Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

Campeões do Mundo

MLYNARCZYK - «PENSEI QUE MORRIA NA BALIZA»


«Viena foi inesquecível, histórico, mas em Tóquio fomos os heróis do sofrimento» Sete graus negativos, 20 centímetros de neve, um jogo de futebol. Na baliza, Mlynarczyk sofreu ainda mais do que os outros. «Pensei que morria na baliza» «Fiz boas defesas e em cada uma delas sentia que ia partir as mãos. Parecia de cristal» «No intervalo meti as mãos numa bacia de água a escaldar. Outros colegas fizeram pequenas fogueiras para aquecer os pés. Nunca vi nada igual num balneário, parecíamos escuteiros» «Todos pensámos que estávamos a entrar em hipotermia. Muitos colegas meus sentiram-se mal depois do jogo, nem conseguimos celebrar convenientemente. Foi um dia de loucos, aliás, toda a preparação foi de doidos» Foi esta a maior vitória de Mly na baliza do Porto? «Não consigo responder a isso. Estive em Viena, joguei a Supertaça Europeia contra o Ajax, fui duas vezes campeão nacional [1985/86 e 1987/88], até marquei um golo de penálti ao Boavista na Taça [18 de maio de 88, 0-0 e 4-5 no desempate por castigos máximos]» Mly saiu do F.C. Porto em 1999 «Tive um convite da federação polaca, sentia saudades de casa e aceitei. Passei muito tempo sozinho no Porto e senti necessidade de voltar para a minha família. Espero que os adeptos não me tenham levado a mal e que guardem boas recordações de mim»