Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

O Islão é intolerante e violento, odiando de morte os Cristãos e todos os não muçulmanos

Iraque: 

o último êxodo dos cristãos de Mossul

Os cristãos tiveram as suas casas marcadas pelos 

extremistas e tiveram de fugir

Pela primeira vez na história do país, a cidade iraquiana 

está vazia de cristãos


Os últimos cristãos que deixaram Mossul 
depois do ultimato dirigido a eles pelos 
jihadistas do autoproclamado Califado 
Islâmico (Estado Islâmico - EI) são quase 
três mil.

Um número muito elevado em relação
às estimativas aproximativas até agora 
feitas, segundo as quais somente 
poucas centenas de baptizados ~
permaneceram 
em Mossul depois de que a segunda 
cidade iraquiana foi ocupada pelos 
insurgentes sunitas.


Foi o que confirmou à Agência Fides o médico Marzio Babille, responsável pelo 
Unicef no Iraque.

A maioria dos cristãos – afirmou o médico – dirigiu-se para o norte, rumo às 
cidades de Tilkif, Batnaya e Alqosh.

Cerca de 40 famílias se moveram para o leste, rumo Qaraqosh. E cerca de outras 
30 foram acolhidas na Província de Dohuk. 20 famílias chegaram a Erbil, capital 
da região autónoma do Curdistão iraquiano, onde foi criando um pequeno centro 
de acolhimento com a arquidiocese caldeia.

ONU

Ontem, o Conselho de Segurança da ONU denunciou a perseguição que os jihadistas 
do Estado Islâmico (EI) mantêm contra as minorias no Iraque recordando que isto 
pode constituir um crime contra a Humanidade.

Em uma declaração unânime, os 15 países membros do Conselho "condenam nos 
termos mais enérgicos possíveis a perseguição sistemática por parte do EI e seus 
grupos partidários de indivíduos pertencentes a minorias e de pessoas que rejeitam 
a ideologia extremista do EI".

"Os ataques sistemáticos e em grande escala contra a população civil motivados 
por sua origem étnica ou religiosa ou por sua fé podem constituir um crime 
contra a humanidade pelo qual os responsáveis terão de prestar contas", afirma 
a declaração.  [daqui]

1 comentários:

Os islamitas estão ainda na Idade Média...Nós já passamos por isto e fizemos o mesmo.
Eles estão ainda a viver no passado, mas em todo o lado, em todos os Países essa intolerância está latente e pode desabrochar...