Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

BE e PISA, uma relação difícil


No voto de condenação* (?!) do BE pelos resultados dos alunos portugueses no teste de PISA, os deputados do Bloco afirmam o seguinte:
Estes resultados e, em particular, os resultados do PISA 2015 são reflexos de contínuos progressos na Escola Pública ao longo de muitos anos e que, por isso, não podem nem devem ser tidos como produto da ação de um só ministro, de um só governo, de um só conjunto de medidas políticas.
Voltemos atrás e vejámos o que dizia o orgão de informação do Bloco de Esquerda quando saíram os resultados do PISA 2012:
O Bloco teme também queda futura no relatório PISA, com a política educativa do governo PSD/CDS-PP.(…) Sobre os resultados do relatório PISA 2012, conhecidos nesta terça-feira, Luís Fazenda assinala “uma imagem do progresso da escola pública em Portugal, salientando “que este relatório mal abrange este governo”. O Bloco realça que “temos bons resultados” “com uma Escola Pública que tinha um investimento privilegiado (…) “Hoje o que temos com o atual Governo? Um desinvestimento para metade da escola pública e uma tentativa de destruição da escola pública. Tememos que os resultados que aí venham no futuro sejam bastante inferiores com aquilo que tem sido a atual política educativa“, disse Luís Fazenda.
Para todos aqueles que têm pudor em atribuir o mérito destes resultados a Crato (com alguma razão porque existem vários factores, muito sem influência dele), tentem imaginar o que se diria hoje de Crato se em vez de subir, os resultados tivessem descido.
(*nota para os mais excitados: é evidente que o voto de “condenação” foi uma gralha do autor. Uma gralha engraçada, possivelmente um lapso freudiano, mas apenas isso.)

0 comentários: