministério Público foi a permuta de terrenos entre o FC Porto e a CMP! Ao menos o FC Porto, quando se abalançou à construção do Estádio do Dragão, era proprietário de 17 hectares de terrenos na zona, livres e disponíveis. Quantos tinham Benfica e Sporting?

VOLTANDO ao contrato entre Benfica e Euroárea, o que parece ter complicado a posição contratual do Benfica é que, por um lado, a CM Seixal ainda não outorgou a tempo o alvará a favor da Euroárea que o Benfica se comprometeu a obter, e a CM Lisboa levou a expansão da área de construção da Luz a votação camarária e o projecto não passou. Houve uma votação que terminou empatada 5-5 e o presidente e benfiquista António Costa fez uma prévia declaração prescindindo do seu voto de qualidade. O Benfica já juntou o inevitável parecer jurídico, sustentando que o presidente, quando vota, tem sempre voto de qualidade (e devo dizer que, juridicamente, também acho o mesmo). Mas, no mínimo, o que António Costa deveria ter feito era abster-se na votação, ou, melhor e mais normal, ter recusado liminarmente o projecto porque cidade alguma pode ser governada com decisões de excepção a favor de clubes de futebol que vivem eternamente acima dos meios normais de que dispõem. Chama-se a isso fomentar a concorrência desleal e chama-se a isso dispor de coisa pública em benefício de interesses particulares.

Depois não venham dizer que o futebol é um mundo à parte. Alguma coisa está podre quando um clube assina contratos em que se compromete a obter junto das autarquias autorizações de construção a favor de terceiros."

Ainda pensa votar no biltre?

Desde 2004, a cidade do Porto perdeu por dia à volta de 16 pessoas e ficou com menos 23.036 residentes...

Região Norte entre as mais pobres da UE

1.000.000 de desempregados !!!

Enquanto a capital tem mais de um milhão de parasitas, designados funcionários públicos, que têm sempre o salário garantido e pouco fazem para o merecer, conforme estudo hoje divulgado que afirma que o funcionalismo público portugês é que que menos trabalha na CE, a Região Norte de Portugal, ano após anos afunda-se e é afundada no mar da pobreza.
Assistimos a violentos investimentos públicos na região de lisboa.
Sabemos que muitas dessas verbas gastas em lisboa são ROUBADAS à região Norte.
Sabemos que os biltres sulistas têm a distinta lata de, contabilísticamente, imputar essas verbas ao Norte, fintando dessa forma Bruxelas.
Até quando vamos aturar isto? Até quando vamos querer fazer parte desta república, sulista e elitista?
"No ano 2000, as duas sub-regiões do Minho e Alto Douro e Trás-os-Montes foram identificadas como as mais pobres da UE-15. Por isso, a União Europeia injectou na região Norte cerca de sete mil milhões de euros entre 2000 e 2006 para que houvesse um crescimento de 4,5 por cento neste período, mas não só a região não cresceu como ainda por cima contém a sub-região mais pobre da UE-27".

Por outro lado...

Porto cannot offer the wages that other major European clubs can, but are an attractive prospect for South American players as they get Champions League football, regularly win silverware and, perhaps most importantly, provide a stepping stone for them to gain an EU passport. Such a move grants players the chance to move to other European clubs, without the problems of gaining work permits and visas - making them vastly more appealing to potential suitors further down the line.

While Porto continue to gain critics for their approach, it is hard to argue against what they are doing. A club with ambition, but not an overinflated sense of where they should be in European football, the Portuguese side will continue to make a profit on their star players, while they bring new ones through to replace them at bargain prices.

A model of how mid-ranging European clubs should be run, the Dragons might initially cringe at the prospect of another season of rebuilding but, if they continue to win trophies, then another summer of upheaval will quickly be forgotten.


in http://soccernet.espn.go.com

Torneio dos decadentes




The fall of the prestigious Amsterdam Tournament

As four European clubs line up to take part in the Amsterdam Tournament from July 24 to 26, you will notice that it has lost the magic it once possessed. Big giants of European football (Manchester United, Arsenal, Internazionale, Liverpool, Porto) dreamt of playing in this prestigious tournament at the Amsterdam Arena in the Netherlands, one of the most celebrated stadiums in the world. They would use this famous tournament to fine tune their teams for the upcoming European and domestic season but not any more, especially if you look at this year’s line-up.

The line-up for the 2009 Amsterdam Tournament is Ajax Amsterdam, Atletico Madrid, Sunderland FC (Yep! That very same Sunderland that was fighting to stay in the Premier League last season) and Benfica.
If you look at this line-up you will see that it’s lost its previous pulling power and really starting to fade as a prestigious tournament. The four teams contesting don’t have the attractiveness that has always boosted Amsterdam’s tourism business in July and August when the tournament is played. Sunderland finished 16th in the Premier League last season, just a mere two points above the relegation zone. Atletico Madrid finished fourth in the Spanish La Liga, Benfica finished 3rd in the Portuguese Liga and Ajax a very disappointing 3rd in the Dutch league.

Chuva ou Tempestade de Verão ?

video

Aumente o som


Dizem que este ano é que é: ninguém pára o benfica (he he he)


Realmente deu-me gozo aquela derrota de ontem (aliás, qualquer derrota do benfica, seja ao berlinde ou à bisca, faz-me muito bem...), muito mais depois de, pelo 47º ano seguido ouvir, na pré-época o elogio às grandes contratações e ao grande plantel...
Ontem, quer na rádio, quer na TV, eram só elogios... Era o Jesus para aqui, o Jesus para ali, ora a gesticular, ora a falar com os jogadores, ora a barafustar... Afinal, porque merece tanta atenção um bacano que, como treinador, nada ganhou? Eram as deliciosas jogadas, os toques de pormenor, as desmarcações, a classe deste e daquele rafeiro lampião... O público estasiado e, como sempre a levar a equipa ao colo... Enjoado, mudei de canal.
Quando me ia deitar, ouvi o noticiário, e, um pouco com voz sumida, o jornaleiro de serviço lá disse que afinal, os galinácios tinham perdido, em casa, perante 58.000 cabeçudos, o jogo de apresentação...
Fiquei cheio de dores de barriga de tanto me rir... É mais do mesmo, felizmente!

A Decadência nacional e o que nos trouxe o regicídio (*)

(*) Artigo publicado no Jornal da Madeira em 01 de Fevereiro de 2008 (dizem-me ser da autoria de AJJardim...)

As «lutas liberais» foram momentos de extremismo, onde mais uma vez a cegueira conservadora não quis compreender a evolução da Filosofia Política e do mundo, onde mais uma vez o Povo português se deixou manipular, e onde mais uma vez os interesses financeiros — tal como hoje — se sobrepuseram às Ideias e ao Civismo democrático, congelando a necessária evolução económica do País, apesar da Monarquia Constitucional.
Não sou monárquico. Sou um republicano — sobretudo por razões de vizinhança ibérica — e um político que não teria quaisquer complexos em trabalhar numa Monarquia democrática, regime de alguns dos países mais desenvolvidos da Europa. Por razões de Cultura e como português, assumo a importância da Monarquia na construção de Portugal durante mais de sete séculos. Nas nossas virtudes e defeitos históricos. Portanto, estou à vontade para tomar posição quanto ao que vem rodeando a invocação do regicídio de 1908. Não há dúvida que depois da ocupação filipina durante sessenta anos, e sobretudo depois das invasões francesas, a vida do País marca-se por uma decadência em relação à História nacional até D. Manuel I, os nossos primeiros quatro séculos.As «lutas liberais» foram momentos de extremismo, onde mais uma vez a cegueira conservadora não quis compreender a evolução da Filosofia Política e do mundo, onde mais uma vez o Povo português se deixou manipular, e onde mais uma vez os interesses financeiros — tal como hoje — se sobrepuseram às Ideias e ao Civismo democrático, congelando a necessária evolução económica do País, apesar da Monarquia Constitucional. Em consequência, veio a I República jacobina, resultante de uma golpada militar à partida anedótica e em que — mais uma vez — tal só foi possível porque as más consciências «meteram o rabo entre as pernas» e se demitiram covardemente. Uma I República de facto nascida do regicídio, onde os interesses das facções, incluso, muito, das «sociedades secretas», salvo honrosas excepções (poucas) subordinaram o Interesse Nacional ao jogo caricato dos grupelhos políticos. Enquanto vozes roucas pelo bagaço iam berrando «vivas» a semelhante «república», tal como, depois, o mesmo hálito estrondava alguma burguesia instalada no denominado «Estado Novo» e comendo à mesa deste, deixando à formação e actividade dos comunistas a única oposição a sério à ditadura. Também em consequência, sempre com as massas populares manipuladas, conformadas e anémicas, levámos em cima com uma ditadura de quarenta anos, igualmente incapaz de perceber a evolução do mundo, alérgica igualmente à elaboração contínua do pensamento político, sobretudo o democrático, num falso cristianismo que recusava o primado da Pessoa Humana, os seus Direitos, Liberdades e Garantias individuais. Que recusou suicidamente uma mudança democrática possível sem «revolução» e que não percebeu a África — como hoje não percebem as Regiões Autónomas — nem mesmo aceitou a colaboração sensata dos Aliados democráticos e também, assim, contribui para o rol de tragédias africanas que se conhece, embora não se lhe possa assacar o exclusivo da responsabilidade por tudo o que tragicamente sucedeu e sucede. Depois, logicamente, teve de acontecer o «vinte e cinco do quatro», em que mais uma vez a irresponsabilidade, incompetência, covardia e incultura de muitos, aliadas — também mais uma vez — à manipulação auto-consentida, ao analfabetismo político e ao oportunismo das chamadas «massas populares», permitiram a selvajaria — contra-corrente da História, como se viu — do período 74-76. Finalmente, todos estes séculos de decadência nacional acabaram «nisto», o regime da Constituição de 1976, outra vez com o Povo conformado e sem Valores, procurando apenas a sobrevivência quotidiana. De novo com o jacobinismo e os «interesses ocultos» triunfantes num regime de capitalismo selvagem consensualizado com uns «rebuçados» ao conservadorismo sindical comunista que se voltam contra os Trabalhadores e a Classe Média, e com a cedência ao controlo pelo PCP de algumas fatias do aparelho de Estado. Tudo camuflado por um falso «socialismo», mito inócuo transformado em «religião oficial» do Estado. Razões porque ainda não percebi o sentido de umas «comemorações» que, em 2010, vêm para aí à custa, mais uma vez também, do bolso dos contribuintes. E volto ao regicídio. Para me espantar com os preconceitos, complexos e facciosismo, como os falsos «intelectuais» e um Estado decadente, sem serenidade, Cultura e objectividade histórica tratam este assunto, incluso deturpando e aviltando um Rei com uma verdadeira formação democrática europeia e com uma cultura superior para o seu tempo, a qual nada tinha a ver com a boçalidade, desde há séculos e já então, instalada na «rua». Hoje, em Portugal e através dos canais todos identificados, trata-se a História ainda conforme a metodologia marxista — mentindo e apagando o que não interessa à respectiva «ideologia» e objectivos. Sinal, também, da incontestável decadência nacional nomeadamente no aspecto cultural. Tudo isto com a cumplicidade dos sectores jacobinos, também sobejamente identificados. E tenho de protestar, na sequência do que denuncio, contra a maneira como se pretendeu ilibar os assassinos regicidas, numa clara defesa da violência política, incluso através da televisão paga pelos Portugueses.

Datas com História: 19 de Julho de 1934

Nasce, no Porto, Francisco Manuel Lumbrales de Sá Carneiro

Advogado de profissão, foi eleito pelas listas da Acção Nacional Popular, o partido único do regime salazarista, para a Assembleia Nacional, o parlamento fantoche do regime, convertendo-se em líder da Ala Liberal , onde desenvolveu diversas iniciativas tendentes à gradual transformação da ditadura numa democracia típica da Europa Ocidental. Colaborou com Mota Amaral na elaboração de um projecto de revisão constitucional, apresentado em 1970. Não tendo alcançado os objectivos aos quais se propusera, viria a resignar ao cargo de deputado com outros membros da Ala Liberal, entre os quais Francisco Pinto Balsemão.

Em Maio de 1974, após a Revolução dos Cravos, Sá Carneiro fundou o Partido Popular Democrata (PPD), entretanto redesignado Partido Social-Democrata (PSD), juntamente com Francisco Pinto Balsemão e José Magalhães Mota. Torna-se o primeiro Secretário-Geral do novo partido.

Nomeado Ministro sem pasta em diversos governos provisórios, seria eleito deputado à Assembleia Constituinte no ano seguinte, e em 1976 eleito para a I Legislatura da Assembleia da República.

Em Novembro de 1977, demitiu-se da chefia do partido, mas seria reeleito no ano seguinte para desempenhar a mesma função.

Em finais de 1979, criou a Aliança Democrática, uma coligação entre o seu PPD/PSD, o Centro Democrático Social-Partido Popular de Diogo Freitas do Amaral, o Partido Popular Monárquico de Gonçalo Ribeiro-Telles, e alguns independentes). A coligação vence as eleições legistativas desse ano com maioria absoluta. Dispondo de uma ampla maioria a apoiá-lo (a maior coligação governamental até então desde o 25 de Abril), foi chamado pelo Presidente da República Ramalho Eanes para liderar o novo executivo, tendo sido nomeado Primeiro-Ministro a 3 de Janeiro de 1980, sucedendo assim a Maria de Lurdes Pintasilgo.

Francisco Sá Carneiro faleceu na noite de 4 de Dezembro de 1980, em circunstâncias trágicas e nunca completamente esclarecidas, quando o avião no qual seguia se despenhou em Camarate, pouco depois da descolagem do aeroporto de Lisboa, quando se dirigia ao Porto para participar num comício de apoio ao candidato presidencial da coligação, o General António Soares Carneiro. Juntamente com ele faleceu o Ministro da Defesa, o democrata-cristão Adelino Amaro da Costa, bem como a sua companheira Snu Abecassis, para além de assessores, piloto e co-piloto.

Nesse mesmo dia, Sá Carneiro gravara uma mensagem de tempo de antena onde exortava ao voto no candidato apoiado pela AD, ameaçando mesmo demitir-se caso Soares Carneiro perdesse as eleições (o que viria de facto a suceder três dias mais tarde, sendo assim o General Eanes reeleito para o seu segundo mandato presidencial). Dada a sua trágica morte, pode-se muito bem especular sobre se teria ou não demitido em função dos acontecimentos subsequentes...

Vinte e cinco anos depois dos acontecimentos, contudo, continuam-se a existir duas teses relativas à sua morte: a de acidente (eventualmente motivado por negligência na manutenção de um avião que não era novo), ou a de atentado (nesse último caso, desconhecendo-se quem o perpetrara e contra quem teria sido ao certo - Sá Carneiro ou Amaro da Costa).

Wikipédia

Gasolina: o estado lisboeta continua a roubar-nos

"Nos Estados Unidos, de cada vez que um automobilista se dirige a uma estação de serviço para abastecer o seu carro com gasolina, repara que o preço está mais baixo. De facto, os preços estão a cair diariamente desde 21 de Junho (mais aqui)"

"Portugal subiu um lugar no 'ranking' europeus dos países com gasolina mais cara, ocupando agora o quarto posto (mais aqui)"

Reflexões (III)

"O aditamento ao contrato assinado com a Liscont para o terminal de contentores de Alcântara prevê que a empresa seja indemnizada em caso de "restrições técnicas, ambientais ou meteorológicas (mais aqui)".

A ignorância certificada (I)

"Um aluno de 15 anos do 8.º ano de escolaridade passou de ano com negativa a nove cadeiras. O professor Augusto Sá nota, contudo, que para decidir se um aluno "passa" não basta "somar" as positivas e as negativas. "Há um percurso, há um contexto, há uma família..." E a decisão de passar José "teve em conta" tudo isso (mais aqui)".
Vejam a notícia pelo lado bom. Se forem 11 disciplinas teve três positivas... Nós tivemos azar. No nosso tempo não havia contexto e a família… Digamos que era doloroso para o nosso pêlo…

Reflexões (II), via Blasfémias

Dias Loureiro terá recebido umas comissões pela venda de uma empresa privada a um grupo igualmente privado e foi alvo de (mais) um processo; Mário Lino continua ministro, não obstante ter adjudicado um mega-projecto sem concurso, num negócio considerado pelo Tribunal de Contas como ruinoso para o Estado (obviamente que tudo foi feito na mais estrita legalidade…).
Entretanto, Maria José Morgado continua entretida com uns problemas de arbitragens...

Reflexões (I), via Blasfémias

4 anos e meio de legislatura ...
E o sistema eleitoral manteve-se inalterado.
O país divido em esclerosados e fictícios «distritos».
Os deputados nem sequer representam os eleitores do círculo que os elege, mas uma tal de «nação».
Líderes de partidos há, quais caciques, que escolhem pessoalmente dezenas de deputados, no mais puro estilo de favor pessoal.Nenhum partido (sem que para tal fosse necessário alterar a lei), entendeu ser de realizar eleições directas entre militantes (ou mesmo fora deles) para escolha de deputados.
Os deputados representantes do eleitorado, ao invés de serem livres e responsáveis dando conta do que fazem a quem os elege, aceitam ser assalariados que tem de picar cartão, sujeitam-se ao sentido de voto indicado por meia dúzia de dirigentes partidários iluminados (alguns nem deputados são) e tudo tem de fazer para os contentar (e não a quem os elegeu), se pretenderem ser reeleitos.Os deputados eleitos, ao invés de se comprometerem com os seu eleitorado, comprometem-se com um líder. Essa personalização política quixotesca e nada democrática vai ao ponto ridículo de numa mesma legislatura poderem ter de prestar vassalagem a 3 ou mais diferentes líderes.
A legitimação do deputado é dependente de quem o indica para a lista (portanto, é a tais pessoas que lhe compete agradar), e não do eleitorado, sendo a votação mero formalismo.
Mais uma legislatura acaba e nada se modificou. Os mesmos dirigentes, a mesma forma autocrática de designação de deputados, os mesmos esquemas.
Acho que já chega.

Prosperar na crise (*)

(*) opinião de Jorge Maia, in O JOGO on-line de 20 de Julho

Há três meses, quando a recessão económica nos arrastava a todos para o fundo, ninguém imaginava que o FC Porto chegasse ao final do mês de Julho com quase 70 milhões de euros realizados em transferências. Mesmo os dirigentes dos principais clubes admitiam que o tempo das vacas gordas tinha passado e que a abordagem ao mercado teria de ser mais conservadora. Depois veio o terramoto Florentino Pérez - e tudo mudou. O problema dos terramotos é que são difíceis de prever. Podem acontecer de um momento para o outro, transtornando a vida, transformando a geografia e dividindo o tempo entre o antes e o depois do grande abalo. Ora, se é quase impossível prever um terramoto, é possível estar preparado para a eventualidade de ele acontecer. O FC Porto estava. E estava da única forma que é possível estar preparado para um terramoto: com um edifício sólido, construído na base de uma prospecção eficaz e de uma política de contratações inteligente, reforçado pela valorização dos activos e pela capacidade de negociação do clube. Condições fundamentais para surfar na crista do tsunami que varreu o futebol europeu na sequência do terramoto Florentino Pérez.


Pergunto eu: de onde vieram cerca de 80 milhões gastos por um clube lisboeta?

Conclusões precipitadas (*)

(*) Jorge Maia in O JOGO


Pelos meus cálculos, já não deve faltar muito. Como é costume nesta altura do ano, todos os jornais, rádios e televisões asseguram que o Benfica já garantiu os melhores reforços deste mundo e do próximo, que já tem outra vez um treinador fantástico com métodos absolutamente infalíveis e que também já joga à bola de olhos fechados, porque com eles abertos nem sequer tem graça. Se tudo correr como é habitual, já não deve faltar quase nada para aparecer por aí aquela entrevista em que o presidente dos encarnados diz que o Benfica só não será campeão se algo de muito anormal acontecer. Tem sido assim nos últimos Verões, tão certo como mais uma série dos morangos com açúcar, tão inevitável como a nortada, tão fatal como comer antes de tomar banho. Com o FC Porto e o Sporting eclipsados pelo fulgor das promessas que irradiam da pré-temporada encarnada para as páginas dos jornais e programas de rádio, é apenas natural que os benfiquistas, e o seu presidente incluído, acreditem que desta vez é que é. Mas também já no ano passado é que era e não foi. Porque as únicas conclusões que se podem tirar das primeiras semanas de trabalho são conclusões precipitadas.

Apesar de não ser socialista, eu também...


Notícia retirado do Jornal de Notícias on-line
A candidata do Partido Socialista à Câmara Municipal do Porto, Elisa Ferreira, conta a partir de agora com o nome do cidadão Jorge Nuno Pinto da Costa na sua Comissão de Honra.
O desafio, lançado por Elisa Ferreira ao presidente do FC Porto durante uma visita ao "Coração da Cidade", foi aceite na hora por Pinto da Costa, colaborador regular da instituição particular de apoio e acção social.
Na casa onde funciona a instituição, que pertenceu à velha glória portista Hernâni, Pinto da Costa associou-se a Elisa Ferreira no desejo de construir uma cidade mais humana dado que as pessoas são a sua essência.
"Se calhar, em vez de gastar milhões a fazer barulho e a cercar as pessoas nas casas, com esse dinheiro, no Porto, ninguém dormia na rua", defendeu Pinto da Costa, aludindo às corridas de automóveis na Boavista.
O dirigente portista referiu mesmo, a titulo de exemplo, que sofreu directamente com as barreiras na Boavista, já que o sogro não pôde ir ao hospital porque lhe fecharam a garagem, às cinco da manhã, com ferros.
Pinto da Costa associa-se a Elisa Ferreira na tentativa de fazer "renascer a cidade" uma vez que o seu acontecimento principal é "cercar uma zona e colocar os automóveis de dois a dois anos a fazer barulho e não deixar dormir as pessoas".
"Estou sempre disponível para apoiar as instituições e as pessoas no sentido de fazer com que o Porto seja uma cidade melhor, mais bonita, com flores e onde ninguém durma na rua", acrescentou Pinto da Costa.
O dirigente referiu que como não é político nem tem partido, tem uma grande liberdade e facilidade de movimento, para optar pelo que entende ser melhor para as causas que defende e para o futuro da cidade.
"Já votei nos mais diversos partidos, porque voto em consciência com o que é melhor. Inclusive já votei numa candidata do PCP, porque entendi que Ilda Figueiredo é de grande rectidão e está na política por paixão", disse.
A candidata Elisa Ferreira prometeu que quando for eleita presidente irá contar com o "Coração da Cidade" entre os principais interlocutores da autarquia, no que respeita às chamadas "obrigações de civilização".
"Valorizo o trabalho das associações e de todas estas energias espalhadas pela cidade, que fazem, muitas vezes, o trabalho que as câmaras e o próprio Estado não quer ou não tem condições de o fazer", disse Elisa Ferreira.
Elisa Ferreira assume-se como alternativa ao actual presidente da autarquia, Rui Rio, e classificou a sua visita ao "Coração da Cidade" como uma homenagem e um sinal do que valoriza na cidade e na sociedade.
"Para mim, a política é tratar dos problemas dos cidadãos e da cidade, encontrar um futuro para a cidade do Porto e é por isso que estou aqui todos os dias neste combate para ficar à frente da cidade", disse.
"Todos juntos temos que reconstruir a cidade", referiu Elisa Ferreira, que juntou também o nome da responsável pela instituição social "Coração da Cidade", La Salete Santos, na sua Comissão de Honra.
Nota 1: Eu não sou socialista, jamais fui, mas fui militante do PPD de Sá Carneiro. Como detesto o miserável autarca que ocupa (há demasiado tempo) a cadeira da edilidade e que é mais um subserviente a lisboa, tudo o que o possa castigar tem o meu apoio.
Nota 2: Lamento é ver La Salete Santos do "Coração da Cidade" na sua comissão de honra ou no rol de amizades de Pinto da Costa. Por acaso já se preocuparam em saber quem é a dita cuja?

O Sistema

O adepto do FCPorto e o pragmatismo

Ano após ano, pensando que estamos finalmente a ter uma equipa consolidada de futebol profissional, capaz de voltar a conquistar um troféu internacional e aumentar a diferença para os eternos derrotados da capital, lá vemos os nossos craques e símbolos a serem vendidos para clubes, em muitos casos, inferiores ao FCPorto, portanto sem grande destaque europeu ou mundial, mas com dinheiro para gastar...
Lá volta a lengalenga habitual: se vende é porque vende, se não vende é porque assado... E, o coitado do treinador, lá terá que (re)fazer uma nova equipa, novos métodos, novas adaptações.... Nós, adeptos, sócios, simpatizantes e accionistas, lá vamos aguardando que a coisa se componha e que continuemos a dar baile à moirama da segunda circular.
Depois ainda subistem aquelas questões dos supra-numerários. O FCPorto tem alguns contentores de jogadores espalhados pelos quatro cantos do planeta. Já tivemos bons exemplos de atletas que rodaram e acabaram por se transformar em “cisnes” que até nos ajudaram a conquistar títulos e muito dinheiro com as tais transferências. Mas também conhecemos de casos que só dão prejuízo. Promessas que disso não passaram, de outros que não tiveram aquela oportunidade de se mostrarem em melhores palcos. Os mais “traquinas” dirão que muitos são negócios e negociatas deste e daquele, conforme for a figura do dirigismo portista que menos apreciam.
Pessoalmente continuo a acreditar no meu Presidente e nas suas decisões. Posso achar, aqui e acolá, um mau negócio, discutir a oportunidade dada ou não a este ou aquele jogador. Mas os inúmeros sucessos dizem-me que a fórmula tem sido boa. Sendo assim...
Compreendo, contudo, que alguns se manifestem com desconforto face a duas coisas: Por um lado o passivo a aumentar apesar de tantas vendas e por outro a eterna questão da manutenção do plantel ganhador. Tantos jogadores emprestados implicam muitos custos: não seria melhor ter menos emprestados e manter uma equipa de estrelas por mais tempo?
Acontece porém, que tem havido, certamente, uma estratégia. Percebo igualmente que o Presidente está atento: este ano estão a ser libertados alguns jogadores, a título definitivo, e isso está a gerar algumas mais valias. O que quer dizer que as nossas eventuais apoquentações estão a ser preocupações de todos. Penso que num futuro, muito breve, a onda da libertação destes activos (quase tóxicos) crescerá e acabarão por ficar realmente os potenciais diamantes, que mais dia menos dia, estarão na equipa principal.
Sou crítico, coloco as minhas questões, mas confio (principalmente) no Presidente.
A sua obra fala por si.
Sejamos, pois, pragmáticos.

O FCPorto é o campeão, mas...




Buscando na memória, só posso dizer que todos os anos é a mesma coisa. No defeso futebolístico, esquecidas rapidamente as humilhações e agruras da época anterior, a imprensa lisboeta exulta até ao múltiplo orgasmo com as novas super-estrelas do benfica. Ele são profissões de fé clubística, são os fantásticos novos jogadores contratados que vão encantar os palcos do futebol português e europeu, é até um treinador que nada venceu (tirando aquela coisa chamada taça totoloto ou coisa parecida ... desculpem que até já nem me lembro) mas que até já é comparado a Mourinho...
São os banhos de multidão, em Portugal e até na Suiça, é o espanto geral. Que equipa! Que jogadores! É este ano! Vão arrasar.... Abre um telejornal, lá ficamos a saber que o quinzinho lampião usa umas magníficas chuteiras com atacadores de titânio, ou o outro atleta made in america do sul desde pequenino sonhava em jogar no benfica, esse clube que em mais de 30 anos não tem um sucesso internacional e a nível nacional chegam os dedos de uma mão para assinalar as suas conquistas e mesmo assim é o sonho desses jogadores. São os habituais profissionais do sonho lampião.
Um sonho que comanda uma equipa, outrora financiada pelo regime fascista, por hoje financiada por um regime centralista e por uma imprensa de nojo. Aliás, os lampiões continuam a conseguir tentar lutar por triunfos porque já percebemos que economicamente um clube em falência técnica, sem receitas provenientes de conquistas (ou até participações) europeias, sem mais valias pela valorização dos seus profissionais de futebol, invista em dois anos perto de 80 milhões e ainda ninguém do fisco se tenha lembrado de perguntar o inevitável: de onde vem a massa?! Um clube onde a “generosidade” e colagem dos jornalistas e média nacionais eleva o clube a uma condição de estrela de primeira grandeza do futebol mundial e não faz aquilo que um jornalista deve fazer: investigar, perceber e mostrar a podridão que escorre nas suas paredes...
Irra, em 47 anos de vida é sempre a mesma ... MERDA BENFIQUISTA.
Claro que depois, às primeiras desilusões, lá vem o palhaço-mor, com um discurso escrito por alguèm (que a ileteracia do moço é tanta que só assim) a dizer que o campeonato está viciado, que aos árbitros não vão a casa dele e que a corrupção está de volta, que não os deixam ganhar, que a liga devia irradiar um certo clube nortenho, enfim, é sempre a mesma ... MERDA BENFIQUISTA! E lá temos uns certos idiotas da imprensa a fazer o resto do trabalho... De forma delgada, com ou sem bola, batido ou não o record, feito o filme ou escrito o livro, chamada a procuradora-cujo-marido-trabalha-para-a-instituição ou apelando ao zeloso pavão ou ao investigador judiciário... Já sabem o resto da história...
Como podem reparar, já não tenho idade para ser politicamente correcto. Por outro lado sou do Porto e chamo os bois pelos nomes. Por isso declaro que continua a não estar disponível para continuar a ser subjugado pela força representativa do centralismo, também no futebol.

Via Reflexão Portista ...

Mais um excelente artigo de um não menos excelente blogue Dragão.

Rede Norte: o Norte precisa de ti!



A Associação de Cidadãos do Porto, a Associação Comboios XXI e a Associação Campo Aberto organizam no próximo sábado, 11 de Julho, pelas 21h30m, nas instalações do Clube Literário do Porto, uma sessão pública com o objectivo de promover a criação de uma rede de cidadãos e movimentos cívicos que articule as diferentes iniciativas e as enquadre numa lógica regional.
Tendo como ponto de partida a experiência das três associações, pretende-se criar a Rede Norte, um espaço de discussão sobre a problemática económica e social no Norte, onde, numa lógica de complementariedade, se defenda, discuta e dê corpo aos diferentes anseios e expectativas em acções com impacto e dimensão equivalente à desta Região.
A Rede Norte funcionará numa lógica aberta e complementar, onde cidadãos e movimentos cívicos apresentarão a suas preocupações, pretendendo-se que, através da massa crítica gerada, estas possam ser consubstanciadas em causas e intervenções comuns ao nível regional.
O cidadão Alexandre Ferreira e demais promotores contam com a presença dos Nortenhos. A não perder.

Momento de poesia

DESEJOS

"Pelo sonho é que vamos"
Sebastião da Gama


Não me perguntaste nada,
nada queres saber, mas eu digo
o que quero é fugir para a Toscana
e fazer dos teus beijos, meu vinho.
Se não der, basta-me molhar os pés
no rio que contemplas da tua janela.
Não havendo rio por perto,
nem flor em vinhas,
não importa,
envolve-me em tua rede e
e acenarei para os vagalumes,
enquanto escreves no meu corpo,
quentes versos de amor.

Rua com os coveiros de Portugal


No curto período de governação de Pedro Santana Lopes, eram as trapalhadas e os 6,5% de desemprego que afligiam a esquerda. A imprensa ajudava e todos berravam...
Agora tudo está sereno... O povo submisso e conformado, ao toque duma sonata fúnebre, vai a caminho do enterro!


Indicadores para 2010 :

IMPORTAÇÕES................ -21%
EXPORTAÇÕES................ -21%
INVESTIMENTO............... -18%
INFLAÇÃO...................... -0.2% (DEFLAÇÃO!)
DESEMPREGO................. +11,2%
DÉFICE..........................+ 6,5%
DESPESA ESTATAL............ +4,5% (!! em Lisboa, portanto)
RECEITAS IMPOSTOS.......... -20%
(4 MIL MILHÕES DE EUROS A MENOS)

(VIDEO)

Se isto não é bancarrota, pouco faltará!
Portugal vai continuar a pique pelo menos até finais de 2010!
Nunca, desde o 25/Abril, se reuniram tantas razões para correr com um governo corrupto e incompetente !

Dizem que é o novo "papel" de Sócrates...

Elas também não se medem aos palmos...



Cibulkova e Safina

Travesti de águia? Não, antes Dragão!?

Uma questão de .... TOMATES numa ditadura muçulmana

Ambiente

O jornal inglês Guardian seleccionou os melhores 27 anúncios sobre o ambiente. Fica aqui uma pequena amostra, mas vão espreitar AQUI os outros, que vale bem a pena.

De Volta

Agora que os exames acabaram, que regressa de novo a disponibilidade para muitas coisas que me dão prazer, como "postar" neste blogue ou ler e comentar nos dos amigos, quero dizer que: Estou de Volta!!!

Um circo que continua a dar-nos alegrias


Como eles respeitam a justiça...

MAS...

O copofónico presidente da assembleia geral lampiona contesta a decisão judicial...
Embora confirmem que esta quarta-feira à tarde o clube bolorento centralista foi citado judicialmente para "suspender a deliberação de aceitação da Lista A", encabeçada por Luís Filipe Vieira, Manuel Vilarinho, contesta a validade deste acto judicial. Argumenta que "esta citação sofre de diversos vícios". Para o presidente da Mesa da Assembleia Geral, a aceitação da candidatura de Vieira às eleições marcadas para sexta-feira, 3 de Julho, "não é susceptível de suspensão, nem de impugnação, conforme dispõem os Artigos 177.º e 178.º do Código Civil e a abundante jurisprudência que confirma que só as deliberações das Assembleias Gerais são passíveis de suspensão e de impugnação".

Ou seja, esta opinião deve ter sido formulada por aqueles causídicos que tentaram empurrar o FCPorto para fora da Champions e que foram massacrados pelo internacional TAS, sendo inclusivé ridicularizados...
No fundo, bem lá no fundo, o que querem dizer é que só a sua própria leitura é que é válida, o resto, o que os tribunais decidem é bazófia. Excepção apenas quando é o funcionário Ricardo da Liga a decidir, aí....
Falta apenas saber ou apurar se Vilarinho fez o comentário de manhã ou de tarde. São engraçados estes lampiões...

Já percebo de onde vem a súbita riqueza do benfica


O clube do centralismo bafiento, não vai à Liga dos Campeões, não ganha nada, não tem jogadores cobiçados, tem um passivo assustador e em dois anos já vai nos 80 milhões de euros gastos em aquisições... Ou será do pó os pneus?