Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

Trilho Romântico

Debruçada sobre o rio Douro, a cidade do Porto desfruta de uma estrutura urbanística e paisagística inigualável. As marcas desta especificidade sentem- -se na arquitectura, nos monumentos, nos espaços de lazer e até nas ruas. A proposta de hoje é descobrir o Porto, percorrendo duas das mais emblemáticas artérias da cidade. Porto do romantismo e a fábrica de Massarelos e o prestígio da burguesia compõem o itinerário deste passeio pelos "Caminhos do Romântico".
Antes de iniciar o primeiro percurso, a passagem pelo Palácio de Cristal é indispensável. Composto por um enorme e belo jardim, este espaço engloba ainda a Quinta Tait e a Quinta da Macieirinha, consideradas hoje o coração do romântico portuense. À direita da cúpula central, uma portada em pedra abre caminho para as escadas que conduzem à Quinta da Macieirinha. Aí repousa o Museu Romântico, onde estão recriados ambientes da cidade no século XIX, que ilustram um determinado período de tempo a que se convencionou chamar de "romântico". Na história desta zona jaz a lembrança do surto de peste que pôs em fuga muitas das famílias burgueses que aí viviam, donos de casas senhoriais situadas junto à antiga aldeia de Vilar.
O primeiro percurso inicia-se na Rua de Entrequintas, à direita do portão da Quinta da Macieirinha. O mapa, enriquecido com breves indicações históricas, localiza geograficamente os visitantes no Porto do romantismo. A flora selvagem embeleza os muros, em pedra, que delimitam o percurso. Quando a Rua de Entrequintas se cruza com a Rua da Macieirinha, a vista é privilegiada. No horizonte, o vale é composto pela simbiose entre o rio Douro e o lado de lá, Vila Nova de Gaia. Também se avista uma zona de frondosos arvoredos, uma espécie de intervalo verde entre edifícios e ruas que espelha uma outra faceta da cidade. As portadas de antigas residências, na maioria desabitadas, espelham um cenário de abandono. A ausência de manutenção e limpeza começa a esconder o seu traço original.
A chegada à Rua da Restauração marca o final da primeira jornada. É também nesta rua, flectindo à direita para a Calçada de Sobre-o-Douro, que se entra no quarto percurso a fábrica de Massarelos e o prestígio da burguesia. As muitas obras em curso escondem a beleza de algumas moradias que ainda conservam as antigas fachadas.
Já na parte final da rua, descobre-se uma pequena praceta, o Largo do Adro. Aí se situa a igreja do Corpo Santo de Massarelos. Reza a lenda que os mareantes, entre eles o infante D. Henrique, ao avistarem o fogo de S. Telmo nos mastros da sua embarcação, prometeram edificar uma capela dedicada a esse santo, caso chegassem a bom porto. O painel de azulejos na parte de trás da igreja, onde se vê o infante D.Henrique a venerar S. Telmo, contribui para a crença nesta lenda. O percurso continua pelas escadas que conduzem os visitantes à longa avenida do Cais das Pedras. O cenário edílico proporcionado pelo rio Douro, por vezes embelezado pela passagem da traineira, marca o fim deste passeio.
Outros percursos
O percurso do aproveitamento da água está traçado em torno do vale de Massarelos. A arqueologia rural e industrial percorre a Rua da Macieirinha, até à Rua da Restauração. O percurso do Gólgota a Massarelos parte do pólo universitário rumo ao lugar de Massarelos.
Visitas guiadas
O serviço de visitas orientadas está disponível para grupos, mediante a inscrição no Museu Romântico ou a partir do número 22 606 65 68.
Horário do Museu Romântico
Terça a sábado, das 10 às 12.30 horas e das 14 às 17.30 horas. Aos domingos funciona das 14 às 17.30 horas. Encerra às segundas e feriados.
Preço de entrada
A entrada no museu romântico custa 2,06 euros. Aos sábados e domingos é gratuita.
No dia 8 de Setembro, a Rua da Junqueira, na Póvoa de Varzim, e outras artérias vizinhas recebem o 2.º Festival Nacional de Animação de Rua. Este evento tem como principal objectivo a descoberta de novos talentos e o desenvolvimento de hábitos de animação de rua. Está previsto um mínimo de duas a quatro actuações, com duração entre 20 e 30 minutos cada. O festival começa pela manhã e prolonga-se até às 21.30 horas. Os artistas serão avaliados por um júri e pelo público, havendo prémios para os três primeiros classificados e ainda um "Prémio Especial do Público", que resulta da votação dos espectadores.
O Mosteiro de Leça do Balio, na Rua de Santos Lessa, em Matosinhos, acolhe a feira medieval "Os hospitalários no caminho de Santiago". De 6 a 9 de Setembro, os visitantes terão acesso a ceias medievais com música, saltimbancos e malabaristas. A recriação do casamento do rei D. Fernando com D. Leonor Teles faz parte do programa e decorrerá no dia 9, pelas 16 horas. Haverá ainda visitas guiadas pelo mosteiro e uma conferência dedicada ao tema dos cavaleiros da ordem dos hospitais em Portugal, às 15 horas do dia 7. A actuação de Jordi Svall irá animar a noite de dia 6, a partir das 22 horas. A feira medieval estará aberta entre as 11 e as 23 horas.
O Posto de Turismo da Póvoa de Varzim, situado na Praça Marquês de Pombal, recebe a arte cubana de Noel Dobarganes Pérez. Entre 31 de Agosto e 13 de Setembro, estarão expostos cerca de uma dezena de quadros deste artista. Noel Pérez reside em Cuba, onde se formou em Belas-Artes e onde se dedica à pintura e ao artesanato. Para chegar além-fronteiras e ultrapassar as dificuldades que enfrenta no seu país, este artista cubano tem enviado os seus quadros para exposições no estrangeiro. A sua arte vem agora para o Posto de Turismo e pode ser vista das 9 às 19 horas, nos dias úteis, e durante o fim- -de-semana, das 9.30 às 13 horas e das 14.30 às 18 horas.