Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

Para meditar: Os 4 pecados (quase) capitais...

Aviso já que este post é um bocado longo. Estão com pachorra para me aturar? Se estão, óptimo. Se não estão, podem sempre ir ler a Maria ou a Nova Gente ou então ver o programa das manhãs da TVI ou da SIC, que concerteza vão achar mais piada, menos perca de tempo e poderão sempre culturalmente crescer mais um pouquinho ;-P

Como tinha ontem prometido, o post de hoje não iria ser, aliás, não vai ser mesmo ‘para amar’, como costumo dizer entre o meu círculo restrito de amigos. Depois das mais recentes e já não é de hoje ‘porcarias’ que vou vendo pelo reino do Dragão, deixo-vos aqui a minha mais sentida e revoltada opinião sobre os 4 pecados (quase) capitais com o que o ‘meu’ FC Porto se tem deparado desde a mais que já falada, discutida, explorada e confusa, ‘paragem de inverno’.

Então é assim. Quem não deve, não teme… sim!, porque eu não sou, nunca fui, nem nunca serei nenhum ‘chulo’ do futebol, que só anda por lá, naquelas apaixonadas bancadas azuis-e-brancas, ou porque os bilhetes são de borla, ou porque arranja uns convites de patrocinadores, ou por isto ou por aquilo… eu ando lá, desde muito ‘tenrinho’, apenas e só por um motivo: o meu amor ao FC Porto e nunca, repito, nunca lá entrei ‘à salgueiros’. Sempre paguei para lá estar e continuo a pagar, por isso, digo o que quero, o que penso e não sou ‘a voz de nenhum dono’! Adiante.

Estas são então na minha opinião, os tais 4 pecados (quase) capitais da actual situação:

Presidência (actual) da tanga...

Sempre fui, sou e sempre serei um admirador confesso do meu Presidente, do nosso Presidente, do Presidente de todos os portistas: Jorge Nuno Pinto da Costa. Não tenho memória curta, não sou mal agradecido, nem cuspo no prato de quem nos fez ‘gigantes’ na Europa do Futebol. Nesse aspecto, o meu obrigado… aliás, o meu especial e sentido obrigado.

Mas, e há sempre um mas, começa urgentemente a estar na hora de ‘sangue novo’, e quando me refiro a ‘sangue novo’, não estou a falar em mudar por mudar… tem de ser alguém que entre ‘sem
telhados de vidro’, que não tenha medo e se sinta capaz de mostrar toda a nossa força, toda a nossa pujança, todo o nosso orgulho, toda a nossa mística de gentes do norte e Portistas… alguém, que volte a ‘capitalizar’ de nós, esta força única neste país de invejosos: o bairrismo!! Hoje, quando olho ‘lá para dentro’, o que vejo? Silêncio, medo, cobardia, um misto de emoções mais própria de um qualquer clube de carreira, que não do grande FC Porto.

Estou farto de ser ‘enxovalhado’, estou farto de ser ‘gozado’, estou farto de ser ‘caluniado’, estou farto de não ter argumentos para contrariar os ataques que nos movem em cada esquina em que caminhamos… estou farto!! Ando eu a chatear-me para quê afinal? Para eles andarem todos lá dentro a rir-se de nós, da nossa palermice, a chularem-nos, a roubar-nos, a delapidar aquilo que tanto nos custou a conquistar? Elas são escutas, elas são ‘putas’, elas são passivos a aumentar em flecha, elas são camiões de jogadores, elas são jogadores empurrados para fora e outros para dentro sem qualquer explicação, etc, etc… estou farto de muita coisa.

Esta situação que vivemos actualmente, já teria merecido à uns bons valentes de anos atrás, um sério puxão de orelhas do Presidente para dentro e para fora… hoje, ao que vemos, nem para dentro, nem para fora, nem para o lado, nem para cima, nem para baixo. Sinceramente, cada vez acredito menos que algo alguma vez vá mudar. Quero sangue novo e respostas rapidamente… enchi deste ‘silêncio comprometido’!!!

Treinador medroso e confuso...

Contra muitos, desde a primeira hora sempre defendi o nosso treinador: o Prof. Jesualdo Ferreira porque lhe reconhecia méritos enquanto treinador. Hoje, depois de tantas e tantas ‘estupidezes’ juntas, esgotei a paciência no sábado passado quando essa ‘besta quadrada’, se lembrou de tirar o único avançado de jeito que tinha em campo (Adriano), já que o incansável Lisandro estava ausente por lesão, a 15 minutos do fim do jogo e a perder por 0-1!!

Nesse momento, ‘fiz-lhe uma cruz em cima’. Sinceramente, já me convenci que nunca passará de um Queiroz em ponto mais pequenino, que é o mesmo que ‘um eterno adjunto’. O homem não acerta uma e pensa que somos todos pacóvios de uma qualquer aldeola à beira mar plantado… não há ‘caralho’ nenhum lá dentro no clube, da SAD ou do plantel que lhe explique que este clube não é nenhum dos clubezecos por onde ele andou até ter sido resgatado para o nosso mundo?

Primeiro, foi o ‘voto meritório’ para o mês de férias na paragem de Inverno; depois, foi a queda livre em termos físicos dos jogadores; depois é a insistente utilização de Lucho em campo ao longo dos jogos quando ele está todo roto, todo rasgado, todo partido; depois é ninguém, a não ser ele próprio, que compreende as substituições que faz e que leva a equipa sempre para patamares mais baixos; depois é não conseguir incutir nunca na equipa aquela garra, disciplina, aquela mística de que tanto nos orgulhamos. Sinceramente, (mais) uma aposta errada e logo eu que tanto o defendi! Acabou-se-me a paciência.

Jogadores mimados...

Mas alguém compreende que estes mesmos jogadores que quase até ao final de Dezembro, fizeram bons jogos, lutaram, sofreram e conquistaram grandes vitória com bravura e orgulho, hoje sejam um ‘escarro’, salvo raras excepções, que o expoente máximo é o incansável Lisandro, que não se esforçam mas sim se acomodam, não lutam, não cerram os dentes, não partem para cima deles, nada, nada mesmo… são de uma nulidade e de um comodismo a todos os níveis irritantes.

Ele é o Hélton aos cucos… ele é o Lucho a meter dó a vê-lo arrastar-se em campo… ele é o Quaresma a ser um ‘irritante’ dono da bola… ele é um Postiga do mais trapalhão que há… etc, etc, etc. No meio desta miséria toda, salva-se Lisandro e pouco mais, muito pouco mais.

Meninos engravatados e 'in' do Estádio 'chique'...

Uiiii, então aqui, é de bradar aos céus a atitude mais que passiva, tolerante e acomodada dos 'meninos engravatados' do novíssimo, chique e ‘in’ Estádio do Dragão. Hoje em dia, não se pode assobiar, porque os ‘meninos engravatados’ não gostam… hoje em dia não se pode criticar, porque os ‘meninos engravatados’ não gostam… hoje em dia não se pode levantar, porque os ‘meninos engravatados’ não gostam… hoje em dia não se pode insultar, porque os ‘meninos engravatados’ não gostam… hoje em dia não se pode apontar o dedo, porque os ‘meninos engravatados’ não gostam, etc, etc.

O que esses tais 'meninos engravatados' gostam mesmo é de ir para um campo de futebol como quem vai assistir a uma bela ópera, onde a assistência está cheia de cócós
da sociedade, se vestem com roupinha da moda com etiqueta bem visível e se portam como completos anormais ao olhar do mais ‘comum mortal’… cachecol, camisola ou acessório azul-e-branco em cima do corpo, é que nada mesmo!, porque pode estragar a combinação multicolor da benetton, ‘made by’ loja 3-A do Shopping de Cascais. E depois além disso, no final do jogo, vai-se para a noite e é preciso ir-se chique e in. Sem comentários.

A esses, respondo-lhe apenas com um: ‘vão todos pró c******’… eu tenho orgulho em ser Portista, ando de calça de ganga roçada, sapatilha com mais kms que o meu carro, camisola azul-e-branca sempre enfiada e cachecol ao pescoço… e não tenho vergonha de ser quem sou nem de ir a lado nenhum com a minha ‘cor’ vestida! Por isso, ‘vão todos pró c******’. Se querem ópera, vão para o CCB que lá é que é o vosso lugar no meio dos cócós da sociedade tuga!

A mim, ninguém me cala… a mim, ninguém me manda calar… a mim, ninguém me manda sentar… a mim, ninguém me proíbe de criticar. Se o FC Porto está no estado actual que está, muito desse momento se deve a vocês que tudo toleram, tudo permitem, tudo apoiam e com tudo são coniventes… por mim, nunca estará assim. Este não é o meu FC Porto… é o vosso FC Porto!

Ainda no antigo ‘Estádio das Antas’, com aquele mítico Tribunal da Superior Sul que tanto medo provocava, onde tantas vezes gelei o meu ‘traseiro’ ao estar sentado naquelas bancadas geladas, onde tanta chuva apanhei da cabeça aos pés, onde tanto frio apanhei nas orelhas, onde tanto cantei, vibrei e me entusiasmei, onde em tantas tardes ou noites presenciei inesquecíveis vitórias, onde tão poucas vezes sai de lá vergado ao peso de uma derrota… nessa altura, eles vinham cá jogar 'todos borrados de medo'. Os adeptos vinham cá ‘todos borrados de medo’. Hoje em dia, com estes tais adeptos da gravata e do fatinho rosa choque, os tais ‘meninos engravatados’, eles não têm medo de cá vir ou de nos enfrentar de peito aberto… porque sabem que têm a tarefa facilitada. A esses tais ‘meninos engravatados’, deixo-lhes apenas um recado sentido:

A mágica Massa Associativa do FC Porto só pode ter um único espírito:

Sempre Orgulhosa.
Com cultura de luta e garra.
Com cultura de exigência.
Com cultura de ambição.
Com cultura de vontade.
Com cultura de não aceitar desculpas esfarrapadas.
Com cultura de dar a cara.
Com cultura de lealdade.
Com cultura e paixão pelo jogo.
Com cultura de VITÓRIA.
Menos que isto, podes ser adepto do Nacional, do Beira-Mar, dos lagartos ou do clube de ciclistas… entenderam? Ou querem que faça um desenho?


Conclusão…

Pronto.. é isto tudo que me invade a alma neste momento crítico (e já começam a ser tantos nos últimos anos). Se concordam e se revêem nestas criticas, muito bem. Se não concordam, escusam de tentar, porque eu não vou mudar… continuarei a ir ao meu Estádio de “calça de ganga roçada, sapatilha com mais kms que o meu carro, camisola azul-e-branca sempre enfiada e cachecol ao pescoço”. Os outros? continuarão a ir de fatinho e gravata rosa choque!

(chegado por email)

2 comentários:

Quem fala assim não é gago lol
gostei de ler, apesar de não ligar puto ao futebol.
só entrei 1 vez no velhinho estádio das antas, para um jogo porto-benfica - o porto perdeu e fui "irradicada" desde logo (estou a brincar).
apesar de não gostar de futebol, gosto do "espectaculo futebol", o vibrar do público, a emoção, os nervos de toda a gente, as "ondas", os gritos e exclamações em uníssono. Senti-me contagiada nesse dia e gostei.

em relação ao teu texto, devo confessar ke gosto mt do Pinto da Costa essencialmente por causa do humor cáustico e sarcástico.
tudo o mais me ultrapassa, mas tenho ouvido alguns comentários consoantes com os teus.

o verdadeiro adepto não é cego, sabe perfeitamente objectivar e colocar as coisas em perspectiva.

ha...só uma pekena nota, se tivesse convites/ofertas de bilhetes ía + vezes ao estádio...tenho ke confessar

beijo

 

Nota: As expressões contidas neste post não são da minha responsabilidade; o português vernáculo foi a forma utilizada pelo autor, que desconheço (recebi este artigo via email, de um Dragão como eu preocupado)...
O conteúdo, contudo, já faz bastante sentido e em muitos aspectos merecem o meu completo e total acordo!