Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

Miguel Sousa Tavares: Benfica campeão dos jogos florais

• Nenhum benfiquista pode dizer que o seu presidente não é absolutamente infatigável a tentar manter em alta a chama dos benfiquistas espalhados pelo país inteiro e pelas comunidades emigrantes. Já Vale e Azevedo tinha descoberto essa regra elementar: um clube com a dimensão do Benfica não pode passar tanto tempo sem ganhar títulos, nas várias modalidades e, em especial, no futebol. Pelo que, à falta de títulos conquistados em campo, é preciso conquistar, fora do campo, o título de campeão dos jogos florais e isso consegue-se através de duas medidas: estar sempre a arranjar oportunidades para falar e gritar eternamente que, se o Benfica não ganha, é porque os outros fazem batota. Fazem batota em tudo: no hóquei, no básquete, no vólei, no andebol, no atletismo. E, no futebol, não se limitam a fazê-la nos seniores, mas também em todos os outros escalões etários.

Esta semana tivemos mais um bom exemplo desta máxima. Enquanto o presidente do Benfica, de visita a Barcelos, se saía com mais uma repetição daquele disco rachado da «transparência» e «verdade desportiva», em que, segundo ele, o Benfica é campeão nacional absoluto e crónico, lá, de dentro dos campos de futebol, vinham mais uns dolorosos factos: o título de juniores foi à vida, perdido para o FC Porto e, rezam as crónicas, que com toda a justiça; o de juvenis ficou seriamente comprometido com um empate caseiro com o Sporting; e o de iniciados desvaneceu-se numa humilhante derrota por 0-6, também contra o FC Porto. Como não há-de o homem deixar de tocar o seu disco rachado pelo país inteiro, para confortar e sossegar os mais crédulos benfiquistas?

Disse Vieira em Barcelos que, se tivesse ficado calado, o Benfica teria sido campeão (como, porquê, em que jogo?). Mas disse-o por dizer. Ele sabe que a inversa é que é verdadeira: se tivesse sido campeão é que tinha ficado calado. Se tivesse percebido, ao longo da época, que o Benfica tinha superioridade suficiente sobre os rivais para poder ser campeão, não tinha andado a vender a lenda do Apito Dourado pelas chafaricas do Portugal profundo. Não se lembram de o ter ouvido dizer que a arbitragem tinha melhorado, quando o Benfica foi campeão em 2005?


João Botelho e Cª fartaram-se de esperar que a justiça funcione. Tão ou mais impacientes que o próprio presidente do Benfica, eles estão cansados de esperar que a Dr.ª Maria José Morgado consiga provar que o campeão europeu de 2004 precisou de corromper o árbitro para vencer no Dragão um Estrela da Amadora já condenado à descida. Ou que o Ministério Público consiga pôr de pé uma acusação fundada na credibilidade testemunhal da D.ª Carolina Salgado e que não seja sumariamente desfeita em tribunal. Ou que o CD da Liga invente poderes instrutórios próprios e capacidade de investigação criminal adquirida ad hoc para lhes servir numa bandeja a tão esperada vingança de anos a fio de humilhação desportiva de todos os benfiquistas. A vingança tarda e não há como a arte ao serviço da verdade e do povo.

Assim, o João Botelho teve a genial ideia de se substituir à justiça, levando ele o Apito Dourado para o cinema. O título anunciado — Corrupção — diz tudo sobre as preocupações de justiça e verdade de tão cívica empreitada. Antes mesmo de qualquer acusação, de qualquer hipótese de defesa pública, ele já tratou do julgamento e da sentença.

Sabendo-se como em Portugal, todos os cineastas são bissextos, eu fico contente por saber que o João Botelho conseguiu encontrar uma ideia genial para um filme. É mesmo um filão a explorar no futuro, quem sabe, com um novo filme, de título Prisão, versando as aventuras de Vale e Azevedo e os seus apoiantes de então…Por outro lado, também fico contente por saber que este será um dos raros filmes portugueses que não precisa (e certamente não irá ter…) subsídio dos contribuintes.

É que, com seis milhões de benfiquistas, e alguns verdadeiramente militantes como o Barbas — capaz de assistir, de lágrima no olho, a sessões contínuas — está garantido o êxito.


• Faço sempre um esforço consciente para distinguir, quando critico alguém, os aspectos públicos dos privados. Isto é, não faço críticas de carácter pessoal, mas apenas à actividade pública, profissional, dos visados — o que é completamente legítimo. Por exemplo: Ricardo, o guarda-redes do Sporting e da Selecção. Critiquei-o algumas vezes no passado, como guarda-redes e nada mais, e, por isso, consigo reconhecer, com toda a normalidade, que ele foi o melhor guarda-redes do campeonato, este ano. A experiência diz-me que isto não é compreendido pela generalidade das pessoas que andam no futebol, e, em particular, pelos jogadores. Estão habituados a só ouvir elogios ou silêncios, quando mereciam críticas. Alguns acham que têm o mundo aos pés e que estão acima do direito de crítica — mesmo alguns que viveram ou jogaram no estrangeiro e que sabem que lá a crítica não é tão branda nem tão hipócrita como aqui. Paciência, só resta esperar que aprendam que não são mais do que os escritores, os pintores, os músicos, os arquitectos, os políticos, qualquer um que desempenhe uma profissão ou uma função pública.

Vem isto a propósito da morte de Adriano Pinto, que anos, décadas a fio, foi presidente da Associação de Futebol do Porto. Li diversos obituários e opiniões sobre ele, mas em nenhum deles, alguém, nem sequer os seus inimigos de sempre, se atreveram a criticá-lo. É um hábito bem português: quando morremos, todos passamos a ser santos. Ora, eu não conheci o homem, que me merece o respeito devido a todos, mas conheci, de fora, o dirigente. É evidente para mim e para todos os que olham o futebol de fora, sem jamais aspirar a nada do que continuar a ser espectador, que Adriano Pinto representou um tipo de dirigente desportivo que nada trouxe, antes pelo contrário, ao crédito e prestígio que todos reclamam para a indústria do futebol. Que ninguém tenha sido capaz de o dizer, preto no branco, demonstra até que ponto essa indústria continua a ser um mundo fechado, de cumplicidades, conivências e solidariedades obscuras, em que os gritos de «moralização» ou «transparência» não passam de tiros de pólvora seca de quem episodicamente está a perder e quer voltar a ganhar. Soube agora que o Presidente Jorge Sampaio o condecorou com uma qualquer medalha de mérito, em 2005. Foi um dos 30.350 (!) comendadores que os nossos Presidentes da República resolveram distinguir nos trinta anos de democracia que levamos. E, se assim foi, devo ser eu que estou errado.

0 comentários: