Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

25 de Abril? O que foi (é) isso???

A propósito disto:


O problema não é o 25 de Abril: o país estava atrasado face à Europa e apesar da primavera marcelista pouco ter mudado. Havia muita pobreza, atraso, analfabetismo, poucos cuidados médicos e pouco desenvolvimento industrial e terciário.

O problema foi (É) o pós 25 de Abril.


  • Errado foi o desrespeito pelos nossos valorosos soldados, irmãos, pais, filhos, tios e primos de muitos portugueses que deram a vida ou que defenderam territórios legitimamente conquistados pelos antepassados portugueses.
  • Errado foi o abandono de alguns milhões de portugueses à sua sorte, alguns assassinados com o patrocínio de comunistas e socialistas que entretanto ocuparam o poder.
  • Errado foi ainda hoje permitirmos os comunistas neste governo QUE PERDEU AS ELEIÇÕES.
    • Comunistas que tentaram "oferecer-nos" de bandeja como satélite da URSS. Essa gente, relembro, está no poder hoje! Como estão as filhas de um assassino e assaltante de bancos, um execrável que agora vive de uma reforma dourada e vê as filhas do bloco sanitário de esquerda no poder, vingando-se do que não deixaram o "paizinho" fazer.
  • Errado é termos uma classe política que engorda, engorda, engorda e goza connosco.
  • Errado é pensarmos que agora sim, estamos no caminho certo, tendo um governo de novo a enterrar-nos (por muito que disfarcem, o algodão - dívida pública - não engana), um governo liderado por um partido cujas acções nos trouxeram sempre a bancarrota.
  • Errado é assistirmos às benesses daquela função pública parasita, dos gabinetes, fundações, ministérios, "profissionais" do desperdício e do obscurantismo, que nada acrescentam para além de burocracia (descubram quantos funcionários pululam nos ministérios lisboetas).
  • Errado é percebermos largamente a adesão total de corrupção do Estado e não nos incomodarmos.
  • Errado é o quase impraticável surgimento de alternativas políticas aos partidos do costume, todos lisboetas e cuja visão do país é apenas o que observam do seu postiguinho do terreiro do paço.
  • Num país com cada vez menos portugueses é errado termos grávidas a pagar consultas e aquelas que optam pelo aborto a terem tudo de borla.
  • Errado é recebermos "refugiados", invasores e muçulmanos que odeiam o nosso modo de vida ocidental, dar-lhes todas as condições (até terras agora lhes querem dar) e um casal em início de vida (sobre)vive, com sorte com dois salários mínimos e muitas vezes partilhando casa dos pais porque os bancos só emprestam dinheiro (A FUNDO PERDIDO) a fulanos como um cadastrado, por hoje presidente de um clube de futebol lisboeta, que além de não pagar os milhões que sacou, ainda lhe vê perdoarem essas dívidas. O casal ficaria logo sem casa...
  • Errado foi termos assistido ao assassínio de Sá Carneiro e Amaro da Costa e ainda hoje não se saber que os mandou assassinar.
  • Errado é, por mais que contestem o impossível, termos tido e aceitado um candidato a presidente da república que colaborou com assassinos de portugueses e outro que ocupou esse lugar que calcou a bandeira nacional.
  • Errado é termos hoje um DEMOCRACIA CENTRALISTA E LISBOETA-COLONIALISTA em que as "regiões", consagradas na lei fundamental mas nunca postas em vigor, permitem nesse vazio o esbulho por lisboa, dos seus direitos e verbas comunitárias.
  • Errado é ter como segunda figura de estado um fulano que diz "cagar-se para a (...) justiça".
  • Errado é percebermos que o jornalismo livre é uma miragem e apenas repassa as ideias da extrema-esquerda no poder.
  • Errado é termo um ex primeiro ministro à solta depois de tudo o que nos fez e daquilo que se sabe como se "abonou".
  • Errado é andarmos a pagar por bancos falidos e os seus antigos administradores e gestores passarem pelo meio das pingas.
  • Errado é termos políticos reformados e com mordomias absurdas ao fim de duas legislaturas.
  • Errado é a esquerda achar que é única dona da democracia e da liberdade. 
  • Errado é termos um presidente da república que mais parece uma barata tonta, deslocando-se para todos locais como aqueles jornalistas daquele jornal sensacionalista, esquecendo-se que isso, além de ridículo, esvazia o conceito do cargo, que, por sua vez mais parece o de assessor do governo da extrema-esquerda.
  • Errado é começarmos a perceber que, por força das mordaças desta coisa que está no poder, que repito, perdeu umas eleições que até o Pato Donald venceria, a democracia está cada vez mais atrofiada.
Errado! Tudo errado! Cada vez mais errado. Mais uma vez, os portugueses estão a passar ao lado da história, preferindo o encolher de ombros à acção democrática e livre! 25 de Abril? Afinal celebrar o quê?