Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

A ponte a pé

A TAP gere o Porto a pontapé e custa tempo e dinheiro em quantidades incalculáveis aos utentes, às empresas e ao país com a sua ineficiência endémica e, ainda por cima, com uma cara de pau nunca vista

Não, não vou falar das maratonas que atravessam a pé as pontes deste país.

Não, não vou falar das pessoas que por fé ou convicção fazem os caminhos de Santiago ou se deslocam a Fátima procurando pontes consigo próprias.

E não, não vou falar de futebol!

Vou falar dos milagres que a Transportadora Aérea Nacional, magnificamente gerida com a cabeça em Lisboa e o coração no Brasil, tem feito pelo Porto – basicamente, tratando-o a pontapé.

A nova TAP não gosta do Porto nem dos Portuenses. Não gosta e não esconde que não os quer servir. Os Portuenses parecem ser uma espécie de incómodo que os novos proprietários e gestores se viram obrigados a engolir no momento da aquisição. Queriam na altura chamar-lhe a TAL (Transportes Aéreos de Lisboa), mas o enquadramento político, sempre zeloso da correcção asséptica do discurso e protector do satus quo, não deixou.

Tenho tido muito tempo para reflectir sobre este assunto. Deixo o pensamento deambular por aí durante as longas horas em que tenho ficado refém no aeroporto de Lisboa, à espera de um avião que, desaparecido, atrasado, imobilizado ou misteriosamente ausente de qualquer informação, me leve para casa (azar – no Porto).

Os adiamentos, cancelamentos e atrasos pornográficos diários são, nos dias que correm, uma infeliz regra. Diria mesmo que se tornaram já parte da praxe da companhia e todos nós nos vamos já habituando a interiorizar esse factor nas nossas expectativas – nós somos efectivamente praxados, uma e outra e mais outra vez, de forma humilhante.

Continuo, no entanto, a manter intacta a minha capacidade de ser surpreendido quando um voo Lisboa-Porto é “cancelado por falta de tripulação” ou por “motivos técnicos” – e a TAP nada diz aos passageiros e nada esclarece durante o voo, limitando-se a distribuir as pessoas pelos voos seguintes, a contragosto e com má cara, proclamando, depois da aterragem 4 ou 5 horas após a hora prevista, que “a TAP espera que tenham tido um voo agradável”.

E também me surpreendo por ver em Nova Iorque a United Airlines anunciar voos diários para o Porto enquanto a TAP usa os táxis Nova-Iorquinos para orgulhosamente se auto-proclamar como a melhor ligação a… Madrid!

Está aqui bem marcada – para além do puro e simples desrespeito e desinteresse pelos clientes – a herança genética algo sarcástica das empresas que já foram monopolistas e que se habituaram a viver imersas numa cultura de sobranceria incumbente.

E é justamente por isso que não podemos ter ilusões – os pontapés vão ser cada vez mais e com mais força! Já estou a contar com uma avalanche crescente de cancelamentos de última hora (pontapés de penalty) e de “atrasos” para poupar aviões (pontapés de canto); com as faltas de tripulação seguríssimas (pontapés de baliza); com explicações raras e inusitadas (pontapés de bicicleta); com os habituais problemas técnicos (pontapés livres) e, de quando em vez, com umas palavrinhas simpáticas na televisão a propósito da excelência (pontapés na inteligência).

Dizendo-o frontalmente: a TAP/TAL gere o Porto a pontapé e custa tempo e dinheiro em quantidades incalculáveis aos utentes, às empresas e ao país, com a sua ineficiência endémica, com uma má vontade chocante e, ainda por cima, com uma cara de pau nunca vista.

E nós, passageiros contrariados, que temos mesmo que voar para o (e do) Porto várias vezes por semana, a quem foi prometida (e continua a ser apregoada aos sete ventos!) uma ponte aérea confiável, ágil, barata e pontual; nós, que nunca recebemos nenhuma dessas quatro características; nós, que vivemos numa cidade do Porto que merece da TAP/TAL um total desrespeito, só temos vontade de dar um pontapé nos… aviões da TAP/TAL.

0 comentários: