Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

Infelizmente, no futebol não falta gente que odeia o futebol. O ódio ao futebol só pode vingar quando a arbitragem é complacente com quem procura destruir o jogo

Infelizmente, no futebol não falta gente que odeia o futebol. E quem odeia o futebol procura transformar um jogo em que supostamente se enfrentam duas equipas para disputar uma bola e tentar introduzi-la mais vezes do que o adversário na baliza contrária numa coisa bem distinta, em que onze atletas jogam à bola e os outros tentam apenas que não haja jogo enquanto passa o tempo até ao apito final. E, para isso, vale quase tudo: reposições lentas, lesões simuladas, assistências médicas prolongadas. Ontem, no Estádio do Dragão, o ódio ao futebol superiorizou-se ao futebol.
 
Claro que é preciso introduzir outro fator nesta equação. O ódio ao futebol só pode vingar quando a arbitragem é complacente com quem procura destruir o jogo. Foi o que se passou ontem. Na verdade, aconteceu algo pior. Para além de o antijogo ter sido placidamente tolerado pelo árbitro (que só não foi tolerante em relação aos protestos justos de Sérgio Conceição, expulso ao intervalo), ficaram dois penáltis claros por assinalar a favor do FC Porto, um em cada parte (pode vê-los aqui).

(in Dragões Diário, 15 de Setembro de 2018)

0 comentários: