Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

O Porto em imagens (458)


Imprensa nazi: sempre o velho truque de culpabilizar Israel quando se percebe depois que afinal foram os palestinianos os culpados

Permanece um mistério as razões pelas quais as armas rudimentares continuam a ser usadas para matar pessoas e a mesma agência de notícias ter alterado o título inicial da notícia para “Palestinian who stabbed Israeli soldier shot dead: army“, de modo aclarificar o incidente

O casalinho do momento


Manuel Oliveira "não deu garantias". Quer dizer então que Artur Soares Dias dá?

Pinto da Costa e o clássico: "Arbitragem vergonhosa"


OU OUTRA FORMA DE COLOCAR A QUESTÃO:  
TERÁ ARTUR SOARES DIAS ALGUMA COISA CONTRA RUI VITÓRIA?

Les jeux sont faits, rien ne va plus

Fácil a tua tia!
Não há jogos fáceis. Nunca!
A facilidade é resultado do empenho e da vontade. E um pouco de sorte, como vimos em Roma...


Sorteados no Grupo G, vamos lutar pela qualificação para os oitavos com os campeões de Inglaterra, da Bélgica e da Dinamarca: o "novato" Leicester, os belgas de um certo ex guarda redes encornado, o Club Brugge e os dinamarqueses do FC Copenhaga. Eis o calendário dos jogos:

1ª Jornada (14 de Setembro): FC Porto - FC Copenhaga
2ª Jornada (27 de Setembro): Leicester - FC Porto
3ª Jornada (18 de Outubro): Club Brugge - FC Porto
4ª Jornada (02 de Novembro): FC Porto - Club Brugge
5ª Jornada (22 de Novembro): FC Copenhaga - FC Porto
6ª Jornada (07 de Dezembro): FC Porto - Leicester

O Porto em imagens (457)

Rua dos Caldeireiros

Caramulo, uma marca

Pornografia barata


"Os 5" ao gosto do dia


É esta peça que foi escolhida para apitar o "zporten not lisbon"- FC Porto

TIAGO MARTINS
Chegou a árbitro internacional com apenas três jogos na I Liga

A escolha para o jogo grande do fim-de-semana foi cirúrgica e com um único objectivo: liquidar o FC Porto


O que abaixo transcrevo foi escrito no Tribunal do Dragão em 26 de Fevereiro de 2015; podia ter sido hoje. 

Este é um novo tipo de colinho. O colinho que faz com que profissionais sem provas dadas cheguem onde só deveriam chegar os melhores. O colinho que pula as necessárias demonstrações de competência para conferir um estatuto de elite a quem só tem dado provas do contrário. Com isto chegamos a Tiago Martins, um jovem árbitro na ordem do dia, que tem sido muito criticado por adeptos do FC Porto.

Caros portistas, é hora de fazer mea culpa e reconhecer que estamos perante um valor de elite da arbitragem. Tiago Martins é não só uma promessa da arbitragem portuguesa como também a nível mundial. É tão bom que reparem que o Conselho de Arbitragem decidiu atropelar os regulamentos da FIFA e levar dois jovens árbitros ao colinho até ao estatuto de árbitros internacionais.


Este é o regulamento da FIFA para o licenciamento de árbitros internacionais. E diz que todos os árbitros «devem ter arbitrado regularmente na principal divisão do seu país durante pelo menos dois anos». Ora à data em que foi promovido, Tiago Martins tinha... dois jogos na primeira liga. Bem, dá a média de um jogo por ano, deve dar para passar. Portugal é o único país que promove árbitros estreantes na primeira categoria a internacionais.  Os navegadores devem estar orgulhosos com este pioneirismo.

Mérito: zero
Tiago Martins, da Associação de Futebol de Lisboa e filho de um ex-árbitro bem conhecido de Vítor Pereira, só chegou este ano à primeira categoria, por isso foi promovido contra aquilo que consta dos estatutos da FIFA. Ainda não arbitrou um único jogo de Benfica, FC Porto e Sporting na primeira liga e já é um árbitro internacional.

Isto torna-se ainda mais interessante sabendo quem era o principal favorito a ser promovido a internacional: Manuel Oliveira, do Porto. Um árbitro com quem curiosamente os 3 grandes nunca perderam pontos. Mas por milagre da santa, decidiram promover um árbitro que em Maio andava a apitar jogos dos juniores (!!!). Qual é a lógica? Bem, garante-se que assim a APAF continua a ter o dobro de árbitros internacionais de Lisboa em relação aos do Porto.

Diz o Conselho de Arbitragem que Pedro Proença também era jovem quando foi promovido. Tinha 32 anos,  recordam. Que bela desculpa esfarrapada, pois Pedro Proença já levava 5 anos de primeira categoria a arbitrar quando foi promovido. Tiago Martins? Ainda nem um jogo grande arbitrou. 


Para já, é isto que temos de amostra:
22-03-2014, OJOGO
25-02-2015, OJOGO (Oriental 3 x 0 FC Porto B)
28-01-2015, OJOGO (Taça da Liga)
Porque os mais pequenos também têm o direito de se queixar e serem ouvidos
É este o trabalho que o jovem internacional Tiago Martins tem apresentado em Portugal. Claramente, está a merecer um joguinho grande na primeira liga muito em breve, aí nas próximas 2 ou 3 jornadas. Place your bets.

Mais. O excelentíssimo Tiago Martins já arbitrou 5 vezes o FC Porto B. E o FC Porto B não ganhou nenhum desses jogos. Perdeu 4 e empatou 1. Foi culpa do árbitro? Seria demagogo afirmar isso. Mas que é um belo currículo, lá isso é. Sobretudo tendo em conta que o Sporting B ganhou todos os jogos com ele (3/3) e o Benfica B ganhou 2 e perdeu 1.

Além de Tiago Martins, também Fábio Veríssimo foi promovido sem qualquer experiência e provas dadas. Fun fact: em Novembro apitava nos distritais. Um mês depois, foi promovido a árbitro internacional, também em detrimento de Manuel Oliveira. O currículo com o FC Porto B também é promissor: em 4 jogos, apenas uma vitória.

Atenção comunada (sim, os do avante e os do bloco sanitário): nós não esquecemos



Em 23 de Agosto de 1939 os assassinos Hitler e Estaline assinaram o Pacto entre a Alemanha e a União Soviética.
Este "Black Ribbon Day" foi criado pelo Parlamento Europeu (com os votos contra daqueles que nós sabemos) para alertar e relembrar essa vergonhosa aliança.
Comunas e nazis dispunham-se a distribuir "bens" entre si. A invasão da Polónia e respectiva repartição foi só o primeiro sinal, que acabou num muro da vergonha (criado pelos comunas da antiga Alemanha de Leste) para "impedir" que os povos livres fugissem para os países da cortina de ferro (ha ha ha ha).
Nada que o que o partido socialista português (engraçado, o outro também se dizia socialista) e os comunas do avante e as fulanas-filhas-de-terrorista do bloco sanitário da extrema esquerda não desdenhem fazer do nosso amado país. Já esteve mais longe. Basta seguirem as pisadas dos seus ideais da Venezuela ou da Coreia do Sul, já para não falar da ditadura cubana...

Oliver Torres (assim uma espécie de Rafa castelhano) é mesmo preciso? E um defesa central? Ou um avançado? Ou ...

... e o deserto aqui tão perto ...

É giro ler os insultos dos esquerdelhos que já perceberam o fim próximo deste governo democraticamente ilegítimo ...

...  e do que vamos ter que voltar a pagar logo depois deles, como 'bons' escatológicos esquerdoides, terem deixado o paralelo-à-beira-mar-plantado outra vez no esgoto do mundo ...

O Porto em imagens (456)

Manuel Varzim

Rafa


Gatices

Olímpicos!

Ce sont les meilleures équipes
Sie sind die allerbesten Mannschaften
The main event
Die Meister
Die Besten
Les grandes Équipes
The champions


21.ª presença na fase de grupos (tal como Real Madrid e Barcelona, que categoria). O apuramento é histórico e implacável, em pleno Olímpico, espécie de Coliseu de outros tempos, tal a forma como alguns jogadores viram gladiadores em entradas arrepiantes, totalmente fora de tempo. Mas aquele que lutou como um todo, como uma equipa, o mais forte triunfou: o FC Porto!
E o Coliseu Romano ficou a arder! E não só...

Nota: o assalariado da Antena 1, Manuel Queiroz, um fulano daqui do Porto, acha que a agressão a Maxi valeria apenas um amarelo! 
E que tal este jornalixo lisboeta?


O Porto em imagens (455)

Álvaro Manadelo - Porto - Aldoar

Um pouco mais de azul

O que FJV diz é a verdade e, isto sim, era merecedor de uma conferênia de imprensa azeda (até porque o passado diz-nos que agora o FCP é o saco de pancada dos árbitros mípoes)...
 

Concertos na Avenida regressam nas noites de 9 e 10 de Setembro

Para celebrar os últimos dias de verão, a Câmara do Porto e a Fundação Casa da Música oferecem à cidade, pelo quarto ano consecutivo, dois grandes concertos nos Aliados.
Depois de já terem integrado a programação oficial das Festas de São João, enchendo A Avenida dos Aliados em três noites consecutivas, os Concertos de Avenida voltam principal sala de visitas da cidade no fim de semana de 9 e 10 de Setembro. Esperam-se mais dois espectáculos memoráveis, ambos com início às 22 horas e de entrada livre.

Na sexta-feira, Sérgio Godinho regressa à Baixa da sua cidade, e logo com grande companhia: a Orquestra de Jazz de Matosinhos. Quem não conhece temas eternos da música popular portuguesa como "Com um brilhozinho nos olhos", "O Primeiro Dia", "Liberdade", "Maré Alta" ou "Arranja-me um emprego"? Estes e muitos outros sucessos do autor serão ouvidos com uma nova roupagem, fruto dos arranjos para big band escritos propositadamente para a ocasião por Pedro Guedes e Carlos Azevedo, os dois directores musicais da Orquestra Jazz de Matosinhos.

Já no dia seguinte, sábado 10 de Setembro, a Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música apresenta o espectáculo "Música para uma noite de festa". O ciclo de Concertos na Avenida de 2016 encerra assim com uma noite preenchida por alguns dos temas mais popularizados da música sinfónica. A espectacularidade de "Pompa e Circunstância" e da "Abertura 1812" contrastará com o exotismo sensual das "Danças Polovtsianas" e os ritmos sul-americanos de "Danzón n.º 2".

Aproveitam estes dois grandes espectáculos gratuitos preparados pela Câmara Municipal do Porto e a Fundação Casa da Música, que prometem mais duas enchentes na Avenida dos Aliados. [daqui]

Inovação Multibanco: uma caixa adequada ao seu saldo!


É preciso não ter vergonha na cara! Coacção dá castigo!

Vieira revolta-se com João Ferreira
Trabalho do árbitro do Benfica-V. Setúbal em causa






O Porto em imagens (454)


Manuel Almeida

Alguém ainda acredita neste governo democraticamente ilegítimo?



Olympics


Aprendam


Motas? Cuidado!

Momento do falecimento de Lewis Clark, de 22 anos, que perdeu a vida num acidente na famosa Ilha de Man. Foi em 30 de Agosto de 2015 e foi agora publicado pela sua mãe na tentativa de alerta para os perigos das motas nas estradas.

Jornalixo português enfeudado à perigosa extrema-esquerda


Parece que os vouchers chegaram atrasados...

Esta imagem não é do encontro que opôs os encornados aos sadinos; esta imagem é do jogo de ontem à noite e aconteceu aos 4 minutos: Varela é agarrado mas o árbitro não "viu"... 


Tivesse o FC Porto a mesma "delicadeza" para com os árbitros, entregando-lhes "inocentes" vouchers e o penalty teria sido marcado...

O Porto em imagens (453)

Nuno Pimenta

Olympics

Prova ... oral

Incêndios 2016: Uma virgem chamada António Costa

No universo político de Costa as intenções e os anúncios é que contam. Concretizar as promessas é irrelevante. Numa Europa em crise constante haverá sempre uma razão para explicar que não foi possível

1. Conta-se uma história sobre uma festa de homenagem a uma velha actriz de Hollywood, que se havia dedicado a todo o tipo de causas humanitárias. Um dos convidados fez um discurso a enaltecer as iniciativas e as boas intenções da velha senhora. Todos os convidados, excluindo um deles, bateram palmas. A excepção chama-se Woody Allen. Espantado com o comportamento de Woody, o seu vizinho de mesa perguntou se tinha alguma coisa contra a homenageada. Woody Allen respondeu: “Sabe, eu conhecia-a antes de ela ser virgem.”

Lembrei-me desta história quando li sobre a reacção de António Costa aos fogos em Portugal, a propósito do reconhecimento do seu antigo secretário de Estado de erros cometidos pelo ministério da Administração Interna, tutelado então por Costa. Ascenso Simões disse que, contrariando um estudo feito na altura, o ministério de Costa decidiu investir na compra de equipamento para combater incêndios em vez de se concentrar em estratégias de prevenção. Costa respondeu que o seu ministério tinha adoptado políticas que permitiriam a verdadeira reforma das florestas, e acrescentou, com um toque de virgindade: “Devo dizer que fico chocado, dez anos depois, por verificar que essa reforma não foi feita.” Não há nada mais tocante que o choque das virgens. Coitadinho de António Costa. Preparou tudo para uma grande reforma das florestas. Depois foi-se embora para outras vidas, e os malvados que vieram – incluindo os do seu próprio partido – nos dez anos seguintes nada fizeram. E ele, o Costa, vivia noutro planeta, sem nunca mais se ter preocupado nem com matérias da administração interna, nem com fogos, nem com florestas, apesar de ter sido líder do maior partido da oposição e candidato a PM no país que mais arde em toda a União Europeia.

Mas os incêndios foram apenas o exemplo mais recente da readquirida virgindade de António Costa. No resto Costa também segue a “política da castidade”. Começa por mostrar as suas boas intenções, anunciando que a economia vai crescer muito mais do que seria possível, que a inovação e a educação vão atingir patamares nunca imaginados, ou défices que nunca serão alcançados. Mas no universo político de Costa, as intenções e os anúncios é que contam. Concretizar as promessas é secundário e quase irrelevante. Numa Europa e num mundo em crise permanente, haverá sempre uma razão para explicar a impossibilidade de cumprir as promessas. Os mercados, os refugiados, o terrorismo, o Brexit, Bruxelas, a direita europeia, o tempo, o azar, ou qualquer outra coisa.

Costa quer convencer os portugueses que nunca foi ministro de governos sem crescimento económico de nota, que não pertence ao partido cujo governo liderado por Sócrates foi o que mais contribuiu para o aumento da dívida pública portuguesa, ou que não pertence a um dos partidos que votaram a favor do Pacto Orçamental e da União Bancária. Ele não tem passado com pecados. Chegou agora à política e, na sua imaculada virgindade, promete o melhor dos mundos, incluindo o que nunca conseguirá cumprir. Eis a maior dificuldade de Passos Coelho. Como pode quem tanto pecou, impondo austeridade a um país inteiro, combater um politico que recuperou a sua virgindade e, tal como a velha actriz de Hollywood, espalha a sua virtude pelos quarto cantos de Portugal?

2. Os críticos de Passos Coelho, incluindo os comentadores da área do PSD, basicamente querem que o líder social democrata minta aos portugueses, tal como António Costa o faz. Pedem-lhe que também ele regresse ao estado de virgindade política. Dizer a verdade e aquilo em que se credita apenas evidencia pessimismo e o pior dos defeitos, experiência. O que é necessário é criar ilusões entre os portugueses. O apelo à mentira tornou-se o grande argumento destes comentadores.

Mas os críticos de Passos enfrentam um problema politico mais complicado. Para um dia ganhar as eleições, um líder do PSD precisa de ser visto como uma clara alternativa a Costa e independente em relação a Belém. Um líder do PSD que imite o discurso “optimista” de Costa tornar-se-á uma cópia do PM. Por que razão votariam os portugueses numa cópia do original? Por outro lado, se o líder do PSD fosse visto pelos portugueses como dependente e controlado pelo PR, nunca seria eleito PM. Seria visto como um líder fraco. O discurso de Passos pode ser um pouco repetitivo, mas não há português que não saiba que o líder do PSD é uma alternativa ao PM e independente do PR. E só assim poderá ser eleito chefe de governo.

3. A saga da escolha da administração da Caixa Geral de Depósitos constitui um dos maiores exemplos de incompetência política do governo. Escolheu sem consultar a lei (haverá assessores jurídicos no ministério das Finanças?), desistiu dos escolhidos sem os avisar (e estamos a falar de pessoas de reputação e competências indiscutíveis), e passou pela humilhação e pela vergonha do BCE chumbar as escolhas do governo invocando a legislação portuguesa. Resta fazer a pergunta óbvia: como é possível que Mário Centeno seja ainda ministro das Finanças?

Não nos calaremos: roubos da arbitragem contra o FC Porto


Leça da Palmeira retratada através de uma série de timelapses

Parabéns Mana

Segundo massacre quase dava deserto

31 remates contra a AS ROMA, 25 hoje contra o sulista Estoril. 
Quando as bolas, simpaticamente, começarem a entrar na baliza dos adversários vão ser goleadas atrás de goleadas. 
Até lá, olha-se para o banco e avançados nem vê-los...


Da Índia (com amor e muito ritmo)

O Porto em imagens (452)


Ainda agora está a começar e já percebemos que o DESERTO é mais longo do que pensamos...

Olhamos para o campo e...
Olhamos para o banco e...

DESERTO

Porto será o anfitrião da maior conferência europeia sobre o setor da água


O Porto foi a cidade escolhida pela Comissão Europeia, entre outras cidades candidatas, para a realização da quarta edição da conferência Parceria Europeia de Inovação para a Água - "EIP Water", que vai decorrer em Setembro de 2017.

O evento anual reúne cerca de 500 a 600 participantes, entre os quais vários decisores políticos, representantes de autarquias e do Estado Central, cientistas, empresas de tecnologia, empresários, entre outros.

A conferência constitui a oportunidade para os Grupos de Acção dentro da EIP Water mostrarem o trabalho desenvolvido na resolução dos desafios de inovação com que se depara o sector, através de palestras, painéis de discussão e sessões plenárias.

Serão realizadas sessões de networking com o objectivo de criar soluções criativas e inovadoras que contribuam significativamente para enfrentar os desafios do sector da água na Europa e no mundo, fazendo assim estimular o crescimento económico sustentável e a criação de emprego.

A Parceria Europeia de Inovação sobre a Água (EIP Water) apoia o desenvolvimento de soluções inovadoras em toda a União Europeia (UE) para enfrentar os grandes desafios da água e aumentar a competitividade da Europa. O trabalho assenta em "grupos de acção", que procuram conciliar a experiência e os recursos de organizações públicas e privadas ao longo da cadeia de inovação a nível da UE, nacional e regional para fazer corresponder a oferta à procura e criar oportunidades de mercado, tanto dentro como fora da Europa. [daqui]

Ammar: abriu em Leça a sala de jantar privada mais incrível de Portugal


Fica dentro de uma esfera, tem vista para o mar e pode ser reservada para um jantar a dois. Trata-se da divisão mais exclusiva do novo restaurante Ammar, em Leça da Palmeira. Depois é só escolher entre os pratos de autor, petiscos e cocktails originais.
Na praia de Matosinhos existe a bola da Nívea. Nas praias de todo o país existem bolas de Berlim. Em Leça da Palmeira há, desde 28 de Julho, a bola mais espectacular do País. Eleva-se a cinco metros de altura e no interior esconde uma pequena e acolhedora sala de jantar com uma vista única sobre o mar. Trata-se da divisão mais exclusiva do novo restaurante que aposta nos pratos e cocktails de autor, para o pôr a petiscar durante todo o dia.

O Ammar é o sonho de Matilde Silva, a jovem de 26 anos que deixou para trás o Nova Tendinha, também em Leça, para se dedicar em exclusivo a este projecto. A proposta para recuperar a moradia devoluta a poucos metros da praia foi demasiado tentadora e, há um ano, começou desenhar o plano em conjunto com o namorado Pedro Silva que hoje é o chef do espaço.
A escassez de sítios com boas opções para petiscar deu a Matilde a ideia de apostar numa carta dividida em dois: uma secção de petiscos e pequenos pratos para servir durante a tarde; outra exclusiva para o jantar, com opções mais elaboradas. Depois bastou juntar-lhe um barman e uma terceira secção repleta de cocktails tradicionais e de autor.

Durante a tarde, ao fresco da esplanada, pode provar a petinga no barco (5,5€) — são literalmente petingas fritas penduradas num barco com um anzol, acompanhadas de tostas com coulis de pimento —, hambúrguer de novilho em bolo do caco (9,5€) ou pastas frescas caseiras como o tagliatelle com pesto (13,5€), mas também saladas e, claro, sobremesas como a especialidade da casa inspirada no gelado da Olá, a Ammagnum de amendoim (7,5€), com chocolate, creme de pasta de amendoim e ganache da mesma.
À noite, abrem-se as portas das salas interiores para que todos possam experimentar a carta principal do Ammar, propositadamente “curta” para que seja possível ainda mais na preparação e qualidade dos pratos, servidos sempre a “máxima atenção, cuidado e criatividade na apresentação”. O exemplo? Um cocktail que não é servido no tradicional copo de vidro, mas sim dentro de um pimento.
Pode (e deve) começar pela terrina de orelheira fumada a lenha e ravioli (8,5€) e seguir o caminho que preferir, carne ou peixe. Há opções como o arroz caldoso de rabo de boi (29,5€) ou o bife Black Angus (33,5€), ambos ideais para duas pessoas, o polvo cozido a baixa temperatura (17,5€) ou os ravioli de ricotta e cogumelos selvagens (15€). Para terminar, também está disponível o Ammagnum de amendoim que transita da carta de snacks, ou a tartelette de limão, merengue e framboesas frescas (6,5€).

Tão difícil quanto escolher o que vai querer provar, vai ser decidir onde se vai sentar. O espaço divide-se em duas salas interiores, uma no rés-do-chão, com vista privilegiada para a cozinha, outra no piso superior, mais recatada e ideal para grupos. Lá fora, há uma zona lounge com meia dúzia de cadeiras e uma esplanada preparada para todas as contingências — no verão, a cobertura está recolhida e, para o inverno, fecha-se para guardar o calor da lareira por lá instalada.
Resta falar na sala privada escondida na esfera branca, ideal para jantares privados a dois ou em pequenos grupos até sete pessoas. Este módulo foi criado por uma empresa portuguesa e faz a estreia absoluta no Ammar. Para o visitar, é necessário fazer reserva e pagar 45€ (que não são abatidos no preço do jantar). E se quiser tirar o máximo partido do jantar, Matilde deixa a dica: “Aconselho sempre a fazerem a marcação para as 20h, hora em que é possível apreciar o pôr-do-sol através da janela panorâmica.”
Se está a pensar que este é o local ideal para uma ocasião especial, não é o único. Para os próximos meses, o espaço já está reservado para um pedido de casamento. Esperamos que o jantar tenha um final feliz e faça justiça ao nome do espaço. [daqui]

Contactos do Restaurante Ammar, em Leça da Palmeira:

Morada
Rua de Fuzelhas, 5, Leça da Palmeira

Horário
Terça a sábado, 15h-0h30. Domingo, 12h-18h30. Fecha à segunda-feira.

Telefone
229 958 241

Email
ammar@ammar.pt

Site
www.ammar.pt

ClaramenteTrump

Veja o primeiro vídeo da campanha de Donald Trump para a Casa Branca



Por vezes, no calor dos debates e dos discursos sobre uma vasta gama de temas, não se escolhem bem as palavras ou dizem-se as coisas erradas”, afirmou Trump.

Ten reasons to go to a festival in Porto


Cutting-edge bands, gorgeous streets and €2 wine – NOS Primavera Sound is the perfect opportunity to visit Portugal’s stunning second city

Revista Time Out London recomenda visita ao Porto e ao NOS Primavera Sound
A revista Time Out London publicou um artigo com 10 razões que justificam a visita ao Porto a propósito do festival NOS Primavera Sound, que, em 2017, se realizará nos dias 8, 9 e 10 de Junho.

Segundo o artigo, assinado pelo jornalista James Manning, de 5 de Agosto, o festival NOS Primavera Sound constitui a oportunidade perfeita para visitar a segunda cidade de Portugal, até porque a música começa ao fim da tarde o que dá tempo aos festivaleiros para deambularem numa visita a uma cidade rica em história e património.

O artigo apresenta 10 razões para visitar o Porto, entre elas, as vistas impressionantes, numa cidade eclética, que mistura harmoniosamente o património antigo com a arquitectura moderna, não fugindo a citar os pontos clássicos como a Casa da Música ou a Sé Catedral, sublinhando as pontes em ferro que unem as duas margens do Douro.

O próprio "palco" onde se realiza o festival NOS Primavera Sound, ou seja, o anfiteatro natural do Parque da Cidade, é também colocado como justificação para a vinda ao Porto, bem como a multiplicidade de espectadores, com diferentes nacionalidades, que se encontram a assistir ao festival (na última edição, a organização apontou para 58 nacionalidades). Mais para o fim da lista, o próprio cartaz do festival, com bandas de luxo, assim como os horários a que decorre, com a música a se poder ouvir até altas horas da noite sem proibições, hábitos bem diferentes dos londrinos, constituem mais-valias a acrescentar à lista.

A gastronomia rica, com iguarias e petiscos muito portuenses (não podia faltar a francesinha) aparecem em quatro lugar da lista, seguidos pelos "bons preços" praticados na Invicta, ou seja, visitar a cidade e desfrutá-la é bem acessível à carteira do turista londrino.

"Pode parecer velho, mas o Porto tem um coração jovem", destaca a sexta razão, referindo até que a cidade poderá ser uma candidata séria ao cobiçado título de "nova Berlim". À infinidade de lojas e bares peculiares e tradicionais, acrescentam-se cafés "chiques" e contemporâneos que atraem muitos jovens europeus.

O famoso vinho do Porto, com recomendação dos sítios onde o turista poderá degustar um cálice, não foi esquecido e é citado na nona razão.

Por fim, para recuperar de uma "ressaca" de três noites intensas de festa, a Time Out London recomenda uma ida até aos vales do Douro "verdejantes e sublimes", de comboio ou de barco, rio acima, conforme o tempo que o viajante ainda dispõe.

James Manning termina com a definição do termo "saudade", palavra/sentimento bem português que ficou a entender verdadeiramente após o regresso a Londres. [daqui]

O resto é conversa


Um clube com "aquele" passivo e que anda a fazer compra$ avultada$, de pa$$es$ e de falhanço$ como os de baixo... O pó é o da porta 18?

AS DUAS CONTRATAÇÕES MAIS CARAS DA HISTÓRIA DO boifica... NO ESPAÇO DE UM MÊS

Rafa vai custar aos cofres do boifica cerca de 15 milhões de euros, o que significa que salta directamente para o segundo lugar das maiores compras da história do clube encornado, apenas superado por Raúl Jiménez - cuja compra da outra metade do passe foi feita há cerca de um mês, num total de 22 milhões !!!


Dados: 1 de Março de 2016

Passivo Encornado =  429,4 m€

Passivo do FCP = 287,3 m€
Passivo do SCP = 255,1 m€

Rafa: como se pode observar, uma contratação previsível ... e cara (2,5 m€ por época, ou seja 12,5 m€ de salários)