Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

Um pontapé no traseiro


São pela liberdade, a fraternidade, as dietas que nos tornam bonitos

Lembro-me deles no Maio de ‘68, em Paris, quando iam para as barricadas no Mercedes do papá, a continuar a luta contra o capital. 

Em ‘74 vi-os em Lisboa, assanhados, abençoando Mao Tsé-Tung, o profeta que com a Grande Marcha tinha libertado os chineses das garras dos inimigos do povo. 

Aturei-os na universidade, desgrenhados, sandálias Jesus, rasgando as calças por solidariedade com os "campesinos" da América Latina, e com o mesmo fim trazendo os pertences em sacolas de serapilheira. 

Desde então, vejo que sofrem com o aquecimento e a poluição do Globo, choram de pena porque no Ártico começa a escassear gelo para os ursos, no Brasil e na Indonésia a floresta tropical já não é o que foi. 

São pela liberdade, a fraternidade, a igualdade, a amizade global, as dietas que nos tornam bonitos e saudáveis, a proibição das gorduras, do tabaco, das drogas – talvez nem todas, porque as há que garantem o bem-estar e aumentam a perceção da música. 

E de repente vem um brutamontes estragar tão belas intenções. 

Eleito pela maioria? 

Nada a ver. 

Pontapé no traseiro e rua com ele. 

[ J. Rentes de Carvalho ]

0 comentários: