Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!


GATUNO CONVIDADO: BRUNO PAIXÃO

O gatuno de Campomaior esteve ao nível habitual, ou seja sem categoria. Nesta semana em que Soares Franco condicionou a escolha do árbitro ao tecer críticas à arbitragem num torneio particular, caiu na rifa o gatuno de Campomaior, que todos os Dragões jamais esquecerão. E o bandido fez juz à encomenda: aos oito minutos (!) já dois amarelos a jogadores do Porto. Mas vejamos...

- Aos 27', hilariante decisão ao interromper um perigoso ataque de Adriano para asssitir um Derlei que havia caído um minuto antes perto da área do Porto, quando depois disso o Sporting teve a bola em seu poder... INACREDITÁVEL!

- 53´ Grande penalidade claríssima contra o Sporting por mão de Tonel.

- 67´ Com o jogo interrompido, Liedson agride à bofetada Raul Meireles; a expulsão foi perdoada.

- Vários foras-de-jogo mal assinalados a jogadores do Porto por juízes zelosos da sua clubite.

- Um critério disciplinar idiota e sectário: aos 8 minutos (!) já dois amarelos a jogadores do Porto e expulsão perdoada a Liedson, para já não falar de erros clamorosos no julgamento de faltas, como aquela placagem a Bosingwa à entrada da área....




JORGE COROADO

Ficou uma grande penalidade por assinalar. O árbitro encontrava-se bem posicionado e em condições suficientes para avaliar convenientemente. Terá, no entanto, entendido que foi a bola a bater no braço e não o contrário. O certo é que o movimento foi tenso e suficiente para desviar a trajectória do esférico. Falência de perspectiva e de comunicação também, se considerarmos os novos instrumentos de comunicação entre os elementos da equipa de arbitragem.

ANTÓNIO ROLA

Sim. Independentemente de Tonel tentar jogar a bola com a cabeça, não o conseguindo, veio, posteriormente, jogar a bola com o braço direito, mudando assim a trajectória desta.
Logo, ficou por sancionar uma grande penalidade contra o Sporting.


ROSA SANTOS

Tonel tentou cabecear, mas, não conseguindo, com o braço, desviou a bola da sua trajectória. Grande penalidade, que o árbitro teria de assinalar.


SOARES DIAS

Efectivamente, há motivos para a marcação de grande penalidade contra o Sporting, porque, de facto, Tonel joga a bola com o braço. Se o árbitro tivesse assinalado, não haveria nada a dizer. Não se terá apercebido, talvez por estar encoberto, mas o que fica é uma grande penalidade por marcar.


No final do jogo, Adriano estava irado com o árbitro Bruno Paixão e não o escondeu. Em tom irónico, o avançado brasileiro começou por dizer que o FC Porto não foi prejudicado. “Os critérios é que foram diferentes”, justificou, partindo depois para cima de Bruno Paixão.“Fui impedido de fazer um golo e não sei o que aconteceu. Corria isolado para a baliza e o árbitro parou o jogo. Foi a primeira vez na minha vida que vi algo semelhante. Ia fazer golo e ele parou o lance, porque havia um jogador do Sporting no chão, com as mãos na cabeça. O árbitro agora também é médico”!!!!

Não podemos ainda esquecer o branqueamento destes casos por parte da imprensa lisboeta; só para nota fica a frase do jornalista desportivo da rtp que fazia a cobertura do encontro:
"temos que proteger o arbitro"!!!!!

Assim começou a nova época desportiva... Igual à anterior, como já percebemos...
Já agora, a taça foi ganha por uma equipa medíocre, que marcou no único remate à baliza do adversário, e o Porto, em nítido jogo de início de época promete mas tem muito trabalho pela frente.
Pergunta final: 3 bolas aos ferros neste jogo é pouca sorte; outros três na última vez que lá jogou com o Leiria. Este campo começa a ser pesadelo. Será que as balizas têm o tamanho certo?