Kosta de Alhabaite

Nortenho, do Condado Portucalense

Se em 1628 os Portuenses foram os primeiros a revoltar-se contra o domínio dos Filipes, está na hora de nos levantarmos de novo, agora contra a colonização lisboeta!

Perdemos para a Catalunha...

Um júri internacional nomeado pela UNESCO decidiu hoje não considerar a candidatura conjunta apresentada por Portugal e Espanha para que a tradição oral galaico-portuguesa seja reconhecida como Património Imaterial da Humanidade. (Para saber mais consultar aqui: http://www.opatrimonio.org/pt/principal.asp)
Preferiram escolher uma qualquer festa da Catalunha...


Publico aqui o Manifesto de apoio à Candidatura de património Imaterial Galego-Português:


UM PATRIMÓNIO PARA O FUTURO !
O ponto mais avançado da Europa, o Noroeste da Península Ibérica, onde os suevos estabeleceram o primeiro reino, dentro do Império Romano, foi sempre um lugar densamente povoado. Com anterioridade, aqui floresceu uma cultura céltica, a cultura dos castros. É um fim do mundo, onde chegaram sucessivas vagas de povos que, uma vez aqui, aqui ficavam, pois não podiam continuar para além do mar, aquele mar onde morria o sol, todas as tardes. É uma esquina da Europa que não é lugar de passagem, mas receptáculo em que se foram integrando elementos diversos, de forma continuada. A cultura deste lugar está marcada pela contradição entre a terra e o mar: o continente euro-asiático e o oceano Atlântico. Por terra chegaram sempre, desde o Oriente, vagas culturais, o bronze, o ferro, Roma, os suevos, o Sacro Império..., pelo mar também chegaram gregos e romanos mas, sobretudo, por ele viajaram e comerciaram os povoadores deste Noroeste peninsular.
O facto de ser um Finisterrae pouco comunicado, fez com que aqui durassem mais tempo os ciclos históricos, com que a História vivesse aqui, em câmara lenta. Em muitos sentidos, a cultura própria do Noroeste é uma síntese da civilização romana: as próprias falas desta zona estão, ainda, muito perto da sua origem romana, e também conserva, como num eco antropológico, as raízes do mundo germânico europeu que ergueu, no seu tempo, o mundo feudal e perdurou aqui, até aos nossos dias, como uma cosmovisão, na cultura popular. Foi a este Noroeste onde chegou, através do Caminho de Santiago, a torrente da cultura europeia, de Carlos Magno até à Reforma e à Contra-Reforma.
Aqui vemos que o mais especificamente nosso é, precisamente, a cultura europeia mais profunda. Aquilo que aqui ainda permanece conservado para além do seu tempo histórico é, para nós, parte também deste tempo actual que vivemos, adultos e crianças.
São, precisamente, as crianças o centro do projecto que apoiamos. O projecto pretende, antes de mais nada, desenvolver a estima pelo património cultural rico e complexo que herdámos e, também, estimular a curiosidade para o conhecimento dos vizinhos, para além das fronteiras. O respeito por nós próprios e o “re-conhecimento” dos outros.
E, com este propósito de educar gerações que sabem viver no seu tempo, sendo leais com o seu passado, queremos que o mundo inteiro, através da proclamação pela UNESCO como Obra-Mestra do Património Oral e Imaterial da Humanidade, reconheça AS TRADIÇÕES ORAIS GALEGO-PORTUGUESAS – uma rica literatura de tradição oral, a cultura marítima que manteve os vínculos entre ambas as comunidades, o espírito comunitário presente nas actividades agrárias tradicionais e as variadas expressões lúdicas, festivas e de lazer. Todos estes âmbitos englobam uma cultura comum que satisfaz as condições estabelecidas pela UNESCO: ser uma cultura ainda viva mas em perigo de desaparecimento e enraizada numa tradição com manifestações de excelência.Conseguir esta proclamação vai permitir a valorização da cultura tradicional, que aqui tem uma enorme densidade, como factor de dignificação, de orgulho e como marca de identidade. Terá efeitos positivos no desenvolvimento endógeno e sustentável de todo o território onde se manifesta esta cultura.Através desta proclamação, a cultura nascida neste território será motivo de orgulho, em todo o mundo para aquelas pessoas e para aqueles países que nela se revêem e a reconhecem como parte integrante da sua própria identidade.


ASINANTES DO MANIFESTO

Suso de Toro-Escritor galego (
1993 Prémio da Crítica Espanhola/1997 Prémio Blanco Amor/2000 Prémio da Crítica Espanhola).


José Saramago-Escritor português (
Premio Nobel de Literatura, 1998).


Mário Claudio-Escritor português (
Grande Prémio da Associação Portuguesa de Escritores 1985/ Prémio Nacional de Ilustração 1996/ Prémio PEN Clube de Ficção 1997 / Prémio de Crónica da Associação Portuguesa de Escritores 2001 /Prémio Pessoa 2004).


Nélida Piñón- Escritora brasileira (Prémio PEN Clube 1985 / Doutora honoris causa por varias universidades, como a de Poitiers (França), Montreal (Canadá) e Santiago de Compostela,Galiza (Espanha) / Prémio Príncipe de Asturias das Letras 2005 / Primeira mulher presidenta da Academia Brasileira das Letras. A sua obra reflecte a presença da cultura e do património galego-português no Brasil.


Vasco Graça Moura-Escritor português- (Prêmio Pessoa 1995 / Prêmio de Poesia do PEN Clube 1997 / Grande Prêmio de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores 1999 / Medalha de Ouro da Cidade de Florença pelas suas traduções de Dante 1997 / Coroa de Ouro do Festival de Poesia de Struga (Macedônia 2004 / Membro efetivo da Académie Européenne de Poésie (Luxemburgo).


Manuel Rivas-Escritor galego (1990- Prémio da Crítica espanhola / 1994- Prémio da Crítica galega / 1996- Prémio Nacional de Narrativa).


Ramón Chao-Jornalista e escritor francês (nascido na Galiza ) - Cabaleiro das Artes e das Letras pelo governo de França em 1991.


Manu Chao-Artista francês ( de origem galega ) - O património imaterial galego-português está presente nalguma das suas composições.


Ignacio Ramonet-Profesor ( nascido na Galiza) - Director de Le Monde diplomatique, Doctor em Semiologia e em Historia da cultura por l’Ecole des Hautes Etudes en Sciences sociales (EHESS) Paris, Catedrático de teoria da comunicação, Universidade Denis-Diderot ( Paris-VII), Fundador e presidente da Organização não governamental ATTAC, Fundador e presidente da Organização não governamental MEDIA WATCH GLOBAL (Observatório internacional dos médios, promotor do FORO SOCIAL MUNDIAL de Porto Alegre.


Uxia- Artista galega - Importante trabalho musical sobre o património imaterial galego-português.


José Garcia-Actor francês ( de origem galega ) - Prémio Jean Gabin 2001 .


Manuel Dios Diz (professor) - Presidente do Seminario Galego de Educación pola Paz, Presidente da Fundación Cultura de Paz na Galiza


Federico Mayor Zaragoza - Ex director Xeral da UNESCO, Presidente da Fundación Cultura de Paz

0 comentários: